19 de agosto de 2010

Universidade de Illinois irá rever demissão de professor católico

Universidade de Illinois irá rever demissão de professor católico

Kathleen Gilbert
URBANA, Illinois, EUA, 13 de julho de 2010 (Notícias Pró-Família) — A Universidade de Illinois divulgou uma declaração indefinida com relação a um professor de curso de catolicismo que foi demitido depois de declarar que a atividade homossexual é contrária à lei moral natural. A declaração da universidade diz apenas que a universidade preserva um “compromisso para com os princípios da liberdade acadêmica” e que o assunto está sendo avaliado.
A universidade não respondeu ao pedido de LifeSiteNews.com (LSN) em busca de comentários na segunda-feira. Contudo, numa resposta de email postada no site CatholicVoteAction.org, Michael J. Hogan, presidente da Universidade de Illinois, declarou que “a liberdade acadêmica está no coração de nosso ensino e missões de pesquisa”, e que ele orientou a Comissão Permanente de Liberdade Acadêmica a rever a demissão do Dr. Kenneth Howell.
O Dr. Howell havia ensinado “Introdução ao Catolicismo e Pensamento Católico Moderno” no Departamento de Religião da universidade desde 2001, e também ensinava no Centro Newman, que está sob a administração da diocese na universidade. Foi revelado na semana passada que, de acordo com o professor, ele foi despedido depois que o Gabinete de Questões Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneras ficou sabendo do email dele explicando aos estudantes como a homossexualidade era contrária à lei moral natural.
Em parte o email de Howell declarava: “A Lei Moral Natural diz que a Moralidade tem de ser uma resposta à Realidade. Em outras palavras, os atos sexuais são apropriados apenas para pessoas que são complementárias, não as mesmas”.
Robert McKim, diretor do Departamento de Religião, persistiu na demissão de Howell mesmo depois que Howell ofereceu não lidar com o assunto de homossexualidade em aula. Howell está agora buscando ação legal com a ajuda de advogados do Fundo de Defesa Aliança.
Em sua declaração, Hogan insistiu em que “a universidade compartilha meu compromisso para com os princípios de liberdade acadêmica”, mas “ao mesmo tempo, realmente cremos que é importante investigar plenamente todos os detalhes relacionados a essa situação”.
“Como estou seguro de que vocês estão cientes, é às vezes o caso que reportagens públicas podem transmitir apenas parte do ocorrido. Penso que é importante guardar as opiniões até que eu tenha todos os fatos e eu espero que vocês concordem”, escreveu ele.
Hogan disse que espera que a revisão “seja finalizada logo”.
Para fazer contato com a Universidade de Illinois:
Michael J. Hogan, president
(217) 333-3070
Office of Public Affairs
(217) 333-5010
publicaffairs@illinois.edu
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesite.net/ldn/viewonsite.html?articleid=10071305
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

3 comentários :

Handerson Xavier disse...

Liberdade acadêmica? Hum... hum... Se há uma coisa que não existe em universidade é a tal liberdade acadêmica... vc é livre desde que seja ateu, marxista e materialista. Passei muito por essa "liberdade acadêmica" durante meu curso de ciências sociais.
E alguns professores defendem abertamente a pedofilia!
Júlio, motivado por sua luta contra o aborto comecei a lutar também. Preparei um vídeo sobre o tema. Dá uma olhada:
http://www.youtube.com/watch?v=Mh4XANP1tLc

Facundo disse...

Ola denovo...

Olha, como todo ser humano eu tenho minhas opiniões. Dentre estas opiniões está a liberdade de expressão seja ela qual for... E acredito que se alguém tem direito de se expressar como quer, também existe o direito de ter reações a esse pensamento.
Digo isso pq eu, apesar de não concordar com muitos princípios defendido nesse blog (e isso condenará esse meu comentário a exclusão certamente... hehehehe) eu mesmo assim leio... Não sou proselitista e não lio só aquilo que eu concordo... Gosto de ser confrontado. Colocar meus conceitos à prova...

Então realmente me solidarizo coma falta de liberdade que realmente existe nos meios acadêmicos. E acho isso de fato um absurdo sem tamanho! E vc tem razão sr. Júlio, o que a princípio está se tornando uma mera e pacifista luta por direitos pode vir a se tornar uma ditadura às avessas...

enfim... té mais!

marcia disse...

Podemos expressar nossos pensamentos, DESDE QUE, não toquemos no ponto nevrálgico do grupo GAY, qual seja, A VERDADE! Questionar a homossexualidade...não pode!
Deus nos guarde do mal deste século!