6 de janeiro de 2011

A Igreja não deve fazer concessões na questão do aborto e “casamento” de mesmo sexo

A Igreja não deve fazer concessões na questão do aborto e “casamento” de mesmo sexo

5 de janeiro de 2011 (Breakpoint.org/Notícias Pró-Família) — 27 de julho de 1945. Londres está ainda aos poucos se recuperando de seis anos de guerra com a Alemanha. Centenas de milhares de soldados britânicos estão mortos. As cidades britânicas estão em ruínas. À medida que o noticiário dos cinemas vai expondo os recentes horrores dos campos de morte nazistas, o povo britânico fica pensando: “Será que não haverá fim para as atrocidades alemãs?”
Por isso, não foi de surpreender que muitos britânicos tivessem reagido com espanto ao ficarem sabendo que haveria um culto na Igreja da Santa Trindade de Londres: Um culto em memória, não dos mortos de guerra da Inglaterra, mas de um alemão morto. O culto seria transmitido pela BBC. Muitos ficaram pensando: Será que existiria algo tal como um bom alemão, digno de tal honra?
A resposta foi um enfático sim. O culto foi em memória do Pastor Dietrich Bonhoeffer, executado pelos nazistas três semanas antes do final da guerra. Bonhoeffer é muitas vezes lembrado por sua resistência a Hitler, aliás, por participar da conspiração para matá-lo. Mas Bonhoeffer é também celebrado por seu papel num acontecimento importante na vida da Igreja — a elaboração da Declaração de Barmen.
Depois que Hitler subiu ao poder, os nazistas tentaram cooptar as igrejas alemãs, misturando a verdade cristã com a doutrina nazista. Alguns líderes cristãos se deixaram atrair para esse acordo com o diabo. Outros, como Karl Barth e Bonhoeffer, recusaram.
Como meu amigo do passado Eric Metaxas escreve em seu recente livro inspirador “Bonhoeffer”, em maio de 1934, “os líderes da Liga de Emergência dos Pastores realizaram um sínodo em Barmen. Foi ali, à beira do rio Wupper, que eles escreveram a famosa Declaração de Barmen, que originou o que veio a ser conhecido como a Igreja Confessante”.
A Declaração ousadamente declarava independência tanto do Estado quanto da Igreja cooptada. A Declaração deixava claro que os signatários e suas igrejas não estavam se separando da igreja alemã; pelo contrário, era a igreja alemã cooptada que havia rompido com todos.
Para Bonhoeffer, escreve Metaxas, a Declaração de Barmen “repetiu o esclarecimento do que a legítima e real Igreja alemã de fato cria e defendia”. A Declaração rejeitava a “falsa doutrina” de que a Igreja podia mudar de acordo com as “posições ideológicas e políticas predominantes”.
Essa rejeição é uma parte essencial do que significa ser a Igreja. Cesar, em todos os seus disfarces, nos exortará a fazer concessões e adaptar nossa mensagem para atender à agenda dele. Nossa situação não é tão horrenda quanto à de Bonhoeffer, mas o governo hoje está tentando forçar a igreja a se prostrar aos ventos políticos do momento — como, por exemplo, o tão chamado “casamento” de mesmo sexo e as questões de vida como aborto e decisões de fim de vida.
Como Bonhoeffer e seus colegas, temos de lembrar constantemente onde repousa nossa lealdade máxima. Temos também de estar dispostos a praticar a grande virtude da coragem cívica*.
Nós, a igreja, temos de declarar onde nos situamos. É por isso que, motivados pelo exemplo de Barmen, nós escrevemos a Declaração de Manhattan — e é por isso que um milhão de crentes a assinou. Mas fazer uma declaração é uma coisa. Viver à altura do que declaramos, como Bonhoeffer fez, é outra.
E isso exigirá coragem nos anos que estão vindo. Muita coragem.
Find out more about this topic on today’s Two Minute Warning video commentary at Colson Center.org.
Este artigo foi reproduzido com a permissão de www.breakpoint.org
* Nota do tradutor: Coragem cívica é a disposição de conversar diretamente com pessoas que ocupam cargos de autoridade.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

2 comentários :

cachorro louco disse...

Estimado Júlio ,boa noite .
este post é esclarecedor ,porém eu gostaria de ler a Declaração de Manhattan.Como sou um completo analfabeto em inglês ,quero solicitar que ,se for possível, você poste uma edição traduzida da mesma
Antecipadamente agradeço.que Deus te abençoe sempre .

Abraços

Anônimo disse...

Se depender da igreja e dos pastores desta terra de Banânia a maioria deles anulariam a Cruz de Cristo para se ajuntarem aos abutres governistas socialistas e os gayzistas.
Aliás muitos deles já estão a fazer.