1 de agosto de 2010

Google irá pagar mais para funcionários homossexuais do que heterossexuais

Google irá pagar mais para funcionários homossexuais do que heterossexuais

Thaddeus M. Baklinski
5 de julho de 2010 (Notícias Pró-Família) — Um comunicado à imprensa do Google diz que a mega-empresa de mecanismo de busca começará a pagar mais a seus funcionários homossexuais do que a seus funcionários heterossexuais.
Citando uma lei tributária que diz que os benefícios de seguro de saúde pagos para parceiros civis de empregados homossexuais são considerados renda tributável, embora benefícios fornecidos a casais casados não sejam taxados, o Google anunciou que retificará a “discriminação” tributária contra os homossexuais pagando-lhes a diferença.
Em media, os homossexuais receberão como pagamento extra 1.069 dólares por ano, de acordo com uma reportagem do jornal New York Times.
A empresa declarou em seu blog na quinta-feira que estará “arredondando tributos imputados em benefícios de seguro de saúde para todos os parceiros domésticos de mesmo sexo nos Estados Unidos, retroativo a 1 de janeiro de 2010”.
O Google é famoso por apoiar o homossexualismo e já tem licença de pais para homossexuais equivalente à Lei de Família e Licença Médica; está trabalhando com suas empresas seguradoras para mudar a definição de infertilidade — que hoje é definida como a incapacidade de conceber um filho depois de tentar por um ano — a fim de que suas funcionárias lésbicas recebam cobertura para inseminação artificial.
Na reportagem, a empresa tomou a decisão em resposta a queixas de funcionários homossexuais de que eles estavam sendo discriminados pelo sistema tributário.
“Dissemos: ‘Vocês estão certos. Isso não parece justo’. Por isso, demos uma olhada no caso”. Laszlo Bock, diretor do departamento de pessoal do Google, disse para o New York Times. “A partir dessa sugestão inicial, dissemos, vamos dar uma olhada em todos os benefícios que oferecemos e ver se estão sendo realmente justos com todos”.
Daryl Herrschaft, diretor do Projeto Ambiente de Trabalho da Campanha pelos Direitos Humanos, uma organização que defende direitos homossexuais, aplaudiu a nova política do Google.
“Eles estão fazendo melhorias onde o governo federal não tem reconhecido a realidade da diversidade no ambiente de trabalho hoje”, Herrschaft disse para os meios de comunicação.
“Isso é eliminar a discriminação existente que… gays e lésbicas enfrentam no ambiente de trabalho como consequência da lei federal que não reconhece suas famílias”.
Entretanto, Gary Schneeberger, porta-voz de Focus on the Family, disse para FoxNews.com que o pagamento extra dado aos homossexuais é de fato discriminação inversa e não faz nada para equiparar benefícios aos funcionários.
“Se o Google quer realmente ser justo com seus empregados, tem de considerar compensação extra para casais heterossexuais que a cada 15 de abril levam uma mordida do imposto que penaliza as pessoas que estão casadas”, disse Schneeberger.
“Como é que oferecer mais dinheiro a um só grupo para compensar uma percebida desigualdade não é uma forma de discriminação contra aqueles grupos não sortudos o suficiente para receber tais bônus?”
Além disso, Lis Wiehl, analista legal de Fox News, disse que a medida do Google poderá abrir o caminho para ações legais de discriminação inversa contra a empresa com base na violação do estatuto de pagamento igual para trabalho igual, e dando preferência a benefícios com base na orientação sexual.
“Há um potencial para ações legais contra discriminação inversa do estatuto de pagamento igual para trabalho igual que diz que se estou fazendo o mesmo trabalho que a pessoa que está próxima de mim que minha condição conjugal ou orientação sexual não deveriam ser levados em consideração. É o desempenho do meu trabalho que tem de ser levado em consideração”, Wiehl disse para FoxNews.com.
Informações de contato:
Eric Schmidt, Chairman of the Board and Chief Executive Officer (Presidente da mesa diretora e diretor geral)
Google Inc.
1600 Amphitheatre Parkway
Mountain View, CA 94043
Phone: +1 650-253-0000
Fax: +1 650-253-0001
Email: (
via website)
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesite.net/ldn/viewonsite.html?articleid=10070504
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

6 comentários :

disse...

Temos que ter uma vida de acordo com nosso sexo, ou seja nos assumir dentro da condição que viemos ao mundo. se o Homossexualismo é de nascença esta configurado o terceiro sexo, e constituir paternidade é inerente a união dos dois sexos anteriores, isto é homem e mulher. Portanto este auxílio acaba sendo injusto, pois esta sendo dado a classe errada. Existe tantos casais com problemas para engravidarem que precisariam urgente deste tipo de ajuda, e as Empresas e muitas vezes o Governo viram as costas para os tais.

Neto disse...

"se o Homossexualismo é de nascença esta configurado o terceiro sexo"

Aonde foi que você leu está informação?

Klauss disse...

Ué? Vão "ratificar" uma discriminação criando outra pior ainda?

Já diria Obelix: "Esses romanos são loucos!"

Maximiano Henrique Rebequi dos Santos disse...

Depois de ler essa notícia resolvi deixar de utilizar o Google de forma exclusiva,como vinha fazendo até então.
Passarei a utilizar serviços de outra empresa,para que o Google não possa utilizar sua força para discriminar o meu trabalho na Internet.Já se perguntaram se essa empresa,no futuro,passar a dar tratamento diferenciado às pessoas usando critérios escusos,como o de práticas sexuais ou diferenciação por raça e nacionalidade?
O Google já trata os funcionários com diferentes critérios,privilegiando uns em detrimento aos outros,poderia no futuro,fazer a mesma coisa com seus clientes,não é mesmo?
Se isso acontecer,os que menos dependem do Google,serão os menos afetados.E ajudar a concorrência é sempre um meio de boicote eficaz contra empresas mal intencionadas!
Eu acuso o Google e me oponho na medida em que seja ferida a verdade e o bem.
Abraços

Barney disse...

Casais heterossexuais em regra têm várias despesas extras, considerando-se que em geral têm filhos. Isso deveria contar na hora de tentar fazer justiça na ponta do lápis.
Sem contar que homossexuais vivem em comportamento de risco, expondo-se muito mais, e conscientimente, a um sem fim de doenças sexualmente transmissíveis, a exemplo da AIDS, enormemente mais frequente entre homossexuais, alem de cancer retal e outras mazelas. Isso onera o sistema de saúde, e considero justo que paguem mais por isso (como aliás, considero justo que pessoas obesas ou fumantes tenham carga tributária maior - não se trata de discriminação, mas justiça: quem onera mais o sistema, paga mais).
Não vou mentir que me irrito em saber que parte do que pago em tributos vai para o tratamento de gente com vida sexual desregrada e irresponsável e que acaba pegando AIDS por aí, e depois vai pedir auxilio estatal.

Anônimo disse...

Isso é errado. Pois os dois deveriam ganhar o mesmo salário!
Isto é até um ponto de descriminação. Pois os heteros geralmente têm filhos, tem mais despesa que os homossexuais. Com certeza, isso deveria ser levado em conta antes de fazer uma coisa dessas. E eles não estão implantando uma outra descriminação, privilegiando a outros? Onde está a igualdade? Os direitos iguais?