23 de novembro de 2009

Caio Fábio, Bispo Macedo, adultério e lavagem de dinheiro

Caio Fábio, Bispo Macedo, adultério e lavagem de dinheiro

Enfiando o rei Davi nos negócios escandalosos de um pastor e um bispo do Brasil

Julio Severo

Numa carta aberta para Caio Fábio anos atrás, relembrei-o que o Novo Testamento deixa claro que há condições e requisitos indispensáveis e obrigatórios para que um homem ocupe a posição de pastor. Uma dessas condições é ser irrepreensível.

Davi, João Batista, Herodes e alguns pastores brasileiros

Mas os seguidores de Caio não param de me enviar mensagens dizendo que se o rei Davi adulterou e era um homem segundo o coração de Deus, então Caio pode adulterar, pedir perdão e continuar na função pastoral. Caio está também perdoado se usar manipulação psicológica para dar sutil apoio ao aborto e ao homossexualismo, como ele já andou fazendo. Ele está igualmente desculpado se em seu passado de "papa evangélico" ele influenciava o povo evangélico a admirar Lula, sendo uma das maiores causas do devastador apoio evangélico ao político socialista que hoje usa a presidência do Brasil para impor o aborto e o homossexualismo na sociedade brasileira. Para Caio, na graça — ou mais propriamente, na sua Igreja Caminho da Graça — vale tudo.

Outro membro do Caminho da Graça me escreveu dizendo que Caio Fábio é um moderno João Batista. Sorte desse homem João Batista não estar aqui para se defender! Para quem não sabe, João Batista era filho de sacerdotes e pagou com a vida por ter repreendido o adultério e as corrupções do rei Herodes. Mas como tudo hoje está invertido, um moderno João Batista às avessas (com histórico de adultério perdoado pela "graça" versão Caminho da Graça) é que acabaria sendo repreendido por um Herodes.

É um fenômeno moderno pastores que se julgam na posição de João Batista, mas têm o caráter corrupto e adúltero de Herodes. São amantes do dinheiro e infiéis às suas esposas originais. Sem essa lamentável inversão, Deus pode realmente levantar profetas como João Batista para repreender os adultérios e corrupções dos modernos Herodes que estão na liderança da sociedade e das igrejas. O rei Herodes da "graça" made in Caminho da Graça que se cuide então.

O rei Davi não era sacerdote

Contudo, Davi é a vítima preferida dos que insistem em justificar as repreensibilidades das condutas dos Caios, Macedos e outros pastores. Mas eles ignoram um fato importante: Davi não era sacerdote. Em termos modernos, Davi não era pastor nem líder religioso. Havia na época de Davi os sacerdotes, que trabalhavam no cargo moderno de pastor. Eles ocupavam exclusivamente a função de liderança religiosa. Mais nada.

Por outro lado, Davi ocupava exclusivamente a função de liderança política. Ele era rei. Em termos modernos, ele era presidente. Mais nada.

As qualificações para sacerdote e pastor são muito mais elevadas do que as qualificações para presidente.

O sacerdote precisa ser irrepreensível. O pastor precisa ser irrepreensível. Davi era um homem segundo o coração de Deus como político. Mas se ele fosse sacerdote e pastor, ele teria a obrigação de ser irrepreensível. Como sacerdote e pastor, ele só poderia ser um homem segundo o coração de Deus com uma reputação e conduta irrepreensíveis. Ser irrepreensível é ter uma reputação excelente, é estar acima de acusações de caráter.

Além disso, o político Davi era casado com várias mulheres. Mesmo os sacerdotes da época dele não tinham várias esposas. Os sacerdotes tinham apenas uma mulher, e esse requisito continuou obrigatório para todos os pastores casados no Novo Testamento.

Bispo Macedo e o amor ao aborto e ao dinheiro

Com relação ao Bispo Edir Macedo, já tratei abundantemente do apoio dele ao aborto. É deplorável que um homem que se considere porta-voz de Deus defenda a matança legal de bebês em gestação. É deplorável que um homem que diz crer em milagres creia também no aborto. E é deplorável que um homem que se considere bispo lidere uma denominação que é alvo de freqüentes manchetes internacionais de corrupção e lavagem de dinheiro.

Por que Macedo e sua denominação lidam com o dinheiro de um modo que os expõe a escândalos? Com certeza, eles percebem o óbvio: o que o governo tira de impostos é muito mais do que o justo. E tentam proteger seu dinheiro com esquemas para desviá-lo da ganância estatal.

Macedo bem que poderia dar atenção ao exemplo de Tiradentes, que se revoltou contra o governo português pela cobrança de 20 por cento de impostos sobre os cidadãos do Brasil. Superando em muito a ganância do governo português, o atual governo brasileiro cobra quase 40 por cento de impostos, e só isso já deveria ser inspiração suficiente para motivar todos os pastores do Brasil a proclamarem jejuns, orações e ações contra esse roubo descarado. Mas em vez de orientar sua denominação e pastores a denunciarem esse imenso roubo estatal contra o Brasil, Macedo prefere apoiar o governo que rouba e recorrer a meios ilegais (pelos padrões do insaciável tubarão brasileiro do imposto de renda) para proteger sua imensa fortuna da voracidade estatal.

A Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) está pagando um preço alto por recorrer a esses meios. A IURD está na mira do Ministério Público Federal por remessa de dinheiro ilegal ao exterior. Nos EUA, a IURD está também sob investigação por suas estranhas e bilionárias transações financeiras.

O que Deus exige do pastor?

Compare agora o histórico desses dois homens (Caio Fábio e Bispo Macedo) com as exigências bíblicas para o homem que quer pastorear:

"Esta é uma palavra fiel: se alguém deseja o pastorado, excelente obra deseja. Convém, pois, que o pastor seja irrepreensível, marido de uma só mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar; não dado ao álcool, não violento, não cobiçoso nem ganancioso, mas moderado, não contencioso, não avarento; que governe bem a sua própria família, tendo seus filhos em obediência, com toda a modéstia, pois se alguém não sabe administrar a sua própria família, como conseguirá cuidar da igreja de Deus? Ele também não deve ser novo convertido, para que, ensoberbecendo-se, não caia na condenação do diabo. Convém também que tenha bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em afronta, e no laço do diabo". (1 Timóteo 3:1-7)

Evidentemente, o rei Davi falharia em vários desses requisitos. De qualquer forma, esses requisitos não se aplicavam a ele, pois não são para políticos, mas apenas para pastores e bispos. No entanto, com seus problemas peculiares, nem o "Pastor" Caio Fábio nem o "Bispo" Edir Macedo têm um histórico irrepreensível na área de finanças e caráter. Eles podem ser políticos? Sim, provavelmente. Mal posso ouvi-los dizendo:

Caio e Macedo:
"Oba!!! Podemos ser políticos!"

Caio:
"Eu quero ser presidente! Tenho a experiência de ter sido o papa dos evangélicos do Brasil!"

Macedo: "Essa é para mim, Caio. Cai fora!!! Eu tenho a experiência de ser o maior magnata evangélico do Brasil. Tente ser senador!"

Caio:
"Buááá! Você está estragando meus sonhos! Só por isso vou fazer uma leitura psicológica de você no meu site para todos verem. Você vai ver!"

Macedo:
"Ah, é assim? Farei questão então que seu nome seja lembrado na próxima Sessão do Descarrego! Além disso, seus escândalos vão ser expostos no Jornal da Record!"

Brigas de família à parte, com seu caráter repreensível, ambos, como presidente e senador, estariam em seu habitat natural, no meio de muitos outros políticos que, em menor ou maior grau, vivem a mesma realidade moral e financeira deles.

O fato é que a ganância e as inclinações socialistas de Caio e Macedo — sem mencionar suas nefastas ligações passadas com Lula — os tornariam péssimos políticos cristãos. Eles podem ser pastores? Obviamente, nenhum dos dois nem sonha em largar do pastorado, mesmo não tendo a irrepreensibilidade que a Palavra de Deus exige.

Davi, Reagan e as desculpas de Caio e Macedo

Macedo e Caio têm uma desculpa: Já que Davi não tinha um histórico irrepreensível, eles também não precisam… Ufa! Eles respiram aliviados com essa santa muleta e santo amuleto! Será que o rei Herodes também usou a mesma justificativa para seu adultério e corrupções?

Eu admiro muito o rei Davi — apesar de seu adultério e assassinato covarde de Urias. Eu admiro muito o presidente Ronald Reagan — apesar de seu divórcio e recasamento. Ambos eram grandes políticos. Ambos fizeram proezas políticas e espirituais importantíssimas, cada um em sua própria geração. Davi derrubou Golias e elevou a nação de Israel. Reagan derrubou o Golias do comunismo soviético e honrou os EUA de forma tremenda. Mas seria difícil admirá-los se eles fossem pastores insistindo em não deixar o pastorado depois de um adultério, divórcio e recasamento, pois ser grande político não é a mesma coisa que ser um grande pastor. Ser pastor exige muito mais santidade do que ser presidente.

Por que? Porque um presidente dirige um povo, mas pastores segundo o coração de Deus podem influenciar presidentes e ajudar a formar uma nova geração de líderes políticos que dirigirão a nação. Pastores influenciaram de forma impressionante a fundação dos Estados Unidos, inclusive a vida de muitos presidentes americanos. O que seria de Reagan sem o Pr. George Otis, que em 1970 orou por Reagan e lhe disse profeticamente que ele seria presidente dos EUA?

Davi só se levantou como rei de Israel depois que o sacerdote Samuel o ungiu. Os Davis para a presidência do Brasil só surgirão com a ajuda de pastores ungidos e íntegros.

Entretanto, não é por amor à santidade e integridade que Caio e Macedo estão agarrados ao púlpito. Acima de tudo, eles têm suas razões pessoais para não deixar o pastorado…

A Bíblia não acertou na mosca quando disse que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males? Para Caio e Macedo, ser pastor e bispo é um negócio da China.

Fonte: www.juliosevero.com

Leia mais:

Lula e os evangélicos

Igreja Universal, Caio Fábio, camisinhas, aborto…

Caio Fábio se desnuda

Bispo Macedo e aborto

Aborto, homossexualismo, ambientalismo e Caio Fábio: Quantos mais caírem, melhor para o Caiu

A teologia da nudez

Reagan: um amigo sólido de Israel

O gari, o preso e o ladrão

12 comentários :

Anônimo disse...

Parabéns Julio, sou católico e um admirador do seu trabalho. Seja firme, coragem Deus esta contigo.

Seu em Cristo,
Bruno Ribeiro

Anônimo disse...

Júlio

Edir Macedo faz muito pior que apenas esconder o dinheiro do fisco (mesmo porque, igreja não paga imposto). Ele enriqueceu com o dinheiro dos fieis, ficou ríquissimo roubando o que se lançava na bolsa, como Judas Iscariotes.

Isaias Medeiros disse...

Artigo perfeito, brilhante. Sem mais a comentar.

Pr. Carlos Roberto disse...

Prezado Júlio Severo,
Graça e Paz!

Seu texto, ainda que muitos possam criticar, é duro, profético e realista!

Isso não exclui a simpatia pessoal que qualquer um possa ter pelos envolvidos, mas a realidade quanto ao exercício pastoral, é exatamente essa.

O pior de tudo é que, em virtude da projeção midiática dos envolvidos citados, acabam fazendo escola e tudo se transforma em escandalosa inversão de valores, onde nada mais é nada.

Que Deus tenha misericórdia da vida deles e da nossa!

Um grande abraço!
Pr. Carlos Roberto

Danilo Miguel disse...

Triste! Lamentável! Deplorável! Mas - INFELIZMENTE - real! E - INFELIZMENTE - muitos cegos pelos desejos e prazeres deste mundo têm dado mais atenção à voz destes (e outros) senhores do que ao Verdadeiro e Ganuino Evangelho do Senhor. Ah! O problema é que Este exige renúncia, retidão, mudança de vida... É mais fácil e cômodo entrar pela porta larga (mas que conduz ao inferno).
Graças a Deus que ainda existem os atalaias, dispostos a tudo pela Verdade. O Senhor seja contigo!

Seria Paulo um profeta? Os conselhos dele a Timóteo (II Timóteo) são mais atuais que nunca. Pensemos nisso, e continuemos com esta Obra!

Em Cristo,

Danilo Miguel
www.semforma.com

Mente Conservadora disse...

Creio que Ronald Reagan foi o maior político do século passado. Achei triste a forma como ele morreu.

Netto disse...

Amém!
Aleluia!
Glórias à Deus!!
Isso, sim, que é resposta à altura.
Parabéns.
Espero que de alguma forma essa mensagem chegue ao conhecimento desses apostatas.
Que Deus continue abençoando o irmão!
Sou seu fã (carinhosa e respeitadamente, claro, como um servo de Deus).

Anônimo disse...

Com certeza, essas pessoas estão no lugar de merecedoras de críticas ardentes, mas convém lembrar que isso não isenta a nenhum de nós das nossas obrigações como crentes. Muitas falham no "antes" e não no "depois". Nós crucificamos aqueles que são dignos desta realidade, mas na hora de apoiarmos os verdadeiros servos de Deus e orarmos por eles, pulamos fora. Infelizmente a classe pastoral deixou de ser a "escória" para serem a turma do "terninho e gravata", infelizmente, mas não seria culpa nossa?

Werbevan Castro disse...

Graça e paz amados!
Não estou aqui para defender ninguém, pois quem sou eu para tal atitude, porém quero apenas os alertar a algo.
Vendo todas as respostas aqui àcima e até mesmo o artigo, vejo como ainda tratamos as coisas como se não houvessem solução. Temos nos preocupado muito com os outros antes de preocuparmos com nós mesmos. Pra gente uma vez adúltero sempre será visto como adúltero... e por favor não usem esse chavões evangélicos de que "isso é consequência do erro...", pois não vemos a forma como Yeshua tratou aquela prostituta. Nos esquecemos de que a forma como Ele via as pessoas era totalmente diferente de como vemos hoje. Nossa visão é a mesma dos discípulos: "Uma prostituta!!" ou "Um fariseu!!", mas nunca vemos por trás de tudo isso.
Como eu disse não quero defender ninguém, apenas quero defender a criação de DEUS... que é cada um deles... tanto Caio Fábio quanto Edir Macedo. Não somos nós que temos que julgar se continuam sendo adúlteros (pecado o qual é infelizmeten comum no meio evangélico não somente falando de Homem x Mulher, mas sim Homem x Cristo) ou ladrões. Claro que vemos uma clara diferença entre um e outro, onde um continua na Teologia da Prosperidade, Pão não sei da onde, Areia do deserto de não sei o que, flor que faz um monte de coisa... e outro que tem entendido a questão da restauração do evangelho da graça e que não é compreendido por muitos.
Queridos... quero apenas os alertar em relação ao julgar o que devia ou tem que ser feito... isso não cabe a nós. Yeshua via com outros olhos... mesmo sabendo de Judas ele agia de outra forma não como nós hoje.
Quero apenas deixar claro que não concordo com certas atitudes também dos mesmos citados no artigo.
Creio que o que precisamos sim é julgar o que a Igreja de Cristo tem feito hoje... que particularmente acho q é muito pouco ou quase nada para o que esse mundo precisa... como Marchas não sei pra quem...que não tem efeito algum.

Shalom a todos e fiquem no amor e na graça do Pai!

Werbevan Castro

SARAIVA & BASTOS disse...

Isso ai!Esses dois ai são é pastores a serviço de Mamon....sou totalmente contra o aborto, e você cristão? Quem quiser tenho um estudo sobre essa temática envolvendo o apoio de pastores brasileiros a prática do infanticidio através do aborto

Cesar Borges disse...

Engraçado; Julgam Caio Fabio pelo adultério cometido ha mais de 10 anos, e o pecado de cada um de nós? E o pecado de se achar melhor que o próximo? São loucos os que pensam assim! Triste ver o povo que se auto intitula como povo de Deus, pensar dessa forma! Vocês deveriam entender mais sobre o significado, e saber que o pecado abrange muito mais do que os líderes religiosos ensinam.

Julio Severo disse...

Cesar, o artigo não trata somente do Caio Fábio, que têm problemas que vão além do adultério. Incluem até heresia, conforme indica este artigo:

O herético neo-panteísta e seus fãs apologéticos

Mas dificilmente você aceitará isso, já que você é seguidor do Genizah. Veja o que o Genizah faz:

A boca suja do dono do Genizah