14 de dezembro de 2009

Pressão internacional sobre Uganda para aceitar a homossexualidade provocou lei muito rígida

Pressão internacional sobre Uganda para aceitar a homossexualidade provocou lei muito rígida

John-Henry Westen

KAMPALA, Uganda, 27 de novembro de 2009 (Notícias Pró-Família) — Embora um projeto de lei anti-homossexualidade muito criticado em Uganda seja patentemente rígido demais, a lei vem como reação direta à pressão opressiva de ativistas políticos gays internacionais sobre Uganda para aceitar a homossexualidade como normal, de acordo com um especialista cristão que esteve recentemente em Uganda para testificar contra a atual redação do projeto. Aliás, conforme indicou o Dr. Scott Lively, presidente da organização Defenda a Família, o preâmbulo do projeto e o próprio projeto contêm muitas referências a medidas que impedem a pressão internacional sobre Uganda para aceitar os valores sexuais do Ocidente que são detestáveis para a cultura ugandense.

O projeto de lei declara explicitamente que tem como objetivo "fornecer legislação abrangente e intensificada para proteger a cultura amada do povo de Uganda". A meta é proteger "os valores legais, religiosos e familiares tradicionais do povo de Uganda contra as tentativas de ativistas de direitos sexuais que buscam impor seus valores de promiscuidade sexual no povo de Uganda".

O Dr. Lively, um ativista pró-família e jurista da Califórnia, estava em Uganda em março para testificar diante de legisladores ugandenses que estão agora considerando a legislação. Numa entrevista para LifeSiteNews (LSN), o Dr. Lively explicou que a iniciativa para criar a lei foi "a muita interferência externa de ativistas gays europeus e americanos tentando fazer em Uganda o que têm feito no mundo inteiro — homossexualizar a cultura". Uma de suas principais preocupações, explicou Lively, "são os muitos homens homossexuais que entram no país e abusam de meninos que estão nas ruas".

Lively explicou que o projeto de lei, em sua atual redação, é sem dúvida alguma rígido demais. A lei imporia a pena de morte naqueles que cometessem um estupro homossexual e se envolvessem em relações homossexuais com menores de idade, e em alguém que conscientemente cometesse atos sexuais homossexuais enquanto tendo AIDS. Os culpados de deliberadamente se engajar em atos sexuais passariam a vida inteira na prisão.

A lei, conforme está escrita, poderá também entrar em conflito com os direitos de líderes religiosos de ouvir confissões e não revelá-las, disse Lively, já que o projeto de lei declara que aqueles que estão em autoridade que não revelarem para a polícia conhecimento de atividade homossexual dentro de 24 horas enfrentam uma pena de até três anos de cadeia.

Embora os líderes católicos de Uganda não tenham ainda respondido publicamente ao projeto de lei, eles sistematicamente expressam revolta contra as tentativas do Ocidente de impor a aceitação da homossexualidade no país. No mês passado no Sínodo da África no Vaticano, bispos do continente inteiro comentaram suas preocupações sobre a pressão anti-família internacional.

Resumindo os debates, o Cardeal de Cape Coast, Gana, Peter Turkson, disse que o Sínodo havia "descrito de várias maneiras um feroz ataque contra a família e a instituição fundamental relacionada do casamento de fora da África e o atribuiu a fontes diferentes". Os bispos, disse ele, "denunciaram vigorosamente a ideologia e as campanhas internacionais que são impostas em países africanos sob falsos pretextos ou como condições para assistência de desenvolvimento".

Lively disse que ele foi para Uganda "com o propósito de convencê-los a liberalizar a lei tornando-a mais terapêutica". Ele testificou para os legisladores no Congresso de Uganda que ter uma legislação contra a homossexualidade no código penal é importante, pois protege a sociedade contra aqueles que querem promover em público e nas escolas a homossexualidade como algo bom. Ele observou porém que o atual projeto de lei foi "longe demais".

Lively lamentou que até mesmos os líderes cristãos das nações "homossexualizadas" do Ocidente tenham "retrocedido para a última a última linha de defesa que é defender a definição tradicional do casamento". Ele sugeriu que é importante que "a homossexualidade seja vigorosamente desestimulada nas políticas públicas. Mas com tanta agressividade quanto necessária para impedi-la de ser promovida na sociedade".

"De certa forma como o Oregon trata a maconha", explicou ele. "A lei está no código penal, e é muito raramente executada, mas porque é executada e porque é ilegal, ninguém tem permissão de entrar nas escolas e dizer que fumar maconha é uma coisa legal".

"Mas se você for longe demais, e começar a executar a lei e jogar as pessoas na cadeia, você acabará fazendo mais mal do que bem", concluiu ele.

Lively também disse para LifeSiteNews que para entender a oposição à homossexualidade em Uganda é necessário reconhecer a importância da festa de 3 de junho dos mártires ugandenses Santo Charles Lwanga e companheiros, a qual ainda é celebrada na nação todos os anos.

Os mártires foram mortos no século XIX em Uganda pelo então rei Mwanga por interferirem com as atividades homossexuais do rei. O rei Mwanga era um governante violento e pedófilo que abusava de meninos novos que lhe serviam como meninos de recados e empregados.

O crescente número de conversões entre os meninos do rei o deixou furioso, pois eles não mais queriam participar de seus atos sexuais imorais. Ao todo, 22 convertidos aceitaram a morte, em vez de renunciarem à sua fé católica.

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com

Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2009/nov/09112708.html

Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a "Notícias Pró-Família". Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para "NoticiasProFamilia.blogspot.com". O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Um comentário :

marcia disse...

Não concordo com nenhum ato extremo, mas como combater um mal, juridicamente falando, sem cometer alguma injustiça?
Realmente há muitos homossexuais que não concordam c/ este movimento pró-gay, o que denota que há na humanidade um grupo que usa de toda a sua energia para promover o caos e que não representa o pensamento da maioria de seus pares.
A nós nos cabe evangelizar, a transformação é pela obra do Espírito Santo e pela misericórdia de Deus!
Que a graça de nosso Senhor Jesus Cristo alcance a todos os que sofrem!
Paz a todos