20 de janeiro de 2010

Crianças novas que recebem disciplina física se tornam adolescentes mais felizes e bem sucedidos

Crianças novas que recebem disciplina física se tornam adolescentes mais felizes e bem sucedidos

Thaddeus M. Baklinski
GRAND RAPIDS, Michigan, EUA, 5 de janeiro de 2010 (Notícias Pró-Família) — Um estudo realizado nos EUA indica que uma surra não é prejudicial para as crianças e, aliás, declara que crianças que foram fisicamente disciplinadas quando eram novas, entre as idades de 2 e 6, se tornaram adolescentes mais felizes e bem sucedidos e tiveram um melhor desempenho na escola, e tiveram mais probabilidade de fazer trabalho voluntário e querer ir para a universidade do que aqueles que nunca foram surrados.
O estudo, conduzido sob o patrocínio do Estudo dos Perfis da Vida Americana (EPVA) {http://pals.nd.edu/} e feito pela Dra. Marjorie Gunnoe, professora de psicologia na Faculdade Calvin em Grand Rapids, Michigan, revelou que há falta de evidências provando que uma surra prejudica as crianças, e que o uso sensato da surra como conseqüência normal para a má conduta é benéfico para as crianças.
“Não há base para as alegações que se fazem contra a surra disciplinar. Elas não estão em coerência com os dados”, disse Gunnoe.
“Penso na surra como um instrumento perigoso, mas há ocasiões em que há uma tarefa grande o bastante para um instrumento perigoso — não podemos simplesmente usá-lo para todas as nossas tarefas”, acrescentou ela.
A professora Gunnoe entrevistou 2.600 adolescentes, fazendo-lhes perguntas sobre surras. Ela constatou que quando as respostas dos participantes foram comparadas com sua conduta, tais como sucesso acadêmico, otimismo sobre o futuro, conduta anti-social, violência, ataques de depressão, aqueles que haviam sido fisicamente disciplinados só entre as idades de dois e seis tiveram o melhor desempenho em todas as medidas positivas.
Aqueles que haviam sido surrados entre sete e onze exibiam conduta mais negativa, mas ainda assim tinham mais probabilidade de obter sucesso acadêmico.
Em casos em que a disciplina física continuou além da idade de 12, ou naqueles que nunca haviam recebido castigo físico, os filhos tiveram um desempenho mais fraco nos indicadores que foram levados em consideração. A Dra. Gunnoe constatou que quase um quarto dos adolescentes no estudo relatou que jamais foram surrados.
O Conselho Americano de Pediatria (CAP) declara que uma surra disciplinar aplicada pelos pais pode ser eficaz quando utilizada de forma apropriada. “É claro que os pais não deveriam se apoiar exclusivamente na surra disciplinar para controlar a conduta de seus filhos”, diz a declaração de posição da organização. “As evidências indicam que pode ser uma parte útil e necessária de um plano bem sucedido de disciplina”.
De acordo com o CAP, a disciplina eficaz tem três componentes: um relacionamento de amor e apoio entre pais e filhos; uso de incentivos quando as crianças têm bom comportamento; e, uso de castigo quando as crianças se comportam mal.
Muitos pais que temem usar uma surra como castigo afirmam que a surra ensina conduta fisicamente agressiva que a criança imitará.
Aric Sigman, psicólogo e autor do livro “The Spoilt Generation: Why Restoring Authority will Make our Children and Society Happier” (A Geração Estragada: Por que restaurar a autoridade tornará nossos filhos e a sociedade mais felizes), comentou os resultados da pesquisa da professora Gunnoe.
“A ideia de que dar palmadas e violência estão na mesma categoria é uma maneira bizarra e doentia de ver aquilo que é castigo para a maioria dos pais”, ele disse ao jornal Daily Mail da Inglaterra.
“Se um pai que normalmente é afetivo e sensível à criança aplica de forma sensata a disciplina, a sociedade não tem por que se queixar e se enfurecer. Os pais precisam somente aprender a distinguir a disciplina de um murro na cara”.
Leia os artigos relacionados de LifeSiteNews:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2010/jan/10010507.html
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.
Leia mais:

21 comentários :

Pedagoga disse...

Agredir crianças é crime. Sorte destas que existem hoje o Estatudo da Criança e do Adolescente e logo será mais aperfeiçoado.

Mais uma denúncia por fazer apologia a agressão física de crianças.

É Júlio Severo, se complicando cada vez mais. Além de provocar a ira de grupos homossexuais, umbandistas agora provoca a ira dos defensores das crianças (o futuro da nossa nação).

Um dia você há de pagar pelos crimes cometidos. Mesmo que o senhor fugiu do Brasil, todos irão te achar.

amaury disse...

a pedagoga parece ser bastante ingnorante, pois não sabe distinguir disciplina física de agressão.

Anônimo disse...

Ou todos os esquerdistas/ateus/humanistas resolveram fazer ponto neste blog, ou é um cidadão (ou cidadã) que decidiu que vai azucrinar o Julio o quanto puder, fazendo-se passar ora por "anonimo", ora por "pedagoga". Tenho pena é do pessoal da safanet (ops, quero dizer safernet...) que tem que aturar estes chatos de plantão.
Será que eles trabalham, tem família, tem namorado(a), saem, se divertem, tem amigos?
Assinado: O Outro Anônimo.

Anônimo disse...

criança malcriada tem que apanhar mesmo.

foralula disse...

Safanet... hehehe... essa foi boa.
ao Outro anônimo: você esqueceu do "estagiário".

Guilherme disse...

Além de provocar a ira de grupos homossexuais, umbandistas agora provoca a ira dos defensores das crianças (o futuro da nossa nação).

Se o futuro da nossa nação são pequenos pervertidos ativistas comunistas afetados e relativistas que se acham o centro do universo(que é como as crianças são educadas a ser hoje em dia), a nação já nem tem mais futuro.

Silvio Ricardo disse...

"Agredir crianças é crime". Sim, é um crime. Entretanto, não é disso que o texto fala, menos ainda faz apologia à agressão. Pelo contrário, o texto traz a distinção entre o que é "agressão" e o que é "disciplina", duas maneiras de agir muito diferenciadas.

Essa "Pedagoga" é burra! Burra, burra e burra! Mas pudera, lendo Paulo Freire dia e noite... Incapaz de interpretar um texto tão simples. Milagre ela saber as letrinhas do alfabeto.

Não é a toa que as faculdades de pedagogia deste país produzem os profissionais mais idiotas, nocivos e inúteis de todo o universo.

Vai estudar, songa monga!

marcelo victor disse...

O diabo sempre foi sutil e extremamente aproveitador, favorecendo-se da mente fraca do homem.
Existem várias artimanhas do adversário por detrás da suposta intenção de defesa dos direitos humanos, contida no maligno decreto do Presidente da República ("Bolivariana") do Brazil.
A determinação de que os pais não podem mais castigar seus filhos, trará para os lares o clima reinante no interior das salas de aulas das Escolas Públicas (ditas por muitos professores da rede de ensino).
Em tal recinto, a autoridade do professor foi jogada na lata do lixo e se estabeleceu um verdadeiro campo de batalha nas escolas, de forma que os professores passaram a ser ameaçados abertamente pelos alunos rebeldes (devidamente tomados pelo diabo para espalhar o medo e o terror em prol da rebeldia satânica).
Uma vez aprovado tal decreto, coitados dos pais que passarão a ser literalmente enfrentados pelos filhos rebeldes e terão que ficar debaixo do julgo do diabo, coagidos pela lei (maligna).
Agora, o mais absurdo disso tudo é o seguinte: o decreto que supostamente favorece a extinção da violência contra as crianças, determina o direito das mães assassinarem seus filhos indefesos.
HIPOCRISIA DIABÓLICA!!!
Matar pode e doutrinar não. Por isso que vão todos para o inferno...

Anônimo disse...

O cerco está se fechando. O cara que escreveu contra a pedagoga não conhece o construtivismo.

Pesquise sobre Jean Piajet e o construtivismo.

Eu acho que a grande maioria dos macumbeiros, gays e seja lá o que for tem família(e não a colocam em risco por causa da religião), trabalham (coisa que foragidos da justiça não podem fazer de maneira legal), namoram (ainda que seja alguém do mesmo seja, já que o que vale é o amor mútuo), se divertem (em baladas e tomarm umas boas cervejas, coisa que crente não pode fazer), tem amigos dos mais variados tipos (incluindo gay e macumbeiros) e fazem SEXO, muito SEXO. Coisa que crente só pode fazer após o casamento e com restrições, pois algumas igrejas pregam que o sexo oral e anal é pecado.

Este blog parece ser realmente mais frequentado por ateus, gays, esquerdistas, umbandistas, etc. do que por evangélicos.

Não pare nunca com este blog!
Quanto mais é escrito aqui, mais provas há para colocar Julio Severo na cadeia.

E tenho dito!!!!

foralula disse...

nem o nome de Piaget o representante da gaystapo consegue escrever direito...

Abbey disse...

Ativistas gays, islâmicos, feministas, socialistas e umbandistas, estagiários e agora pedagogas?? A fila só está crescendo...

Anônimo disse...

Pedagoga não,deve ser demagoga.

Anônimo disse...

Só darei um depoimento (a favor do texto), pois contra fatos não há argumentos. Faço curso técnico e em minha sala a faixa etária é de 17 à 22 anos, apenas um senhor de 50 anos foge a regra. Entre os colegas há uma mocinha de 17 anos, a mais comportada, mais respeitosa, mais decente, de todas as meninas da sala. É uma moça inteligente, canta (e muito bem por sinal), já chegou a participar de um coral num CD (sem muita expressão) gravado por uma amiga sua da igreja, onde participa também de atividades ligadas a mesma. Ela se destaca de todas (sim se destaca de TODAS)as moças da sala, tanto em comportamento, quanto em decência. É de firme opnião, muito sincera, humilde,carinhosa, compassiva e com muita inteligência. Reparei tudo isso nela, por ser minha amiga e tenho contato com ela diariamente. E numa das conversas que tive com ela, por um acaso, começamos a falar sobre os castigos de infância e ela me disse que já apanhou dos pais de chinelo e até de varas e não poucas vezes, segundo ela, isso foi freqüente em sua criação. Juntando isso à educação afetuosa e cristã que recebeu, deu no que deu, uma moça cheia de virtudes e que será com toda a certeza uma mulher valorosa. Se castigar os filhos fizesse mal, essa moça não teria todas essas qualidades que descrevi acima. Mas é bom deixar claro, os castigos devem vir acompanhados do amor e afeto. Paradoxo? Não, é que amar não significa deixar fazer tudo e castigar não significa raiva ou rancor mas preocupação.

Augusto Primo.

Anônimo disse...

Uma dica, fiquem esperto! Desconfiei que Pedagoga, Augusto (aquele que disse apoiar o comentário do Jorge), Jorge, estagiário do Safernet, Rodrigo, etc. são a mesma pessoa. O verdadeiro nome do anônimo é Jorge mesmo.

Jorge mudou de nome e de personalidade.

G.

O Outro Anônimo disse...

Duas coisas que a "Pedagoga disse e que quero comentar:
1."Sorte destas que existem hoje o Estatudo da Criança e do Adolescente e logo será mais aperfeiçoado." É este tal de ECA que não deixou o violento assassino Champinha ser devidamente julgado pelas atrocidades que cometeu e esta "Pedagoga" ainda espera que ele seja aperfeiçoado!!! Ai vai ficar realmente um EEEECAAAH!

2."Um dia você há de pagar pelos crimes cometidos." No fim das contas, não importa se se é cristão, gay, esquerdista, sociopata, ateu, atôa ou outro segmento qualquer desta sociedade doente em que vivemos: cada um destes grupos aguarda um dia de redenção, em que as coisas serão do jeito que cada grupo espera. As condições atuais que provêm a todos a liberdade de expressão, o amparo das leis, as opções de crescimento social, nada disto é o bastante. Todos querem mais!!! E a única maneira de se ter mais é tirando do outro.
O que vai ficando cada vez mais claro é que a tal diversidade não passa de uma ilusão, uma quimera. Não existe no mundo real.

Anônimo disse...

O senhor G. está desconfiado que eu (Augusto Primo) seja a "pedagoga" e o "Jorge" ao mesmo tempo. Não sou não. Quando eu digo que darei um depoimento (a favor do texto) eu estou apoiando a matéria que o Julio Severo postou e não o comentário desse tal de Jorge. Aliás, nem vi esse Jorge entre os que comentaram. Mas fica o aviso, não sou fake, estou falando por mim mesmo e dando todo o apoio a essa matéria.

Augusto Primo

Maria Eduarda disse...

Se até os animais devem ser disciplinados, precisam ser educados, o que dirá do ser humano. Também sou totalmente contra espancar uma criança. É um absurdo! Se ela(a criança), não ter noção de autoridade em casa, não terá em lugar algum.

Espírito Santo disse...

Muito bom este blog amado, pois ainda existem pessoas que nao tem medo de falar a verdade, deixei um link teu no meu blog irmao

Espírito Santo disse...

QUE DEUS CONTINUE TE USANDO JULIO, AINDA QUE VOCE TENHA QUE ATURAR COMENTARIOS RIDICULOS AO EXTREMO COMO DESTA PEDAGOGA, E DE CERTOS ANONIMOS QUE DEFENDEM COISAS QUE NAO SABEM, O QUE IMPORTA E FAZER A VONTADE DE DEUS, POIS E MELHOR RECEBER OS APLAUSOS DE DEUS DO QUE OS DOS HOMENS.

Anônimo disse...

Júlio, você é 10!
Concordo plenamente com essa matéria.
Educar os filhos e discipliná-los é a melhor coisa que tem. Quando se educa e disciplina desde criança, no futuro eles serão bons moços e boas moças...
E eles dirão: Ainda bem que os meus pais me educaram enquanto era tempo, obrigado por tudo meus paizinhos queridos do meu coração.

Anônimo disse...

Crime é deixar um casal de homossexual assumir a guarda de uma criança. Corrigir filhos é dever de todos os pais. Pessoas como lula que fazem leis absurdas assim são pessoas que querem destruir outros para apagar os supostos erros que o pai dele cometeu. Mas a verdade é: que se num virou vagabundo assumido devia agradecer ao pai que o corrigiu.