30 de outubro de 2010

Tribunal da Finlândia multa pastor por recusar trabalhar junto com mulher pastora

Tribunal da Finlândia multa pastor por recusar trabalhar junto com mulher pastora

Hilary White
26 de outubro de 2010 (Notícias Pró-Família) — O Supremo Tribunal da Finlândia impôs uma multa de 320 euros contra um pastor evangélico por causa da recusa dele de trabalhar com uma mulher pastora, chamando-o de um caso de “discriminação sexual”.
Ari Norro é pastor da Associação Evangélica Luterana da Finlândia e membro da Associação Evangélica Luterana na Finlândia (AELF), uma associação dentro da Igreja Evangélica Luterana da Finlândia que não aceita a ordenação de mulheres.
Na primavera de 2007, ele estava trabalhando como pastor visitante num culto de domingo numa igreja em Hyvinkää, sul da Finlândia, onde o culto era regularmente realizado por Petra Pohjanraitio, uma mulher pastora. Pohjanraitio havia sido escalada para distribuir a Santa Ceia; porém, antes do culto, ela foi avisada por Norro de que suas convicções apostólicas o impediam de trabalhar com uma mulher pastora no altar.
A decisão do Supremo Tribunal segue outras de tribunais de primeira instância que decidiram que a igreja é obrigada a cumprir as mesmas leis de “igualdade sexual” impostas em outros ambientes de trabalho.
“Atitudes decididas por convicções religiosas não podem ser usadas para levar à quebra de direitos humanos, tais como discriminação de natureza sexual”, declarou a decisão.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2010/oct/10102605.html
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

6 comentários :

Anônimo disse...

O que deve ficar claro que não é uma questão de discriminação de sexo.

É uma questão de obediência e fidelidade a Cristo que reservou o sacerdócio ao homens. É um questão religiosa.

Os doze apóstolos eram todos homens, não havia mulheres entre eles.

Anônimo disse...

Se palavra do Deus de Israel diz que a mulher não deve ser pastora, ela tem que ser obedecida.

Renato disse...

Modismo do mundo não deve entrar dentro do sacerdócio cristão por pressão das feministas.

Mulher no sacerdócio cristão possui base no evangelho, ou é apenas exceção em alguns casos baseado na soberana escolha de Deus? tudo prescisa ter respaldo no Novo Testamento.

Programa Última Trombeta disse...

Não existe respaldo bíblico para ordenação de mulheres para serem pastoras. Aliás, a Igreja de Tiatira foi repreendida porque tinha uma mulher (Jezabel), que se dizia profetiza, e que igreja tolerava. Muitos hoje, ávidos por dinheiro, consentem que uma mulher dirija uma igreja, quando o Senhor Jesus entregou o apascentamento da sua igreja a um varão (na época, Pedro apóstolo).

Diácono José Wilson

Marcelo disse...

Olha, quem disse que mulher não pode exercer o sacerdócio? Talvez não o sacerdócio judaico, mas o cristão sim. E desrespeitar alguém por ser de outro sexo é discriminação sexual, sim. Acredito que o pastor luterano possa não crer que as mulheres devam exercer o pastorado, mas precisa, antes, estudar a questão, pois se o fizer, verá que não é antibíblico. Quando o véu do santuário se rasgou, lá, no Santo dos Santos, poderia entrar agora tanto homens como mulheres.

Marcelo Hagah
João Pessoa-PB

Anônimo disse...

Marcelo, seu racciocínio está totalmente errado!

Repito! Não se trata de discriminação de sexo. Ninguém está discriminando as mulheres. A questão é que Jesus Cristo quis que apenas homens (varões) exercecem o sacerdócio. O fato de os Apostólos (sacerdotes da Nova Alicança) serem todos homens prova isso. Se Deus quis assim, não devemos discutir.