6 de março de 2011

Novela mais popular do Brasil dramatiza direito à vida

Novela mais popular do Brasil dramatiza direito à vida

BRASIL, 2 de março de 2011 (Notícias Pró-Família) — A novela mais popular do Brasil, Insensato Coração, transmitiu um episódio ontem em que uma das principais personagens é dissuadida de abortar seu bebê para agradar ao namorado, e proteger suas perspectivas de emprego.
“Carol”, cujo papel é desempenhado por Camila Pitanga, aguarda sua vez numa clínica de aborto, acompanhada por uma amiga, enquanto sua irmã “Alice”, papel desempenhado por Paloma Bernardi, corre para a clínica para impedir o que a Rede Globo chama de “o maior erro de sua vida”.
Alice chora ao recordar que seus pais também não a haviam planejado
Ao chegar à clínica, Alice implora com sua irmã para que mude de ideia: “Pensa que um dia, daqui a anos, você vai cruzar com o André na rua, por acaso, e vai se tocar de que ele não significa mais nada”.
“Esse cara não vai ser o primeiro nem o último babaca do mundo!”, continua Alice. “Por causa dele, você vai deixar de ter a maior alegria da sua vida? Você vai deixar o egoísmo dele ganhar?”.
Alice começa a chorar, recordando que seus próprios pais não haviam planejado a concepção dela.
Carol, comovida, protesta que seu bebê poderia interferir em sua carreira. “Mas essa gravidez veio num momento ruim, tem a minha promoção…” diz ela.
“Se o André estivesse feliz, louco para ser pai, você ia tirar mesmo assim, por causa do trabalho?”, pergunta Alice.
Carol começa a chorar também, e abraça sua irmã, decidindo não ir adiante com o aborto.
Irmãs se abraçam
Embora a Rede Globo tenha histórico de apoio à causa do aborto descriminalizado no Brasil, sua decisão de transmitir um episódio favorável à posição pró-vida pode refletir uma crescente hostilidade para com o aborto na sociedade brasileira.
Em anos recentes uma maioria cada vez maior dos brasileiros tem indicado sua rejeição ao aborto descriminalizado, assim como à agenda política homossexual, em resposta às campanhas promovidas por líderes religiosos católicos e evangélicos no país.
Na recente eleição presidencial do Brasil, a vencedora Dilma Rousseff foi forçada a recuar em sua posição pró-aborto, prometendo numa declaração assinada não introduzir leis para descriminalizar o aborto ou criminalizar expressões contra a conduta homossexual, depois que líderes pró-vida criticaram a posição dela.
Numa pesquisa de opinião pública depois das eleições, 64% dos deputados da Câmara dos Deputados do Brasil que responderam disseram que se opõem às políticas para descriminalizar o aborto, sinalizando um abandono da posição pró-aborto do Partido dos Trabalhadores, que está no poder, em face da esmagadora opinião pública.
Artigos relacionados:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.
Veja também:

8 comentários :

Anônimo disse...

Mundando um pouco de assunto Julio.

Começo a ver uma certa revolta vindo de alguns dentro da mídia eletrônica!

Não concordo com tudo o que disse a apresentadora do jornal, principalmente no final sobre doenças sexuais, mas já parece ser um bom começo para essas aberrações que estão começando a ser propagadas como normais.

http://tvig.ig.com.br/359400/jornalista-causa-polemica-na-internet.htm


André

Julio Severo disse...

Excelente dica, André! Com exceção de uns poucos comentários infelizes, a jornalista mandou muito bem. Gostei de muitas coisas que ela disse.

Anderson Rogerio Andujar disse...

Realmente podemos ver como favorável tal atitude do autor em defender a vida e se mostrar contra o aborto. Mas em se tratando de Rede Globo é difícil saber até onde isso é realmente o que a emissora pensa ou se o fato deve-se apenas ao apoio "aberto" do aborto por parte do dono da Rede Record e principal rival dos Marinho, Edir Macedo.
Como a maioria dos brasileiros decentes e tementes a Deus se mostrou horrorizada com as declarações do Edir a Globo não podia perder a chance de fazer média com o povo se mostrando contrária ao mesmo....

João Batista disse...

É isso mesmo Anderson, concordo com vc, a atitude do autor de defender a vida nada mais é do que contrariar o apoio escancarado do dono da Rede Record em relação ao aborto, jamais estão preocupados com os valores da vida que DEUS concede, parabéns pela sua opinião.

Anônimo disse...

Que apoio à vida que nada...
Essa gente global tá é fazendo média só para adocicar o bico da maioria que é contrária ao aborto.
No fundo eles fazem o jogo de quem tá no poder. É só a presidente sebenta e a PTralhada reagir e logo cedem de medo.
Devemos tomar cuidado com essa emissora víbora.
Há duas décadas e meia, aprendi a não dar crédito EM NADA do que ela divulga.

cicero disse...

GLOBO MANIPULA E EMBURRECE O BRASIL! CUIDADO!

Silvio Ricardo disse...

Julio, para fazermos mais justiça, devemos lembrar que não é só apenas os líderes católicos e evangélicos que tem feito campanhas pró-vida no Brasil, mas também a Federação Espírita Brasileira.

Julio Cesar Cesar disse...

Meus irmãos, acreditar em uma "milagrosa" virada da globo, se colocando como uma possivel ativista dos direitos humanos em favor da vida, isso para mim, soa muito estranho. Existe uma rede muito grande, onde se impera a morte. Torrendes de dinheiro, são jogadas dentro das instituições, como uma especie de investimento extra, para que seja publicado a agenda abortista. Até conceções a certas redes de televisão são dadas para ajudar a difundir o aborto. Vejam o exemplo escancarado da Record