18 de janeiro de 2011

Apple rejeita aplicativo pró-vida e pró-família… de novo

Apple rejeita aplicativo pró-vida e pró-família… de novo

(Breakpoint.org/Notícias Pró-Família) — Trinta anos atrás, um dos desenvolvedores originais da Apple Macintosh inventou uma frase para descrever a capacidade do fundador Steve Jobs de “convencer qualquer um acerca de qualquer coisa”. Ele chamou-a de um “campo de distorção da realidade”.
Embora a frase tivesse sido originalmente usada num contexto de engenharia, as recentes ações da Apple com relação ao aplicativo da Declaração de Manhattan fazem-me ficar pensando se a “distorção da realidade” se tornou uma política empresarial.
Conforme lhes disse anteriormente, no outono passado a Apple havia aprovado a Declaração de Manhattan e lhe deu uma classificação de “4+”, indicando que estava livre de material condenável.
O que ocorreu depois foi uma campanha lançada por um grupo pequeno, mas muito barulhento, de ativistas gays para que o aplicativo fosse removido da loja. Eles tiveram sucesso.
Nós então voltamos a apresentá-lo com algumas modificações. Nossa intenção, em conformidade com o espírito da Declaração, foi fazer o impossível para manter um tom de civilidade e respeito.
Poucos dias atrás, tivemos notícias da Apple de novo. A resposta da Apple só colocou mais lenha na fogueira.
A empresa nos informou que “não pode postar esta versão na Loja de Aplicativos porque seu conteúdo provavelmente exporá um grupo a risco”. Você me ouviu corretamente: “expor um grupo a risco”.
A Apple citou suas normas da loja que proíbem aplicativos que contêm “referências ou comentários sobre um grupo religioso, cultural ou étnico que sejam difamatórios, ofensivos, malévolos ou provavelmente exporão o grupo visado a risco ou violência”.
Ver a Declaração de Manhattan como “difamatória” ou “malévola”, sem mencionar [a ideia falsa de] que “provavelmente exporá um grupo a risco”, requer um campo de distorção de realidade de proporções enormes.
Não só o tom da Declaração de Manhattan é civilizado e respeitoso, mas sua chamada à consciência tem a intenção de amainar conflitos, não promovê-los. Mas nada disso parece importar. Ao que tudo indica, para a Apple até mesmo discordância com civilidade e respeito é algo que provoca algum tipo de “risco”.
E não pense que os ativistas gays ficarão satisfeitos apenas em nos remover da Loja de Aplicativos — a meta deles é nos excluir completamente de todas as esferas públicas. E o melhor jeito de alcançar essa meta é convencer as pessoas de que o simples fato de mantermos uma perspectiva tradicional sobre o casamento e a sexualidade humana é um tipo de “expressão de ódio” e incitamento à violência.
É por isso que vemos o destino de um pequeno aplicativo ser um problema tão grande. O poder econômico e cultural da Apple torna o precedente que está sendo determinado aqui preocupante de maneira muito especial — não só para nós, mas também para qualquer grupo que cita a Bíblia. Uma coisa, entenda, é a empresa usar seus poderes de distorção da realidade para minimizar a importância dos problemas com as antenas de seus iPhones — outra coisa bem diferente é quando esses poderes são usados para proibir nas esferas públicas 3.000 de influência moral.
Ainda tenho a confiança de que a Apple vai compreender as implicações de se proibir a Declaração de Manhattan de sua Loja de Aplicativos. E continuaremos a provar que temos razão nessas questões. Por favor, una-se a mim. Faça contato com a Apple. Informe Steve Jobs que você não só é a favor da família tradicional, vida e liberdade religiosa, mas também de debates com civilidade e liberdade de expressão.
Para fazer contato com a Apple:
Email de Steve Jobs: Steve@Apple.com
Central telefônica da Apple: 408-996-1010
Este artigo foi reproduzido com permissão de breakpoint.org
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Um comentário :

Anônimo disse...

A solução é muito simples. Cristãos, boicotem todo e qualquer produto da apple e façam o Sr Jobbs saber que a causa disto é o preconceito contra o cristianismo.