5 de abril de 2011

Discriminar é ordenar

Discriminar é ordenar

Marcos Pontes
Maniqueístas que somos, culpa da educação primária que nos convence que só existem o preto e o branco, o bem e o mal, o certo e o errado, não nos habituamos a ver as nuances, as entrelinhas. Fazer análise de dados é para poucos, muito mais cômodo é aceitar, sem questionar, as interpretações alheias.
Três palavras têm-se tornado a base do novo raciocínio coletivo ocidental: discriminação, preconceito e igualdade, sem que as massas sequer procurem entender a morfologia delas, as palavras.
Discriminar nada mais é do que diferenciar, distinguir, descrever, especificar. Se elefante é elefante e formiga é formiga, para que você se faça entender não deve dizer que a formiga usa a tromba para banhar-se. Cada substantivo e adjetivo diferencia as coisas umas das outras e essa diferenciação é essencial para que haja ordem. No pensamento politicamente correto, não nascido hoje, apenas tido como a forma correta de pensar nessa nova ordem mundial, deu uma conotação negativa à discriminação, como se toda ela fosse nociva à dignidade humana. Se você me chama de Raimundo, não o atenderei, não por ter algo contra os Raimundos, mas por não chamar-me Raimundo. Seu nome e sobrenome ajudam a discriminá-lo, diferenciá-lo, dos seus homônimos.
Quem criou o conceito de raças humanas vermelha, branca, negra e amarela? Com finalidade científica essa classificação sempre foi aceita em todo o mundo ao redor do planeta sem jamais haver acusação de racismo contra seu autor. Hoje, cientificamente, já não há uma classificação de humanos por raça, mas por etnia ou cor da pele, todos pertencentes à mesma raça, a humana. Mas algum preconceituoso às avessas dá-se ao trabalho de conhecer a ciência, ela atrapalharia seus planos de criar um terrorismo social.
Igualdade, mais do que um conceito, é uma utopia. Mostre-me duas plantas, dois animais, duas nuvens, dois gêmeos univitelinos iguais. Não existem! Nem mesmo duas folhas de papel fabricadas pelas mesmas máquinas a partir do mesmo lote de celulose são iguais. Assim são os indivíduos, ou alguém gostaria de ser tratado igual ao seu irmão ou à velha louca do segundo andar?
Não há e nem deveria haver igualdade entre as pessoas. Os países tidos comunistas até tentaram tratar todos, pelo menos a ralé política, do mesmo modo, vide os uniformes sociais coreanos e chineses. Alguém poderia, em sã consciência, defender que isso fez bem àquelas populações?
Se todos fôssemos engenheiros, como viveríamos sem pedreiros? Se todos fôssemos médicos, quem seriam as enfermeiras?
Nesse discurso pela igualdade, como se a imposição por meio de leis mudasse o íntimo do indivíduo, chega ao ridículo de pregar tratamentos diferentes para se provar que somos todos iguais, como se cada pessoa se resumisse à cor da pele, ou à orientação/opção/determinação sexual, ou à classe social.
Para que haja igualdade de tratamento não há necessidade que sejamos pessoas iguais, muito menos legislação punitiva, senão educação. Não a educaçãozinha ideológica de regimes totalitários, mas educação analítica e questionadora. Educação, porém, não é o forte desses vermelhinhos que proliferam nos comandos mundo a fora.
Em relação à discriminação excludente pela cor da pele já existe a Lei Afonso Arinos há mais de 30 anos, aplicada incontáveis vezes, mas foi suficiente para acabar com essa imbecilidade? Não, e nem será enquanto as educações formal e familiar não tiverem compromisso com a cidadania. O resto é lavagem cerebral coletiva para a imposição de valores deturpados, algo mais doutrinador do que educativo.
Divulgação: www.juliosevero.com
Lobo em pele de ovelha: O Estado policial e sua ameaça de leis antidiscriminação

3 comentários :

Gabriel Nunes disse...

Julio, você está acompanhando o que está acontecendo no Brasil no tocante ao Dep. Bolsonaro? Estou admirado de ainda não ter visto nenhuma postagem tua a respeito.

Esse é um dos casos mais escabrosos de perseguição política por alegação de homofobia e racismo que já vi a mídia, o governo, os movimentos sociais (governo também) e a "intelectualidade" fazerem.

Tudo que o Bolsonaro disse é lícito, exceto a última pergunta que ele não entendeu e acabou por responder uma coisa que não tinha nada a ver, e com isso ficou parecendo racismo.

Acho que seria interessante fazer uma postagem a respeito.

vagner disse...

Gabriel Nunes, concordo com voce. Em primeiro lugar quero dizer que tirando a tortura e a ditadura, apoio tudo o que o Jair Bolsonaro disse, e ja que esse blog não concorda com a pratica do homossexualismo ta na hora de apoiar o Jair, detalhe, ele não é crente.

Gabriel Nunes disse...

Realmente, Vagner, eu esqueci de falar sobre a tortura.

Não concordo com a tortura, a não ser extraoficialmente no caso, por exemplo, do Bin Laden ter escondido uma bomba atômica programada para explodir em algum lugar do planeta. A pessoa que se disser contra a tortura nesse caso, não está sendo racional, fora isso, devemos prezar pela democracia SEMPRE. É a coisa do mal maior e mal menor.