31 de janeiro de 2010

Adolescentes que se embriagam regularmente têm mais probabilidade de serem sexualmente ativos

Adolescentes que se embriagam regularmente têm mais probabilidade de serem sexualmente ativos

OTTAWA, Canadá, 20 de janeiro de 2010 (Notícias Pró-Família) — Um recente estudo divulgado ontem pelo Instituto de Casamento e Família do Canadá revelou que os adolescentes que se embriagam regularmente e fumam maconha têm mais probabilidade de serem sexualmente ativos, entre outras descobertas.
O estudo, que enfocou adolescentes entre as idades de 14 e 19 de modo inclusivo, usou dados da Pesquisa Longitudinal Nacional de Crianças e Jovens do Instituto de Estatísticas do Canadá para extrair correlações entre uso de drogas, embriaguez, tempo gasto com um namorado ou namorada e decisões adolescentes acerca de atividade sexual.
O estudo revelou que as adolescentes e os adolescentes que fumam maconha têm 60 e 49 por cento, respectivamente, mais probabilidade de serem sexualmente ativos. Além disso, descobriu-se um relacionamento direto entre o número de vezes que os adolescentes se embriagam e sua probabilidade de serem sexualmente ativos. O estudo também revelou que existem fortes ligações entre tentativa de suicídio e atividade sexual entre as adolescentes.
Peter Jon Mitchell, pesquisador do estudo, disse que as descobertas enfatizam o que os pais podem saber intuitivamente como verdade. “Os adolescentes que estão sob a influência de drogas ou álcool têm mais probabilidade de se engajarem em conduta sexual arriscada”, disse Mitchell. “O estudo revela um ‘perfil de risco’ que poderá ajudar os pais enquanto eles cuidam de seus filhos adolescentes no processo de chegarem à vida adulta. E isso se torna ainda mais crucial quando consideramos a correlação entre tentativa de suicídio e atividade sexual, principalmente entre as adolescentes”.
O estudo “Rated PG, Part II: How drugs, alcohol and other factors influence teen sexual activity” (Classificado como para supervisão dos pais, parte 2: Como as drogas, o álcool e outros fatores influenciam a atividade sexual adolescente), pode ser lido na íntegra em inglês aqui. “Part I: Rated PG: How parental influence impacts teen sexual activity” (Parte 1: Classificado como para supervisão dos pais: Como a influência dos pais impacta a atividade sexual dos adolescentes) está disponível aqui.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2010/jan/10012006.html
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Aceita a ordem de transferência de menina para lésbica que não tem nenhum parentesco com ela — advogados recorrem

Aceita a ordem de transferência de menina para lésbica que não tem nenhum parentesco com ela — advogados recorrem

Evangélica Lisa Miller será forçada a dar sua filha a uma lésbica com quem ela tinha tido uma união “civil” em Vermont

Matthew Cullinan Hoffman
BEDFORD, VIRGINIA, EUA, 8 de janeiro de 2010 (Notícias Pró-Família) — Um tribunal do Condado de Bedford, na Virginia, aceitou uma ordem de transferência de custódia de um tribunal de Vermont, que exige que a evangélica Lisa Miller entregue sua filha para uma lésbica que não tem nenhum parentesco com a menina. Antes de se converter, Lisa tinha um relacionamento com a lésbica.
Enquanto isso, o canal de TV WCAX em Vermont está noticiando que uma audiência foi marcada no Tribunal de Família do Condado de Rutland para decidir se um mandado de prisão tem de ser decretado contra Miller. O caso será tratado em poucas semanas.
Embora Miller, de 40 anos, tenha aparentemente se escondido para proteger sua filha Isabella de 7 anos, seus advogados recorreram contra a ação na Virginia, dizendo que a ordem não é aplicável sob a lei da Virginia.
O estado da Virginia aprovou uma emenda em anos recentes que proíbe o estado de reconhecer “casamentos” homossexuais ou uniões civis de outros estados. Miller e a ex-parceira Janet Jenkins, de 43 anos, tinham sido unidas numa união civil de Vermont em 2000, e Miller deu a luz Isabella em 2003 depois de uma inseminação artificial.
Apesar da ausência de leis estaduais que garantam a condição de pai para parceiros de uniões civis com filhos concebidos por meio da inseminação artificial, ou até mesmo para parceiros de casamento, um tribunal de Vermont decretou que Jenkins obtivesse direitos de pai, e ordenou visitas sem supervisão.
Miller disse para LifeSiteNews numa entrevista de 2008 que sua filha havia relatado ter sido forçada a tomar banho nua com Jenkins, havia falado de morrer depois das visitas e mostrou outros sinais de trauma emocional. Miller também diz que foi abusada por Jenkins durante seu relacionamento e abandonou por esse motivo. Embora relatórios de abuso tenham sido apresentados aos tribunais, não houve resposta.
Links relacionados:
Página de Lisa Miller no Facebook page
Cobertura relacionada de LifeSiteNews:
Exclusive Interview with Lisa Miller, Ex-Lesbian Fighting for Custody of Own Child against “Civil Union” Partner
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2010/jan/10010812.html
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

30 de janeiro de 2010

Obama nomeia transexual para seu governo

Obama nomeia transexual para seu governo

Peter J. Smith
WASHINGTON, D.C., EUA, 8 de janeiro de 2010 (Notícias Pró-Família) — O presidente Barack Obama deu outra conquista pioneira para os ativistas homossexuais ao nomear um homem transexual para uma função no Ministério do Comércio.
Amanda Simpson foi escolhida pelo presidente para o cargo de conselheiro técnico sênior no Ministério do Comércio. Amanda, que no passado era conhecida como Mitchell, é um homem que trabalhava para a empresa Raytheon Missile Systems no Arizona. Durante esse tempo, ele fez a transição de “homem” para “mulher”.
“Estou verdadeiramente honrada de ter recebido essa nomeação e estou ansiosa e emocionada com esta oportunidade que está diante de mim”, Simpson anunciou numa declaração. “Como um dos primeiros transexuais nomeados pelo presidente para o governo federal, espero que logo eu seja um dos centenas, e que essa nomeação abra futuras oportunidades para muitos outros”.
Simpson é um importante ativista homossexual e membro da diretoria do Centro Nacional da Igualdade Transexual. Durante seu período na Raytheon, onde ele subiu para a posição de diretor adjunto de desenvolvimento de tecnologias avançadas, ele foi bem sucedido em acrescentar “identidade sexual” nas políticas de oportunidades iguais de emprego na Raytheon.
Em comentários posteriores dados para ABCNews.com, Simpson disse que “se sentia como o primeiro sujeito desagradável”, pois temia que sua identidade sexual, em vez de méritos pessoais, fosse creditada por lhe obter o emprego.
O presidente não tem feito segredo de seu desejo de nomear homossexuais famosos para posições do Executivo. Contudo, muitos ativistas homossexuais têm criticado Obama por tentar aplacá-los nomeando homossexuais para posições influentes, em vez de agressivamente promover as questões legislativas deles. Mas ativistas pró-família vêem a escolha de Simpson como outro passo para normalizar o homossexualismo nos Estados Unidos.
Outro nomeado homossexual de Obama é Kevin Jennings, assistente da Secretaria de Escolas Seguras do Ministério da Educação, que era diretor executivo da Rede de Educação Gay, Lésbica e Hetero (REGLH). Jennings recebeu muitas críticas dos grupos pró-família porque a REGLH promoveu uma lista de literatura pornográfica para crianças dos graus 7-12, ainda classificando essa literatura como “apropriada para essa faixa etária”. Ele também foi muito criticado por seus infames escândalos do “fist-gate”, onde práticas sexualmente violentas foram ensinadas para adolescentes de Boston numa conferência da REGLH. Ambos ocorreram durante o período em que ele era diretor executivo.
“É sempre a mudança gradual que vai avançando e vai ficando radical”, Peter LaBarbera, dos Americanos pela Verdade do Homossexualismo, disse para Citizenlink de Focus on the Family. “É difícil o povo americano se atualizar”.
“Precisamos considerar qual é a essência do ativismo transexual”, disse LaBarbera, “que é fundamentalmente reconhecer direitos civis com base na confusão sexual”.
Veja a cobertura relacionada de LifeSiteNews.com:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2010/jan/10010808.html
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

29 de janeiro de 2010

Dr. Ives Gandra critica decreto ditatorial de Lula

Dr. Ives Gandra critica decreto ditatorial de Lula







Leia mais:

Supremo Tribunal da Itália defende crucifixos e soberania nacional contra Tribunal de Direitos Humanos da Europa

Supremo Tribunal da Itália defende crucifixos e soberania nacional contra Tribunal de Direitos Humanos da Europa

Hilary White
ROMA, Itália, 6 de janeiro de 2010 (Notícias Pró-Família) — O Tribunal Constitucional da Itália deu uma decisão declarando a supremacia das leis e costumes italianos sobre as ordens do Tribunal de Direitos Humanos da Europa (TDHE). Em novembro, uma ordem do TDHE sediado em Estrasburgo para que todos os crucifixos fossem retirados das escolas públicas italianas provocou revolta na Itália. Especialistas legais avisaram que a decisão minaria as liberdades religiosas e a soberania nacional em todos os países membros da União Européia.
Mas o Supremo Tribunal da Itália disse que nos pontos em que as decisões do TDHE entram em conflito com as cláusulas da Constituição italiana, tais decisões “carecem de legitimidade”. Piero A. Tozzi, do Instituto Católico de Direitos Humanos e da Família, disse que a decisão tem o propósito de alertar contra veredictos politicamente motivados do tribunal de Estrasburgo e contra suas tentativas de ultrapassar limites de jurisdição.
Depois dessa decisão antes do Natal, veio um projeto de lei, apresentado no Senado da Itália, que pretende regular a exibição de crucifixos em todas as escolas estatais. O Senador Stephen Ceccanti, professor de direito constitucional, disse que o projeto exige que os crucifixos sejam exibidos, “considerando o valor da cultura religiosa da herança histórica do povo italiano e a contribuição dos valores constitucionais, e como sinal do valor e limites da Constituição”.
O projeto, apresentado no Senado em 17 de dezembro, propõe lidar com o problema de crianças cujos pais se ofendem com a presença de um crucifixo permitindo que outros símbolos religiosos sejam exibidos, ou que o crucifixo seja removido em casos individuais em que não se pode alcançar nenhum acordo mútuo.
Em novembro, o TDHE, órgão do Conselho da Europa que é influente nas políticas da União Européia, havia sustentado uma queixa de Soile Lautsi, uma finlandesa atéia com cidadania italiana. Ela disse que seus filhos foram obrigados a ver um crucifixo todos os dias na escola pública que freqüentavam e que isso constituía violação de sua liberdade religiosa. Ela foi compensada em €5000 (US $7200), a serem pagos pelo governo italiano.
O veredicto do TDHE disse: “A exibição compulsória de um símbolo de determinada confissão em dependências usadas pelas autoridades públicas… restringe o direito dos pais de educar seus filhos conforme suas convicções”.
O veredicto do TDHE já havia provocado ultraje nacional entre os italianos, virando manchete durante semanas. Prefeitos de várias municipalidades em todo o país responderam à ordem do TDHE de remover crucifixos ordenando em vez disso que todas as escolas e órgãos públicos que não os tivessem que exibissem um crucifixo ou enfrentassem multas diárias de até €500. Um prefeito, Umberto Macci de Priverno na Província de Latina, Lazio, no centro da Itália, até despachou a polícia local para inspecionar as escolas para garantir que os crucifixos estivessem ali.
O governo italiano prometeu recorrer da decisão do TDHE, citando o Artigo 7 da Constituição italiana que diz: “O Estado e a igreja são, cada um em sua própria esfera, independentes e soberanos”. O relacionamento entre a Igreja Católica e o Estado italiano é regulado pelo Patti Lateranensi, o Tratado de Latrão, que estabelece a coabitação e o reconhecimento mútuo das esferas seculares e religiosas e declara claramente que os crucifixos têm de ser exibidos em escolas públicas e nos tribunais.
Roger Kiska, assessor legal europeu do Fundo de Defesa Aliança, disse que o veredicto do TDHE desrespeita a “soberania cultural de cada país membro” da UE e que a decisão do Tribunal de Cassação é um sinal de que a Itália pode estar preparada para romper com o TDHE se o governo perder sua ação.
Kiska especulou que a decisão do Tribunal de Cassação pode estimular o Supremo Tribunal da Irlanda se o TDHE decidir contra a proteção constitucional irlandesa para as crianças no caso A, B, & C versus Irlanda.
Neil Addison, especialista de direito de discriminação religiosa, disse para LifeSiteNews.com que o veredicto do TDHE juntamente com a recente aprovação do Tratado de Lisboa colocando todos os países membros sob uma jurisdição, poderá ter efeito epidêmico na liberdade religiosa da Europa. Addison disse: “A menos que o Tribunal de Direitos Humanos da Europa rejeite suas próprias decisões na ação, a Itália e, aliás, o resto da Europa, tem um problema sério”.
O veredicto do TDHE recebeu respostas negativas da Grécia e da Polônia, com o presidente polonês Lech Kaczynski e a liderança da Igreja Ortodoxa Grega avisando que não haveria remoção de crucifixos ou outros símbolos religiosos em seus países.
Leia a cobertura relacionada de LSN:
Italian Mayors Order Crucifixes Put in Classrooms in Revolt against European Court Ruling
Tribunal Europeu de Direitos Humanos proíbe crucifixos nas escolas da Itália
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2010/jan/10010604.html
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

28 de janeiro de 2010

Verdades e mentiras sobre o Golpe de 1964, a Ditadura Militar e a postura dos evangélicos à época

Verdades e mentiras sobre o Golpe de 1964, a Ditadura Militar e a postura dos evangélicos à época

Pr. Silas Daniel
Em 2009, o Golpe de 1964 completou 45 anos. Como era de se esperar, várias manifestações na mídia impressa, televisiva e virtual marcaram a data. Nem todas, porém, justas. Alguns equívocos muito comuns foram repetidos. Por exemplo, as afirmações de que o Golpe de 1964 veio para instaurar uma ditadura no Brasil (quando, na verdade, a Ditadura Militar foi um desvio da proposta do movimento de 1964 e que só ocorreu um ano depois da deposição de Jango); que a deposição de Jango foi “uma tremenda injustiça”; e que os Estados Unidos idealizaram e patrocinaram o Golpe. Essas distorções só prosperam hoje porque, infelizmente, já faz alguns anos que uma educação com viés de esquerda prevalece nas escolas desse país, distorcendo os fatos e reescrevendo a História.
[Este artigo trata das] versões falsas sobre aquela época de nossa história, distorções estas que, inclusive, têm levado muitos crentes a fazerem julgamentos equivocados sobre o comportamento que a igreja evangélica brasileira teve em relação à deposição de Jango e à Ditadura Militar.
Sim, os evangélicos foram condescendentes com o movimento de 1964, mas, para entender essa atitude, é preciso saber o que o governo Jango estava fazendo à época para provocar essa reação radical da sociedade brasileira, e pelo que lutou realmente esse movimento de deposição, para, então, finalmente, entendermos porque não apenas os evangélicos, mas todos os setores da sociedade civil brasileira e a maioria da população, apoiaram a deposição de Jango. Não, não concordo com golpes de Estado, mas, ao conhecer a conjuntura do movimento de 1964, dá para entender as razões pelas quais a igreja não viu aquele movimento como um mal.
Sim, os evangélicos também foram condescendentes com a Ditadura Militar que veio depois (embora, neste caso, relativamente), assim como a maioria esmagadora da população daquela época apoiou o regime (especialmente no período de 1964 a 1982). Mesmo preferindo obviamente a democracia à ditadura, os evangélicos agiram assim porque sabiam que seu papel, como Igreja, não era partir para o confronto com os militares em prol da democracia, assim como a Igreja Primitiva não se engajou em nenhuma luta pela derrubada do Império Romano, nem mesmo quando Roma passou a perseguir os cristãos a partir do final dos anos 60 da Era Cristã. Os evangélicos sempre foram ordeiros e, como povo ordeiro, não poderiam coadunar com badernas, guerrilha, desordem e movimentos que tentavam derrubar o regime pela força. E em sua esmagadora maioria, não compactuavam com as teologias esposadas pelos que se opunham ao regime em nome da “fé cristã” (refiro-me à Teologia da Esperança e à Teologia da Libertação, que levaram seus adeptos a confundirem socialismo com fé cristã e a muitos deles entrarem para a guerrilha).
A igreja evangélica também estava ciente do que fizeram os comunistas na China, Cuba, URSS e Coréia do Norte (matando, inclusive, milhões de cristãos), o que a levava a valorizar o importante combate que os militares realizavam contra os grupos terroristas que lutavam para implantar o comunismo em nosso país. Por sua vez, o regime militar ainda garantia a liberdade religiosa e honrava as igrejas cristãs de forma geral, que gozavam do respeito e apreço dos militares. Finalmente, os evangélicos da época, como a maior parte do povo, reconheciam o fato de que os principais culpados pelo abortamento do retorno programado - pelos militares - às eleições diretas (falo disso no segundo artigo), bem como pelo endurecimento e excessos dos militares durante o regime, foram os terroristas de esquerda, que promoveram destruição e caos, mataram mais de 130 pessoas, seqüestraram, e assaltaram bancos, casas e carros. Os militares apenas reagiram a eles, embora tenham se excedido nesse processo, cometendo crimes. Hoje, omite-se deliberadamente que os terroristas já haviam matado dezenas de pessoas de 1964 até dezembro de 1968 antes de o regime instaurar o AI-5, começando a repressão e dando meia volta volver no processo de retorno à democracia plena.
Para ler o resto do artigo, que contém informações muito importantes, siga este link: http://silasdaniel.blogspot.com/2010/01/verdades-e-mentiras-sobre-o-golpe-de.html
Divulgação: www.juliosevero.com

Pastores evangélicos citam aborto e relativismo moral como questões mais importantes

Pastores evangélicos citam aborto e relativismo moral como questões mais importantes

WASHINGTON, D.C., EUA, 6 de janeiro de 2010 (Notícias Pró-Família) — Uma pesquisa de opinião pública realizada antes do final de 2009 mostrou que os pastores evangélicos dos Estados Unidos e líderes de igreja citam o aborto e o relativismo moral como as duas questões morais mais graves que os EUA enfrentam hoje.
Uma Pesquisa de Líderes Evangélicos divulgada na segunda-feira pela Associação Nacional de Evangélicos perguntou aos pastores evangélicos em outubro passado “Qual é a maior questão moral nos Estados Unidos hoje?”
Os entrevistados disseram que o aborto é sua preocupação número 1.
“O escândalo moral do aborto está no topo da minha lista”, disse Jeff Farmer das Igrejas Bíblia Aberta em Des Moines. “Não porque o assassinato é pior do que os outros males morais, mas por causa dos números enormes desses matadouros e a intencionalidade de tantos de colocar o prazer pessoal, a ganância e o oportunismo político acima da própria vida”.
Em segundo lugar apertado, os pastores citaram a crise de relativismo moral e freqüentemente mencionaram Juízes 17:6: “cada um fazia o que parecia bem aos seus olhos.” referindo-se à crise de moralidade que outrora caracterizava a sociedade do antigo Israel.
Ron Carpenter, membro da diretoria da ANE, declarou que o problema nos Estados Unidos é “a não crença na Verdade Absoluta que permeia todas as outras esferas de nossa sociedade”.
Leith Anderson, presidente da Associação Nacional de Evangélicos (ANE) declarou: “Embora tenha havido algumas respostas que especificavam secularização, homossexualismo, pornografia e outras preocupações, elas não estavam no topo da lista”. Em vez disso, maus-tratos dos outros ficou em terceiro lugar, depois do aborto e do relativismo moral, resultando quase num “empate triplo”.
Sammy Mah, presidente de World Relief, afirmou que “a maior questão moral nos EUA hoje é nossa cegueira e silêncio para com as injustiças aqui e no mundo inteiro. Males sociais como pobreza, má-nutrição, falta de moradia, tráfico de seres humanos e tantos outros estão enraizados em injustiças que devem ser combatidas”.
A Pesquisa de Líderes Evangélicos é uma pesquisa mensal de opinião pública da Diretoria da Associação Nacional de Evangélicos e inclui presidentes de denominações e outros representantes do amplo conjunto de igrejas, missões, universidades, editores evangélicas, etc., nos Estados Unidos.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2010/jan/10010611.html
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

27 de janeiro de 2010

Governo sueco toma criança de família que educa em casa

Governo sueco toma criança de família que educa em casa

GOTLAND, Suécia, 23 de dezembro de 2009 (Notícias Pró-Família) — Uma família cristã que educa em casa poderá permanentemente perder a guarda de seu único filho simplesmente porque educam em casa. Advogados do Fundo de Defesa Aliança (FDA) e da Associação Legal de Defesa da Educação Escolar em Casa (ALDEEC) estão juntando forças como consultores legais da família a fim de persuadir o governo sueco a devolver o menino de sete anos para seus pais.
“Os pais têm o direito e a autoridade de fazer decisões com relação à educação de seus filhos sem interferência governamental”, disse Roger Kiska, assessor jurídico do FDA, com sede na Europa. “Trata-se de um governo socialista tentando criar uma criança conforme um molde de produção de massa, conforme a imagem do Estado. Sem ajuda, os pais nesses casos ficam realmente impotentes, pois o sistema pende apenas para um lado”.
As autoridades suecas tiraram a força Dominic Johansson de seus pais, Christer e Annie Johansson, em junho do ano passado. O menino foi tomado de um avião em que seus pais haviam embarcado para mudar para o país natal de Annie, a Índia. As autoridades não tinham nenhum mandado nem haviam acusado os Johanssons de algum crime. As autoridades tomaram o menino porque crêem que a educação escolar em casa é um jeito impróprio de criar uma criança e insistem em que em vez disso o governo tem de criar Dominic.
“É um dos mais vergonhosos abusos de poder que já testemunhamos”, disse Mike Donnelly, advogado da ALDEEC. “O governo sueco diz que está exercendo sua autoridade sob a Convenção da ONU dos Direitos da Criança em seu desmantelamento desnecessário dessa família. Além disso, o Parlamento sueco está considerando uma proibição básica da educação escolar em casa. Estamos sabendo de outras famílias educadoras em casa na Suécia que estão tendo mais dificuldades com as autoridades locais. Tememos que todas as famílias que educam em casa nesse país estejam em risco”.
Os serviços sociais suecos inicialmente limitaram visitas ao menino para duas horas por semana, mas agora reduziram para uma hora a cada quinta semana, e nenhuma visita no Natal, pois os assistentes sociais estarão de férias.
Em 17 de dezembro, um tribunal sueco decidiu em Johansson versus Serviços Sociais de Gotland que o governo estava dentro de seu direito de tomar o menino. Eles citaram o fato de que Dominic não era vacinado como motivo para tomá-lo permanentemente de seus pais e também afirmaram que as crianças educadas em casa não têm bom desempenho acadêmico e não são bem sociabilizadas. A tribulação deixou o menino e seus pais traumatizados.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2009/dec/09122304.html
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

26 de janeiro de 2010

Crimes de ódio e o caso dos dois “Shephards”

Crimes de ódio e o caso dos dois “Shephards”

Muitas agressões violentas que heterossexuais sofrem de homossexuais são ignoradas no debate sobre crimes de ódio

Peter J. Smith
HARRISBURG, Pensilvânia, EUA, 21 de dezembro de 2009 (Notícias Pró-Família) — Alega-se que tanto Matthew Shephard quanto Jason Shephard foram vítimas de crimes de ódio. Alega-se que ambos foram visados por seus respectivos agressores por causa de sua orientação sexual. Mas diferente do primeiro Shephard, Jason Shephard foi assassinado por sua heterossexualidade por um agressor homossexual, e uma organização pró-família quer saber se a nova lei federal contra crimes de ódio seria aplicada em ambos os casos.
A Associação da Família Americana da Pensilvânia argumenta que os heterossexuais visados por homossexuais por causa de sua orientação sexual deveriam receber as mesmas acusações formais que recebem os heterossexuais que visam homossexuais. A nova lei federal contra crimes de ódio “Lei de Prevenção aos Crimes de Ódio Matthew Shephard e James Byrd Jr.” aplica proteções federais especiais para vítimas de crimes que são visadas por seus agressores por causa de sua “real ou percebida orientação sexual e identidade de gênero”.
Os ativistas homossexuais lutaram para aprovar o projeto de lei, que o Congresso aprovou como uma emenda num projeto de lei de defesa nacional e o presidente Obama o sancionou em outubro.
Mas e quanto aos heterossexuais visados por homossexuais por causa de sua orientação sexual? A AFA da Pensilvânia diz que se a lei tiver de ser aceita literalmente, então os homossexuais deveriam também enfrentar instauração de processos por agredir brutalmente vítimas visadas por sua heterossexualidade. Contudo, esses nomes recebem pouca atenção, principalmente nos meios de comunicação nacionais.
Diferente de Matthew Shephard — cujos agressores confessaram ter cometido o assassinato brutal por causa de drogas e não a orientação sexual dele — Jason Shephard de Filadélfia foi morto por estrangulamento em 2006 por William Smithson, de 44 anos, por resistir a seus avanços e estupro homossexual. Smithson trabalhava na empresa em que Shephard era estagiário, e premeditou o ataque sexual contra Shephard, colocando de modo despercebido uma droga de sonolência na bebida de Shephard durante um jantar. Para acobertar o crime, Smithson registrou pessoalmente um boletim de ocorrência notificando o desaparecimento de Shephard, e até se apresentou para a família de Shephard, antes que a polícia finalmente o pegasse em flagrante tentando se desfazer do cadáver em decomposição.
Na sexta-feira, o Tribunal Superior da Pensilvânia confirmou a condenação de Smithson por assassinato de primeiro grau, sentenciando-o a prisão perpétua.
E diferente de Matthew Shephard, o assassinato do heterossexual Jason Shephard cometido por um homossexual recebeu atenção quase que somente da Pensilvânia, sem que se reivindicassem iniciativas legislativas ou públicas por causa da tragédia da morte dele. O jovem que se descrevia como “um filho de cavalheiro indo ver o que o mundo tinha a oferecer” tem uma simples página no Facebook dedicada à sua memória, por amor daqueles que o conheceram.
“Quem nos Estados Unidos dá atenção a seus nomes ou agora ao nome de Amanda Collette?” perguntou Diane Gramley, presidente da AFA da PA, querendo saber se os casos de vítimas heterossexuais também receberiam a mesma proteção especial concedida a homossexuais visados pela orientação sexual sob as leis contra crimes de ódio.
Collete, uma estudante de 15 anos numa escola secundária em Miami, foi assassinada por uma colega de classe lésbica de 16 anos por rejeitar os avanços lésbicos dela. O jornal Miami Herald informou que a lésbica Teah Wimberly confessou para a polícia que matou Collete a tiros em novembro de 2008 de modo que “ela também sofresse”.
Em Prairie Grove, Arkansas, Joshua Brown e David Carpenter amarram o adolescente Jesse Dirkhising, de 13 anos, e o sodomizaram até matá-lo. WorldNetDaily relata que Dirkhising morreu em seu próprio vômito enquanto Brown e Carpenter interromperam seu selvagem ataque sexual para lanchar.
Nicholas Gutierrez de Chicago estuprou, espancou, esfaqueou e estrangulou Mary Stachowicz, de 51 anos, escondendo seu corpo debaixo do piso de seu apartamento, pelo simples motivo de que Stachowicz havia lhe pedido para deixar o estilo de vida homossexual.
Para Gramley, esses casos brutais — não menos brutais do que o assassinato de Matthew Shephard — parecem bem qualificados para receber acusações formais de crimes de ódio. Mas conforme aponta a AFA da PA, só os homossexuais como vítimas de “crimes de ódio” podem exigir atenção nacional: o assassinato de Matthew Shephard produziu mais de 3.000 notícias no mês após sua morte, enquanto só quarenta notícias apareceram no mês após o brutal estupro e assassinato do adolescente Dirkhising.
“Só o fato de que o projeto de lei contra crimes de ódio sancionado pelo presidente Obama em outubro tem o nome do homossexual Matthew Shephard revela a verdadeira intenção de seus promotores — dar proteções especiais para homossexuais, bissexuais e transgêneros”, comentou Gramley. “Predigo que os assassinatos de heterossexuais cometidos por homossexuais continuarão a ser ignorados”.
Muitas organizações pró-família suspeitavam que a Lei Matthew Shephard tinha o objetivo de tornar os homossexuais e os transgêneros uma classe protegida debaixo da lei federal. Mas permaneceram outras preocupações sérias.
Os oponentes da legislação contra crimes de ódio em geral acusam que essas leis violam o devido processo e cláusulas de proteção igual da 14ª Emenda da Constituição dos Estados Unidos tornando os pensamentos de uma pessoa um fator tão importante quanto a natureza de seu ato na instauração de processos contra um crime.
Os Secretários de Direitos Civis dos EUA escreveram cartas aos líderes da Câmara dos Deputados e do Senado condenando a lei, dizendo que eles “consideram a ampla federalização do crime como uma ameaça às liberdades civis”. Os secretários também chamaram a atenção para o fato de que a lei cria uma brecha legal para as proibições da Constituição ao double jeopardy [condição de ser julgado duas vezes pelo mesmo crime], porque a lei permite que o governo federal julgue uma pessoa que já foi inocentada num julgamento estadual, pelo mesmo crime.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2009/dec/09122110.html
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

25 de janeiro de 2010

Presidente do Brasil busca garantir aborto como “direito” e proibir crucifixos em prédios governamentais

Presidente do Brasil busca garantir aborto como “direito” e proibir crucifixos em prédios governamentais

Enorme programa legislativo sendo chamado de “golpe de Estado” não violento e “ditadura” de um partido socialista      

Matthew Cullinan Hoffman, correspondente na América Latina
BRASÍLIA, Brasil, 22 de janeiro de 2010 (Notícias Pró-Família) — O presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva introduziu um enorme pacote de reforma legislativa no último ano de seu mandato que garantirá o aborto como “direito humano”, imporá a ideologia socialista e homossexual nas escolas e meios de comunicação e proibirá crucifixos em dependências governamentais, entre outras medidas.
O programa legislativo, que se chama Terceiro Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3), estabelecerá um nível de controle sobre os meios de comunicação e propriedade privada que está sendo chamando de “golpe de Estado” não violento e “ditadura” de um partido socialista. O programa provocou protestos generalizados de instituições abrangendo desde a Igreja Católica até a liderança militar, o setor agrícola e até ministros de governo.
A liderança da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou uma declaração que “reafirma sua posição, muitas vezes manifestada, em defesa da vida e da família, e contrária à descriminalização do aborto, ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e o direito de adoção de crianças por casais homoafetivos”.
A liderança da CNBB “rejeita, também, a criação de ‘mecanismos para impedir a ostentação de símbolos religiosos em estabelecimentos públicos da União’, pois considera que tal medida intolerante pretende ignorar nossas raízes históricas”.

Ditadura de um partido socialista?

Se o Partido dos Trabalhadores tiver êxito em impor o pacote legislativo contido no PNDH-3, receberá amplos poderes para silenciar organizações da mídia que discordem de sua ideologia, para impor sua agenda política pró-aborto e pró-homossexualismo no país inteiro e para minar os direitos de propriedade privada. Os abrangentes poderes propostos pelo governo levaram pelo um proeminente jornalista do Brasil a falar de “ditadura” de um partido. 
Por exemplo, o programa trata o assassinato de bebês em gestação como “direito humano” a ser protegido pelo Estado. A Diretiva 9 inclui “Apoiar a aprovação do projeto de lei que descriminaliza o aborto, considerando a autonomia das mulheres para decidir sobre seus corpos”.
A diretiva também ordena a criação de “campanhas e ações educativas para desconstruir os estereótipos relativos às profissionais do sexo”.
“Educação e Cultura em Direitos Humanos”, o quinto “eixo” do programa, determina que as crianças desde a infância devem ser doutrinadas no conceito governamental de “direitos humanos”, o qual inclui “o estudo da temática de gênero e orientação sexual” com o propósito de “combater o preconceito, às vezes arraigado na própria família”.
A Diretiva 10 dá um golpe decisivo na tradição brasileira de mostrar crucifixos em dependências públicas, ordenando a criação de “mecanismos para impedir a ostentação de símbolos religiosos em estabelecimentos públicos da União”.
A diretiva também propõe “Realizar campanhas e ações educativas para desconstruir os estereótipos relativos à… identidade sexual e de gênero”.
A Diretiva 19 do programa exige a criação de currículos “para todos os níveis e modalidades de ensino da educação básica” para “promover o reconhecimento e o respeito das diversidades de gênero, orientação sexual, identidade de gênero…”
As diretivas educacionais do programa terão um impacto ainda maior considerando o fato de que o governo recentemente aprovou uma emenda constitucional obrigando todas as crianças a serem enviadas para a escola a partir de 4 anos de idade.

Amplo Controle dos Meios de Comunicação e Propriedade Privada

A Diretiva 22 do PNDH-3 estabelecerá o controle estatal no conteúdo dos meios de comunicação, exigindo que as estações de rádio e TV mostrem “respeito aos Direitos Humanos nos serviços de radiodifusão (rádio e televisão) concedidos, permitidos ou autorizados, como condição para sua outorga e renovação [de suas licenças], prevendo penalidades administrativas como advertência, multa, suspensão da programação e cassação, de acordo com a gravidade das violações praticadas”.
A diretiva também determina a criação de “incentivos” para “pesquisas regulares que possam identificar formas, circunstâncias e características de violações dos Direitos Humanos na mídia”.
A Diretiva 8 propõe o uso dos meios de comunicação como porta-vozes do programa governamental de doutrinação em “direitos humanos” para jovens, determinando a “informação às crianças e aos adolescentes sobre seus direitos, por meio de esforços conjuntos na escola, na mídia impressa, na televisão, no rádio e na Internet”.
Com relação à propriedade privada, o PNDH-3 propõe que um “sistema legal” especial seja criado para a “mediação de conflitos fundiários urbanos, garantindo o devido processo legal e a função social da propriedade”. O programa usa linguagem semelhante para os conflitos de propriedade rural. De acordo com o jornal conservador espanhol El Pais, a linguagem é quase idêntica a do presidente Hugo Chavez da Venezuela, que fala do conceito de “propriedade social”.
O programa provocou choque e ameaças de demissão de elevados líderes militares por propor a criação de uma “Comissão da Verdade” para examinar crimes cometidos pelo regime militar na década de 1960 e 1970. Os líderes militares estão isentos de ações legais de tais crimes de acordo com as atuais leis brasileiras. Lula acalmou temores entre líderes militares concordando em aplicar a comissão para todas as violações de “direitos humanos”, as quais presumivelmente incluem as atividades terroristas da oposição socialista durante o mesmo período.

Controvérsias entram em erupção no Brasil

Embora o presidente Lula tenha aquietado temores de uma perseguição socialista contra seus antigos inimigos militares, o plano continua a provocar revolta e feroz oposição dentro do Brasil.
Reinaldo Azevedo, que dirige um blog para a revista mais lida do Brasil, a Veja, diz que a proposta estabelecerá uma “ditadura” dirigida pelos camaradas do presidente Lula, chama-a de um “golpe de Estado” sem derramamento de sangue e compara o governo ao de Hugo Chavez, que está gradualmente eliminando as liberdades civis na Venezuela.
Azevedo também escreve que as propostas “extinguirão a propriedade privada no campo e nas cidades” e declara que “o Regime Militar instituído em 1964 foi mais explícito e mais modesto” em suas intenções.
Dimas Lara Resende, secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, comentou que “daqui a pouco vamos ter de demolir a estátua do Cristo Redentor”.
As associações de mídia e agricultura também levantaram a voz contra as propostas.
A presidente da Confederação Nacional da Agricultura, a senadora Kátia Abreu, disse que a criação de programas de mediação em casos em que as pessoas invadem propriedade privada incentivará a violência rural e prejudicará os direitos de proprietários de terras. Andre Meloni Nassar, diretor-geral do Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais, escreve que o programa é um “funeral para o agronegócio”.
Até mesmo o ministro da agricultura de Lula, Reinhold Stephanes, rejeitou a idéia, expressando temores de que tais medidas “aumentarão a insegurança no país” e “fortalecerão organizações radicais”.
Embora o próprio Lula tenha expressado preocupação com algumas partes do programa, ele parece determinado a defendê-lo, embora o programa ameace minar a forte popularidade de Lula em seu último ano de governo.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2010/jan/10012208.html
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.
Leia mais:

24 de janeiro de 2010

Cristãos ingleses estão tentando imaginar o motivo por que “igualdade e diversidade” não se aplicam a eles

Cristãos ingleses estão tentando imaginar o motivo por que “igualdade e diversidade” não se aplicam a eles

Hilary White
LONDRES, Inglaterra, 22 de dezembro de 2009 (Notícias Pró-Família) — Os cristãos na Inglaterra continuam a avisar que a planejada legislação de “igualdade” do governo expulsará os cristãos da vida pública. O Instituto Cristão, a principal organização evangélica de pressão política da Inglaterra, divulgou um relatório intitulado “Marginalising Christians” (Marginalizando os Cristãos), detalhando os muitos casos recentes de cristãos que foram disciplinados ou perderam o emprego por causa de conflitos entre fé e o secularismo cada vez mais agressivo que é patrocinado pelo governo.
As recentes leis de igualdade e diversidade do governo, diz a organização, deixam os cristãos como “os primeiros a serem punidos e os últimos a serem protegidos”.
O relatório cita uma pesquisa de opinião pública feita em janeiro de 2009 que revelou que 84 por cento dos ingleses sentiam que a liberdade de religião e de expressão está em perigo na Inglaterra.
O relatório disse que esse “crescente sentimento de intolerância que os cristãos sentem fica muito pior quando eles enfrentam hostilidade no nome da ‘igualdade e diversidade’”.
“Os cristãos tentam imaginar o motivo por que eles não estão sendo tratados de forma igual e o motivo por que a diversidade não os inclui. Eles sentem que uma hierarquia de direitos se desenvolveu que os deixa no fundo da pilha. Isso está levando a um crescente sentimento de que ‘a igualdade e a diversidade’ é um código para marginalizar as convicções cristãs”.
George Pitcher escreveu segunda-feira no jornal The Daily Telegraph que o projeto de lei de igualdade do governo trabalhista, atualmente em tramitação na Câmara dos Lordes, estava sendo usado por “secularistas parlamentares para expulsar o Cristianismo da esfera pública”.
“Qualquer questão servirá como meio para os secularistas marginalizarem os crentes. Você poderia chamar isso de discriminação, mas fazer isso debaixo da bandeira da igualdade é peculiarmente hipócrita”, escreveu Pitcher, um pastor anglicano esquerdista e editor de religião para o Telegraph.
Há, disse ele, “uma ironia deliciosa na igualdade sendo imposta na família da fé”.
Seus comentários vieram depois dos comentários de Michael Foster, ministro da igualdade do governo trabalhista, em que ele confessou que o projeto de lei poderá levar a batalhas legais entre as religiões e ativistas homossexuais. As igrejas e os ateus, disse ele, “precisam já ir preparando seu pelotão de advogados”.
“Os secularistas deveriam ter o direito de desafiar a igreja e se o argumento da igreja for bom o suficiente — que creio que é — então a igreja deveria ganhar. O governo está acostumado ao fato de que sua legislação deveria ser desafiada [nos tribunais]. As pessoas têm sentimentos muito fortes sobre essas questões. Não podemos fazer nada sobre isso e não quereríamos”.
Os bispos católicos estão entre os grupos religiosos que têm advertido que o projeto de lei levará a conflitos sérios entre a Igreja e o Estado. Eles têm dito que a lei será usada como um porrete para forçar a aceitação de homens casados, mulheres e homossexuais ativos no sacerdócio.
A baronesa O’Cathain, que é evangélica, disse para os lordes que o projeto de lei da igualdade é “o projeto de lei mais nocivo [para a liberdade cristã] a chegar diante da Câmara em meus 18 anos como membro”.
Enquanto isso, uma pesquisa recentíssima do British Social Attitudes Survey mostra que 50 por cento das pessoas dizem que são cristãs. Em 1983, eram 66 por cento. A pesquisa disse que a proporção de ingleses que dizem que “não têm religião” aumentou de 31 por cento para 43 por cento.
Só 23 por cento dos entrevistados se descreviam como anglicanos hoje, em comparação com os 40 por cento da população em 1983. Entre aqueles que se descreviam como anglicanos, metade disse que nunca freqüentou igreja e menos de um quinto disse que freqüentava igreja uma vez por mês.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2009/dec/09122204.html
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.