26 de dezembro de 2009

Entrevista com jovem conselheira pró-vida ameaçada com faca na garganta

Entrevista com jovem conselheira pró-vida ameaçada com faca na garganta

John-Henry Westen

DULUTH, MN, EUA, 26 de novembro de 2009 (Notícias Pró-Família) — Menos de dois meses depois do assassinato a tiros do ativista pró-vida Jim Pouillon em setembro, uma jovem ativista pró-vida foi ameaçada com uma faca na garganta por uma mulher que estava entrando numa clínica de aborto em Duluth, Minnesota. A ativista pró-vida Leah Winandy, de 21 anos, sua mãe Sarah e o diretor de um grupo pró-vida local conversaram com LifeSiteNews.com (LSN) sobre o incidente angustiante que ocorreu na terça-feira de manhã.

A mãe de Leah, Sarah Winandy, estava presente com sua filha na hora do ataque, mas cada uma estava em lados opostos de uma grande entrada do Prédio das Mulheres em Duluth, dentro do qual está localizado o abortuário Centro de Saúde das Mulheres.

Quando uma mulher se aproximou, Leah estava decidida a falar com ela, mas diz que a mulher então tirou para fora uma faca de lâmina longa embrulhada numa camuflagem rosa e ordenou que Leah não se aproximasse nem falasse. Leah não se moveu, mas antes que a mulher ficasse fora do alcance de sua voz, ela disse: "Por favor, não mate seu bebê". Nesse ponto, recorda Leah, a mulher se virou e se aproximou de Leah com a faca.

Leah disse para LSN que a mulher estava de frente para ela, com a faca no pescoço de Leah. Leah disse que estava no começo assustada, pensando "E se ela me esfaquear?" Mas então pensou: "Se ela me esfaquear, não haverá problema, pois irei para o Céu e estarei com Jesus". Leah recordou que então teve paz. Ela disse: "Depois disso não tive medo. Fiquei preocupada com a alma dela".

"Olhei nos olhos dela e disse: 'Tema a Deus. Você precisa temer a Deus, senhora", recordou ela. Depois disso, a mulher se virou e andou na direção do prédio. Quando ela passou, a mãe de Leah, Sarah, que não havia visto a faca antes, diz que suplicou com a mulher, dizendo, "Por favor, amamos você, nos importamos com você". Nesse ponto a mulher também movimentou a faca de forma ameaçadora.

Sarah então se aproximou de sua filha com preocupação. Quando ficou sabendo da ameaça com a faca contra sua filha, ela disse que ficou chocada e alarmada. Em retrospecto, ela disse que ficou grata por não ter reconhecido o objeto como faca de início, pois ela teria corrido para sua filha e "talvez algo terrível tivesse acontecido".

Sarah, uma mãe que dá aula escolar em casa para seus cinco filhos, disse para LSN que apesar do incidente ela não se deixou desanimar na clínica nem permitiu que seus filhos também se desanimassem. Embora seus três filhos maiores tenham suas próprias famílias, sua filha Leah e seu filho mais novo Michael, de 20 anos, a acompanham até o centro de aborto para aconselhar pelo menos uma vez por semana. Ela disse que ela e seu marido e família "verdadeiramente crêem que é o Senhor que nos protege onde quer que estejamos".

Sarah disse que a família Winandy perdoa, e continua a orar pela mulher.

Jim Tuttle, diretor dos Ministérios Pró-Vida de Duluth, estava também no abortuário terça-feira de manhã, mas ele não testemunhou o incidente já que ele estava aconselhando na entrada do centro. Tuttle disse para LSN que sua organização havia providenciado testemunho e aconselhamento pró-vida do lado de fora da clínica de aborto para todos os dias de seu funcionamento durante os 11 anos passados. Os esforços da organização, disse ele, haviam salvado pelo menos seis ou sete vidas por ano. Tuttle considera a família Winandy como entre seus voluntários mais fiéis.

A polícia de Duluth prendeu a suspeita Mechelle Talluah Hall, de 25 anos, dentro do abortuário e encontrou uma faca em seu bolso que correspondia à descrição de Leah. Ela foi acusada de agressão de segundo grau. Hall disse para o juiz que estava considerando as condições de sua libertação: "Sei que o que fiz é errado".

A família Winandy diz que ainda espera ministrar para Mechelle apesar do incidente, e poderá ter uma chance. Depois que a polícia se foi com Mechelle, uma amiga que havia ido à clínica para apoiá-la foi apenas informada pelos funcionários da clínica que ela havia ido embora rapidamente. As duas Winandys se aproximaram dela e quando perceberam por causa de quem ela estava ali, elas explicaram a situação. Elas conversaram com a amiga sobre o amor de Cristo e lhe deram uma Bíblia. Elas trocaram entre si seus números de telefone e esperam dar acompanhamento para a amiga e talvez até mesmo para a própria Mechelle um dia.

Quem desejar fazer contato com Leah e sua família é só seguir esta direção:

Pro-life Ministry of Duluth
P.O. Box 161018
Duluth, MN 55816
E-mail: prolife4duluth@gmail.com

http://www.lifesitenews.com/ldn/2009/nov/09110901.html

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com

Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2009/nov/09112603.html

Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a "Notícias Pró-Família". Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para "NoticiasProFamilia.blogspot.com". O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Nenhum comentário :