7 de agosto de 2009

Como a OMS distorceu dados da mortalidade materna para avançar a agenda do aborto

Como a OMS distorceu dados da mortalidade materna para avançar a agenda do aborto

Comentário de Elizabeth Walsh

WASHINGTON, DC, 6 de julho de 2009 (Notícias Pró-Família) — Num relatório anual recentemente divulgado sobre a condição da saúde mundial, a Organização Mundial de Saúde (OMS) apresenta estatísticas que enganosamente parecem colocar a mortalidade materna em pé de igualdade com outras doenças assassinas mundiais como a malaria e o HIV/AIDS. Essa nova abordagem contradiz outros relatórios da OMS em que a mortalidade materna nem mesmo chega entre as dez principais doenças que mais matam no mundo, ficando na posição de certo modo mais baixa do que as fatalidades de acidentes de carro.

A confusão surge primeiro na segunda tabela do relatório, que fornece dados sobre a mortalidade devido a causas maternas, o HIV/AIDS, a malaria, a tuberculose, as doenças cardiovasculares, o câncer e os ferimentos. Todas essas causas de morte, exceto a mortalidade materna, estão entre as dez principais causas de morte mundial. Mas a mesma tabela de estatísticas mostra a mortalidade materna, como se fosse comparável aos outros.

Ainda mais confusa para o leitor casual é que as estatísticas na tabela de mortalidade materna realmente parecem ser uma causa maior do que as outras. A tabela mostra que a mortalidade materna tem um “índice de mortalidade” de 400 enquanto as doenças do coração, consideradas a causa número um de mortes no mundo inteiro, têm um índice de mortalidade de 301. Embora a própria OMS diga que a mortalidade materna mate 536.000 por ano e as doenças do coração matem 7,2 milhões, essa aparente paridade é alcançada quando os números de mortalidade materna são mostrados como um número variável de nascimentos vivos totais enquanto os outros são mostrados como um número variável da população total — uma mistura de maçãs e laranjas.

Os críticos acusam que o relatório é parte de uma contínua campanha das agências da Organização das Nações Unidas (ONU) e da OMS de exagerar a incidência real da mortalidade materna com o propósito de promover o aborto.

Um boletim da OMS de 2005 admitiu que relativamente poucos países fornecem dados confiáveis e completos sobre a mortalidade ou causa de morte. Aliás, dos 46 países africanos, que supostamente representam cerca de 50% das mortes maternas, só um país tinha dados completos disponíveis. Ainda assim, a OMS rotineiramente declara que cerca de meio milhão de mulheres morrem anualmente de “causas maternas” nos países em desenvolvimento, independente do fato de que os dados disponíveis dos países em desenvolvimento sobre esse assunto são inconfiáveis, com “margens de incerteza elevada”. A Divisão de População da ONU, o escritório oficial da ONU que lida com estatísticas, se recusa a usar o número de 500.000 precisamente porque não dá para confirmá-lo.

A ONU e suas agências firmemente propõem o aborto e a contracepção, sob o eufemismo de “planejamento familiar”, como o melhor jeito de resolver o problema exagerado da mortalidade materna. A declaração conjunta de 1999 disponibilizada pelo Banco Mundial, FNUAP, UNICEF e OMS reiterou a importância de reduzir a mortalidade materna por meio de “três áreas chaves para ação”: “capacitar as mulheres a fazer escolhas em suas vidas reprodutivas”, melhorar o “acesso para e qualidade de serviços de saúde materna” e “garantir acesso para informações e serviços de planejamento familiar”.

A conferência “Mulheres Dão a Luz” de 2007 patrocinada pela ONU também defendeu o que a Dra. Susan Yoshihara denominou de mentalidade “aborto primeiro” para melhorar a saúde materna. Isso subestima métodos comprovados de reduzir a mortalidade materna associada ao parto por meio do acesso a enfermeiras de parto especializadas e assistência obstétrica de emergência.

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com/2009/07/como-oms-distorceu-dados-da-mortalidade.html

Veja o artigo original aqui: http://www.lifesitenews.com/ldn/2009/jul/09070602.html

Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Um comentário :

Ismael Pio Elias disse...

Júlio, ao ler este artigo vi confirmadas minhas suspeitas do que ocorre no Brasil a respeito da gripe H1N1 (a gripe suína).
Os governos federal e municipal, e mais ainda a grande mídia, fazem uma lavagem cerebral na população com uma simples gripe, que é até mais fraca do que a gripe comum e, para aumentar o absurdo, noticiam o tempo todo sobre mulheres grávidas vítimas da doença.
A população tola que acredita no jornalismo vigarista que impera neste país é levada a pensar que está diante de uma doença terrível, dezenas de vezes mais mortífera do que o Ebola, que ataca especialmente as grávidas, pois são, na visão distorcida passada à população pelos esquerdopatas que controlam os orgãos de imprensa, mulheres que padecem da pior enfermidade que pode acometer uma mulher: ‘a gravidez’.
Logo, a massa de imbecis começará a pensar que o mais saudável para uma mulher é matar (abortar) seus filhos, pois filhos são uma doença mortal.

Desconfiava que tal estratégia maligna não estivesse restrita apenas ao Brasil e, posso ver que como sempre os iluminados esquerdistas brasileiros apenas seguem os ditames da ONU, através de sua OMS – organização disposta a implantar uma agenda mundial do aborto aos moldes do que ocorre atualmente na China comunista.
Quem lê sites e blogs como o seu, Mídia Sem Máscara, Olavo de Carvalho, Heitor de Paola e afins tem a mente estimulada e não é enganado com tanta facilidade pelos esquerdopatas que dominam a mídia brasileira, conseguindo ver o que está por trás das campanhas de desinformação passadas como informação confiável, mas que não passam de lavagem cerebral.

Continue com seu ministério Júlio. Você, como os outros citados, fazem-nos pensar e perceber a manipulação antes mesmo que ela venha a público.