26 de abril de 2009

O caso dos bebês gêmeos abortados em Recife

O caso dos bebês gêmeos abortados em Recife

Omissão de mãe da menina abusada, com a cumplicidade de padrasto e médicos oportunistas, levou ao estupro e gravidez da menina e a morte de gêmeos

Julio Severo

Vários leitores me perguntaram o que acho do caso dos bebês gêmeos abortados em Recife. Tenho de dar minha opinião, pois até o presidente Lula, com sua habitual sabedoria de molusco, opinou defendendo — não a menina, mas o aborto.

Primeiro, a desculpa usada — “o aborto era necessário para salvar a vida da menina-mãe” — demonstrou ser medicamente mentirosa.

Segundo, as autoridades não respeitaram a decisão do pai biológico e, para abortar, usaram e abusaram da permissão da mãe da menina. Foi essa mesma mulher que foi omissa durante os anos em que suas filhas foram estupradas dentro de casa. Talvez ela vá usar a desculpa costumeira de Lula: “Não vi nada e não sei de nada!”

Com a omissão da mãe, o padrastro teve liberdade de cometer os estupros. E as autoridades médicas sedentas de sangue usaram a permissão da mesma mãe omissa para destruir duas vidas em gestação.

Tanto no estupro quanto no aborto, a “permissão” da mãe da menina foi fundamental. Hoje, o padrasto está na cadeia. Mas onde estão os outros oportunistas que agiram de forma semelhante, estuprando piscologicamente a menina com a ajuda daquela que ajudou o padrasto?

Esse episódio lamentável nos ensina três coisas importantes:

1. Não é saudável e seguro meninas serem criadas por padrastos, principalmente quando eles são amantes da mãe. Os riscos são imensos.

2. Não é saudável e seguro entregar tais meninas nas mãos de médicos e mães cérebros de molusco.

3. O pai biológico, dentro de um casamento normal, é o maior protetor de sua família. É de admirar então que nem o padrasto estuprador, nem os médicos abusadores, nem o presidente Lula tenham se importado em consultar a decisão do pai verdadeiro?

Fonte: www.juliosevero.com

Parte 1: Grupo pró-aborto internacional conspirou com hospital para matar bebês gêmeos em gestação em famoso caso brasileiro — Parte 1

Parte 2: Grupo pró-aborto internacional conspirou com hospital para assassinar gêmeos em gestação em infame caso brasileiro — Parte 2

Arcebispo pró-vida brasileiro abandonado por colegas bispos e por autoridade do Vaticano por excomungar médicos aborteiros

Onde estão os gêmeos?

3 comentários :

Alex disse...

Júlio o senhor tocou numa questão importante: a paternidade.
Peço-lhe, por favor, que escreva sobre paternidade.
Alex A. B.

Sarah Farias WatchGirl disse...

É, vou reforçar o pedido: Júlio, escreva sobre Paternidade.

Eu tenho sorte de ter sido criada com pai e mãe e, ambos, mesmo sendo imperfeitos, conseguiram cumprir o sacerdócio deles na minha vida.

Era um alívio, depois de um pesadelo a noite, correr para a cama dos meus pais e, principalmente me agarrar com o meu pai que, para reprensentava um lugar seguro, onde nenhum "bicho papão" me pegaria.

E como era maravilhoso o equilíbrio que minha mãe trazia no dia a dia: sempre amorosa, sempre orando pela gente e convencendo meu pai a não nos dar um castigo muito duro depois de termos aprontado alguma. A gente sempre corria pra ela, rsrsr.

Quero ter a honra de proporcionar o mesmo ambiente para meus filhos: a mãe - afeto, amor,segurança serviço;o pai - IDENTIDADE, autoridade, limites, respeito, segurança.

Deus criou um projeto familiar perfeito para a formação do caráter do cidadão.

Infelizmente, tem grupos querendo fazer "novas experiencias".Achando talvez que a sociedade é um laboratório social e nós - os ratinhos brancos de experiencias.

A pergunta é:
Quanto essa experiencia irá nos custar?...ou melhor, quanto custará às gerações vindouras?

A sorte está, literalmente, lançada.

Marcelo disse...

Com esses ataques que a familia vem sofrendo fica difícil até de culpar o pai. Tiram a proteção e exaltam os desvios de conduta... http://marcelolerecrer.blogspot.com/