30 de junho de 2010

Surgem indagações sobre rápida remoção dos aparelhos médicos de sustentação da vida de Gary Coleman e sua conseqüente morte

Surgem indagações sobre rápida remoção dos aparelhos médicos de sustentação da vida de Gary Coleman e sua conseqüente morte

Comentário de Matthew Cullinan Hoffman
31 de maio de 2010 (Notícias Pró-Família) — A morte de Gary Coleman provocou reações de surpresa e tristeza de americanos que conheceram e amaram o ator em seu papel na comédia popular Diff’rent Strokes (Minha Família é uma Bagunça) durante o final da década de 1970 e o começo da década de 1980.
Contudo, o que não está sendo debatido na grande imprensa, o que está sendo zelosamente evitado, são as perguntas óbvias: há certeza no modo como Coleman sofreu lesão na cabeça, levando à sua morte? Por que a esposa dele mandou desligar os aparelhos médicos só horas depois que seu marido estava neles, e só dois dias depois que ele entrou no hospital?
Coleman foi hospitalizado em 26 de maio depois de sofrer lesão traumática na cabeça que foi grave o suficiente para provocar hemorragia dentro do crânio. A lesão, segundo disseram, foi provocada por uma queda. Mas a gravidade da lesão, outras questões envolvendo sua morte e eventos no passado recente pareceriam ter requerido no mínimo uma investigação policial preliminar.
É de conhecimento público que Coleman e sua esposa mais forte e mais alta, Shannon Price, tinham um relacionamento tempestuoso e conflitivo que levou à prisão dela em 2009 por acusação de violência doméstica. Coleman, que também era irascível, foi também preso por acusações de abuso no começo deste ano.
Apesar de circunstâncias perturbadoras envolvendo a morte de Coleman, o delegado de Santaquin, Dennis Howard, disse para a revista People que “não há absolutamente nada de suspeito acerca da morte de [Coleman]. Não há nenhuma investigação [criminal] em andamento”.
Coleman havia sido apresentado na mídia como um homem cuja vida e saúde estavam em declínio. Contudo, seus problemas de saúde estavam fundamentalmente relacionados à doença dos rins, o que exigia diálise regular. As doenças dos rins não provocam lesões na cabeça — as quais exigem força bruta aplicada à cabeça. Essa força teria sido consequência de várias causas, de algo tão inocente como um escorregão na banheira, a algo tão sinistro como um golpe de um objeto duro e pesado.
Depois de sua prisão em janeiro deste ano sob acusações de abuso doméstico, Coleman apareceu no The Insider, um programa de fofocas de celebridades, para dar seu lado da história. Durante um acalorado diálogo com um dos convidados do programa, que insistiu em que ele respondesse à pergunta se ou não ele havia cometido abusos contra sua esposa, Coleman estranhamente apontou para uma lesão na cabeça e disse que havia sofrido a lesão numa queda da escada, e não queria que ninguém pensasse que sua esposa o havia ferido — um comentário que foi visto por alguns como indicando que ele estava insinuando o oposto numa tentativa de se defender.
Dias depois do incidente que acabou tirando sua vida, Price e sua família estão estranhamente silenciosos sobre os detalhes com relação à causa da lesão dele. Eles só afirmam que de certo modo ele “caiu”, sem nenhuma explicação adicional.
A evidente facilidade com que a vida de Coleman foi terminada suscita indagações especialmente sobre a cultura da morte que aparentemente se tornou norma nos hospitais dos EUA e Europa.
Uma pessoa em aparelhos médicos, até mesmo por poucas horas, é vulnerável a ser descartada como “vegetal” e sua vida findada sob o critério mais fútil. Tal padrão indica não só um preocupante desprezo pela santidade da vida humana, mas também abre a possibilidade de abusos graves por parte de parentes ou amigos, que poderiam ter um conflito de interesse em fazer tal decisão.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesite.net/ldn/viewonsite.html?articleid=10053109
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Abra o olho: Fidel Castro, Lula e sua sucessora

Abra o olho: Fidel Castro, Lula e sua sucessora

Para assistir ao vídeo, siga este link: http://www.youtube.com/watch?v=ehs3Av23GmA



Mais sexualização para as crianças de escola da Inglaterra: “Vamos falar de estupro”.

Mais sexualização para as crianças de escola da Inglaterra: “Vamos falar de estupro”.

Thaddeus M. Baklinski
LONDRES, Inglaterra, 31 de maio de 2010 (Notícias Pró-Família) — Um “pacote educacional” contendo informações sobre estupro, pornografia, prostituição, mutilação genital feminina, casamentos forçados e tráfico humano foi produzido por uma organização inglesa chamada Crise do Estupro, para ser usado por crianças a partir de 11 anos nas escolas da Inglaterra.
De acordo com uma reportagem no jornal Daily Mail, a autora do curso proposto, Laura Colclough, disse que o pacote de 145 dólares apoia as políticas do governo centralizadas em reduzir a violência sexual contra as mulheres e é uma ferramenta educativa útil.
O curso, designado para ser dado para classes mistas de meninos e meninas, incentiva o debate de tópicos que incluem assuntos tais como “as mulheres gostam de estupro”, “as mulheres pedem para ser estupradas quando usam mini-shorts, bebem álcool, etc.” e propõe paródias dos papéis sexuais.
“Não é de um ângulo de apoiar a sexualidade ou a pornografia, mas avaliá-la de forma crítica”, Colclough disse, acrescentando que “Foram-se os dias em que os jovens não são sexualizados. A maioria, e talvez todos, ouve vídeos musicais. Eles vêem a cultura e surfam na internet”.
Contudo, a reação das organizações pró-família foi rápida, com uma organização, a Campanha pela Educação Genuína (CEG), chamando os pacotes educacionais de “extremamente explícitos” e predizendo que os pais ficariam “horrorizados” com a “iniciativa irresponsável”.
Nick Seaton, da CEG, disse para o Daily Mail que “Esse tipo de material é explícito demais para ser adequado para escolas. Pais sensatos ficarão muito preocupados que seus filhos estão sendo.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesite.net/ldn/viewonsite.html?articleid=10053106
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

29 de junho de 2010

De Bush para Obama: Dia Santidade da Vida Humana para Mês do Orgulho Gay

De Bush para Obama: Dia Santidade da Vida Humana para Mês do Orgulho Gay

John-Henry Westen
WASHINGTON, EUA, 31 de maio de 2010 (Notícias Pró-Família) — O presidente Barack Obama pelo segundo ano consecutivo proclamou junho como o “Mês do Orgulho Lésbico, Gay, Bissexual e Transgênero”. Enquanto antes de deixar a presidência o presidente George W. Bush havia proclamado o Dia da Santidade da Vida em 2009, tal proclamação foi rejeitada pelo presidente Obama para 2010.
Wendy Wright, presidente da organização Concerned Women for America (Mulheres Preocupadas com os EUA), não ficou surpresa com as ações do presidente Obama. “Obama é coerente”, Wright disse para LifeSiteNews. “Ele adota a posição que é míope e prejudicial para indivíduos e para a sociedade, e coloca toda a atenção em si mesmo. Ele fica do lado daqueles que exigem que os inocentes sofram discriminação e que os imorais sejam celebrados. De forma coerente, ele está errado nas questões morais”.
Sancionada em 28 de maio, a proclamação de Obama se gaba de que em todo o seu governo “funcionários assumidamente LGBT estão trabalhando em todos os níveis”.
A proclamação resume as agendas políticas de Obama para a promoção do homossexualismo. Ele declara:
* “Temos de dar aos casais gays comprometidos os mesmos direitos e responsabilidades dadas a qualquer casal casado, e revogar a Lei de Defesa do Casamento”.
* “Temos de proteger os direitos das famílias LGBT garantindo seus direitos de adoção, acabando com discriminação no emprego contra americanos LGBT, e garantindo que funcionários federais recebam benefícios iguais”.
* “Tenho também o compromisso de acabar com a política de proibição aos gays assumidos nas forças armadas, de modo que patriotas americanos LGBT sirvam assumidamente em nossas forças armadas, e estou trabalhando com o Congresso e com nossa liderança militar para alcançar essa meta”.
A primeira proclamação do Dia Nacional da Santidade da Vida Humana foi feita em 1984 pelo Presidente Ronald Reagan e repetida anualmente. A tradição foi prosseguida pelo Presidente George H. W. Bush, suspensa durante o mandato de oito anos do presidente Bill Clinton e reiniciada sob o Presidente George W. Bush.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesite.net/ldn/viewonsite.html?articleid=10053103
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Feminista ultra-radical acusa livros de ensino religioso em escolas públicas de estimularem “homofobia” e “intolerância”

Feminista ultra-radical acusa livros de ensino religioso em escolas públicas de estimularem “homofobia” e “intolerância”

Ativista Débora Diniz, financiada por grandes fundações dos EUA, trabalha para exterminar das escolas livros católicos e evangélicos que não sacralizem o homossexualismo

Julio Severo
De acordo com o Uol Notícias, uma “pesquisa” da UnB (Universidade de Brasília) argumenta que o “preconceito” e a “intolerância religiosa” fazem parte da lição de casa de milhares de crianças e jovens do ensino fundamental brasileiro. Produzido com base na análise dos 25 livros de ensino religioso mais usados pelas escolas públicas do país, o “estudo” foi apresentado no livro “Laicidade: O Ensino Religioso no Brasil”, lançado na última terça-feira (22) em Brasília. “O estímulo à homofobia e a imposição de uma espécie de ‘catecismo cristão’ em sala de aula são uma constante nas publicações”, afirma Débora Diniz, uma das autoras do trabalho.
Essa “pesquisa” vem no encalço de outra “pesquisa”, que foi feita pela ONG Anis, em parceria com a Universidade de Brasília (UnB), e examinou 61 das 98 publicações de maior distribuição nos ensinos fundamental e médio. A responsável pela pesquisa foi igualmente Débora Diniz, que é professora na UnB e membro da ANIS, organização dedicada à promoção de “direitos” de aborto e homossexualismo. Por coincidência, a ANIS é financiada pelas Fundações Ford e MacArthur, grupos imperialistas culturais dos EUA que financiam organizações e programas pró-aborto e pró-homossexualismo no mundo inteiro.
A feminista ultra-radical Débora Diniz é mais conhecida pela defesa intransigente do aborto, onde ela tem recebido verbas monumentais de instituições americanas para realizar “pesquisas” no Brasil. Aliás, seu treinamento e estudos pró-aborto e pró-homossexualismo, que ocorreram nos EUA, foram financiados por essas instituições. Ela é também conhecida por ter movido processo contra o Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz por tê-la chamado de “abortista”.
Diniz é muito sensível a certas palavras. É por isso que nem mesmo dicionários escaparam da voracidade censuradora da sua “pesquisa”. Ao analisar 24 dicionários distribuídos pelo MEC, ela concluiu que todos, sem exceção, são “homofóbicos” ao usarem expressões como “pederasta” como sinônimo de “homossexual”. Com a conclusão de sua “pesquisa”, Diniz recomenda mudanças para que dentro de cada sala de aula do Brasil só sejam aceitos livros e dicionários que proclamem a sacralidade do homossexualismo.
Mas salve-se quem puder, pois ela não está de olho somente em dicionários. Ela está determinada a colocar os livros cristãos em escolas na mira censuradora do Estado a serviço da Gaystapo.
Cedo ou tarde ela acabará fazendo a “descoberta”, numa nova “pesquisa”, de que as bibliotecas escolares do Brasil estão impregnadas com um livro chamado “Bíblia”, que diz coisas “escandalosas” como:
“Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é” (Levítico 18:22 ACF)
Quando fizer essa descoberta, o que ela vai recomendar? Busca, apreensão e queima do livro “ofensivo”?
Diante da suprema e sacrossanta sodomia instituída pelo Estado, ativistas financiados por poderosas fundações dos EUA não hesitarão sacrificar nada, nem mesmo o livro que é respeitado pela maioria cristã do Brasil como livro mais importante.
É a inquisição abortista, feminista e gayzista se unindo para exterminar das escolas todo livro cristão que ouse mostrar a opinião de Deus sobre a sexualidade, tornando as escolas públicas lugares sagrados do aprendizado da superior sodomia. É a sodomização do ensino escolar.
Com tantas crianças nas escolas, para que estão preparando o terreno?
No boletim Notícias da Comunidade Gay do final de década de 1970, um artigo escrito por Michael Swift (que se proclama revolucionário gay) profetizou:
“Nós sodomizaremos seus filhos... Tremam, porcos heterossexuais, quando aparecermos diante de vocês, sem máscara”.
(Citado no livro O Movimento Homossexual, de Julio Severo, publicado em 1998 pela Editora Betânia.)

28 de junho de 2010

Falar sobre Cristianismo é uma “obrigação enfadonha” para os executivos da BBC

Falar sobre Cristianismo é uma “obrigação enfadonha” para os executivos da BBC

Hilary White
LONDRES, Inglaterra, 27 de maio de 2010 (Notícias Pró-Família) — O Cristianismo é considerado como assunto “enfadonho” para os executivos da BBC, diz um veterano apresentador da televisão BBC que pediu que a empresa, que é sustentada por impostos, revise o modo como apresenta questões religiosas.
Roger Bolton, editor de longa data de programação de notícias e atualmente apresentador do programa Feedback da Rádio 4, disse: “A televisão BBC (diferente da rádio BBC) parece estar nas mãos de secularistas e céticos, que enxergam a cobertura de assuntos cristãos como uma obrigação um tanto enfadonha a ser minimizada em vez de uma área rica e promissora para explorar”.
Bolton, falando no Sandford St Martin Trust Awards, que reconhece excelência na programação religiosa, disse que a BBC precisa empregar um bem instruído editor de religião e trazer uma perspectiva mais espiritual para as notícias gerais.
O emprego de tal editor religioso, disse ele, seria “trazer uma perspectiva religiosa à vasta variedade de áreas tais como assuntos estrangeiros e dilemas médicos em que essa perspectiva é tantas vezes, e de forma tão desconcertante, ausente, tanto no ar quanto nos bastidores em discussões editoriais internas”.
Bolton elogiou o novo editor de religião da BBC, Aaqil Ahmed, um muçulmano, por seu “comprovado histórico de sucesso em seu antigo emprego no Canal 4, “mas disse que a extensão da experiência dele com programação religiosa é limitada”.
A porta-voz da BBC respondeu aos comentários de Bolton, chamando o compromisso da empresa para com a programação religiosa de “inequívoco”.
“Não há nenhuma deterioração na produção de nossa programação religiosa e ética de televisão, com mais de 164 horas transmitidas no ano passado, e neste ano nosso investimento em programação de dias festivos na BBC1 — que marca os festivais religiosos mais importantes — aumentou”, disse ela.
Mas a inclinação anticristã e anti-conservadora da mídia britânica vem cada vez mais sendo comentada em anos recentes. No ano passado, o apresentador da rádio BBC Jeremy Vine, um anglicano praticante, disse para a revista Reform que se tornou “quase socialmente inaceitável dizer que você crê em Deus”.
“Você não pode expressar opiniões que eram costumes comuns 30 ou 40 anos atrás”, disse ele, acrescentando que ele não consegue falar sobre sua fé no ar. “Uma das coisas em que penso, que podem parecer bizarras, é que Cristo é quem ele disse que era”, disse ele. “Não penso que removerei isso do meu programa; suponho que haja um firewall entre pensar isso e fazer o trabalho que faço”.
A nomeação de Ahmed como diretor de programação religiosa na BBC no ano passado provocou críticas de alguns líderes religiosos, que disseram que a BBC, a mais importante rede de televisão num país de maioria cristã, tem uma propensão sistemática contra o Cristianismo.
Don Maclean, um dos apresentadores religiosos mais populares da Rádio 2, disse que os diretores executivos de programação da BBC adotam um “ângulo negativo sempre que podem” contra o Cristianismo, dando atenção apenas ao clero homossexual e ao abuso sexual no clero, um tratamento que não se estende a outras religiões, como o islamismo.
Ele chamou a nomeação de Ahmed de “preocupante” e disse que a empresa trata a religião como um ‘programa desmazelado’”. Maclean disse: “Eles se sentem atraídos ao islamismo, eles se sentem atraídos a programas que atacam a igreja cristã”.
“Penso que há um movimento laicista neste país que quer se livrar do Cristianismo. Algo tem de ser feito”, acrescentou ele.
Peter Hitchens, escritor e colunista do jornal Daily Mail em assuntos religiosos e sociais e considerado pela mídia britânica como um “conservador”, na semana passada escreveu sobre a inclinação anti-conservadora nas editoras britânicas. Hitchens, irmão do ativista ateu radical Christopher Hitchens, relatou o episódio de ser aconselhado por um executivo elevado da BBC a “abandonar qualquer esperança de obter apresentações mais do que ocasionais como um tolerado direitista”.
“Na BBC, sou a pessoa mais improvável de receber a oportunidade de apresentar um programa de novo… Numa fase, eu era considerado como possível membro efetivo para o programa ‘The Moral Maze’ na Rádio 4, mas isso foi vetado num nível bem elevado. As pessoas que fazem essas decisões não prestam contas a ninguém pelas decisões que tomam, até onde sei”, disse ele.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesite.net/ldn/viewonsite.html?articleid=10052701
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

27 de junho de 2010

Vasta maioria dos latino-americanos apoia penas criminais para o aborto

Vasta maioria dos latino-americanos apoia penas criminais para o aborto

Matthew Cullinan Hoffman, correspondente na América Latina
CIDADE DO MÉXICO, México, 28 de maio de 2010 (Notícias Pró-Família) — A vasta maioria dos latino-americanos é a favor da manutenção de penas criminais para o aborto, de acordo com um novo estudo.
O estudo, que sondou residentes de vários países latino-americanos, indica que 60,4 por cento dos mexicanos favorecem penas criminais para os abortos ilegais.
Contudo, o México está na faixa inferior da escala. No Brasil, 67,3 por cento favorecem tais penas, e no Chile, 71,7 por cento. Na Nicarágua, onde o aborto é completamente ilegal, a maioria chega a 82,2 por cento.
No México, as mulheres têm probabilidade muito maior de apoiar a criminalização do que os homens. Dos que apoiam penas criminais para o assassinato de bebês em gestação, 32 por cento são mulheres e 28,4 são homens, de acordo com o estudo.
A pesquisa também reflete o fato de que a mensagem barulhenta dos defensores do aborto, que insistem em que “as mulheres têm o direito de decidir” matar seu bebê em gestação, tem sido ouvida pelo povo do México — e rejeitada.
Embora 57 por cento tenham dito que haviam ouvido a mensagem, 56 por cento estavam de acordo com a declaração de que “a vida do feto está acima de todas as coisas”.
Claudia Dides Castillo, diretora do Programa de Gênero e Igualdade da Faculdade Latino Americana de Ciências Sociais (FLASCO), que é pró-aborto e conduziu o estudo, confessou para a imprensa que os latino-americanos são “conservadores” na questão do aborto. Ela acrescentou que o resultado do estudo reflete o fato de que a imagem predominante na América Latina é “a mulher como a doadora da vida”.
A pesquisa foi conduzida por meio de entrevistas frente a frente com uma média de 1.200 entrevistados em cada país e tem uma margem de erro de mais ou menos dois pontos percentuais.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesite.net/ldn/viewonsite.html?articleid=10052810
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

26 de junho de 2010

Moscou recusa dar autorização para organizadores da parada do “orgulho gay”

Moscou recusa dar autorização para organizadores da parada do “orgulho gay”

Matthew Cullinan Hoffman
MOSCOU, Rússia, 25 de maio de 2010 (Notícias Pró-Família) — Pelo quinto ano consecutivo, a prefeitura da cidade de Moscou resistiu aos grupos homossexuais internacionais de pressão política e recusou dar autorização para uma parada do “orgulho gay”.
Nokolai Alexeiv, o organizador do evento, disse que a autorização fora negada por causa de riscos para a ordem pública, bem como preocupações de segurança.
As marchas do orgulho gay são muitas vezes palco de depravação pública, em que participantes violam leis contra nudez e praticam atos sexuais simulados e até mesmo reais em público. A prefeitura denunciou a conduta homossexual como “satânica” e disse que espalha doenças.
A recusa da prefeitura de Moscou de permitir marchas homossexuais recebeu o apoio inequívoco da liderança religiosa, cristã e não cristã, da cidade.
Como fizeram em anos anteriores, os grupos homossexuais que estão organizando o evento ameaçaram entrar com uma ação num tribunal de Moscou, ou até mesmo levar o caso ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos. Contudo, iniciativas anteriores de impor a marcha por meio dos tribunais fracassaram.
Moscou vem também sofrendo pressões do Conselho da Europa, que a denunciou por proibir tais marchas.
A rejeição da parada do “orgulho gay” em Moscou vem depois que foi proibida marcha semelhante programada para 15 de maio na Bielorússia, que está alinhada com a Rússia.
Quando os marchadores decidiram violar a lei e foram para as ruas, a polícia prendeu vários e dispersou a parada.
Cobertura relacionada de LifeSiteNews:
Moscow Mayor Calls “Gay Pride” Parade “Satanic”
http://www.lifesitenews.com/ldn/2010/jan/10012702.html
Moscow Mayor Unapologetic in Prohibition of “Gay Pride” Marches
http://www.lifesitenews.com/ldn/2008/dec/08120902.html
Homosexual Activists Ignore Authorities, Go Ahead with Illegal “Gay Pride” in Moscow
http://www.lifesitenews.com/ldn/2006/may/06052903.html
Moscow Gay Pride Ban Rebuked by Council of Europe
http://www.lifesitenews.com/ldn/2006/mar/06033003.html
Russian Jewish Leaders Join Orthodox in Supporting Moscow Mayor’s Ban on Gay Pride
http://www.lifesitenews.com/ldn/2006/mar/06032705.html
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesite.net/ldn/viewonsite.html?articleid=10052513
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Tribunal da Coreia do Sul decide que embriões humanos congelados não são humanos

Tribunal da Coreia do Sul decide que embriões humanos congelados não são humanos

Matthew Cullian Hoffman
SEUL, Coreia do Sul, 28 de maio de 2010 (Notícias Pró-Família) — Apesar das súplicas dos pais, um tribunal da Coreia do Sul decidiu que embriões congelados não são criaturas vivas e podem assim ser usados em experimentos e destruídos à vontade.
A decisão foi dada contra uma ação iniciada pelos pais dos embriões, bem como onze outros indivíduos, inclusive filósofos, especialistas em ética e médicos. Além disso, os próprios dois embriões foram enumerados entre os demandantes.
Os embriões foram criados para um casal com sobrenome Nam. Um total de três foi produzido por fertilização in vitro e um foi implantado. Os outros dois deveriam permanecer disponíveis para implante ou serem usados para pesquisas científicas.
Contudo, os Nams mudaram de opinião e, auxiliados por uma equipe de especialistas, buscaram fazer valer os direitos de seus filhos que ainda não nasceram.
“As leis de bioética que definem embriões artificialmente inseminados como amontoados de células não humanas os tratam como recursos para pesquisas e ordenam sua eliminação no fim de um período de preservação, violando assim o direito fundamental à vida”, escreveram os demandantes.
Entretanto, o tribunal discordou, afirmando que antes dos catorze dias de desenvolvimento, um embrião não é um ser humano. “Embora reconheçamos os direitos básicos de fetos antes do nascimento, os pré-embriões, que foram fertilizados, mas dentro dos quais não se formou ainda o primeiro traço embrionário, não podem ser considerados como humanos”, escreveu o tribunal.
“Os embriões que têm menos de 14 dias desde a inseminação têm o potencial de se tornarem seres humanos, mas não têm humanidade independente. Não se deve conceder a eles os mesmo direitos constitucionais como seres humanos”, disse Kang-kook, presidente do Tribunal Constitucional.
“Não podemos esperar que as pessoas fiquem buscando para propósitos de inseminação artificial embriões que têm mais de cinco anos de idade. Mas o custo de sua preservação é imenso. Os doadores dos embriões podem se sentir desconfortáveis, mas isso não deveria proibir seu uso para propósitos de pesquisas”, acrescentou ele.
A Comissão da Vida da Arquidiocese Católica de Seul denunciou a decisão, observando suas premissas desumanizadoras.
“Todo ser humano passa pela fase embrionária”, disse o Pe. Park Jung-woo, diretor da Comissão. “Os católicos lamentam essa decisão do Tribunal Constitucional porque somos opostos tanto à criação artificial de embriões quanto seu uso, quando são criados, como recursos para experiências, pois eles têm direito à dignidade como seres vivos”.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesite.net/ldn/viewonsite.html?articleid=10052808
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

25 de junho de 2010

Ozzy Osbourne encontra fonte de inspiração em caso de eutanásia no Canadá

Ozzy Osbourne encontra fonte de inspiração em caso de eutanásia no Canadá

Peter J. Smith
TORONTO, Canadá, 28 de maio de 2010 (Notícias Pró-Família) — A música do roqueiro heavy-metal britânico Ozzy Osbourne encontrou nova inspiração em Robert Latimer, um canadense condenado pelo assassinato de sua filha deficiente. A música será apresentada de forma proeminente num novo álbum intitulado “Scream” (Grito).
A música, “Latimer’s Mercy” (A misericórdia de Latimer), será apresentada junto com tais trilhas sonoras de prazer na morte como “Let it Die” (Deixe morrer) e “Let Me Hear You Scream and Crucify” (Deixe-me ouvir você gritar e crucificar).
De acordo com o Serviço Noticioso CanWest, Osbourne queria descrever o que ele pensou que deve ter passado pela mente de Latimer em 1993 quando Latimer matou por envenenamento sua filha Tracy, que tinha 13 anos e sofria de paralisia cerebral, numa garagem cheia de monóxido de carbono vindo de um motor de caminhão. Latimer foi condenado por assassinato em 1994 e de novo em 1997, mas só cumpriu sete anos de uma sentença de dez anos.
“Matar o próprio filho é uma grande decisão. Não vai ser eu quem vai dizer, ‘Você está errado, você não deveria fazer isso’, ou ‘Você fez a coisa certa’”. Osbourne disse para um jornalista da CanWest durante uma entrevista coletiva.
“Sou moderado”, acrescentou ele. “Questiono a mim mesmo, pensando ‘Como eu lidaria com isso?’ É uma grande decisão para se fazer”.
Quando Osbourne revelou seus pensamentos sobre Latimer para os jornalistas durante uma entrevista coletiva em Toronto, ele disse que deve ser difícil para qualquer um agüentar “uma filha que está toda arrebentada, ela não tem nenhuma qualidade de vida… vendo-a passar por sofrimento e agonia”.
Quaisquer que sejam as intenções de Latimer conforme foram fantasiadas pelo roqueiro, o sistema de justiça canadense condenou o fazendeiro de Saskatchewan por assassinato de segundo grau, quando ele privou Tracy Latimer de sua vida. Latimer, que nunca expressou remorso pelo assassinato, sustentou que agiu “por amor” que não lhe deixou nenhuma escolha, a não ser matar sua filha. Ele ficou famoso entre os ativistas de eutanásia que se envolveram numa campanha nos meios de comunicação para pintá-lo como uma vítima de um injusto sistema legal.
A letra forte de Osbourne também parece avançar a imagem do “amor” de Latimer como o motivo louvável para o assassinato de sua filha: “O sol brilha neste novo luto mortal/Os sinos da igreja tocam um aviso de manhã/Seus olhos brilham quando ligo o motor/As lágrimas caem quando a misericórdia chega mais perto”.
A música continua: “Outro dia e outro ataque total/Outra pílula, você decai cada vez mais/Outro corte feito pelo cirurgião açougueiro/É só um jeito de prolongar a tortura”. E de novo: “Não direi que sei o que estou fazendo/Não direi que lamento/Não posso trazer você de volta, mas não posso deixar você sem ajuda/Farei o sofrimento descansar em paz”.
Líderes pró-vida argumentam que o interesse de Latimer era obter alívio de suas próprias dificuldades com a deficiência de sua filha.
Quando a morte de Tracy foi descoberta, Robert Latimer primeiramente contou para a polícia que ela tinha morrido dormindo. Mas ele confessou mais tarde, depois que a polícia havia realizado uma autópsia, que ele havia assassinado sua filha colocando-a na cabine de seu caminhão e conectando uma mangueira no cano de escapamento do caminhão. Ele também confessou ter considerado outros métodos de assassinar sua filha, inclusive dar-lhe uma overdose de tranqüilizantes e “atirar na cabeça dela”.
“Latimer’s Mercy” é a décima faixa do álbum “Scream”, que estará disponível em 22 de junho.
A famosa promoção que Osbourne faz do suicídio como uma ação moralmente digna de elogio na música “Suicide Solution” (Solução Suicídio) foi acusada de incitar a morte, em 1985, do adolescente John McCollum da Califórnia.
McCollum sofria de depressão clínica e seus pais alegaram que ele se matou depois de ouvir as palavras “Onde se esconder, o suicídio é a única saída. Você não sabe o que isso significa?”
Outro jovem, Michael Waller, filho de um pastor da Geórgia, também se matou com um tiro cinco anos depois, e seus pais disseram que ele havia ouvido “Suicide Solution” também. As ações contra Osbourne em tribunais civis foram decididas em favor do roqueiro.
Veja a cobertura relacionada de LifeSiteNews.com:

Robert Latimer Loses Parole Appeal
http://www.lifesitenews.com/ldn/2009/nov/09111606.html 
More Precious than Gold: Canadian Olympic Champ Calls Disabled Brother 'My Inspiration'
http://www.lifesitenews.com/ldn/2010/feb/10021906.html 

Latimer Release after Seven Years for Killing Disabled Daughter "A Tragedy"
http://www.lifesitenews.com/ldn/2008/feb/08022803.html
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesite.net/ldn/viewonsite.html?articleid=10052806
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Horror na China: Bebê abortado por médicos sobrevive, mas é enviado para ser cremado

Horror na China: Bebê abortado por médicos sobrevive, mas é enviado para ser cremado

Thaddeus M. Baklinski
CIDADE DE FOSHAN, China, 25 de maio de 2010 (Notícias Pró-Família) — Um bebê abortado deliberadamente em hospital, o qual havia sido declarado como morto pelos médicos da cidade de Foshan, China, chorou quando estava para ser cremado, mas morreu mais tarde depois que os médicos se recusaram a tratá-lo.
Um funcionário no necrotério da Funerária Nanhai ficou espantado com um choro vindo de uma caixa, cuja etiqueta dizia “lixo hospitalar”, que ele estava para enfiar no incinerador. Ele abriu a caixa e encontrou o bebê se movimentando, mas se sufocando por causa de um pouco de lã de algodão na boca, noticiou o jornal local Information Times.
Depois que o funcionário limpou-lhe a boca, o bebê bocejou e respirou normalmente. Ele foi levado de volta às pressas ao Hospital Guanyao, que havia tentado abortá-lo no começo daquele dia; mas os médicos do hospital o ignoraram e o deixaram no corredor para morrer.
Ele foi confirmado como morto mais tarde no dia e devolvido à funerária para cremação. No entanto, os funcionários colocaram o corpo num refrigerador até que ocorram mais investigações.
Liu Sanhong, uma autoridade do hospital, disse para o jornal Shanghai Daily que a equipe checou o bebê durante uma hora para se certificar de que ele estava morto. Liu não quis comentar se os médicos haviam tentado salvar ou não a vida do bebê.
Um dos responsáveis pela funerária disse para o Information Times que ele fez um vídeo do bebê, que tinha sete meses de gestação, para provar que ele estava vivo quando foi descoberto no crematório.
Depois disso, a reportagem disse que todos os funcionários na funerária haviam recebido ordem de não falar sobre o incidente.
No começo deste ano, o modo cruel e insensível com que o hospital ligado à Universidade Médica de Jining tratava os corpos de bebês abortados provocou revolta.
Em 31 de março, 21 corpos de bebês foram encontrados jogados fora no rio Guangfu a leste da Cidade de Jining, na China.
Os corpos, alguns com fraldas, alguns em sacos plásticos marcados como “lixo hospitalar”, foram encontrados debaixo de uma ponte por um homem que estava pescando.
Reportagens indicam que a maioria dos bebês mortos era do sexo feminino que haviam sido abandonados para morrer ou haviam sido deliberadamente abortados e jogados fora porque os pais queriam manter a opção aberta para um menino dentro do sistema coercivo de um único filho na China.
Embora organizações de direitos humanos e especialistas internacionais de controle populacional tenham denunciado o aborto de seleção sexual e infanticídio de meninas em grande escala na China, a agência de notícias estatal Xinhua culpou o incidente em “costumes locais e falta de regulamentos”.
Veja artigo relacionado de LSN:
Babies' Bodies Found Dumped in Chinese River
http://www.lifesitenews.com/ldn/2010/mar/10033109.html
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesite.net/ldn/viewonsite.html?articleid=10052502
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

24 de junho de 2010

Catástrofe petrolífera nos EUA é cumprimento da profecia de Gênesis?

Catástrofe petrolífera nos EUA é cumprimento da profecia de Gênesis?

Vídeo sugere ligação bíblica entre explosão em plataforma petrolífera no mar com o modo como os EUA estão tratando Israel

Joe Kovacs
Há uma conexão espiritual e bíblica com relação à catástrofe petrolífera da empresa BP?
Um novo vídeo no YouTube está sugerindo uma possível ligação do desastre com o recente tratamento que os EUA deram para Israel, e pelo menos um conhecido analista da Bíblia, Hal Lindsey, acha que há uma correlação válida.
O vídeo foi produzido e postado hoje por Carl Gallups da Igreja Batista Hickory Hammock em Milton, Fla., e está aqui, em inglês:
“Em 19 de abril, Israel celebra sua independência em 2010”, Gallups diz na narração do vídeo. “Em 19 de abril, o noticiário da Fox News informa que os EUA não mais apoiarão Israel automaticamente na ONU. No dia seguinte, em 20 de abril, a plataforma petrolífera Deepwater Horizon explode. Será coincidência? Ou será a intervenção e juízo de Deus?”
O pastor cita uma promessa antiga que Deus fez a Abraão, o patriarca das 12 tribos de Israel. Dentre essas tribos está a tribo de Judá, da qual os judeus derivam seu nome.
No Livro de Gênesis, Deus lhe disse: “Farei de você um grande povo, e o abençoarei. Tornarei famoso o seu nome, e você será uma bênção. Abençoarei os que o abençoarem e amaldiçoarei os que o amaldiçoarem…” (Gênesis 12:2-3, NVI)
O vídeo mostra a foto de uma reportagem da Fox News intitulada: “Obama and Israel: Showdown at the U.N.?” (Obama e Israel: Confronto na ONU?)
Sua primeira sentença diz: “O governo de Obama está dando sinal de outra importante mudança em sua política para com um dos seus mais fiéis aliados, Israel, e essa mudança poderá mudar o modo como os EUA votam no Conselho de Segurança. A mudança significará o fim dos EUA ‘usando seu poder de veto no Conselho de Segurança da ONU quando certas resoluções anti-Israel são introduzidas para votação”.
Para ler o artigo completo em inglês, clique aqui.
Traduzido e editado por Julio Severo: www.juliosevero.com
Fonte: WND