5 de fevereiro de 2011

Ativista gay de Uganda é assassinado por parceiro sexual

Ativista gay de Uganda é assassinado por parceiro sexual

KAMPALA, Uganda, 4 de fevereiro de 2011 (Notícias Pró-Família) — Depois do assassinato brutal do ativista gay ugandense David Kato na semana passada, os meios de comunicação, os ativistas homossexuais e os grupos de direitos humanos afirmaram que o assassinato foi consequência dos sentimentos anti-homossexualismo de Uganda.
David Kato foi assassinado em 24 de janeiro alegadamente por causa de um pagamento por sexo.
Contudo, na quarta-feira a polícia prendeu um homem de nome Nsubuga Enock que dizem era um dos parceiros sexuais de Kato e que havia confessado ter cometido o assassinato.
De acordo com o superintendente da polícia Kale Kayihura, o suspeito disse que “havia negociado com o morto para ser pago em dinheiro para ser usado como um parceiro sexual”.
Ele disse que o homem então fez sexo, mas Kato não pagou. “No dia seguinte, Nsubuga confessa que pegou um martelo que estava no banheiro e bateu na cabeça dele”, disse Kayihura.
“Não há nada concreto que indique que Nsubuga tivesse sido motivado por ódio, embora não estejamos descartando isso”.
A polícia disse que Enock era um ladrão muito conhecido.
Kato foi assassinado em 24 de janeiro. Os meios de comunicação e os ativistas gays do mundo inteiro imediatamente denunciaram a morte dele como um ataque direto à postura homossexual dele e Kato está sendo descrito como um ativista herói e “modelo”.
A entidade Human Rights Watch (Vigilância dos Direitos Humanos), cuja sede está em Nova Iorque, divulgou uma declaração na quinta-feira passada exigindo uma investigação minuciosa do caso. “A morte de Kato é uma perda trágica para a comunidade de direitos humanos”, disse Maria Burnett, pesquisadora sênior de assuntos africanos na Human Rights Watch. “David havia enfrentado corajosamente as crescentes ameaças aos indivíduos LGBT ugandenses e nós sentiremos muita falta dele”.
Os jornais da América do Norte na semana passada criticaram cruelmente Uganda como um país “profundamente” anti-homossexual e citou o envolvimento famoso de Kato com grupos homossexuais como o motivo para o assassinato. De acordo com as reportagens deles, Kato recebeu “muitas ameaças de morte” durante os últimos meses depois que ele, junto com outros ativistas homossexuais, foi “tirado do armário” num jornal que publicou sua foto.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

6 comentários :

paulo silveira disse...

favor repercutir esta nota do el pais sobre governo ingles e alemão assumiram fracasso do multiculturalismo na europa

http://www.elpais.com/articulo/internacional/David/Cameron/da/fracasado/multiculturalismo/Reino/Unido/elpepuint/20110205elpepuint_29/Tes

Herberti disse...

Não será este episódio um exemplo do que muito provavelmente é a real causa da morte de homossexuais no Brasil? E se não for, onde estão os números discriminando, caso a caso, as circunstâncias em que morreram os supostos duzentos e cinquenta homossexuais em 2010?
Alguém já disse que "estatística é a arte de mentir com números". É temerário estabelecer políticas públicas ou até mesmo legislação baseando-se em estatísticas de momento.

Anônimo disse...

favor repercutir esse casamento gay na frança desafiando o conselho constitucional que declarou inconstitucional.

http://www.lefigaro.fr/flash-actu/2011/02/05/97001-20110205FILWWW00407-mariage-homosexuel-a-montpellier.php

Sávio Antunes-UESPI disse...

Bom, como se vê, mais uma vez a imprensa do mundo inteiro, com destaque ao que parece para a imprensa esquerdista norte-americana, distorceu proprositadamente os fatos a favor da agenda homossexualista.

A respeito dessa maneira muito habitual de a imprensa tratar os fatos, fabricando um noticiário vicioso, distorcido ou mesmo mentiroso, eu gostaria de indicar aos leitores deste blog o livro de Bernard Goldberg, que trabalhou quase trinta anos como repórter da rede de televisão americana CBS, pela Editora Peixoto Neto.

http://www.peixotoneto.com.br/produtos_detalhes.php?tipo=&ref=88&retorno=

Vale a pena!

José Roberto disse...

Será que vão considerar isso com uma ação homofóbica?

Anônimo disse...

Olha ! Este caso me lembra uma passagem da evangêlho, onde Paulo falando dos vicíos e pecados dos incrédulos e pagãos dizia;" PORQUE OS QUE ELES FAZEM ATÉ FALAR EM PUBLICO É VERGONHOSO".

Olha ! A baixaria que o homossexualísmo produz. Até para noticiar a razão da morte deste deste ativista homossexual, tem que falar de um fato extremamente vergonhoso.

Que um homem contratou outro homem para sodomiza-lo, fazer sexo com ele. Mesmo usando a linguagem mais elevada para descrever o fato, mesmo assim é muito vergonho descrever a razão da morte do ativista homossexual.

Penso se você só para dizer razão da morte de muitos homossexuais, seria muitissímo vergonhoso. Talvez com casos mais chocantes do que este ugandense.
Por isto veêm com está conversa que os "homofóbicos" estão matando os pobres dos homossexuais.