5 de outubro de 2010

Internet, aborto e religião afetaram as eleições presidenciais

Internet, aborto e religião afetaram as eleições presidenciais

Julio Severo
O aborto e a religião podem ter provocado um segundo turno na eleição presidencial no Brasil.
As pesquisas de opinião pública nos meses passados vinham sistematicamente dando para Dilma Rousseff uma vitória de 51-59%. Rousseff é a candidata escolhida do popular presidente socialista Luiz Inácio “Lula” da Silva para substituí-lo na presidência do Brasil. De acordo com a Constituição brasileira, um candidato vence quando obtém 50% ou mais, mas evidentemente Rousseff não conseguiu maioria absoluta, e terá de trabalhar mais no segundo turno.
Grandes jornais no Brasil atribuíram esse resultado ao aborto. A Folha de S. Paulo noticiou que “Dilma perdeu votos entre eleitores evangélicos”, enquanto O Estado de S. Paulo disse que “algo novo começou a acontecer”, e então detalha que Rousseff, que queria a liberalização das leis de aborto em 2007, “teve de ir a público agora dizer que é contra a prática e que não tomaria iniciativa de propor nenhuma lei para legalizá-la”.
O Estado de S. Paulo sugeriu que “a polêmica em torno da legalização do aborto pode ter tido um peso maior no refluxo das intenções de voto de Dilma”.
Em outro artigo, intitulado “Internet e religião podem explicar queda da petista”, o mesmo jornal diz que a queda dela foi causada, entre outros motivos, “por causa da polêmica na internet sobre sua opinião a respeito do aborto”.
Muitos sites brasileiros, inclusive Notícias Pró-Família (a versão em português de LifeSiteNews) e meu blog, têm estado trabalhando para conscientizar os brasileiros acerca das questões da vida. A eleição brasileira em 3 de outubro revelou os resultados desse trabalho duro.
De forma geral, os eleitores brasileiros estão desiludidos com a política. Excetuando a questão do aborto, os brasileiros não mais levam a sério as eleições e qualquer candidato pode ser eleito. Aliás, um palhaço recebeu votação em massa em São Paulo e, muito embora seja analfabeto, será deputado federal no Congresso Nacional!
Rousseff, que se proclama católica e é a herdeira política de Lula, ficou com 46%. Seu principal oponente, o social democrata católico José Serra, obteve 32%, e a evangélica Marina Silva ficou com 19%. Marina, que por muitos anos era membra do PT e agora está no Partido Verde, tem conexões com Al Gore, famosa figura pró-aborto e pró-sodomia.
Lula observou que, pela primeira vez na história do Brasil, todos os candidatos presidenciais são socialistas. Apesar disso, ele prefere Rousseff, que era membra de um grupo de guerrilha comunista na década de 1960 e com toda probabilidade será politicamente mais agressiva na promoção da agenda do PT.
Muito embora nenhum deles seja um legítimo candidato pró-família, os líderes pró-família do Brasil optaram pela via do “mal menor”. Provavelmente funcionou. Durante dois meses, um vídeo no YouTube do pastor batista Paschoal Piragine obteve quase 3 milhões de visitações. A mensagem dele desmascara as políticas pró-aborto e pró-homossexualidade do PT e incentiva os evangélicos a não votarem nele.
Durante muitos meses, a elevada popularidade de Lula e várias pesquisas de opinião pública sinalizavam uma vitória certa e fácil para Dilma Rousseff. Contudo, o segundo turno provocado pela questão do aborto coloca agora a vitória dela em dúvida.

6 comentários :

Anônimo disse...

Tenho dúvidas se o impacto sobre o tema aborto foi tão grande. Veja bem, acredito piamente que este é o ponto determinante para assegurar a vitória contra o PT, mas aposto que o que ocorreu em 3 de outubro foi a ação coordenada de dois fatores:

1) As pesquisas eleitorais foram alteradas intencionalmente para favorecer a candidata do Lula, esperavam que o uso maciço da máquina pública e a compra de votos garantiria a fraude em urnas eletrônicas tendo as pesquisas como fiadoras do crime em andamento.

2) As denúncias de crime na Casa Civil, as quebras de sigilo fiscal e bancário, o nepotismo e etc. atingiu um volume grande demais. Isto somado a crescente insatisfação dos evangélicos e cristãos com o tema aborto na última semana derrubaram a ilusão de que Dilma levaria a eleição no primeiro turno.

Imagino que a votação eletrônica, cujo processo de apuração sendo digital deveria levar não mais que 2 horas, se estendeu por 4 ou 5 horas na tentativa de ajustar os números à vontade popular, sempre roubando quando possível aos interesses escusos de quem controla as máquinas do TSE. O resultado da oposição em colégios eleitorais chaves como Minas, São Paulo e Paraná forçaram o segundo turno. Não havia mais tempo hábil para forjar a opinião pública.

Provavelmente Serra liderou a votação, seguido de Marina. Contudo, a fraude garantiu nova chance a bruxa do planalto. Basta observar os erros gigantescos ao comparar as pesquisas com o resultado apurado. Se é possível errar em 20-25%, por que não em 40-45%?

O importante é conquistar espaço, dar mais visibilidade ao tema aborto e converter o máximo de pessoas do risco que corre o país.

Muito obrigado pelo seu excelente trabalho. Que Deus lhe dê forças e abra caminhos seguros aos brasileiros de bem.

Ednei disse...

O Crivella ensina que ele perdeu votos porque defendia a Dilma e que "erroneamente" era associada a afirmações anticristãs."
ERRONEAMENTE ???, depois dizem que ele fala a verdade. Deus meu, que mundo este homem vive??? Aqui:
http://www1.folha.uol.com.br/poder/809786-pt-estuda-tirar-aborto-de-programa-para-estancar-queda-de-dilma-entre-religiosos.shtml

José Roberto disse...

Outra boa notícia é que a autora da maldita PLC, Iara Bernardi, também não foi eleita. Contudo, os jornais informaram que essa Senhora ainda conseguiu ficar para suplente com 0,34% dos votos apurados.

Essas eleições foram ruim para o PT. Espero, sinceramente, que esse tumor social, seja, nas próximas eleições, extinguido por completo do cenário político brasileiro, juntamente com todos os seus integrantes.

Daivid silva disse...

Tem algum vídeo com a Dilma falando em 2007 sobre o aborto?
Manda pra mim o link por favor.

Trindade disse...

A verdade é que Deus deu a última chance aos Cristãos brasileiros, a verdade é que temos dois caminhos a seguir:
1) Votar em quem só tem tres objetivos:
A)Discriminalizar o aborto;
B)Apoiar causas pró-sodomia;
C)Apoiar a bandalheira dos chamados "movimentos sociais" (MST, Cultura Afro, etc.)
2) Votar em quem não tem valores Cristãos definidos, mas que nunca se definiu a favor dos valores A,B e C, acima citados.
Ficou fácil para qualquer Cristão no dia 31 decidir, pois uma proposta é, e sempre foi claramente explicita, a outra nunca teve esses "valores" como prioridade.
E voce Júlio fique vigilante, pois a "tchurma" do mal esta de olho em voce, mas conte com minha oração ao SENHOR DOS EXÉRCITOS.

Anônimo disse...

Envio estas contribuições para os amados irmãos Júlio Severo e Daivid Silva (que solicitou vídeos de Dilma Rousseff falando sobre o aborto).

Neste vídeo Dilma Rousseff chega a dizer que é um absurdo que o aborto ainda não esteja descriminalizado no país:
http://www.youtube.com/watch?v=efB3S3R5lkk

Nova entrevista de Luis Bassuma (ex-PT) da Folha online sobre o posicionamento eleitoreiro de Dilma Rousseff sobre a questão que envolve o aborto, assim como o posicionamento unânime do PT favorável ao mesmo:
http://www1.folha.uol.com.br/poder/810525-ex-petista-declara-apoio-a-serra-e-diz-que-pt-relativizar-aborto-e-maluquice.shtml

Um interessante artigo do blog de Reinaldo Azevedo da revista VEJA onde se fala que Dilma Rousseff compara o aborto à arrancar-se um dente:
http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/dilma-a-catolica-compara-o-aborto-a-arrancar-um-dente/

Neste vídeo Dilma Rousseff defende o uso do sistema público de saúde para a prática do aborto:
http://www.youtube.com/watch?v=ITAwV6gg3kY

A verdadeira e estranha religiosidade da “cristã católica” Dilma Rousseff:
http://www.youtube.com/watch?v=EpI3uptRXXY

Com relação ao candidato José Serra o posicionamento do mesmo em relação ao aborto ainda é bastante confuso, pois ao mesmo tempo em que critica a candidata do PT, faz defesa da distribuição da pílula do dia seguinte (que mata o óvulo fecundado) conforme menciona um artigo do Jornalista Gilberto Dimenstein (que ao que parece também é defensor do aborto) :
http://www1.folha.uol.com.br/colunas/gilbertodimenstein/809857-baixarias-contra-dilma-e-serra.shtml

Pode-se ver ainda no Youtube uma interessante denúncia do Padre Leo criticando José Serra por permitir a prática do aborto no Brasil conforme o link:
http://www.youtube.com/watch?v=yst5IM8Q2os&feature=related

Sobre tudo isso temos que tomar cuidado e pedir direção a Deus sobre como exercer o nosso voto com responsabilidade, pois as consequências de uma escolha errada podem ser terríveis para o nosso país. Um abraço a todos.


Ass. Roque Bruno