19 de agosto de 2010

Missionários cristãos presos em festival árabe de Michigan

Missionários cristãos presos em festival árabe de Michigan

Thaddeus M. Baklinski
DEARBORN, Michigan, EUA, 14 de julho de 2010 (Notícias Pró-Família) — Quatro missionários cristãos foram levados a juízo no 19º Tribunal Regional de Dearborn em 12 de julho e acusados de conduta desordeira. A polícia havia feito a prisão deles no Festival Árabe Internacional de Dearborn em 18 de junho por entregarem literatura cristã.
A polícia também se apoderou do equipamento de vídeo do grupo.
Nabeel Qureshi da Virgínia, Negeen Mayel da Califórnia e Paul Rezkalla e David Wood, ambos de Nova Iorque, que são membros de uma organização chamada Acts 17 Apologetics, disse que só conversavam com pessoas que se aproximavam deles e filmavam os encontros para se protegerem. Eles acrescentaram que as acusações são uma violação de seus direitos de liberdade de expressão da Primeira Emenda.
“Nós nos certificávamos de que as únicas pessoas com quem conversávamos eram as pessoas que tomavam a iniciativa de se aproximar de nós. E isso foi para limitar acusações de instigação e distúrbio”, Qureshi disse aos jornalistas depois do incidente. “Sabíamos que as pessoas têm uma tendência de nos acusar de sermos perturbadores, de incitarmos e instigarmos. Por isso, queríamos nos certificar de que não fizemos absolutamente nada dessa espécie”.
Advogados do Centro Legal Thomas More, que está representando os quatro pregadores de rua, entraram com uma contestação de inocência em favor dos cristãos, três dos quais são convertidos do islamismo.
“É evidente que a delegacia de polícia de Dearborn estava mais interessada em aplacar os muçulmanos do que em obedecer à nossa Constituição”, disse Richard Thompson, presidente e principal advogado do Centro Legal Thomas More, num comunicado à imprensa. “Três cristãos estavam exercendo seus direitos constitucionais de liberdade de expressão e liberdade de religião, mas aparentemente numa cidade onde a população muçulmana parece dominar o sistema político, a lei xaria passa por cima da nossa Constituição”.
“É óbvio que essas prisões foram uma medida de retaliação por causa do vídeo humilhante das táticas de força e intimidação usadas no ano passado pelos guardas de segurança do festival”, acrescentou Thompson. “Desta vez, a primeira coisa que os agentes da polícia fizeram antes de prender foi confiscar as câmeras de vídeo a fim de impedir a gravação do que realmente estava ocorrendo”.
Os pregadores cristãos haviam tido um desentendimento semelhante com a polícia no festival do ano passado.
De acordo com informações da Agência de Recenseamento dos EUA, aproximadamente um terço dos 98.000 habitantes de Dearborn são árabes americanos.
John O’Reilly Jr., o prefeito de Dearborn, defendeu as ações da polícia e divulgou uma declaração sobre o site municipal que declara que ele pensa que a intenção do grupo era perturbar o festival árabe.
“A real violação dos direitos da Primeira Emenda ocorre com Acts 17 Apologetics tentando insinuar que eles eram as vítimas quando a violação real é o ataque deles contra a cidade de Dearborn por ter tolerância para com todas as religiões, inclusive indivíduos que crêem no Corão”, disse uma declaração de O’Reilly.
“Nossa tarefa é dar segurança pública a todos os que escolhem se ajuntar ou se manifestar na cidade de Dearborn e daremos o mesmo serviço profissional independente da causa ou opiniões das partes envolvidas”, Ronald Haddad, chefe de polícia de Dearborn, disse na declaração do site da cidade.
Um comunicado à imprensa do Centro Legal Thomas More hoje diz que a declaração do prefeito é “um acontecimento chocante e sem precedente”.
“A Cidade de Dearborn, por meio de seu prefeito e seu site oficial, pessoalmente atacou quatro missionários cristãos presos no Festival Árabe Internacional em 18 de junho de 2010. A intrusão do prefeito no caso destruiu toda e qualquer aparência que restava de uma ação policial profissional e imparcial depois do confisco ilegal das câmeras de vídeo para impedir a gravação de eventos envolvendo as prisões”.
O Centro Legal Thomas More, um escritório de advocacia de interesse público com sede em Ann Arbor, Michigan representará os missionários cristãos em seu julgamento, que está marcado para 20 de setembro de 2010.
Vídeo da resposta de Acts 17 Apologetics à declaração do prefeito O’Reilly está disponível aqui.
Informações de contato para o prefeito de Dearborn John O’Reilly
Dearborn City Hall
13615 Michigan Avenue
Dearborn, Michigan, 48126
EUA
Fone: 313. 943.2300
Email: via
website
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesite.net/ldn/viewonsite.html?articleid=10071407
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Um comentário :

Anônimo disse...

Caro Julio,
é triste ver que os irmãos estão presos, e vamos orar para que o Senhor os dê livramento, porém junto a esse pedido peçamos que o Senhor lhes dê também sabedoria. Pregar em um festival árabe não é sábio, pois soa como provocação.
A Palavra diz expressamente que se a casa em que estiverdes recusar a paz que se sacuda até o pó daquela casa de nossos pés. O "ide" de Jesus é na revelação do Espírito Santo. Paulo queria pregar em uma cidade, porém o Espírito Santo não lhe permitia e o mandava para outra. Orar ao Senhor, buscá-lo em madrugadas, jejuns e oração antes de evangelizar é necessário, para que Deus fale conosco se é em tal ou qual lugar que quer que preguemos. Houve frutos de conversão nessa pregação dos irmãos? Ou só tumulto e problemas? Que Deus tenha misericórdia de nós!