29 de abril de 2011

Bispos franceses apoiam duas organizações de aborto na América Latina

Bispos franceses apoiam duas organizações de aborto na América Latina

FRANÇA, 18 de abril de 2011 (Notícias Pró-Família) — A hierarquia católica francesa está apoiando pelo menos duas organizações de aborto na América Latina por meio de sua agência internacional de desenvolvimento, conforme LifeSiteNews ficou sabendo.
O Comitê Católico contra a Fome e para o Desenvolvimento (Comité Catholique contre la Faim et pour le Developpement ou CCFD), que é sustentado em parte por dinheiro coletado em paróquias francesas durante a quaresma, está apoiando a organização feminista pró-aborto INDESO Mujer na Argentina, e também a organização pró-aborto Centro de Estudos Sociais e Culturais Antonio de Montesinos, de acordo com o site do CCFD.
As duas organizações foram desmascaradas por Jean-Pierre Moreau, autor do livro “Terrorismo Pastoral”, que critica a influência da Teologia da Libertação na França. Em seu blog com o mesmo nome, Moreau comenta que seu livro anterior, “Igreja e Subversão”, revelou em primeira mão organizações pró-aborto financiadas pelo CCFD em 1985, e acusa a organização de continuar a política. As recentes revelações inéditas de Moreau foram republicadas na blogosfera francesa em meio a pedidos para que o CCFD seja boicotado.
A própria investigação de LifeSiteNews verificou que, de acordo com o próprio site do CCFD, as organizações estão entre suas beneficiadas, e que ambas estão fortemente envolvidas em ativismo pró-aborto.

Ativismo pró-aborto na Argentina

INDESO Mujer, que significa Instituto de Estudos Legais e Sociais sobre Mulheres, vem sendo financiado por pelo menos vinte anos pelo CCFD, e recebe dinheiro para o “desenvolvimento de relações entre homens e mulheres para mais igualdade” (veja a lista oficial dos beneficiados do CCFD na página 5). O CCFD não registra o tamanho da doação para essa organização.
A primeira página do site de INDESO Mujer contém uma seção sobre “Direitos Sexuais e Reprodutivos” que inclui “o direito ao aborto seguro e legal”.
Na mesma página a organização também faz a defesa de posturas que são contrárias a outros aspectos da moralidade sexual sustentados pela Igreja Católica, inclusive “acesso à contracepção segura e eficaz” e uma grande variedade de “direitos” que inclui “prazer sexual, que inclui masturbação” e o direito à “livre associação sexual” com outros.
A página faz anúncio da participação de INDESO Mujer na 28ª Campanha Anual pela Descriminalização do Aborto na América Latina e Caribe, e oferece um livro online sobre “direitos sexuais e reprodutivos” que faz a defesa dos lemas “educação sexual para decidir, anticoncepcionais para se evitar o aborto e aborto legal para se evitar a morte” e “aborto legal, seguro e livre”. (pág. 21, 19 de pdf).
O mesmo manual afirma que as pessoas têm um direito às “relações sexuais independente da idade, estado civil ou modelo familiar” e um direito a uma “sexualidade prazerosa e recreativa independente da reprodução”. (pág. 24, 22 de pdf)
Além disso, a organização dá o link para uma edição de sua revista “La Chancleta”, que é dedicada à defesa dos “direitos sexuais e reprodutivos”, inclusive o aborto.
Moreau discute o apoio do CCFD ao INDESO Mujer num vídeo postado em seu blog, que pode ser encontrado aqui.

Ativismo pró-aborto no México

O CCFD também apoia a organização pró-aborto Centro de Estudos Sociais e Culturais Antonio de Montesinos (Centro de Estudios Sociales y Culturales Antonio de Montesinos) de acordo com sua lista oficial de beneficiados, página 7. O propósito do financiamento é também alistado como a promoção da “igualdade” entre homens e mulheres.
O Centro Montesinos é membro do Observatório Eclesial, uma organização que se opõe ao ensino da Igreja Católica sobre a vida humana e a família. Entre os membros do Observatório Eclesial estão também quatro outros grupos, inclusive “Católicas pelo Direito de Decidir”, uma organização denunciada várias vezes por bispos católicos por apoiar a legalização do aborto e distorcer o ensino da Igreja sobre o assunto.
O Observatório Eclesial faz pressões políticas e legais para que o aborto seja legalizado no México, e lançou um panfleto apoiando a legislação de aborto legal da Cidade do México em 2008, intitulado “Aborto: aspectos sociais, éticos e religiosos”, que denunciou a Igreja Católica por sua oposição ao aborto.
Na página 3, o panfleto diz que embora o aborto não seja bom em si, “o prosseguimento de uma gravidez não planejada ou indesejada, que muito provavelmente representa uma ameaça à vida física e mental da mulher, do casal, da família e até da sociedade, não pode também ser considerado desejável”.
“A oposição da hierarquia católica e de algumas associações civis à interrupção legal da gravidez, sem levar em consideração as circunstâncias, constitui falta de compreensão e falta de conhecimento atualizado sobre o assunto, e também falta de caridade e misericórdia”, o panfleto declara na página 15.
O nome do Centro Montesinos, junto com Católicas pelo Direito de Decidir, aparece na página 2.
LifeSiteNews verificou que o Centro é também signatário de um relatório pró-aborto que foi também assinado por grupos apoiados pela Organização Católica de Desenvolvimento e Paz (D&P) do Canadá: O Relatório das Organizações da Sociedade Civil sobre a Situação dos Direitos Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais do México (1997-2006) (Informe de organizaciones de la sociedad civil sobre la situación de los derechos económicos, sociales, culturales y ambientales en Mexico).]
Conforme reportagens de LifeSiteNews do passado, o relatório declara que é “urgente e necessário que se façam avanços em todos os estados com o objetivo de ampliar a base dos abortos legais com o propósito de nivelá-los no pais inteiro” (página 189 do pdf, 188 do documento), e repete o mesmo sentimento na página 104 do documento. Na página 134 do documento há a defesa da realização de abortos em hospitais públicos. O Centro Antonio de Montesinos assinou o relatório como um “apresentador” em vez de meramente como um grupo que “apoia” o relatório.
Informações de contato:
CCFD-Terre Solidaire
4, rue Jean Lantier
75001 Paris
Tel : 01 44 82 80 00
Fax : 01 44 82 81 43
Email:
Monsenhor André Vingt-Trois, Arcebispo de Paris, Presidente da Conferência dos Bispos da França
communication@diocese-paris.net
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Um comentário :

Chamelly Sobreira disse...

''”o panfleto diz que embora o aborto não seja bom em si, “o prosseguimento de uma gravidez não planejada ou indesejada, que muito provavelmente representa uma ameaça à vida física e mental da mulher, do casal, da família e até da sociedade, não pode também ser considerado desejável”''

Que grande palhaçada! Gravidez 'indesejada' se previne, e na maioria dos casos essas mulheres engravidam é de uma relação fora do casamento, e as jovens por uma noite com um sujeito que mal conhece, que conhecem na balada.

Digamos a verdade: Isso se chama falta de vergonha na cara e safadeza.

Abortar crianças é CRIME, feministas, bispos doentes, e mulheres irresponsáveis!

Esse assunto tem a verdade distorcida dentro de igrejas, em escolas e é influenciada pela sociedade como algo normal, uma saída para o problema (o bebê).

Não quer ter filho? A maneira mais fácil de se conseguir isso é abster-se de relações sexuais.

Matar uma criança por ser irresponsável (traições, sexo sem compromisso)é um absurdo, e não consigo aceitar isso de maneira alguma.

E esses bispos? Nem sei o que falar desses seres.

FEMINISTAS, SEGUIDORAS, APOIADORES E BISPOS QUE A APÓIAM: VOCÊS SÃO DOENTES E ASSASSINOS.

Vocês terão de prestar contas com Deus por seus atos, por derramar sangue inocente.