15 de novembro de 2009

Escritórios da Google apoiam referendo a favor de direitos de casamento para casais gays

Escritórios da Google apoiam referendo a favor de direitos de casamento para casais gays

James Tillman

SEATTLE, WA, EUA, 29 de outubro de 2009 (Notícias Pró-Família) — Representantes dos escritórios da Google em Seattle e Kirkland, Washington, enviaram uma carta ao editor do jornal Seattle-Post Intelligencer apoiando o Referendo 71, que concederá os mesmos direitos legais de casamento para "parceiros" do mesmo sexo. A carta se junta a muitos outros exemplos em que a Google e outras empresas grandes e ricas mostram que estão ativamente opostas aos princípios dos movimentos pró-vida e da família tradicional.

A carta, assinada pelos diretores de planejamento e site de cada escritório, diz que embora a Google "geralmente não assuma posições em questões sociais, legais ou políticas que se levantam além de nosso trabalho normal e diário", há apesar disso "questões que são tão importantes e nítidas que nos sentimos na obrigação de expressar nosso apoio".

"Apoiar o Referendo 71 é uma dessas questões".

Essa declaração vem quando se aproxima a votação aparentemente apertada de 3 de novembro sobre o Referendo 71. O Referendo 71, embora não conceda o nome de casamento às parcerias de mesmo sexo, apesar disso concederá a tais parcerias os mesmos direitos, obrigações e responsabilidades que os casamentos têm.

No entanto, a Google não é a única empresa a se manifestar em favor de tais parcerias.

A Microsoft recentemente deu 100 mil dólares para a União das Famílias de Washington (UFW), uma organização que está trabalhando para aprovar o Referendo 71. A Microsoft tem também uma antiga reputação de promover o homossexualismo. O presidente da Microsoft Bill Gates e o diretor executivo Steve Ballmer doaram cada um 25 mil dólares para a UFW.

Tais números são característicos numa corrida em que os grupos homossexuais levantaram vastamente muito mais dinheiro do que os grupos pró-família. O site da Comissão de Transparência Pública do Estado de Washington relatou que a UFW levantou aproximadamente dois milhões de dólares, enquanto as organizações pró-família Proteja o Casamento em Washington e Vote para Rejeitar a R-71 juntas levantaram menos de 450 mil dólares, menos de um quarto do que a oposição levantou.

Microsoft, Nike e Boeing estavam também entre as várias empresas que divulgaram uma declaração conjunta de apoio do Referendo 71.

Contudo, tal qual o apoio da Microsoft, o apoio da Google ao Referendo 71 não é nenhuma surpresa. A Google tem trabalhado contra os conservadores e famílias no passado por meio do vasto poder que tem sobre conteúdos na internet.

O YouTube, cujo dono é a Google, tem a má fama de censurar vídeos pró-vida. Em 24 de junho, eles removeram um vídeo de Life Action Films exibindo um funcionário da organização aborteira Federação de Planejamento Familiar afirmando que as fotos explícitas de aborto usadas pelos ativistas pró-vida "não são reais". Em 10 de julho, eles removeram um vídeo mostrando a Federação de Planejamento Familiar cometendo negligência ao não denunciar o que seria o estupro de uma menina menor de idade sob a lei do Estado do Alabama. Tem havido vários outros casos de tal censura.

A Google também se opôs à Proposta 8 na Califórnia, um referendo para proteger os casamentos da Califórnia como a união entre homem e mulher. Sergey Brin, co-fundador da Google, escreveu que "é o efeito assustador e discriminatório da proposta em muitos de nossos funcionários que leva a Google a se opor publicamente à Proposta 8".

Ele continuou: "Esperamos que os eleitores da Califórnia votem 'não' na Proposta 8 — não devemos eliminar os direitos fundamentais de ninguém, qualquer que seja a sua sexualidade, de casar com a pessoa que ama".

A Google tem também sido processada por recusar permitir anúncios pró-vida sobre o aborto que contenham conteúdo religioso. A Google resolveu esse conflito fora dos tribunais.

Veja as notícias relacionadas de LifeSiteNews.com:

YouTube Yanks another Pro-Life Exposé Video

YouTube Yanks Video Exposing Obama's Abortion Extremism

Google to be Sued for Anti-Christian Discrimination for Refusing Advertising

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com

Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2009/oct/09102912.html

Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a "Notícias Pró-Família". Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para "NoticiasProFamilia.blogspot.com". O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

2 comentários :

Brazilian US Army Ranger disse...

Caro, Julio Severo,
Acompanho o seu trabalho constantemente sendo parada obrigatoria todos os dias....parabens pelo seu arduo trabalho e sua coragem escorada em Jesus ... parabens.

US ARMY
www.doctorplumbing.blogspot.com

Freema disse...

"Então disse Saul a Samuel: Pequei, porquanto transgredi a ordem do Senhor e as tuas palavras; porque temi ao povo, e dei ouvidos a sua voz." I Sm.15.24

Lamentalvelmente, empresas como essa que deveriam dar todo apoio à família terminam por apoiarem grupos que a destrem a cada dia, seja por causa do Povo, seja por amor ao dinheiro.