8 de agosto de 2010

Revista Época fala sobre novos evangélicos: balelas e besteiróis

Revista Época fala sobre novos evangélicos: balelas e besteiróis

Revista Época, da Globo, dá vez e voz para líderes evangélicos marxistas, classificando-os como “nova Reforma protestante”

Paulo Teixeira
A Revista Época deste fim de semana traz a matéria de capa intitulada ‘os novos evangélicos’.
Na visão da revista, uma suposta reforma estaria ocorrendo na igreja evangélica brasileira.
Alguns líderes evangélicos foram entrevistados e, ‘filosofando’ muito, procuraram enfatizar sobre a necessidade de uma mudança de paradigmas no meio protestante.
A opinião dos entrevistados é praticamente igual: a necessidade da reinvenção da igreja.
Época deixou de fora a liderança da maior denominação evangélica do Brasil: a Assembléia de Deus, denominação que enfatiza a pregação de um evangelho cristocêntrico. Foram priorizadas teorias de líderes da ala progressista e liberal.
Muitos dos que foram entrevistados são velhos conhecidos. São os mesmos que de seus escritórios confortáveis agarram-se a teorias distanciadas da ortodoxia cristã e pregam uma reforma, evidentemente à moda deles. Um deles chegou a dizer que “o movimento evangélico está visceralmente em colapso” (colapso este que ocorreu em sua própria igreja, em 2007, quando dividiu-se, devido às suas idéias anti-bíblicas). Esse mesmo líder, em 2004, ficou aborrecido com Deus pelo fato de o tsunami ter ceifado muitas vidas na Ásia. Na ocasião escreveu um texto sobre tal episódio e disse:
Não aceito que Deus, para alcançar seu propósito, produza um sofrimento brutal em tanta gente miserável, que não pediu para nascer na beira de uma praia paupérrima”.

A reforma desejada (por eles)

Em 2009 o escritor evangélico Julio Severo já detectara os planos maléficos de tais líderes:
“O plano deles é simples. Primeiro, eles desconstroem o que é Cristianismo, atribuindo caricaturas tragicômicas ao conservadorismo evangélico. Segundo, eles apresentam o evangelho socialista (que vem devidamente mascarado com o nome de evangelho do “Reino de Deus”) como a opção nacional, legítima e ideal para os brasileiros”.
Alguns que foram citados na reportagem fazem parte do MEP (Movimento Evangélico Progressista).
Severo assim escreveu sobre o MEP:
“Conheci pessoalmente o MEP, vendo sua atuação marcante no Congresso Nacional — sempre atrelado ao PT. Se eu queria acesso a algum documento do MEP, bastava ir diretamente aos parlamentares petistas. Foi assim que em 2004 fui ao gabinete de um deputado do PT, onde consegui os registros de um seminário do MEP na Câmara dos Deputados”.
Ou seja, nada ficará encoberto que não seja revelado.
Se essa pequena (mas barulhenta) liderança acha que conseguirá fazer uma reforma, para impor princípios marxistas ao cristianismo, estão enganadíssimos.
A reforma é necessária sim, mas não será por homens com suas teorias e filosofias. Ocorrerá sob coordenação do Espírito Santo, quando Ele tiver liberdade para operar livremente nos corações.

Que Deus nos socorra !

A matéria da Época deve ser lida com reservas. Leia-a completa. (Mas atenção, ela só terá sentido e compreensão, quando for lida juntamente com o texto escrito pelo irmão Julio Severo: “Evangélicos progressistas, evangelicais ou encaPeTados?
Tudo o que é vindo da Globo sobre evangélicos deve ser lido, relido, analisado minuciosamente. Pode, porventura, vir alguma coisa boa de lá, sobre os evangélicos?
Fonte: Holofote

10 comentários :

Daniel disse...

Julio, realmente a última frase da matéria resume tudo: pode vir algo de bom em relação aos protestantes por parte da Globo????

Hoje de tarde, vi um anúncio da Globo defendendo a lei contra as palmadas e broncas nas crianças, com o jargão de "não batas, ensine", narrado por ninguém menos que a Xuxa!!!! Essa sim, sabe cuidar de criancinhas muito bem, se é que você me entende...!!!!

Abraço e fica com Deus!!!!

Tia Cê, a Luz emana de mim disse...

Julio, eis que uma heresia leva a outra.

Danilo Fernandes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Danilo Fernandes disse...

Caro Julio, (este o correto)

Tenho de admitir que há muita verdade no que voce disse (não tudo, claro, risos).

Mas ficou parecendo que:

1) Que nas denominações tradicionais, incluindo AD, Batistas, Presbiterianos não há defesa da fé.

2) Eu não quero neoreforma! Eu quero retorna à REFORMA (a verdadeira e única!)

3) Eu quero Igreja e não quero nem teologar no Franz Café com um deus menor relacional e nem tão pouco servir a mamon! E creio que a maioria que protesta pensa o mesmo.

4) Da globo não espero nada que preste mesmo.

5) Ignorar os blogs pentecostais, o Genizah, o seu, e tantos outros que vem militando há muito tempo é ridiculo! Falta de isenção, compadrismo de uma materia fechada nas coxas dos amiguinhos.

Ficou parecendo que o cenario hoje é: neomauricinhos de gizuz liberaloides X neopentecas mamônicos!

A Igreja tem sim se levantado para o retorno às Escrituras, o fim das neoindulgências e da insistente deturpação da vontade revelada do Senhor para que domine a entrega às concupiscências.

Fonte da matéria: Certo blog que mantem entre seus parceiros um blog de gays e faz descarado proselitismo a bebida e a pornografia. Nada contra uma bebida com moderação (sou presbiteriano, risos) mas fazer propaganda de bebida é OUTRA COISA.

Fala sério.

Abs

Danilo, com menos raivinha

Danilo Fernandes disse...

Fica o novo, Julio.

Julio Severo disse...

Eu acho, Danilo, que há muitas coisas no neo-pentecostalismo que merecem ser criticadas, assim como há muitas coisas em igrejas tradicionais que merecem igualmente críticas. Mas colocar Ricardo Gondim, Ed Rene Kivitz e até Caio Fábio como referências de críticas ao que está acontecendo na igreja é a mesma coisa que ver Mussolini criticando Hitler, ou Fidel Castro criticando Hugo Chavez. Ou como se diz em bom português: o roto falando do rasgado. Gondim, Kivitz e Caio Fábio não têm moral para criticar ninguém.

O único bom exemplo da reportagem foi Augustus Nicodemus. O resto foi marionetismo da Globo, que escolheu líderes evangélicos de acordo com o padrão global.

Enfim, o que esperar da Globo? Nem evangélicos tradicionais, nem neopentecostais, nem católicos, nem judeus conservadores devem esperar da Globo respeito aos valores da vida e da família.

Danilo Fernandes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Danilo Fernandes disse...

Julio,

Acho que todos podem e devem se manifestar, mas concordo com você totalmente neste ponto: Excluir os evangélicos sinceros que prezam os valores cristãos tradicionais, são a maioria e olham para o teimo aberto e a venda de indulgências com o mesmo horror é MANIPULAÇAO.

Engraçado como este veículo faz tanta questão de nos entender mal, mas acerta tanto no entendimento quando se trata de falar sobre o espiritismo, uma doutrina diabólica que aceita TUDO e se renova e conforta o pecador numa fábula que transforma Deus num ser que dá Graça e Justiça em pilulas karmáticas e aceita com caridade a boiolagem geral!

Handerson Xavier disse...

Se por um lado os que amam a Palavra são acossados por aqueles que a distorcem por dinheiro, ganância e poder; pelo outro lado somos acossados pelos que abandonaram as Escrituras por umas heresias meia-boca, como os tais progressistas (melhor seria regressistas) e cristãos "marxististas". Sou formado em ciências sociais e sempre que vejo um pastor metido a cientista social fico enojado, pois os mesmos teóricos que eles babam são os que os tomam por um bando de ignorantes, burros e superticiosos, além de imprestáveis e "sem trabalho produtivo". Conheços alguns dessa estirpe que são uma desgraça para o reino de Deus com suas desconstruções, reinvenções e reinterpretações. Deus tá muito paciente com esse povo!

Rubergil Violante Jr. disse...

Júlio, dessa vez eu não concordo com o post. Particularmente fiquei muito feliz pela reportagem, ainda mais em uma revista da Globo.

Claro que não dá para pegar todos os exemplos citados na matéria como válidos (até um ateu foi entrevistado), mas eu gostei de saber que há várias vozes se levantando contra algumas "hipocrisias evangélicas". Acho isso um bom começo. Mas ainda falta muito, é verdade.

A revista pode ter pego exemplos ruins, mas pegou exemplos bons também. E quem disse que todos ali pregam princípios Marxistas? Vá um dia conhecer a Comunidade do Ricardo Agreste aqui em Campinas (já esclarecendo que não sou membro de lá) e você verá que de marxismo há muito pouco.

A última frase, embora correta, nesse caso foi gol contra. Só pra constar: eu conheço pessoalmente o autor, ele é evangélico.

Abraço e que Deus te abençoe!