16 de abril de 2010

Psicólogo Warren Throckmorton é denunciado por se retratar de questões homossexuais

Psicólogo Warren Throckmorton é denunciado por se retratar de questões homossexuais

Matthew Cullinan Hoffman
GROVE CITY, PENNSYLVANIA, EUA, 19 de março de 2010 (Notícias Pró-Família) — Um psicólogo que dá aulas no Grove City College, que é uma faculdade evangélica conservadora, está criando confusão ao apoiar projetos de lei de união civil de mesmo sexo, e ao afirmar que os homossexuais podem viver vidas “normais, naturais e saudáveis”.
Numa recente entrevista para o serviço noticioso evangélico OneNewsNow (ONN), o Dr. Warren Throckmorton disse que “ele se opõe ao casamento de mesmo sexo, mas crê que a Cláusula de Proteção Igual permite uniões civis homossexuais”, de acordo com a agência noticiosa.
“Throckmorton diz que ele pessoalmente tem uma ‘perspectiva tradicional acerca da homossexualidade e da ética sexual’. Contudo, quando lhe perguntaram se ele crê que a homossexualidade é ‘normal, natural e saudável’, ele disse que não poderia dar uma simples resposta de ‘sim’ ou ‘não’”, noticiou ONN.
“Ele disse que ‘numa situação de terapia profissional’ é acurado dizer que ‘os homossexuais podem viver vidas normais, naturais e saudáveis livres de doença mental’”, acrescentou ONN.
Embora Throckmorton tenha sido conhecido no passado como defensor do movimento de ex-gays e da terapia de reorientação sexual, ele vem se distanciando cada vez mais dessas posições em anos recentes, e até rejeitou o “Dia da Verdade”, em que estudantes colegiais buscam informar seus colegas de escola sobre a imoralidade da conduta sexual, chamando-o de “maldade”, e dizendo que esse dia “constrói mais paredes do que pontes”.
A deserção de Throckmorton do movimento de ex-gays foi encarada com condenação pelos evangélicos. “Embora ele trabalhe para uma instituição evangélica, o Grove City College, com sede na Pensilvânia, que se anuncia em sites religiosos como ‘autenticamente cristão’, Warren está promovendo um paradigma novo e moralmente neutro sobre a homossexualidade que defende a ‘Identidade Sexual’ das pessoas, de acordo com os sentimentos delas (e nível de conforto com os sentimentos)”, lamenta Peter LaBarbera de Americanos pela Verdade sobre a Homossexualidade (AVH).
“Peraí… Isso é totalmente contra as Escrituras: não há nada na Bíblia ou na longa história da tradição judaico-cristã que chegue a insinuar uma descrição moralmente neutra ou pior — uma ‘identidade valorizada’ — para o pecado sexual”, acrescenta ele.

Ajudando os pacientes a formar uma “identidade” gay

LaBarbera está se referindo à “Terapia de Identidade Sexual” de Throckmorton, um sistema para os terapeutas tratarem pacientes que têm conflitos sobre seus desejos sexuais.
Publicado em 2007 por Throckmorton e seu colega psicólogo Mark A. Yarhouse, “Sexual Identity Therapy” (Terapia de Identidade Sexual) afirma que o terapeuta tem de aceitar os valores do cliente, e então ajudar o cliente a criar uma “identidade sexual” que se encaixe nesses valores — inclusive uma identidade “gay”, se está de acordo com o sistema de valores do cliente.
“A sexualidade e os valores e atitudes morais são aspectos importantes da personalidade. No entanto, os clientes valorizam cada uma dessas funções de diferentes formas. Cremos que o terapeuta não deve tentar persuadir os clientes sobre como valorizar essas dimensões, mas pode ajudá-los a decidir suas próprias avaliações”, escrevem Throckmorton e Yarhouse.
Mais tarde, eles acrescentam que “alguns indivíduos religiosos decidirão que sua identidade religiosa é o princípio organizador preferido deles, ainda que isso signifique escolher viver com sentimentos sexuais que eles não valorizam. De modo oposto, alguns indivíduos religiosos decidirão que suas convicções religiosas podem ser modificadas para permitir a integração do erotismo de mesmo sexo com sua identidade valorizada. Buscamos fornecer recomendações terapêuticas que respeitem essas opções”.

A estranha mudança de opinião do Dr. Throckmorton

Em anos recentes, Throckmorton fez uma mudança de opinião com relação à sua posição sobre a terapia de reorientação homossexual. Abandonando sua postura anterior de defender ex-homossexuais e a terapia de reorientação, ele começou a expressar ceticismo de que os homossexuais podem mudar na maioria dos casos. Ele também começou a se retratar de sua ênfase anterior sobre a evidência em favor de causas ambientais para a orientação homossexual; em vez disso, ele passou a insistir em fatores biológicos como explicação para o fenômeno.
A “causa [da orientação homossexual] é um mistério científico”, ele escreveu num artigo recente para o jornal Independent da Inglaterra. “Contudo, sabemos de fato que uma vez estabelecida, a orientação sexual parece ser bem permanente. Vários estudos revelaram diferenças cerebrais entre pessoas homossexuais e heterossexuais”.
“Embora pareça improvável que há uma única causa biológica ou genética para todos os homossexuais, há dados que sugerem que fatores genéticos e hormonais durante o desenvolvimento pré-natal têm algum impacto em nossos desejos, de diferentes modos para diferentes pessoas”, acrescentou ele.
A defesa que Throckmorton fazia no passado do movimento de ex-homossexuais o levou em 2004 a criar um documentário, “Eu Existo”, permitindo que ex-homossexuais dessem seu testemunho com relação à sua transformação. Contudo, Throckmorton está agora repudiando o filme, usando referências vagas a “mudanças” que ele diz ocorreram desde que ele o produziu.
Numa postagem de Perguntas Frequentemente Feitas em seu site sobre o documentário, Throckmorton escreve que “os testemunhos das pessoas envolvidas foram oferecidos de livre vontade e refletem a experiência delas naquela época. Desde então, mais mudanças ocorreram. Não é adequado ver o filme como prova da mudança de orientação sexual. Em vez disso, o vídeo tem um lugar na história do movimento de ex-gays e pode ser de interesse para aqueles que estudam esse movimento”.
“Creio que é importante que eu diga que Eu Existo não é uma descrição atual do que creio ser exato sobre a orientação sexual”, conclui ele.
Além disso, Throckmorton se desligou de seu relacionamento anteriormente amistoso com a Associação Nacional de Pesquisa e Terapia da Homossexualidade (cuja sigla em inglês é NARTH), que apóia psicólogos que oferecem terapia de reorientação sexual para homossexuais.
Embora ele tivesse no passado citado estudos feitos por psicólogos da NARTH em seus próprios escritos, tivesse participado de conferências da NARTH e até aceitado o Prêmio Sigmund Freud da organização, Throckmorton agora escreve regularmente textos de blog atacando a NARTH, depois que a NARTH cancelou sua presença marcada para uma conferência de 2006.

Sob a crítica de outros evangélicos

Peter LaBarbera de Americanos pela Verdade sobre a Homossexualidade vem denunciando em seu site o novo “Sistema de Identidade Sexual” de Throckmorton.
“Gente, tive de rir outro dia quando o herético Warren Throckmorton, professor assistente do Grove City College, acusou de ‘maldade’ os grupos pró-família que defendem um repúdio ao ‘Dia do Silêncio’, uma data organizada nacionalmente pelos militantes homossexuais. Entenda, ‘maldade’ é o nome do meio de Throckmorton”, escreveu LaBarbera numa recente postagem.
“O modelo de ‘Terapia de Identidade Sexual’ de Throckmorton e de Mark Yarhouse da Universidade Regent garante a possibilidade de que alguns clientes venham a adotar uma clara ‘identidade gay’ que ‘modifica’ suas convicções religiosas a tal ponto que ‘permita a integração do erotismo de mesmo sexo dentro de sua identidade valorizada’”, escreveu LaBarbera.
“Você iria querer que seu filho recebesse aconselhamento no Grove City College?” ele pergunta aos leitores. “Como é que uma faculdade evangélica como Grove City College que afirma seguir a Bíblia defende uma ‘identidade sexual gay’ que valoriza ‘o erotismo de mesmo sexo’ — principalmente para uma pessoa que está lutando na consciência contra a homossexualidade?”
O ex-homossexual Michael Glatze, que no passado publicava a revista nacional Young Gay America e hoje fala abertamente contra o estilo de vida homossexual, está condenando Throckmorton por sua postura permissiva para com a homossexualidade, e por distorcer suas próprias declarações.
“Ele, como tantos que se dizem cristãos, espalha um evangelho falso sobre o pecado homossexual que inclui a mentira de que a homossexualidade ‘pode ser a coisa certa para algumas pessoas’. É claro que esse falso evangelho parecerá preferível para muitos porque requer menos responsabilidade moral do que o verdadeiro evangelho. Mas isso não o torna correto”.
“Já senti na pele a língua comprida do professor Throckmorton, pois ele havia fingido estar do ‘meu lado’ da história várias vezes, e então se virou e disse um lado tendencioso da mesma história, numa esfera pública, com a intenção de desacreditar meu testemunho e envergonhar minha posição em favor da verdade do Evangelho”, escreve Glatze.
Throckmorton respondeu às críticas de LaBarbera afirmando que as normas da Associação Americana de Psiquiatria exigem que ele assuma uma postura neutra com relação à moralidade sexual dos clientes. Contudo, os textos que ele cita da AAP não mencionam moralidade sexual, e não proíbem juízos de valor por parte dos terapeutas, só proibindo a imposição de valores que não estão diretamente relacionados com a terapia.
Depois de concordar com uma entrevista por email para LifeSiteNews, o Dr. Throckmorton recusou responder às perguntas apresentadas, afirmando que elas eram “tendenciosas”. As perguntas enviadas ao Dr. Throckmorton estão disponíveis neste link. Sua mais recente refutação a Peter LaBarbera pode ser encontrada aqui.
Informações de contato:
President Richard Jewell
Grove City College
724-458-2500
rgjewell@gcc.edu
Warren Throckmorton
Grove City College
ewthrockmorton@gcc.edu
Links relacionados:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesite.net/ldn/viewonsite.html?articleid=10032204
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Nenhum comentário :