3 de dezembro de 2009

Senado minimiza resultado de sua enquete sobre PLC 122/06

Senado minimiza resultado de sua enquete sobre PLC 122/06

Embora o resultado da suspeita enquete tenha sido muito abaixo dos sentimentos da população, Senado tenta depreciá-la mencionando sua pesquisa igualmente suspeita

Julio Severo

A Agência Senado (AS) foi sincera o suficiente para reconhecer que "a maioria dos internautas que votou na enquete da Agência Senado e da Secretaria de Pesquisas e Opinião Pública (Sepop), no mês de novembro, se posicionou contra a aprovação do PLC 122/06".

A AS também admitiu que, "do total, 51,54% foram contrários à proposta e 48,46% a favor. A enquete recebeu 465.326 votos, e foi a que mais mobilizou votantes desde que esse tipo de consulta foi criado".

Entretanto, rapidamente a AS jogou água fria em tudo, dizendo:

A Agência Senado frisa que as enquetes pela internet não utilizam métodos científicos, apenas colocam os temas em debate. Entretanto, o DataSenado fez pesquisa, dessa vez científica, a respeito do tema e nesse caso, 70% dos entrevistados foram favoráveis ao projeto que criminaliza a homofobia.

Houve muitas queixas contra a enquete, pois cada vez que o "não" ao PLC 122/06 subia, ocorria uma "pane". Depois da pane, o resultado invariavelmente favorecia a posição do governo e dos grupos homossexuais.

Houve muitas queixas também contra a pesquisa "científica" do Senado, pois em nenhum momento ela deixou transparecer que por criminalização da "homofobia" (que é toda e qualquer oposição à agenda gay), o PLC 122/06 forçará significativas mudanças legais, obrigando a aceitação do "casamento" homossexual, adoção de crianças por homossexuais e impedindo padres, pastores e cristãos comuns de mencionarem a condenação bíblica às práticas homossexuais. Os formuladores e responsáveis pela pesquisa empenharam-se em acobertar tal ameaça, mas em todos os países em que esse tipo de projeto passou, a conseqüência foi nessa direção.

Além disso, a Agência Senado não se lembrou de mencionar que os resultados da enquete e da pesquisa não refletem os sentimentos da população brasileira.

Pesquisa realizada por organização ligada ao PT no começo de 2009 chegou à conclusão de que, de uma forma ou de outra, 99% da população brasileira não concordam com o homossexualismo. Contudo, o governo Lula e instituições atreladas — inclusive a Agência Senado — insistem em ignorar o que pensa a vasta maioria do Brasil, embarcando em malabarismos técnicos, estatísticos e políticos para apresentar ao público mirabolantes resultados pseudocientíficos que favoreçam a ideologia de uma minoria imoral.

Se a honestidade fosse um guia útil para o governo e suas instituições, o Senado não teria dificuldade alguma de alertar o público sobre as discrepâncias de sua enquete e pesquisa. O Senado prontamente notificaria o óbvio, declarando: "Em vista do fato de que a vasta maioria da população brasileira não concorda com o homossexualismo, estranhamos o resultado da enquete, que apontou apenas 51,54% nessa posição, e estranhamos muito mais nossa própria pesquisa, que produziu um resultado literalmente alienígena de 70% a favor do PLC 122/06. Faremos uma investigação interna para averiguar que tipo de manipulação na redação das perguntas ou nos números levou a tal discrepância. Agradecemos a sua paciência."

No entanto, com ou sem enquetes e pesquisas, as políticas do governo Lula estão determinadas a homossexualizar a sociedade. Aliás, o governo Lula está usando o resultado da pesquisa sobre 99% da população brasileira contrária ao homossexualismo como evidência da necessidade de reeducar o Brasil a dar meio volta mental. Tal reeducação também se aplicaria se o povo fosse a favor do homossexualismo?

Tente imaginar. Se uma pesquisa indicasse que 99% da população brasileira aceitam o homossexualismo, qual seria a atitude da esquerda brasileira? Não tenha a menor dúvida: eles gritariam que a vontade do povo tem de ser respeitada e não admitiriam, em hipótese alguma, que se falasse em "reeducação" para o povo parar de aceitar o homossexualismo. Eles gritariam que a simples menção de "reeducação" seria tratada como sinônimo de ditadura e violação da Constituição brasileira — sem mencionar violação dos direitos humanos da grande maioria da população.

Entretanto, estamos aceitando deles essas mesmas imposições e abusos, da forma mais passível possível. Nossos filhos nas escolas públicas estão sendo vítimas de uma poderosa lavagem cerebral estatal que quer exterminar deles os sentimentos de 99% do Brasil.

Afinal, o que é a maioria do povo para eles? Um bando de trouxas emudecidos que precisa ser "alfabetizado" nos valores "mais elevados" deles?

Será necessário muito mais do que uma mera enquete ou pesquisa para que o governo respeite a vontade do povo, pois um governo ideológico minimizará toda enquete e pesquisa que não representar sua própria vontade, e as legitimará somente quando favoráveis aos seus interesses. Se os resultados lhe favorecem, ele nos responde: "Calem-se, idiotas! O povo falou, tá falado. Essa é a vontade do povo. Ponto final". Se os resultados favorecem a maioria do povo, ele diz: "Esses resultados só comprovam que vocês são idiotas e precisam ser reeducados!"

Tome também como exemplo o próprio PLC 122/06, de autoria da petista Iara Bernardi e sob a relatoria atual da petista Fátima Cleide. Esse projeto anti-"homofobia", que nasceu das próprias entranhas do PT, foi aprovado de forma maliciosa na Câmara dos Deputados e está avançando da mesma forma no Senado. O governo petista vai enfiar esse profano remédio goela abaixo da população, para erradicar de uma vez o que Lula considera uma doença "perversa" — toda opinião contrária ao homossexualismo.

Quer goste ou não, o povo vai ter de engolir o remédio estatal. "É para o bem deles", sussurram Fátima Cleide, Lula e outras cabeças petistas entre si. "Mais tarde, quando estiverem todos devidamente reeducados, eles aceitarão todas as nossas políticas e projetos e nos verão como heróis. É só aguardar mais um tempo".

Não há saída. Diante de um governo ideológico que quer apenas impor sua vontade nos cidadãos, mil enquetes e pesquisas nada significam. A vontade da maioria não tem importância. A única coisa que importa é o avanço da ideologia, custe o que custar ao Brasil.

Então, que chance o povo tem diante da máquina estatal que passa por cima de opiniões e sentimentos populares? Que chance o povo tem diante de uma máquina que quer manipulá-lo, reeducá-lo e doutriná-lo?

Fonte: www.juliosevero.com

Leia mais:

Enquete do Senado: Vote hoje!

Enquete do Senado: Senado isenta-se de negligências culpando hackers

Enquete do Senado sobre PLC 122 fora do ar

"Pesquisa" no jornal O Globo indica: 99% dos brasileiros não aceitam o homossexualismo

Lula: oposição ao homossexualismo é "doença perversa"

Governo brasileiro diz que 99% de seus cidadãos são "homofóbicos" e precisam ser reeducados

Brasileiros não apoiam a homossexualidade

PLC 122: Perigo de nova votação surpresa esta semana na Comissão de Direitos Humanos

Surpresa! PLC 122 é aprovado na Comissão de Assuntos Sociais do Senado

PLC 122: O que Crivella está negociando com Fátima Cleide?

Ameaça sobre o Brasil: nova manobra para aprovar o PLC 122

Pr. Ademir Kreutzfeld é perseguido por alertar acerca da agenda homossexual

PLC 122: propaganda, fantasia e farsa na promoção do homossexualismo

PLC 122: Ditadura gay às portas do Brasil

6 comentários :

Júlio Lins disse...

Infelizmente, não é apenas no Brasil que isso está acontecendo. A União Europeia também é um órgão totalmente totalitário. Passaram o Tratado de Lisboa sem sequer ver a vontade da população. Sarkozy chegou a ter a cara de pau de dizer que seria necessário passar o referendo na Irlanda até ele ganhar. Ou seja, se necessário, passa umas dez, vinte vezes, até que ele seja aprovado. Na Inglaterra, a partir de 2011, o governo radical de Gordon Brown quer que crianças a partir de 7 anos comecem a receber educação sexual gay. O mundo inteiro está sendo contaminado por essa ideologia satânica.

Mudando um pouco de assunto, Júlio, você já pensou em pedir asilo político ou refúgio em outro país? Por que não? Eu acho também que nós poderíamos reclamar no CNJ ou Conselho Nacional do Ministério Público sobre a sua situação. Lá eles não tem ouvidoria?

Anônimo disse...

O sítio anti-casamento gay Mass Resistance foi censurado pelo Google. Veja massresistance.blogspot.com

James disse...

Julio, eu sei pq o Lula acha o homossexualismo normal.
Recentemente saiu uma notícia a respeito de Lula e o menino do MEP.

Quem tem coragem tentar estuprar uma pessoa após apenas 1 mês preso, é um doente mental.

Com esse tipo de comportamente nota-se a mente doentia desse Lula.

Carlos disse...

A luta vai ser dura estamos enfrentando pessoas sem nenhum escrupulos ou moral capazes de qualquer coisa para passar suas sandices. Esta é a hora das igrejas esquecerem as suas diferenças doutrinarias e levar seus fieis a expressarem sua indignação e demonstrar sua força política.
Vamos mandar e-mail para quem conhecemos para pressionar o senado.
Que o cidadão queira ser homossexual é um direito dele, mas querer que este comportamento seja o padrão e que os outros não possam expressar sua opinião contraria é o fim de toda democracia.

Jorge Victor disse...

A solução contra esses governantes é na proxima eleição não votarmos neles

FERROMODELISMO disse...

Ninguém fala que depois da "revolução" que Lutero aprontou, ele se converteu ao catolicismo. E ele deve estar no Céu, mas preocupado com ao lado de anjos com essa situação. O satanás com seu movimento revolucionário internacional invadiu a Igreja Luterana e daí eu vejo que o cristianismo está contaminado.

Pode-se criar mais 1 milhão de ceitas ou designações cristãs, se a mentalidade é a mesma, de nada isso servirá.

Assim fica difícil, todo mundo separado e dominado pela mentalidade do diabo propagada pela mídia e sindicalistas.