12 de março de 2009

Pesquisa contesta críticos da disciplina física de crianças

Pesquisa contesta críticos da disciplina física de crianças

Dr. Den Trumbull e Dr. S. DuBose Ravenel

Durante os anos, vem crescendo de modo significativo a oposição das elites ao direito de os pais disciplinarem fisicamente seus filhos. Não há dúvida de que boa parte dessa oposição está brotando de uma preocupação sincera pelo bem-estar das crianças. O abuso de crianças é uma realidade, e casos de abuso infantil são horríveis. Mas embora a disciplina física eficaz e amorosa não seja absolutamente crueldade e abuso, não é também fraca e ineficaz. Aliás, surras disciplinares podem se enquadrar bem nos limites da disciplina amorosa e não precisam ser rotuladas de violência e abuso.

Os críticos alegam que surrar uma criança é abuso e contribui para disfunções na vida adulta. Essas alegações surgem a partir de estudos que não conseguem distinguir entre disciplina adequada e outras formas de castigo. Formas abusivas de punição física como chutar, dar soco e espancar são comumente agrupadas junto com surras leves. Além do mais, os estudos geralmente incluem, e até enfatizam, o castigo físico de adolescentes, em vez de focarem em crianças em idade pré-escolar, onde surras são mais eficazes. Essa obliteração das distinções entre surra e abuso físico, e entre crianças de diferentes idades, dá aos críticos a ilusão de que eles têm dados suficientes para condenar todas as surras disciplinares.

Há vários argumentos comumente apontados contra a surra disciplinar. É interessante que dá para usar a maioria desses argumentos contra outras formas de disciplina. Qualquer forma de disciplina (suspensão de brincadeiras, restrições, etc.), quando usada de forma inapropriada e irada, pode resultar na distorção da percepção da criança acerca da justiça e prejudicar seu desenvolvimento emocional. À luz disso, vamos examinar alguns dos argumentos infundados promovidos pelo que se opõem às surras disciplinares.

Argumento 1: Muitos estudos psicológicos mostram que surrar é uma forma imprópria de disciplina.

Resposta: Os pesquisadores John Lyons, Rachel Anderson e David Larson do Instituto Nacional de Pesquisa de Saúde conduziram uma análise sistemática da literatura de pesquisa acerca do castigo físico.[1] Eles constataram que 83 por cento dos 132 artigos identificados publicados em revistas clínicas e psicossociais eram meramente editoriais, críticas ou comentários movidos por opiniões pessoais, desprovidos de novas descobertas empíricas. Além disso, a maioria dos estudos empíricos tinha falhas de metodologia ao agrupar o impacto do abuso com surras disciplinares. Os melhores estudos demonstraram efeitos benéficos, não prejudiciais, das surras em determinadas situações. Claramente, há evidência insuficiente para condenar surras disciplinares aplicadas pelos pais. Contudo, há evidências suficientes para justificar o uso adequado da surra disciplinar.

Argumento 2: O castigo físico estabelece uma moralidade de justificar o ato de bater em outras pessoas que fazem algo que é considerado errado.

Resposta: A idéia de que “surrar ensina a bater” ganhou popularidade durante a década passada, mas as evidências objetivas não apóiam essa idéia. Deve-se fazer distinção entre espancamento abusivo e surra não abusiva. A capacidade de a criança discernir espancamento de surra disciplinar depende em grande parte da atitude dos pais para com a surra e com o procedimento de surra dos pais. Não há evidência na literatura médica de que uma surra leve nas nádegas de uma criança desobediente aplicada por um pai ou mãe amorosa ensina conduta agressiva à criança.

A questão crítica não é se devemos ou não usar a surra disciplinar (ou, aliás, qualquer castigo), mas de que maneira usá-la. Abuso físico praticado por pais irados e descontrolados deixará feridas emocionais permanentes e cultivará amargura e ressentimento dentro de uma criança. O uso equilibrado e prudente de surras disciplinares, porém, é um método eficaz para desestimular condutas agressivas de algumas crianças.

Um estudo longitudinal de seis anos de uma população racialmente mista de 1.112 crianças entre 4 e 11 anos nos Archives of Pediatric and Adolescent Medicine [Arquivos de Medicina Pediátrica e Adolescente] concluiu: “Uma análise de regressão dentro de subgrupos não rendeu nenhuma evidência de que a surra disciplinar promove agressão em crianças antes da idade de 6, apoiando afirmações de maior agressividade em apenas 1 subgrupo: meninos brancos de 8 a 11 anos em lares de mães solteiras”. Para esse subgrupo de risco mais elevado, especulou-se que a surra disciplinar pode servir como “um substituto para problemas familiares tais como perda da autoridade paterna, péssima administração, estresse ou falta de apoio”. Nesses casos, os autores do estudo indicam que “para famílias que estão experimentando graves problemas na administração da família, surrar não é uma solução viável para esses problemas e pode agravá-los”. Mais uma vez, o ambiente familiar tem um efeito profundo no resultado da medida disciplinar. [2] O que é surpreendente é que a agressividade infantil está mais ligada intimamente à permissividade das mães e críticas negativas do que disciplina física abusiva.[3]

É irreal achar que quando os pais excluem apenas as surras de suas opções de disciplina, as crianças jamais baterão nos outros. A maioria das crianças de um a três anos (muito antes de receberem suas primeiras surras) tentam naturalmente bater nos outros quando surge um conflito ou frustração. A continuação dessa conduta é em grande parte determinada pela reação dos pais ou babás. Quando há disciplina correta, a agressividade se tornará menos frequente. Quando ignorada ou disciplinada de forma ineficaz, a agressividade provavelmente persistirá e até se expandirá. Assim, em vez de contribuir para violência maior, a surra disciplinar pode ser um componente útil num plano abrangente para ensinar eficazmente a criança a parar de bater nos outros.

Argumento 3: Já que os pais muitas vezes deixam de bater até a ira ou frustração alcançar certo ponto, a criança aprende que a ira e a frustração justificam o uso da força física.

Resposta: Um estudo publicado na revista Pediatrics indica que a maioria dos pais que surram não surra por impulso, mas surra seus filhos com um propósito, crendo em sua eficácia. [4] Além disso, o estudo não revelou nenhuma correlação significativa entre a frequência das surras e a ira relatada pelas mães. De fato, as mães que relataram estar iradas não eram as mesmas mães que deram a surra. Bater por reação e impulso depois de perder o controle devido à ira é inquestionavelmente o modo errado de os pais usarem disciplina física. Contudo, eliminar todo castigo físico no lar não remediaria tais cenários explosivos. Poderia aumentá-los.

Quando surras eficazes são removidas do repertório disciplinar dos pais, eles acabam passando sermão incessantemente, implorando, desdenhando e gritando, pois as principais medidas disciplinares — tais como suspensão de brincadeiras e conseqüências lógicas — fracassaram. Em contraste, se uma surra disciplinar adequada é preventivamente usada em conjunção com outras medidas disciplinares, pode-se alcançar melhor controle de uma criança particularmente desobediente, e haverá menos probabilidade de ocorrerem momentos de exaspero.

Argumento 4: O castigo físico é prejudicial às crianças.

Resposta: Qualquer medida disciplinar—física, verbal ou emocional — levada a um extremo pode prejudicar uma criança. Repreensões e broncas excessivas de uma criança por parte dos pais provocam danos emocionais. O uso excessivo de isolamento (suspensão de brincadeiras) por períodos irracionais de tempo pode humilhar uma criança e arruinar a eficácia da medida. Obviamente, castigos físicos excessivos e indiscriminados são prejudiciais e abusivos. Contudo, uma surra administrada de forma adequada numa criança desobediente que já foi avisada de antemão não é prejudicial quando administrada de uma forma controlada e amorosa.

Sem o uso prudente da surra para uma criança particularmente desobediente, os pais correm o risco de serem incoerentes e desculparem a conduta da criança. Essa maneira incoerente de desempenhar o papel de pais confunde e prejudica as crianças e danifica o relacionamento entre pais e filhos. Não há evidência de que uma surra disciplinar adequada seja prejudicial à criança.

Argumento 5: O castigo físico deixa a criança revoltada contra os pais.

Resposta: Todas as formas de castigo inicialmente produzem uma reação frustrada e irada da criança. O avanço dessa ira depende principalmente da atitude dos pais durante e depois do momento da disciplina, e o modo de sua aplicação. Qualquer forma de castigo administrado iradamente com o propósito de retribuição, em vez de uma aplicação calma com o propósito de corrigir, pode criar ira e ressentimento numa criança. Aliás, uma surra pode quebrar a ira crescente de uma criança rebelde e mais rapidamente restaurar o relacionamento entre pais e filhos.

Argumento 6: A surra disciplinar ensina a criança “a lei da força”, que o poder e a força são os mais importantes e que os fortes podem forçar sua vontade sobre os fracos.

Resposta: A autoridade dos pais é comumente exercida na educação rotineira da criança e a surra disciplinar é apenas um exemplo. Outras situações em que poder e controle são exercidos pela maioria dos pais incluem:

A criança nova que insiste em correr de seus pais num shopping lotado ou num estacionamento.

A criança nova que recusa ficar sentada no assento de bebê do carro.

O jovem paciente que recusa ficar quieto durante o cuidado de um machucado.

Poder e controle sobre uma criança são necessários em determinadas ocasiões a fim de garantir segurança, saúde e conduta adequada. Estudos acerca de criação clássica de crianças mostram que para que se consiga uma ótima criação de filhos é necessário algum poder, insistência[5] e firme controle[6]. Quando se exerce o poder no contexto do amor e para o benefício da criança, a criança não o verá como intimidação ou humilhação.

Argumento 7: Surra é violência.

Resposta: A surra disciplinar, conforme recomendada pela maioria dos médicos[7], não é violência por definição (“o uso de força física a fim de ferir ou abusar”).[8] Os pais que surram de forma adequada não ferem ou abusam de seus filhos. O uso do termo “violência” no debate sobre surra só serve para aprofundar a confusão. Por que os escritores anti-surras frequentemente deixam de distinguir entre violência abusiva e surra leve? A distinção é tão fundamental e óbvia que sua omissão indica que esses autores usam tal terminologia por seu valor de propaganda, não para esclarecer as questões.

Argumento 8: A surra disciplinar é uma solução ineficiente para os comportamentos errados.

Resposta: Embora o uso específico de surra disciplinar adequada seja raramente estudado, há evidências de sua eficácia a curto e longo prazo. Quando combinado com raciocínio, o uso de consequências negativas (inclusive surras) diminui eficazmente a frequência da repetição de comportamentos errados em crianças em idade pré-escolar.[9] Em testes clínicos de campo em que se estudou surra disciplinar usada pelos pais, constatou-se que reduz a freqüência subseqüente de desobediência com suspensão de brincadeiras.[10] A surra, como reforço eficaz da suspensão de brincadeiras, é um componente de vários programas bem pesquisados de treinamento de pais[11] e textos populares de criação de filhos.[12]

A Dra. Diana Baumrind do Instituto de Desenvolvimento Humano da Universidade de California-Berkeley, conduziu um estudo de uma década de famílias com crianças de 3 a 9 anos de idade.[13] Baumrind constatou que os pais que empregavam um estilo equilibrado de firme controle (inclusive surras) e incentivos positivos foram os que mais experimentaram resultados favoráveis em seus filhos. Os pais que adotavam abordagens extremas de disciplina (tipos autoritários usando castigos excessivos com menos incentivo ou tipos permissivos usando poucos castigos e nenhuma surra) alcançaram menos êxito.

Baumrind concluiu que a evidência desse estudo “não indicou que reforços negativos ou castigo físico eram procedimentos em si prejudiciais ou ineficazes, mas em vez disso que os modelos totais de controle dos pais determinavam os efeitos desses procedimentos na criança.

Essa abordagem de criação equilibrada de filhos, empregando uso ocasional de surras, é defendida por vários especialistas em criação de filhos.[14] Nas mãos de pais amorosos, uma surra no traseiro de uma criança que teima em não obedecer em ambientes apropriados é um motivador poderoso para corrigir condutas e uma meio eficiente para desestimular a desobediência.

Argumento 9: Adultos que foram surrados quando crianças correm risco de usar a violência como meio de resolver conflitos como adultos.

Resposta: Essa teoria tem origem na obra de Murray Straus do Laboratório de Pesquisa de Família na Universidade de New Hampshire. As conclusões de Straus são baseadas em modelos teóricos e em resultados de pesquisas de adultos relembrando surras na adolescência. A obra dele não é pesquisa clínica, e muitos especialistas crêem que suas conclusões vão muito além de seus dados. Como ocorre com todas as pesquisas de Straus, o foco é surras na adolescência, não o uso seletivo de surras disciplinares em crianças novas aplicadas por pais ajuizados. A evidência para suas conclusões desaparece quando são medidas surras entre as idades de 2 e 8 anos, e quando se mede a agressão na infância mais tarde.

Numa avaliação de castigos físicos, o Dr. Robert E. Larzelere, psicólogo de pesquisas na Universidade Estadual de Oklahoma, apresenta evidência que apóia o uso seletivo por parte dos pais da surra corretiva, principalmente para crianças de 2 a 6 de idade.[15] Depois de analisar detalhadamente a literatura, Larzelere conclui que qualquer associação entre surra e agressividade anti-social em crianças é insignificante.

Depois de uma década de estudo longitudinal de crianças começando na terceira série, o Dr. Leonard Eron não constatou nenhuma associação entre castigo (inclusive surra) e agressão posterior. Eron, psicólogo de pesquisas clínicas, concluiu: “Dez anos depois da coleta original de dados, constatamos que castigos aplicados a atos agressivos em crianças novas não mais estavam relacionados a agressões no presente, e em vez disso, outras variáveis como cuidados paternais e a identificação das crianças com seus pais eram mais importantes na predição de agressões posteriores”.[16] De novo, é o modelo total de criação de filhos praticada por pais que determina o resultado dos esforços deles.

Argumento 10: A surra corretiva leva os pais a formas prejudiciais de castigo físico que levam ao abuso físico de crianças.

Resposta: O potencial abuso quando pais amorosos usam surras disciplinares adequadas é muito baixo. Já que os pais têm uma afeição natural por seus filhos, eles são mais propensos a utilizar menos, do que utilizar mais, surras. Tanto dados empíricos quanto opiniões profissionais se opõem ao conceito de um relacionamento causal entre surras e abuso infantil.

Pesquisas indicam que 70 a 90 por cento dos pais de crianças em idade pré-escolar usam surras,[17] mas a incidência do abuso físico contra crianças nos EUA é menos do que 5 por cento. Estatisticamente, as duas práticas são bem distantes. Além disso, durante a década passada registros de abuso de crianças estão aumento ao mesmo tempo em que a aplicação de surras corretivas está diminuindo.[18]

Mais de 70 por cento dos pediatras rejeitam a idéia de que surras corretivas predispõem os pais a se engajar em formas de abuso físico.[19] Ensinar os pais acerca de surras apropriadas pode realmente reduzir os abusos infantis, de acordo com Larzelere, em seu artigo que analisa castigos físicos.[20] Os pais são mal equipados para controlar a conduta de seus filhos, e os pais que adotam uma abordagem mais permissiva (se recusando a usar surras corretivas) podem ser mais propensos à ira [21] e ataques explosivos sobre seus filhos.[22]

O abuso contra filhos cometido pelos próprios pais é um processo interativo envolvendo a competência dos pais, o temperamento de pais e filhos e as exigências da situação.[23] Pais abusivos são mais irados, deprimidos e impulsivos, e enfatizam castigos como o meio predominante de disciplina. Crianças abusadas são mais agressivas e menos submissas do que crianças de famílias não abusadoras. Há menos interação entre membros da família em famílias abusivas e mães abusivas demonstram condutas mais negativas do que positivas. A etiologia da criação abusiva de filhos é multifatorial com ênfase nas personalidades envolvidas, não dando para explicá-la simplesmente pelo uso de surras por parte dos pais.

Finalmente, o experimento sueco de reduzir abusos contra crianças proibindo surras parece estar falhando. Em 1980, um ano depois que essa proibição foi adotada, o índice de crianças com marcas pelo corpo era o dobro do índice nos Estados Unidos.[24] De acordo com um relatório da organização governamental Estatísticas Suécia, ocorrências policiais de abuso de crianças por parte de membros da família aumentaram quatro vezes mais de 1984 a 1994, enquanto ocorrências de violência praticada por adolescentes aumentaram praticamente seis vezes mais.[25]

A maioria dos especialistas concorda que surras corretivas e abuso de crianças não são uma sequência contínua, mas são coisas bem diferentes. Quando o assunto é criação de filhos, o que determina o resultado da iniciativa corretiva não é a medida usada, mas quem a usa e como ele a usa. É claro que surras disciplinares podem ser usadas com segurança na disciplina de crianças novas com um resultado excelente. O uso apropriado de surras pode realmente reduzir o risco de os pais abusarem dos filhos.

Argumento 11: Surras corretivas jamais são necessárias.

Resposta: Todas as crianças precisam de uma combinação de encorajamento e correção à medida que elas são disciplinadas, para se tornarem indivíduos socialmente responsáveis. A fim de que a correção detenha a conduta desobediente, a conseqüência imposta sobre a criança tem de prevalecer sobre o prazer do ato desobediente. Para crianças muito submissas, formas mais leves de correção serão suficientes e surras corretivas jamais serão necessárias. Para crianças mais obstinadas que se recusam a obedecer ou que não são persuadidas por conseqüências mais leves tais como suspensão do tempo de brincadeiras, a surra corretiva é útil, eficaz e adequada.

Conclusão

O assunto da surra disciplinar tem de ser avaliado a partir de uma perspectiva fatual e filosófica. É preciso fazer uma distinção entre formas abusivas e prejudiciais de castigo físico. Surras disciplinares adequadas podem desempenhar um papel importante para um excelente desenvolvimento da criança, e de acordo com estudos é parte do estilo de criação de filhos que está associado aos melhores resultados. Não há evidência de que surras disciplinares leves por parte de pais amorosos sejam prejudiciais. Aliás, surras corretivas têm o apoio da história, pesquisas e a maioria dos médicos que lidam diretamente com crianças.

***

O Dr. Den A. Trumbull é um pediatra particular credenciado em Montgomery, Alabama. O Dr. Trumbull é vice-presidente do Conselho Federal de Pediatria (American College of Pediatricians) dos Estados Unidos. O Dr. S. DuBose Ravenel é um pediatra particular credenciado em High Point, Carolina do Norte, EUA. Ele trabalhou durante 11 anos na faculdade de pediatria da Escola de Medicina da Universidade da Carolina do Norte antes de abrir um consultório particular.

Notas finais

[1] Lyons, Dr. John S., Anderson, Rachel L., and Larson, Dr. David B., "The Use and Effects of Physical Punishment in the Home: A Systematic Review." Presentation to the Section on Bio-Ethics of the American Academy of Pediatrics at annual meeting, Nov. 2, 1993.
[2] Gunnoe, M. L. and Mariner C. L., “Toward a developmental-contextual model of the effects of parental spanking on children's aggression,” Archives of Pediatric & Adolescent Medicine 151 (1997): 768-775.
[3] Olweus, Dan, “Familial and Tempermental Determinants of Aggressive Behavior in Adolescent Boys: A Causal Analysis,” Developmental Psychology 16 (1980): 644-660.
[4] Socolar, Rebecca R. S., M.D. and Stein, Ruth E.K., M.D., “Spanking Infants and Toddlers: Maternal Belief and Practice,” Pediatrics 95 (1995): 105-111.
[5] Hoffman, Martin, “Parental Discipline and Child’s Moral Development” Journal of Personal Social Psychology 5 (1967): 45-57.
[6] Baumrind, Diana, Ph.D. “Rearing Competent Children” Damon, W. (Ed.) Child Development Today and Tomorrow (San Francisco: Jossey-Bass, 1989); pp.349-378.
[7] McCormick, Kenelm F., M.D., “Attitudes of Primary Care Physicians toward Corporal Punishment” Journal of the American Medical Association 267 (1992): 3161-3165.
[8] Webste’s Ninth New Collegiate Dictionary (Massachusetts: Merriam-Webster Inc., 1987); p. 1316.
[9] Larzelere, Dr. Robert E. and Merenda, Dr. J.A., “The Effectiveness of Parental Discipline for Toddler Misbehavior at Different Levels of Child Distress” Family Relations 43 (1994): 4.
[10] Roberts, Mark W. and Powers, Scott W. “Adjusting Chair Time-out Enforcement Procedures for Oppositional Children.” Behavioral Therapy 21 (1990): 257-271, and Bean, Arthur W. and Roberts, Mark W., “The Effect of Time-out Release Contingencies on Changes in Child Noncompliance” Journal of Abnormal Child Psychology 9 (1981): 95-105.
[11] Forehand, R. L. and McMahon, R. J. Helping the Noncompliant Child (New York: Guilford Press, 1981); pp. 79-80.
[12] Clark, Lynn C., SOS! Help for Parents (Kentucky: Parents Press, 1985); pp. 181-185.
[13] Baumrind, Dr. Diana, “The Development of Instrumental Competence through Socialization,” Minnesota Symposia on Child Psychology 7 (1973): 3-46.
[14]Austin, Glenn, Love and Power: How to Raise Competent, Confident Children (California: Robert Erdmann Publishing, 1988). Also, Dobson, Dr. James, The Strong-Willed Child (Illinois: Tyndale House Publishers, 1985), and Coopersmith, Stanley, The Antecedents of Self-Esteem, (New York: W.H. Freeman & Co, 1967). Reprinted 1981. California: Consulting Psychologists Press, Inc.
[15] Larzelere, Dr. Robert E., “Should the Use of Corporal Punishment by Parents be Considered Child Abuse?” Mason, M., Gambrill, E. (Eds.) Debating Children's Lives, (California: SAGE Publications, 1994); pp. 204-209.
[16] Eron, Dr. Leonard D., “Theories of Aggression: From Drives to Cognitions.” Huesmann, L. R. (Ed.), Aggressive Behavior, Current Perspectives, (New York: Plenum Press, 1994); pp. 3-11.
[17] Straus, Murray A., “Discipline and Deviance: Physical Punishment of Children and Violence and Other Crime in Adulthood,” Social Problems 38 (1991): 133-152.
[18] National Committee to Prevent Child Abuse. Memorandum. May 1995; 2(5).
[19] White, Kristin, “Where Pediatricians Stand on Spanking,” Pediatric Management (September 1993): 11-15.
[20] Larzelere, Dr. Robert E., op. cit.
[21]Socolar, Rebecca R. S., M.D. and Stein, Ruth E. K., M.D., op. cit.
[22] Baumrind, Dr. Diana, op. cit.
[23] Wolfe, David A, “Child-Abusive Parents: An Empirical Review and Analysis” Psychological Bulletin. 97 (1985)): 462-482.
[24] Larzelere, Dr. Robert E., op. cit.
[25] Statistics Sweden. K R Info, May 1995; pp. 1-6. Stockholm, Sweden.

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: Family Research Council

Federação Americana de Pediatras: “É certo os pais darem surras”

Não use a vara e estrague a criança

Quando um pai não disciplina o próprio filho

Poupe a vara e estrague a criança

Dr. James Dobson responde a uma pergunta sobre disciplina de crianças

Distorções e abusos do Estado voraz gerando caos às famílias

Suécia: o exemplo “perfeito”

A Disciplina Física Deve Ser Proibida?

Um comentário :

Anônimo disse...

Caro Júlio Severo:

Apesar de eu já contar com 45 anos de idade e ainda não ser nem ter sido pai conheço de muito perto a disciplina física de meus pais.

Como na vida a gente aprende a tirar vantagens até mesmo das desvantagens na escola, ao me ver provocado por algum garoto que eu temia, logo eu alegava que não iria brigar porque senão eu apanharia de meus pais.

Essa desculpa era aceita por todos e ninguém via nisso um desdouro à minha hombridade, coragem e valentia pois quem é que não temia apanhar dos pais nessa época?

Por outro lado, caso o garoto fosse menor que eu e a vitória na briga fosse certa eu não apelava para essa desculpa: partia prá porrada logo.

Do jeito que as coisas estão hoje os jovens estão cada vez com menos desculpas para a covardia e o medo.

Talvez seja por isso que adolescentes vêem-se hoje na contingência de se vingarem de seus desafetos na escola matando-os a tiros e se matando no final.

Bons tempos aqueles em que uma varinha de marmelo era desculpa suficiente para não sermos tachados de covardes nem de maricas diante de uma briga que iríamos fatalmente perder.

Com essa desculpa nossa honra ficava intacta e não corríamos o risco de sermos mal-vistos pelos demais como bunda-moles.

Abraços.