6 de maio de 2011

“Jesus, o que foi que eu fiz?” a experiência traumática da estrela do rock Steve Tyler com o aborto

“Jesus, o que foi que eu fiz?” a experiência traumática da estrela do rock Steve Tyler com o aborto

4 de maio de 2011 (Notícias Pró-Família) — Muito antes de receber elogios como juiz do programa de televisão American Idol [um caçador de estrelas], Steven Tyler era uma genuína estrela do rock, com tudo o que isso implicava. Em 1975, quando ele estava com quase 30 anos de idade e era o vocalista da banda Aerosmith, Tyler persuadiu os pais de sua namorada de 14 anos, Julia Holcomb, a fazer dele o guardião legal dela a fim de que eles pudessem viver juntos em Boston.
Steve Tyler
Quando a senhorita Holcomb e Tyler conceberam um bebê, o amigo dele de longa data Ray Tabano convenceu Tyler de que o aborto era a única solução. Na “autobiografia” da banda Aerosmith Walk This Way (em que recordações de todos os membros da banda e seus amigos e amantes, foram coletadas pelo autor Stephen Davis), Tabano diz: “Então eles fizeram o aborto, e realmente atrapalhou a vida de Steven porque o bebê era menino. Ele… assistiu ao procedimento de aborto, que atrapalhou muito a vida dele”.
Tyler também reflete em sua experiência de aborto na autobiografia. “Foi uma grande crise. É uma grande coisa quando estamos criando algo com uma mulher, mas nos convenceram de que nunca daria certo e arruinaria nossas vidas… Fomos ao médico, onde enfiaram uma agulha na barriga dela, e injetam o conteúdo na barriga dela, enquanto eu estava lá assistindo. E o bebê saiu morto. Senti-me devastado. Na minha mente, eu estava dizendo: ‘Jesus, o que foi que eu fiz?’”
O Manual Diagnóstico e Estatístico de Desordens Mentais define um acontecimento traumático como: “1. A pessoa experimentou, testemunhou ou se defrontou com um acontecimento ou acontecimentos que envolveram real ou ameaçada morte ou sérios danos físicos, ou uma ameaça à própria integridade física ou de outros. 2. A resposta da pessoa envolveu intenso medo, impotência ou terror”.
Aqueles que apoiam o direito de fazer aborto nos garantem que complicações depois do aborto são um mito. Mas Steven Tyler penetra essa espessa névoa de negação e fala sem rodeios: Jesus, o que foi que eu fiz?
Esse é o grito de um pai depois da experiência do aborto, um pai cuja íntima exposição à realidade do aborto se encaixa na definição clássica de trauma — conforme definida pela mesma Associação Americana de Psiquiatria que nos garante que o aborto é um procedimento seguro sem nenhum efeito negativo na saúde mental de um homem ou de uma mulher.

Anestesie seus sentimentos e fuja

O que ocorre com alguém que se expõe a um acontecimento traumático e não consegue processar as imagens e memórias dessa experiência e curar as feridas psíquicas? Provavelmente, essa pessoa anestesiará seus sentimentos, fugirá e manifestará questões não resolvidas do trauma.
Não há ocupação mais fácil em que reagir desse jeito ao trauma pós-aborto do que a de uma estrela do rock nas décadas de 1970 e 1980.
Depois do aborto, Tyler iniciou um caso ardente com Bebe Buell, modelo da revista Playboy, enquanto ainda visitava Julia, a mãe de seu filho abortado. Se você estava tentando imaginar o que aconteceu com Julia (que é mencionada como Diana Hall no livro) depois desse procedimento que pela aparência é psicologicamente seguro, Bebe nos diz: “No período em que eles estavam se separando, a pobre Diana fazia muitas ligações telefônicas ameaçando se suicidar. Foi realmente um tempo muito triste”.
E como Steven estava lidando com isso?
Ele viajou numa turnê de concertos na Europa, acompanhado por Bebe, que nos diz: “Ele estava louco… totalmente bêbado, realmente fora de si… Steven destruiu seu camarim em Hammersmith… quando voltamos da Europa… Certa noite eu o encontrei no chão de seu banheiro tendo um ataque de drogas. Ele estava se contorcendo de dor”.
Em seguida, veio um período em que ele passou muitos dias doidão em enormes doses de uma droga sedativa e hipnótica a base de barbitúricos. Ele diz: “Eu costumava comer quatro ou cinco vezes por dia… e foi bom por dois meses… essa é a razão por que tenho total perda de consciência desse período”.
Essa é a receita anormal para se lidar com estresse pós-traumático: Tome doses pesadas de drogas para anestesiar as memórias e sentimentos — e jogue uma parte da raiva tóxica nos parceiros de banda ou de quartos de hotel. Raiva, principalmente nos homens, é muitas vezes um sinal não diagnosticado de depressão e tristeza reprimida que precisa de uma expressão saudável e cura. Muitos pais depois de passar pela experiência do aborto nos dizem que o controle da raiva era um grande problema para eles depois de um aborto.
Então Bebe Buell engravidou de Tyler. Ela percebeu que seria impossível criar uma criança com ele, considerando o uso de drogas fora de controle e estilo de vida de rock-and-roll dele. Ela voltou para seu ex-amante, o compositor, produtor e músico Todd Rundgren, que concordou em fazer o papel do pai da criança e manter em segredo a paternidade de Tyler. A filha deles, que veio a se tornar a atriz Liv Tyler, nasceu em 1 de julho de 1977.

Trauma e cura

Para muitos homens e mulheres que passaram pela experiência do aborto, a ansiedade ligada ao aborto pode vir à tona em ocasiões inesperadas, provocadas por acontecimentos tais como uma gravidez subsequente, a morte de um bicho de estimação, ou alguma outra pessoa, lugar, ou coisa que de alguma maneira nos liga à memória traumática.
Anos mais tarde, quando Tyler se casou, e ele e sua esposa estavam esperando seu primeiro filho, ele ainda sofria a perseguição de memórias do passado ligadas ao aborto: “Afetou-me mais tarde… Eu tinha medo. Eu achava que minha esposa daria a luz uma vaca com seis cabeças por causa do que eu havia feito com outras mulheres. A culpa real era muito traumática para mim. Ainda sofro”.
Nos Ministérios Vinha de Raquel, nós muitas vezes vemos homens e mulheres muitos anos depois de um aborto, quando eles estão prontos para dar uma olhada nesse segredo e canto escuro de suas almas. A maioria das pessoas não consegue decifrar as partes fragmentadas e desconjuntadas de suas vidas após um aborto até entrarem num curso de cura. Tragicamente, os que fazem propaganda do aborto em nossa cultura trabalham dia e noite para garantir que nunca se façam essas conexões.
Apesar da oposição, os pais, avós e irmãos que passaram pela experiência de um aborto estão encontrando seu caminho para cursos de cura no mundo inteiro. Ao viajarem juntos no processo de cura, eles aprendem uns com os outros e apoiam-se mutuamente. Eles descobrem que as partes fragmentadas de suas vidas começam a se encaixar e fazer sentido. Isso pode ser um dos motivos por que é tão difícil reagir à propaganda do movimento pró-aborto. Muitas vezes, é só depois da jornada de cura que homens e mulheres conseguem ver a íntima conexão entre seus abortos e seus problemas emocionais, vícios e outros sintomas pós-aborto.

Ainda um fã

Cresci com a música de Aerosmith como adolescente na década de 1970 e continuo a ter um grande respeito pelo talento de composição e desempenho musical de Steven Tyler. Suas ações no aborto de seu filho foram muito erradas, e ele sofreu as consequências, pois sua vida foi caindo num lamaçal de vício e destruição de si mesmo. Felizmente, Tyler foi tratado com sucesso por seu vício de drogas em 1986.
No centro da cura pós-aborto está a purificação de um coração ferido. O pai ou mãe, depois de uma experiência de aborto, precisa se libertar da vergonha, culpa e sofrimento antes que ele ou ela consiga abraçar o bebê em gestação com amor. Vamos esperar e rezar para que esta estrela do rock e juiz do programa American Idol consiga fazer as pazes com sua perda do aborto e encontrar perdão e reconciliação com Deus e seu filho abortado — e que ele usará então seu talento e influência considerável para convidar para a cura outros pais depois de uma experiência de aborto.
— Kevin Burke, LSW, é o fundador dos Ministérios Vinha da Raquel e um sócio pastoral da organização Padres pela Vida. Esse artigo foi publicado pela primeira vez na National Review Online.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

3 comentários :

Resolução de Problemas disse...

Julio você não vai fazer uma matéria sobre a decisão do STF em reconhecer a união gay como sendo semelhate à união heterossexul? O STF foi unânime na sua decisão!!!
Que DEUS tenha misericórdia de nós!!

Anônimo disse...

Júlio, você está sabendo que STJ aprovou a união civil entre pessoas do mesmo sexo?

Fábio

Renato disse...

Prezado Júlio, para ter uma ideia de como as coisas são: enquanto o seu blog dá destaque à confissão de tormento pelo aborto, no portal UOL, o mesmo livro teve o seguinte destaque "Steven Tyler admite já ter feito sexo com homem" (http://virgula.uol.com.br/ver/noticia/famosos/2011/05/05/274803-steven-tyler-admite-ja-ter-feito-sexo-com-homem)