18 de agosto de 2010

Adeus, pregadores intocáveis!

Adeus, pregadores intocáveis!

J.L. Grady
Deus está sacudindo a igreja removendo os corruptos, mas somos culpados de trazer os charlatães para nossos púlpitos!
Al Capone controlava a cidade de Chicago. O prefeito da cidade comia na mão dele e Capone trazia a polícia sob cabresto, enquanto dominava um império de cassinos, prostituição e contrabando de toda espécie. Durante anos fez uso das armas e vivia acima da lei, a ponto de ganhar o apelido de “intocável”, porque ninguém conseguia levá-lo às barras dos tribunais.
Mas, finalmente preso em 1932 justificou seus crimes, dizendo: “Tudo que fiz foi satisfazer a vontade do povo”. Ele não se preocupava com as consequências de seus crimes porque conhecia os prefeitos, a polícia, os líderes comunitários e os cafetões que o protegiam.
“Não existe como saber quantas pessoas rejeitaram o evangelho porque viram a igreja apoiando esses pregadores que gritam, mentem, enganam, corrompem, roubam e são aplaudidos pela congregação quando pedem dinheiro”.
Detesto ter de comparar qualquer ministro a um gangster, mas a triste verdade é que existem muitos obreiros inescrupulosos que seguem os passos de Al Capone. São enganadores e mestres na arte da manipulação. Encontraram seu espaço nos subterrâneos do movimento carismático e usam sua capacidade hipnótica para controlar um bom número de emissoras de TV. E, como Al Capone seus dias estão contados. A justiça os alcançará!
Esses falsos profetas, possivelmente começaram seus ministérios com um chamamento genuíno de Deus, mas a fama e o sucesso os desviaram e os destruíram. Abandonaram a fé levados pela fama e pelo dinheiro, e quando se deram conta tiveram que criar mecanismos para manter seus ministérios em funcionamento. Agora, Deus os está apertando.
Mas, antes que nos regozijemos crendo que esses impostores estão sendo removidos de nossos púlpitos, apertemos o botão de pausa e pensemos um pouco. O que aconteceu para que tais pregadores adquirissem tal fama? Eles jamais seriam famosos sem nossa ajuda.
Nós somos os culpados. Quando eles dizem: “Deus lhes está prometendo riquezas infindas, desde que hoje você oferte mil reais”, corremos para o telefone e doamos o dinheiro ou parcelamos em nosso cartão de crédito. Deus nos perdoe!
Não soubemos discernir esses lobos. Quando afirmam: “Preciso de sua oferta sacrificial para que eu conserte meu avião particular”, não indagamos por que o servo de Deus não pode viajar numa linha comercial, na classe turística para visitar um país do terceiro mundo. (Eles vêm ao Brasil em jatinhos; e os televangelistas percorrem nossa nação em seus jatos particulares enquanto nós os sustentamos — NT)
Somos os bobos da corte. Ao ficarmos sabendo que viviam na imoralidade, tratando mal suas esposas ou enchendo as cidades com filhos ilegítimos, nunca exigimos que seus líderes se posicionassem e os disciplinassem com seriedade. Perdoa-nos, Deus!
Quando nos pedem dois milhões de reais porque o orçamento deles está apertado, não nos perguntamos por que precisam ficar em hotéis em que uma diária custa dez mil reais! De fato, se questionássemos, algum cristão responderia rapidamente: “Não critique. A Bíblia diz que não podemos tocar nos ungidos de Deus!”. Que Deus nos perdoe!
Tratamos esses charlatães como tratavam Al Capone — como se esses pregadores fossem intocáveis — e, como resultado a corrupção desses homens minou as igrejas carismáticas como uma praga. Nossas igrejas foram consumidas pelo capitalismo, pelo orgulho, engano e pecados sexuais, tudo porque temos medo de chamar esses pregadores de Bozo, porque isso é que são. Inseguros, egoístas e desequilibrados emocionais.
Se tivéssemos nos apoiado com discernimento na Bíblia teríamos nos livrado dessa confusão. Não existe como saber quantas pessoas rejeitaram o evangelho porque viram a igreja apoiando esses falastrões, mentirosos,  enganadores, que se divertem em nossos púlpitos, enquanto nós os aplaudimos e lhes demos muito dinheiro.
Quando os bem-intencionados crentes citam o texto de 1 Crônicas 16.22: “Não toqueis nos meus ungidos, nem maltrateis os meus profetas” para encobrir os corruptos e charlatões, cometem grave engano contra as Escrituras. Nada indica nesta passagem que devemos silenciar quando um líder está abusando do poder para enganar as pessoas.
Bem ao contrário, somos convocados a que confrontemos o pecado numa atitude de amor e de honestidade, e, certamente não demonstramos amor para com a igreja quando permitimos que os Al Capone carismáticos corrompam nossa geração!
Traduzido de: Charisma
Traduzido por João A. de Souza filho
Divulgação: www.juliosevero.com

5 comentários :

Paulo Teixeira disse...

Julio, brilhante e atualíssimo texto.

Parabéns pela divulgação.

Colocarei em meu blog.

Forte abraço.

Paulo Teixeira

wally disse...

Julio, apz.

repliquei no meu blog:

http://wallysou.com/2010/08/18/adeus-pregadores-intocaveis/

abs.

ps. poderosa a msg...

Anônimo disse...

Olá Júlio aqui é o Paulo César Cândido e este é um belo texto...vemos a cada dia mais Mateus 7: 15 sendo confirmado em nossa geração, Jesus tinha razão na sua Profecia quando disse que eles se disfarcariam em pele de cordeiro mas seriam lobos devoradores, vejo políticos evangélicos em comunhão com políticos corruptos enganando e sendo enganados, falo sendo enganados não por crer que sabem que estão sendo enganados, mas por tentarem enganar a si mesmos divulgando que político A, B OU C (que eles apoiam)mudarão as suas convicções políticas e sociais em favor do bem estar da familia e da Moral Cristã, eles se enganam pq querem se enganar e achando que se enganam, TENTAM ENGANAR A SI MESMOS E PENSAM QUE enganam ao INGANÁVEL DEUS QUE CUMPRIRÁ AS SUAS PROMESSAS E UM DIA PODERÁ DIZER: VOCÊ É UM UNGIDO OU FINFGIDO DO SENHOR?

wally disse...

Julio, tem esse post tb, concernente ao tema:

http://wallysou.com/2010/02/06/pastor-swaggart-condena-a-farsa-da-pregacao-da-prosperidade/

aquele abço.

apz,

wally

do blog

Desafiando Limites

Anônimo disse...

Julio Severo, entendo perfeitamente sua indignação, sei que existem muitos charlatões e lobos vorazes no meio do povo Cristão. Tem muito pilantra por aí, sim. Mas gostaria se possível, que vc reconsiderasse sua opinião quanto aos jatinhos. Creio eu, que se o elemento em questão estiver nas mãos de homens guiados e comprometidos com Deus e com sua obra, como tu também está, nada mas justo que tais homens possam lançar mão desta máquina; dependendo, é claro, da urgência e amor pela obra que lhes foi confiada. Eu conheci uma missionária que, uma certa vez, encomendou uma quantidade x de folhetos a uma Instituição Missionária y para fazer o seu trabalho de campo. Depois de esperar semanas, a missionária estranhou a demora e resolveu entrar em contato com a instituição, então, foi lhe dito que, o material houvera sido despachado por navio porque era o frete mais barato. A missionária entristecida disse consigo mesma: Há uma falta de consciência de urgência na obra de Deus. Mas severo, eu estou falando sobre estratégias, cada caso é um caso, mas eu acho que o seu texto é sobre falta de caráter e de ministros que fazem do evangelho sua fonte de negócios lucrativos, é nisso, você tem razão.