17 de fevereiro de 2010

Professor homossexual é preso acusado de assediar sexualmente menino de 12 anos pela internet

Professor homossexual é preso acusado de assediar sexualmente menino de 12 anos pela internet

Um professor homossexual foi preso por assediar sexualmente, pela Internet, um menino de 12 anos. A prisão ocorreu por volta das 7h desta sexta-feira (12/2), após uma denúncia dos pais da criança, que desconfiaram do teor das conversas que o filho tinha com o homem, por meio do site de relacionamento MSN.
Vinícios Macedo de Almeida, 31 anos, estava em sua residência, localizada na QNL 17 de Taguatinga, Brasília. A Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) cumpriu um mandado de prisão temporária e outro de busca e apreensão.
O acusado não era professor do menino, mas lecionava a disciplina de Geografia em uma escola particular. Durante as conversas o homem instigava o menor a praticar atos sexuais com ele. A delegada da DPCA, Gláucia Esper, informou que o acusado já tinha uma ocorrência por aliciamento de menores, mas não chegou a ser preso na época.
Na casa do professor a equipe da DPCA apreendeu um computador, aparelhos notebooks, pendrives e CDs. Os equipamentos foram encaminhados para análise e Vinícios será levado à carceragem do Departamento de Polícia Especializada (DPE), onde deve aguardar julgamento. Caso seja condenado, o professor homossexual pode pegar de um a três anos de reclusão.

Denúncia

De acordo com a delegada da DPCA a prisão só ocorreu porque os pais fizeram a denúncia. Ela ressalta a importância de que os pais estejam sempre atentos às conversas dos filhos na Internet.
Divulgação: www.juliosevero.com
Comentário de Julio Severo: O crime relatado aqui é de natureza homossexual, porém a notícia omitiu completamente a palavra “homossexual”. Mas o que o jornal se recusa a mostrar, o Blog Julio Severo revela, inserindo no texto divulgado aqui, para maior clareza jornalística, a palavra em negrito que está na própria essência do crime noticiado. Igualmente para maior clareza, o termo factual “menino de 12 anos” foi inserido no título em lugar do genérico e vago “menor”.
É óbvio que se o caso noticiado fosse o de um professor homossexual que se sentiu melindrado com algum comentário “preconceituoso”, a palavra “homossexual” teria sido abundamente usada a favor dele. Só em casos desfavoráveis ao homossexualismo é que o jornalismo irresponsável omite identificações fundamentais.
Note também que se for condenado, o professor homossexual poderá pegar no máximo três anos de reclusão. No entanto, se a insana lei anti-“homofobia” for aprovada, você poderá ser condenado a 5 anos de cadeia se disser que o homossexualismo levou esse homossexual a espreitar meninos ou se dirigir ao professor homossexual qualquer palavra que ofenda a “orientação sexual” dele.
Veja agora a lógica da “justiça”:
Crime de assédio homossexual contra meninos de 12 anos: pena máxima de 3 anos de cadeia.
“Crime” de “homofobia”, se o PLC 122 for aprovado: pena de 5 anos de cadeia para quem ofender a “orientação sexual” de um espreitador homossexual.
Esse comportamento, que é responsável pelo assédio e estupro de milhões de meninos, agora encontra-se sob a proteção de políticos ideológicos, que querem impor sobre o Brasil um Estado laico separado de Deus, mas não separado da sodomia.
Leia mais:

8 comentários :

André von Kugland disse...

Mas esse é o mesmo caso das notícias nos Estados Unidos sobre o psiquiatra muçulmano que fez atentado na base militar e a mídia omitiu que era muçulmano.

Ora, se o professor aí aliciava meninos obviamente era um homossexual pedófilo. Por mais que o jornal tente omitir isso, a população inteira vê o óbvio.

No caso do psiquiatra americano, só dizer o nome do desgraçado, Nidal Malik Hassan, já mostra o que ele é.

Toni-Toni disse...

Graça e Paz,

Interessante ver que a ausência de poucas palavras pode nos dar uma visão dos fatos totalmente diferente do que realmente é.

Brilhante o teu comentário Julio, quem dera se em meus debates anti-homossexual x pró-homossexual eu tivesse tamanha sabedoria.

Paz do Senhor.

Anônimo disse...

Grande comentário!

Paulo Teixeira disse...

Severo, é assim mesmo que a mídia tendenciosa faz. Ela faz jogo de palavras, a fim de fazer o leitor desavisado entender justamente o que eles querem que entendam.

Essa gente da imprensa marrom é perniciosa.

Parabéns pelo brilhantismo !!!

Paulo Teixeira (www.holofote.net)

Paulo de Tarso disse...

Graça e Paz!

Júlio:

Segue um excerto escrito por Todd Strandberg.

Gostaria de enviar para o teu e-mail mas parece que não funciona.

Laus Deo

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Most of the moral leaders of my youth are now dead or are too old to be of any service. We're left with preachers who write books that appeal to people’s carnal nature.

I can't think of a better example than Joel Osteen. He has the largest church in North America, he is the top-rated pastor on TV, and was named "Most Influential Christian in America" in 2006 by The Church Report. The Houston-based pastor refuses to mention the word "sin," and every one of his books has the word "you" or "your" in the title. A couple of years ago, Fox News Sunday host Chris Wallace brought up criticism of Osteen's lack of Scripture reference in his sermons, as well as his hesitancy to discuss sin as a common part of life. Osteen responded: "And I am ultimately trying to do that, but I'm trying to teach people how to live their everyday lives, and so do I focus on it? Probably not as much as some people would like."

It doesn't surprise me that Houston elected a gay mayor and Joel Osteen was the one giving the inauguration ceremony prayer. What shocked me is the silence in the church. I almost wish Osteen had said, "I'm here because God approves of homosexuality." Maybe that would have triggered a reaction that would let us know we haven't hit rock bottom yet.

One of the reasons I believe the tribulation hour is very near is that most people think there is room for a final warning. The lack of a moral watchman has given the false impression that everything is fine.

"Now the Spirit speaketh expressly, that in the latter times some (not all) shall depart from the faith, giving heed to seducing spirits, and doctrines of devils; Speaking lies in hypocrisy; having their conscience seared with a hot iron" (1 Tim. 4:1-2)."

Trindade disse...

Júlio, esse tipo de jornalismo esta morrendo, hoje temos a internet e esses jornalistas estão com os dias contados.
É igual na TV, hoje a Record é PT até morrer, contratou (comprou) jornalistas famosos, mas não adianta, eu em casa já deletei o canal da Record e lá ninguém assiste e a tendencia é essa cada dia mais o povo vera quem é quem.
Jornal de papel só sobrevive porque os governos (federal, municipal e estadual) ainda os mantém, mas ja estão sem leitores.
A VERDADE VENCE SEMPRE.

Anônimo disse...

Nem precisamos dizer o quanto tem de homossexuais ativistas na mídia brasileira.

Eles vão continuar mentindo!

Anônimo disse...

quando um homossexual matou um menino(Lucas Terra) em Salvador todos os jornais fizeram questão de identifica-lo como pastor, nunca disseram que o motivo da morte foi porque o menino não quis fazer sexo com o assassino, e ele nem era pastor, era obreiro da universal.