31 de julho de 2009

Cientista mais importante de Obama visualizou “Regime Planetário” de aborto forçado e campanha de esterilização forçada em livro

Cientista mais importante de Obama visualizou “Regime Planetário” de aborto forçado e campanha de esterilização forçada em livro

Peter J. Smith

WASHINGTON, D.C., EUA, 13 de julho de 2009 (Notícias Pró-Família) — Embora a escolha do presidente Obama como cientista mais importante do governo americano tenha recebido aprovação unânime do Senado americano em março, pouca menção se fez da carreira do professor de Harvard John Holdren como auto-proclamado “neo-malthusiano”. Nessa posição, Holdren defendeu o controle populacional compulsório nos EUA, inclusive aborto forçado e a adição de agentes esterilizantes na água de beber, e a criação do que ele literalmente chamou de “regime planetário” que imporia a execução dessa campanha a nível mundial.

O Presidente Barack Obama declarou em dezembro que ele havia nomeado Holdren como diretor da Secretaria de Ciência e Políticas Tecnológicas (SCPT) como parte da missão de seu governo de promover uma ciência imparcial. A meta, disse Obama, era proteger “inquirições livres e abertas” e “garantir que fatos e evidência jamais sejam torcidos ou obscurecidos por políticas ou ideologia”.

“É sobre prestar atenção ao que nossos cientistas têm a dizer, até mesmo quando é inconveniente — principalmente quando é inconveniente”, anunciou Obama.

Ocupando a posição científica mais elevada no governo de Obama, Holdren ajuda o presidente como diretor da Secretaria de Ciência e Políticas Tecnológicas e co-diretor do Conselho de Assessores de Ciência e Tecnologia do Presidente. Holdren acumulou uma lista impressionante de credenciais para seu nome: ex-presidente da Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAC), membro da Academia Nacional de Ciências, ex-professor de Políticas Ambientais da Faculdade Kennedy de Governo na Universidade de Harvard, ganhador do Prêmio de Meio-Ambiente Volvo de 1993 (junto com o proponente de controle populacional Paul Ehrlich), e outros.

Contudo, nada revela melhor as opiniões envolvendo ciência e políticas globais do Assessor Científico de Obama do que seus livros sobre questões ambientais, que ajudam a dar um quadro do homem que ocupa posição de autoridade no círculo mais interno dos assessores científicos do presidente.

No começo de fevereiro, a revista FrontPage revelou pela primeira vez que Holdren havia proposto calmamente muitas prescrições para uma cruel campanha de controle populacional que se poderia aplicar aos Estados Unidos num livro publicado em 1977 intitulado “Ecoscience: Population, Resources, Environment” (Eco-ciência: População, Recursos e Meio-Ambiente). Holdren escreveu o livro juntamente com Paul e Anne Ehrlich, defensores do controle populacional, com a premissa básica de que os governos podem restringir os direitos humanos individuais “onde a sociedade tem um interesse urgente e subordinativo na regulação do tamanho da população”.

Exemplos apresentados pelos autores incluem a possibilidade de aborto forçado para atender cotas populacionais, esterilizar populações por meio da contaminação propositada do abastecimento de água com drogas de infertilidade, obrigar mães solteiras e adolescentes a escolher entre aborto e dar seus filhos para adoção e a imposição de um “Regime Planetário” para impor a execução de políticas de controle populacional, com um mecanismo de execução da lei sendo uma força policial transnacional global.

“Aliás, concluiu-se que as leis de controle populacional compulsório, incluindo até leis que exigem aborto forçado, poderiam ser sustentadas sob a Constituição existente se a crise populacional se tornasse suficientemente grave para colocar a sociedade em perigo”, escreveu Holdren na página 837.

Holdren defende essa afirmação na página seguinte declarando que “nem a Declaração de Independência nem a Constituição mencionam um direito de se reproduzir” e que para a sobrevivência da sociedade, o governo pode tanto forçar as mulheres a ter filhos quanto forçá-las a abortar.

Famílias grandes são um alvo especial de Holdren e dos Ehrlichs, que escrevem que os pais de tais famílias “contribuem para a deterioração social geral produzindo excesso de filhos” e “a lei pode exigir que essas famílias exercitem responsabilidade reprodutiva”.

Holdren avança várias idéias para o controle da fertilidade compulsório. Ele declara (págs. 786-7) que “esterilizar mulheres depois de seu segundo ou terceiro filho” pode ser mais viável do que esterilizar homens, propõe uma “cápsula esterilizante de longa duração que se poderia implantar debaixo da pele” na puberdade e então “podendo ser removida somente com a autorização do governo, para um número limitado de nascimentos”.

“Adicionar um agente esterilizante à água de beber ou alimentos básicos é uma sugestão que parece deixar as pessoas mais horrorizadas do que propostas para controle da fertilidade involuntário”, diz Holdren.

“Aliás, isso introduziria algumas questões políticas, legais e sociais bem difíceis, sem mencionar os problemas técnicos. Tais agentes esterilizantes não existem hoje, e parece que não estão sendo desenvolvidos. Para ser aceitável, tal substância teria de atender a alguns requisitos um tanto rígidos: tem de ser uniformemente eficiente, apesar de doses amplamente variadas recebidas por indivíduos, e apesar de graus variados de fertilidade e sensibilidade entre indivíduos; tem de ser livre de efeitos colaterais perigosos e desagradáveis; e não pode ter efeito nos membros do sexo oposto, filhos, idosos, bichos de estimação ou gado”.

Holdren propõe nas páginas 942-3, um mecanismo máximo de execução na forma de um “Regime Planetário — um tipo de super-agência internacional dedicada a questões de população, recursos e meio-ambiente” que controlariam e distribuiriam todos os recursos naturais e decidiriam também “o tamanho ideal para a população mundial”.

“O controle do tamanho da população poderia ficar sob a responsabilidade de cada governo, mas o Regime teria algum poder de forçar a implementação dos limites aceitos”, declara Holdren. No começo Holdren havia mencionado a criação de “uma organização internacional armada, um equivalente global de uma força policial” (pág. 917) como um meio de conquistar a segurança internacional.

Leia as citações e trechos de “Ecoscience” com fotos e scans do texto original via o blogueiro ZombieTime aqui.

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com/2009/07/cientista-mais-importante-de-obama.html

Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2009/jul/09071401.html

Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Um comentário :

frederico disse...

"""Cientista""" entre muitas aspas