20 de março de 2009

Fora com as palhaçadas ministeriais

Fora com as palhaçadas ministeriais 

É tempo de comprometimento e precisamos reafirmar o óbvio: Deus requer que os líderes obedeçam as regras! 

J. Lee Grady, editor da revista Charisma

Cerca de dois anos atrás um dinâmico pregador, pastor de uma igreja em crescimento no sul dos Estados Unidos foi pego em adultério. A perplexa esposa conversou com a “outra”, uma dançarina de outro país e falou de Jesus pra ela. Nesse ínterim um pequeno grupo de pastores “encobriu” o problema e rapidamente despachou o pastor para algumas sessões de aconselhamento. Logo depois, o pastor se divorciou, e os membros da igreja que não estavam cientes da situação culparam-na pela quebra de relacionamento conjugal.

Hoje este pastor continua pregando – ainda que sejam pregações ocas. Alguns membros da igreja se afastaram quando souberam da infidelidade do pastor. No entanto, outro tanto ficou por achar que não podiam julgar o pastor por seu pecado.

Ainda que seja doloroso ter de afastar um líder talentoso do púlpito, este deve ser afastado para preservar o temor do Senhor.

Coisas deste tipo vêm se repetindo nos últimos anos. Jamal Harrison-Bryant, pastor de uma igreja de dez mil membros em Baltimore foi acusado de ser pai de uma criança fora do casamento. Sua esposa, Gizellle, ao saber do caso, pediu o divórcio. No entanto, Bryant pregou um novíssimo sermão em sua igreja usando o exemplo de Davi e seu adultério com Bate-Seba para se justificar.

“Eu ainda sou o homem!” gritou do púlpito para vibração e alegria do povo que o aplaudiu. “A unção que possuo é maior que qualquer erro”. E deixou claro que não queria ser disciplinado. Para Bryant a unção está acima do caráter.

Essa imoralidade entre os líderes deixa a maioria dos crentes confusos. Será que um líder pode ser desqualificado? A restauração deve ser imediata? Seremos fariseus pelo fato de pedir que os líderes deixem o púlpito e se assentem novamente entre o povo até que provem que estão restaurados? É preciso rever algumas regras básicas:

1. Existem regras de qualificação para que uma pessoa seja líder na igreja, e o  apóstolo Paulo deixou claro que existe um teste decisivo para que alguém seja líder. Em 1 Timóteo 3.2-7 ele afirma que o líder deve ser (1) irrepreensível; (2) marido de uma só mulher; (3) temperado (não pode ser dado ao álcool ou outras substâncias); (4) Prudente; (5) respeitável; (6) hospitaleiro; (7) apto para ensinar; (8) que saiba governar bem sua própria casa; (9) que tenha bom testemunho dos vizinhos e (10) que não seja um novo convertido (neófito).

Escrevendo a Tito Paulo faz as mesmas exigências e acrescenta outras qualificações: (11) não seja arrogante; (12) nem cobiçoso (13) ou ganancioso.

Observe que apenas uma das qualificações requer unção, que é a capacidade de ensinar. Todas as demais qualidades são de caráter. Paulo nada diz sobre a capacidade que o líder deve ter de profetizar, curar enfermos, ter visões, conversar com anjos, levantar dinheiro, cantar, gritar ou levar a audiência a um frenesi. Nem tão pouco requer credenciais acadêmicas. O caráter é a chave!

    Os comentaristas concordam que a expressão “marido de uma só mulher” era um avanço na era do Novo Testamento para afirmar que “ele deve ser marido de uma única mulher”. Não pode ser um adúltero. (Nem bígamo). Os líderes têm de viver em pureza sexual. Precisam ajustar-se à definição bíblica de casamento e permanecer fiel neste contexto.

2. Os que não preenchem tais qualificações devem ser afastados. Ao exigir caráter de seus líderes Paulo está inferindo que os que não preencherem tais qualificações devem ser afastados do ofício – pelo menos até preencherem todas as exigências. Se fracassarem, diz Paulo, devem ser repreendidos na presença de todos para que os demais temam... (1 Tm 5.20). O pecado do líder não deve ser minimizado, desculpado ou varrido pra baixo do tapete.

E nada disto era opcional – e Paulo advertiu a Timóteo sobre a tentação de ser parcial. Ele escreveu: “Conjuro-te... que guardes estes conselhos…” (V 21). A disciplina bíblica tem de ser firme. Não se pode afastar uma pessoa por adultério e dar tratamento diferenciado a outra pessoa com o mesmo problema só porque é nosso amigo. Mesmo que seja dolorido fazê-lo, tem de ser feito para trazer o temor do Senhor sobre as pessoas.

3. A igreja não prosperará se não disciplinar seus líderes. Com ternura Paulo advertiu a Timóteo quanto a líderes ordenados precocemente. Ele escreveu: “A ninguém imponhas precipitadamente as mãos” (1 Tm 5.22). Em outras palavras os líderes serão julgados por Deus caso ordenem alguém que não preencha as qualificações bíblicas. Se tivermos o hábito de ordenar líderes desqualificados, a corrupção fincará raízes na igreja e não poderemos fugir ao juízo de Deus.

Não podemos reescrever as regras. Oro para que os líderes da igreja deixem de ser circenses e restaurem a ordem bíblica.

Tradução de João A. de Souza filho

Divulgação: www.juliosevero.com

Perspectiva bíblica diante do aumento do divórcio entre os evangélicos

10 comentários :

MamaNunes disse...

Uma voz no breu da igreja!!!
Onde assino?
um abraço \o/

Anônimo disse...

A igreja de Cristo na terra que sempre se notabilizou por ser a guardiã do que é moral, ético e verdadeiro, passa atualmente por uma crise de valores que tem comprometido continuamente sua imagem diante de um mundo que sempre jazeu no maligno desde a queda do homem no jardim do Edem. Lembro-me que os antigos pregadores do evangelho sempre diziam que "o cristão é a bíblia do mundo", querendo dizer, com isso que era através do testemunho dos cristãos que o mundo reconheceria na prática, e não apenas por palavras, as virtudes do amor,da bondade e da santidade de Jesus Cristo, ou seja, é necessário viver e não apenas pregar o evangelho, pois, como disse o apóstolo Tiago, a fé sem obras é morta. O verdadeiro cristão deve ter fé, mas fé autêntica alicerçada no evangelho, pois o mesmo evangelho que nos fala da bondade e amor de Deus, também nos exorta a considerar sua severidade contra toda a maldade e pecados dos homens que não se arrependem e convertem dos mesmos. Sigamos nos caminhos do Senhor Jesus, com eloquência e poder, mas sobretudo em espirito e em verdade.

"Vós sois o sal da terra. Se o sal perde o sabor, com que lhe será restituído o sabor? Para nada mais serve senão para ser lançado fora e calcado pelos homens." Mateus 5:13

JOÃO BATISTA JÚNIOR

Sandra disse...

Acredito que a unção que está sobre o pastor.... é a unção passada para povo da igreja, em consequencia disto se o pastor está em pecado e impor as mãos sobre as pessoas, eu pergunto que unção é esta passada....transferida as pesssoas? onde a pecado haverá brechas.....para o inimigo atuar, como já falei, se o arrependimento for jenuino e verdadeiro e deixar o pecado...Deus pode restitui-lo no seu mistério com unção no poder do Espirito Santo. Mas também Concordo plenamente que este pastor tem que ser tratado e afastado do pulpito por um tempo determinado até que o Espirito Santo faça uma obra restauradora na vida deste lider, porque é inadimissivel que um pastor não seja incomodado no seu espirito pelo Espirito Santo do Senhor quanto ao seu erro, se assim não for, este lider não tem intimidade suficinte com o Espirito Santo do Senhor e nem temor, acredito que esse tempo afastado de restauração para esse lider...que é um tempo de dor e humilhação fará rever seus valores com o Senhor...isso se realmente se arrependeu e saiu do pecado, tenho certeza que Deus olha o coração....e só Deus pode julga-lo e fazer merecedor de uma nova oportunidade, o pastor é o exemplo para igreja, que nestes ultimos dias os lideres preguem mais sobre santificação...é tempo de nos santificarmos. poque escrito está: SEDE SANTO, PORQUE EU SOU SANTO 1ºPedro 1:16 assim diz o Senhor Deus os abençõe

Jorge Fernandes disse...

Júlio,
Entendo que esse negócio de restauração de pastor que cometeu um pecado público (adultério, estupro, furto, corrupção, heresia, etc) não é bíblico. A Bíblia não fala de pastores ou presbíteros que pecaram e foram restituídos aos seus ministérios. Isso é coisa humana, antibíblica. Pelo contrário, como o autor do texto bem frisou, os critérios para se levar um líder ao pastoreio é conhecê-lo e à sua vida; e a escolha da igreja é única: estar em conformidade com os princípios bíblicos.
O candidato a pastor tem de preencher os requisitos que estão em 1Tm 3, preferencialmente alguém que não seja novo na fé e no ministério.
Ocorre que a maioria das igrejas estão mais preocupadas com "marqueteiros" e "curandeiros", pessoas que encham os bancos e os cofres das igrejas, ao invés da santidade, responsabilidade e a moral que um ministro tem de ter.
Cristo disse que o quiser ser maior no Reino seja aquele que sirva (os últimos serão os primeiros). E servir a Cristo está longe da cartilha do evangelicalismo atual, antes servem a si mesmos e aos seus umbigos.
Se não há obediência à Escritura quando se ascende o pastor ao púlpito, quanto mais haverá obediência em algo tão delicado e doloroso como a disciplina eclesiástica (cujo dever é da igreja, na autoridade que Cristo investiu-a).
Como o avestruz, os membros preferem enfiar a cabeça no buraco e fingir que são cristãos, quando, no fundo, estão em flagrante rebeldia a Deus.
Abraços.

Liz disse...

Esclarecedor esse artigo.
Como católica, eu sempre me indagava o motivo de algumas igrejas permitirem que até pessoas condenadas por crimes graves se tornassem pastores. Pensava quie podemos sim dar um voto de confiança e apostar na conversão dessas pessoas, mas não torná-las dirigentes de outros, pois já tem um passado, já não são exemplos de conduta.
Antes que isso seja rotulado como preconceito, eu vejo como uma discriminação positiva, baseada em fatos, que pode evitar problemas futuros. Nada impede que alguém que nunca cometeu certo pecado venha a cometê-lo. Porém, quem já cometeu, possivelmente tem uma fraqueza para ele, que deve ser analisada com mais cuidado.

Gabriel de Almeida disse...

Concordo plenatemente com o artigo postado. Sem contar q muitas igrejas tem oferecido determinados cragos de liderança para pessoas chaves no intuituito vaidoso de conquistar algo por determinda pessoa(por experiência própria)sem obedecer quaiquer requisito bíblico para tal. Em relção a unçã em pecado e a transferência dela para igreja, bem, não acredito na tranferência de unção e acho q não é a chave para um avivamento. Mas sim a buscar contínua por Deus num processo de santificação(devocional, oração, leitura da palavra). Deus é poderoso, concerteza!!! mas Deus tbm é íntegro e Justo!
Firmo minha posição parabenizando o irmão Júlio Severo em ser usado por Deus alertando os imãos e igrejas a respeito do cárater simples e santo de uma cristão!
PAZ

Trindade disse...

Concordo com os comentarios dos irmãos, mas acresento que isto estava previsto para acontecer e digo que vai piorar segundo a Palavra de Deus, mas cabe a nós alertarmos os crentes dessas Denominações para trocar de Ministério, pois se ficarem sabendo do erro do líder que não se arrependeu serão cúmplices.
O caso mais famoso do Brasil é o caso do famoso líder que começou pedindo ofertas aos membros para comprar uma tv para a Igreja divulgar o Evangelho e doze anos depois confessa em livro que ele comprou tal emissora para ele e a família, nesse caso eu avisei aos membros que eu conhecia que quem continuar mantendo tal erro com seus dízimos e ofertas serão cúmplice, pois segundo a Bíblia declara que: Quem comigo não ajunta espalha, ou, Pode dois andarem juntos se não tiverem de acordo e várias outras passagens.
Devemos estar atentos pois eu creio que a coisa vai piorar muito e o Trigo vai ficar sufocado pelo joio até a colheita.
Graça e paz.
Trindade

Eloiza Nogueira disse...

Muito pertinente a mensagem enviada e está descrevendo a triste situação que a Igreja está
enfrentando nestes últimos dias, mas faz parte do cumprimento da palavra, tenho dó da nova
geração que Igreja ela encontrará pela frente, por isso devemos inculcar a palavra e os valores na cabeça das crianças para que nunca venha se desviar.
Eu discordo que unção que está sobre o pregador é a unção do Espírito Santo porque Ele não é conivente com uma situação desta, principalmente em uma arrogância e vaidade como deste pastor, infelizmente ele não está com unção ele está sim na emoção, e usando técnicas humanas para emocionar o povo e enganar, e ainda mais o espírito de engano também age, como a palavra nos adverte "se possível enganariam até os escolhidos", devemos estar atentos e clamando ao Senhor para nos dá discernimento porque são dias difíceis e de confusão.

Ricardo disse...

Amados, não adianta tecermos comentários sobre o assunto, apenas devemos manter nossos ouvidos atentos aos ensinamentos de Jesus: Acautelai-vos dos falsos profetas, que vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos?
Assim, toda árvore boa produz bons frutos, porém a árvore má produz frutos maus (adultério, entre outros). Não pode a árvore boa produzir frutos maus, nem a árvore má produzir frutos bons. Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada aofogo. Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis.
NEM TODO O QUE ME DIZ: SENHOR , SENHOR! ENTRARÁ NO REINO DOS CÉUS, MAS AQUELE QUE FAZ A VONTADE DE MEU PAI, QUE ESTA NOS CÉUS.
MUITOS , NAQUELE DIA, HÃO DE DIZER-ME: SENHOR, SENHOR! PORVENTURA, NÃO TEMOS NÓS PROFETIZADOS EM TEU NOME, E EM TEU NOME NÃO EXPELIMOS DEMONIOS, E EM TEU NOME NÃO FIZEMOS MUITOS MILAGRES? (CHEIOS DE UNÇÃO)
ENTÃO LHES DIREI EXPLICITAMENTE: NUNCA VOS CONHECI. APARTAI-VOS DE MIM, OS QUE PRATICAIS A INIQUIDADE. (MATHEUS 7, 15 A 23

ELINE disse...

"Quando os líderes perdem a vergonha os liderados perdem o respeito". Tendo por base essa frase, devemos ter sempre em mente que o exemplo deve partir daqueles que nos guiam, como levar à sério um pastor adúltero?