18 de outubro de 2010

Ludibriando os católicos

Ludibriando os católicos

Olavo de Carvalho
Ao ver que ia perdendo o apoio da Igreja à sua protegida Dilma Roussef, cujo abortismo radical e persistente nem os desmentidos de última hora, nem as abjetas e blasfematórias encenações de fé católica da candidata puderam camuflar, o sr. Presidente da República, em desespero, decidiu recorrer ao crime eleitoral explícito: usando o Estado como instrumento de chantagem, ameaçou romper a concordata do governo brasileiro com o Vaticano caso o eleitorado católico se recuse a continuar sendo otário do PT, como o foi servilmente durante tantas décadas por obra e graça de comunistas vestidos de bispos.
O próprio Lula, algum tempo atrás, reconheceu que devia sua carreira política ao eleitorado católico, que aqueles bispos e a mídia cúmplice haviam logrado enganar cinicamente, encobrindo o programa comunista e abortista do PT com a imagem beatificada e perfumada de "Lulinha Paz e Amor".
O fim da farsa, embora tardio e parcial, não só privou Dilma Roussef da anunciada vitória no primeiro turno, mas serviu para desmascarar a autoridade religiosa postiça de tantos sacerdotes e prelados que só entraram na carreira eclesiástica para aí realizar o programa estratégico de Antonio Gramsci: esvaziar a Igreja de todo o seu conteúdo espiritual e usá-la como dócil instrumento da política comunista. A Teologia da Libertação é o braço mais ativo desse programa e, como ninguém ignora, o catolicismo de Lula – e do PT em geral – é o da Teologia da Libertação. Não o de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Não deixa de ser útil lembrar que a Igreja, desde sua fundação, teve de lutar menos contra os seus inimigos ostensivos do que contra os seus falsificadores. Tal é, aliás, a definição de "heresia", palavra que hoje tantos usam sem conhecer-lhe o significado: não qualquer doutrina anticatólica, ou não católica, e sim a falsa doutrina católica oferecida indevidamente em nome da Igreja. Lembrem-se disso quando algum professorzinho aparecer alardeando que a Igreja "perseguia doutrinas adversas". Heresia não é divergência de idéias, é crime de fraude. Da Antigüidade até hoje, gnósticos, arianistas e tutti quanti jamais hesitaram em fingir-se de católicos para vender, sob roupagem inocente, as idéias mais opostas e hostis aos ensinamentos de Cristo. Com freqüência, obtiveram nesse empreendimento sucessos espetaculares, embora passageiros. Ainda no século XIX praticamente todos os seminários da França e da Alemanha ensinavam, com o nome de teologia católica, uma pasta confusa de idéias cartesianas, iluministas e românticas, na qual os jovens aprendizes, iludidos pelos prestígios intelectuais do dia, não enxergavam nada de maligno. Foi só a decisiva intervenção do Papa Leão XIII que acabou com a palhaçada, mediante a bula "Aeterni Patris" (1879), que restaurou o ensino da teologia católica tradicional. Se quiserem uma boa resenha desses fatos, leiam a obra em quatro volumes de Etienne Couvert, "De la Gnose à l'Ecumenisme" (Éditions de Chiré, 1989).
No século XX, à medida que o movimento neotomista inaugurado por Leão XIII reconquistava o prestígio intelectual da Igreja, os eternos falsários abdicaram temporariamente da propaganda aberta e voltaram-se, em massa, para a estratégia da infiltração discreta, praticada em escala industrial a partir da década de 30 graças à iniciativa da KGB (leiam o depoimento de Bella Dodd em "School of Darkness": há cópias circulando pela internet). Foi só em 1963, no Concílio Vaticano II, que, sentindo-se protegidos pela atmosfera de mudança, voltaram a vender impunemente, ao público geral, seus simulacros de cristianismo.
A fundação do PT e toda a sua carreira de crimes inigualáveis não foram senão a extensão remota desses fatos a um país periférico. O PT sempre foi a encarnação viva de um catolicismo de fancaria, concebido para ludibriar os fiéis e induzi-los a trabalhar pelo avanço do comunismo.
Não espanta que a própria entidade que personifica esse catolicismo ante o público seja, ela própria, uma fraude publicitária: a CNBB fala em nome da Igreja e posa, ante os fiéis, como expressão suma da autoridade eclesiástica, mas não é sequer uma entidade da Igreja, é uma simples sociedade civil sem lugar nem função na hierarquia católica. Os bispos, individualmente, têm autoridade para falar em nome da Igreja. A CNBB, não. Quando a CNBB repreende um bispo, ela falsifica e inverte a hierarquia. Está na hora de os fiéis, em massa, tomarem consciência disso.
Fonte: Diário do Comércio, 18 de outubro de 2010
Divulgação: www.juliosevero.com

7 comentários :

Trindade disse...

Agora eu entendi, pois antes eu não entendia nada vendo o "disse desmente, disse desmente" entre Bispos e a CNBB, obrigado Drº Olavo de Carvalho foi muito exclarecedor; Mas fica claro que urge unir os Cristãos para lutarmos juntos em temas comuns como: aborto, casamento entre pessoas do mesmo sexo, enfim lutar pelos valores da família, pois ai todo Cristão concorda e somos a grande maioria da população.

Chamelly disse...

Essa CNBB é outra palhaçada também.

Acordem católicos! Acordem do sono profundo de ouvir pessoas somente, e não ouvir a Deus.

Chega de nós, critãos (MAS É CRISTÃO DE VERDADE, DE SERVIR E SEGUIR, TEMER E TREMER A DEUS E AO SEU FILHO SANTO, O ÚNICO SANTO, QUE É JESUS AMÉM?!), sermos manipuláveis nas mãos de quem realmente não teme a Deus.

Essas eleições tem sido de grande instrumento para avaliarmos as crueldades de quem nada tem a fazer no Brasil, a não ser se envergonhar com a Palavra de Deus, ai destes, irmãos! Ai daquele que negar a Palavra de Deus, a Deus e ao seu Filho Santo e Amado JESUS CRISTO.

Estes da CNBB QUEM SÃO? A quem eles tem servido?

Acordem, povo eleito! Acordem porque Jesus está voltando, e sobre tudo isto que querem estabelecer no Brasil nos será cobrado.

Digam NÃO em alto e bom som à DILMA, ao PT, ao PL 122, ao PNDH3, à esses medrosos do CNBB, e a todos aqueles que ferem nossos princípios baseados na SANTA PALAVRA DE DEUS, a Bíblia.

Fiquem na paz do Senhor Jesus, e força e coragem para enfrentar o inimigo de nossas almas.

Eliseu Antonio Gomes disse...

Julio

Tenho a impressão que no dia 31 de outubro haverão dois vencedores.

As pesquisas elegerão a Dilma e os eleitores elegerão o Serra!

Abraço.

Anônimo disse...

Chamelly, que tipo de cristã é você hein menina?

Não sabe que dentro da Igreja de Cristo o joio vai crescer junto com o trigo?!

Você não ouve sacerdotes comprometido em mostrar o verdadeiro evangelho?

O verdadeiro católico sabe muito bem o que é a CNBB e quem são os verdadeiros sacerdotes da Igreja Católica. Eu disse o verdadeiro católico. O problema é que nós católicos estamos lutando em várias frentes: Temos que lutar contra a anti-católica CNBB; temos que lutar contra a mídia e imprensa esquerdista do Brasil;... por falar em mídia e imprensa esquerdista: Você sabia que foi essa imprensa e mídia duas caras que sempre deu espaços e mais espaços para que os teólogos da libertação falassem em "nome da Igreja Católica" aqui no Brasil?

Desde que eu era moleque, tenho 33 anos, os únicos "sacerdotes" que tinham espaço na nossa mídia e imprensa nojenta eram os teólogos libertacionários!

Os verdadeiros sacerdotes eram colocados de lado ou ridicularizados (e são até hoje! não viu o que aconteceu com Dom José Cardoso em Pernanbuco?).

Repare que aqui no Brasil quando a imprensa e mídia esquerdita quer confundir os católicos em relação a alguns temas, eles colocam sempre as mesmas notícias: "A CNBB, que é 'a voz da Igreja Católica no Brasil', aceita isso..."

Por exemplo: Invações de terras.

Quantas vezes já li jornais (por isso parei até de comprá-los!) a mesma coisa: "A Igreja Católica (para os jornalistas malandros) é à favor da invação de terras." ou "A Igreja Católica (CNBB) é à favor da demarcação de areas indígenas."

Aliás, você leu esse texto e compreendeu?


André

Trindade disse...

Li o comentário que o André fez sobre a CNBB, mas respeitosamente discordo, porque o joio só sera joio enquanto estiver disfarçado, depois de descoberto ele deixa de ser joio e passa a ser apóstata e como tal não deve falar em nome da instituiçaõ pela qual ele apostatou (CNBB) sob pena de ser acionado via judicial e a instuição de imprensa que lhe deu guarida tera de dar o mesmo espaço para a instituição se defender; Cito um exemplo, já pensou um ex-delegado de policia falar e agir em nome da Polícia? Se a Polícia não reagir e se defender o Estado sera acionado pela vitima na justiça e o Estado sera responsabilizado; Então não acredito que alguém de fora fale pela CNBB, pois se fala e Ela (CNBB) se cala então é conivente.

Anônimo disse...

Trindade, a CNBB foi assim desde o seu nascimento: Desde o seu ínicio estava disfarçada.

Não sabes que a CNBB foi fundada por um bispo claramente comunista (Dom Helder Câmara)?!

Para você ver como a CNBB estava disfarçada desde o seu ínicio através de Dom Helder, veja esses artigos (muitos esclarecedores!):

http://advhaereses.blogspot.com/search?q=helder

André

Trindade disse...

Valeu André, Deus continue lhe abençoando, pena que a amioria dos Católicos não saibam disso.