7 de março de 2009

Dinheiro público desviado para a causa abortista

Dinheiro público desviado para a causa abortista

(enquanto o SUS permanece caótico por falta de recursos)

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz.

Durante quatro meses, de 12 de agosto a 27 de novembro de 2008, a União Nacional dos Estudantes (UNE) percorreu o Brasil visitando 41 universidades e realizando 57 debates. O objetivo fundamental dessa “Caravana Estudantil da Saúde” foi a propaganda do aborto, das drogas e do homossexualismo. Vejamos alguns dos temas tratados: “Legalização do aborto: aspectos legais, morais, políticos sob a ótica da saúde pública”, “Drogas – Legalizar ou não?”, “Saúde e tolerância: homofobia, lesbofobia, sexismo, racismo”, “Direitos sexuais e reprodutivos e a violência de gênero[1]. O jornal da Caravana da UNE, no artigo “Políticas públicas para a mulher” (p. 3) afirmava ser dever do Estado “legalizar o aborto”. Tudo isso custou R$ 2,8 milhões ao Ministério da Saúde. Essa verba estava prevista no Orçamento para apoio à educação permanente de trabalhadores do SUS (Sistema Único da Saúde), mas foi desviada pelo governo para a UNE[2].

* * *

Em janeiro de 2009, o jornal O Globo anunciou o lançamento do filme “O fim do silêncio”, produzido pela Fiocruz, com R$ 80 mil fornecidos pelo Ministério da Saúde. A diretora do vídeo Thereza Jessouroun afirmou que o documentário é “claramente a favor do aborto”. De fato, como se observa no “trailer”, ele nada mais é do que uma peça publicitária que apresenta várias mulheres confessando que já fizeram aborto. Segundo a reportagem, em fevereiro duas mil cópias em DVD seriam distribuídas para escolas e entidades feministas[3]. Mais uma vez, o dinheiro público é utilizado para incitação ao crime (art. 286, CP) e apologia de crime (art. 287, CP).

Causa abortista recupera financiamento internacional

A partir do dia 23 de janeiro de 2009, os abortistas do Brasil e do mundo passaram a contar com um financiamento extra. Nessa data, o novo presidente Barack Obama revogou a chamada “Política da Cidade do México”, que proibia a concessão de fundos dos EUA para grupos que promovessem o aborto em outros países[4]. No dia seguinte, Obama anunciou que também pretende trabalhar junto ao Congresso para restaurar o apoio financeiro ao Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP)[5]. O presidente Bush havia retirado o apoio ao FNUAP porque esse organismo da ONU promove o aborto em diversas nações.

A IPPF (Federação Internacional de Planejamento Familiar), conhecida como a “multinacional da morte”, comemorou a atitude de Barack Obama. Segundo Gill Greer, diretor geral da IPPF, durante os oito anos da administração Bush, cerca de 100 milhões de dólares deixaram de ser investidos na promoção do aborto em nível internacional[6]. A verba pró-aborto deve reaparecer inclusive para o Brasil, onde a IPPF tem uma filial chamada BEMFAM.

Nilcéa Freire e José Gomes Temporão

No apagar das luzes de 2008, Nilcéa Freire, há cinco anos à frente da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres, afirmou: “ano que vem [2009] vamos entrar com muita força lá no Ministério da Saúde na ampliação dos serviços de atendimento às mulheres vítimas de violência sexual e nos serviços para a realização do abortamento legal[7]

Na edição de janeiro de 2009 do jornal da CNTS (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde), o Ministro da Saúde José Gomes Temporão aparece cumprimentando uma mãe que abortou seu bebê anencéfalo durante o tempo em que esteve em vigor uma liminar do Ministro Marco Aurélio autorizando tal tipo de aborto[8]. Pena que ele não quis cumprimentar a Sra. Cacilda Galante Ferreira, mãe da anencéfala Marcela de Jesus Ferreira, que tanto comoveu o Brasil durante 1 ano e 8 meses de vida extra-uterina.

Exceção de suspeição ao Ministro Marco Aurélio

A CNTS foi a entidade escolhida pelos abortistas para propor a Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental n. 54 (ADPF 54), que pretende legalizar — sem passar pelo Congresso Nacional — o aborto de anencéfalos. A ação, proposta em 2004, aguarda o julgamento de mérito do plenário do Supremo Tribunal Federal.

No entanto, no dia 10 de dezembro de 2008, onze deputados federais protocolaram junto ao Procurador Geral da República Antônio Fernando de Souza uma representação solicitando o afastamento do Ministro Marco Aurélio do julgamento da ADPF 54. O motivo da suspeição é que o ministro violou a Lei Orgânica da Magistratura Nacional (art. 36, III) ao manifestar sua opinião sob um processo ainda pendente de julgamento[9]. De fato, em entrevista feita à revista Veja, Marco Aurélio defendeu abertamente o aborto de anencéfalos e previu que a ADPF 54 seria vitoriosa, além de atacar a Igreja Católica dizendo: “e, depois que o Supremo bater o martelo, não adiantará recorrer ao Santo Padre[10]. Se a exceção de suspeição for proposta e acatada, será necessário sortear um novo relator para o processo.

Partido do governo quer expulsar antiabortistas

No 3º Congresso do Partido dos Trabalhadores (PT), ocorrido entre agosto e setembro de 2007, foi aprovada a resolução “Por um Brasil de mulheres e homens livres e iguais”, que inclui a “defesa da autodeterminação das mulheres, da descriminalização do aborto e regulamentação do atendimento a todos os casos no serviço público[11].

No 10º Encontro Nacional das Mulheres do PT realizado em Brasília nos dias 17 e 18 de maio de 2008[12], foi aprovada uma resolução propondo a instalação de uma Comissão de Ética para os parlamentares antiabortistas, com “orientação para expulsão daqueles que não acatarem e não respeitarem as resoluções partidárias relativas aos direitos e à autonomia das mulheres[13].

No dia 11 de novembro de 2008, os deputados Luís Bassuma (PT/BA) e Henrique Afonso (PT/AC) receberam a notificação da Comissão de Ética do Diretório Nacional do Partido.

Uma vez que o PT é explícita e abertamente abortista, os dois deputados acusados de serem pró-vida deveriam espontaneamente abandoná-lo. Não faz sentido para quem defende a vida insistir em permanecer em um partido que defende o aborto.

Analogamente os cristãos, por coerência com as promessas de seu Batismo, não podem filiar-se ao PT nem votar em candidatos desse partido. Convém lembrar-se disso nas próximas eleições presidenciais.

Fonte: http://www.providaanapolis.org.br

Divulgação: www.juliosevero.com

Notas:

[1] Cf. Caravana da Saúde, Educação e Cultura da UNE. Comunica REDE, Informativo 12, 18 ago. 2008. Disponível em: http://www.redesaude.org.br/NOTICIAS/15ago/roteiro.htm.

[2] Cf. CEOLIN, Adriano. Saúde transfere R$ 2,8 mi do SUS para a UNE. Folha de S. Paulo. 28 nov. 2008. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc2811200804.htm.

[3] Cf. FILME reacende polêmica em torno do aborto. O Globo. 04 jan. 2009. Disponível em: http://oglobo.globo.com/pais/mat/2009/01/04/filme-reacende-polemica-em-torno-do-aborto-587883773.asp.

[4] Cf. OBAMA permite financiamento de grupos pró-aborto no exterior. Folha Online, 23 jan. 2009. Disponível em:

http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u493898.shtml

[5] Cf. STATEMENT released after the President rescinds "Mexico City Policy". 24 jan. 2009. Disponível em: http://www.whitehouse.gov/statement-released-after-the-president-rescinds/.

[6] Cf. PRESIDENT Barack Obama rescinds the Global Gag Rule. 23 jan. 2009. Disponível em: http://www.ippf.org/en/News/Press-releases/President+Barack+Obama+rescinds+the+Global+Gag+Rule.htm.

[7] ABADE, Luciana. Ministra Nilcéa Freire diz que debate do aborto marcará 2009. JB Online 30 dez 2008. Disponível em: http://jbonline.terra.com.br/extra/2008/12/30/e301217722.html.

[8] Cf. ANENCEFALIA: em defesa da dignidade da gestante e do exercício profissional. Agência CNTS, jan. 2009, p. 4. Disponível em: http://www.cnts.org.br/geral/Arquivo/Agenciacntsespecial2009.pdf. A liminar foi expedida no dia 1º de julho de 2004, mas foi cassada pelo plenário do STF em 20 de outubro de 2004.

[9] Cf. CARNEIRO, Luiz Orlando, Fetos sem encéfalo: CNBB entrega memorial no STF. JB Online. 26 fev. 2009. Disponível em: http://jbonline.terra.com.br/nextra/2009/02/26/e260216985.asp.

[10] Cf. Revista Veja, Editora Abril, ed. 2076, ano 41, n. 35, 3 set. 2008, p. 74-75.

[11] RESOLUÇÕES do Congresso Nacional do PT, p.82. Disponível em: http://www.pt.org.br/portalpt/images/stories/arquivos/livro%20de%20resolucoes%20final.pdf

[12] Cf. MULHERES do PT realizam seu 10º Encontro Nacional. 06 jun. 2008. Disponível em: http://www.democraciasocialista.org.br/ds/index.php?option=content&task=view&id=800&Itemid=34

[13] ABORTO e punição dos parlamentares do PT. Brasília, 18 maio 2008. Disponível em: http://www.pt.org.br/portalpt/index.php?option=com_content&task=view&id=13570&Itemid=242.

8 comentários :

Alex Christi disse...

“Uma vez que o PT é explícita e abertamente abortista, os dois deputados acusados de serem pró-vida deveriam espontaneamente abandoná-lo. Não faz sentido para quem defende a vida insistir em permanecer em um partido que defende o aborto.
Analogamente os cristãos, por coerência com as promessas de seu Batismo, não podem filiar-se ao PT nem votar em candidatos desse partido. Convém lembrar-se disso nas próximas eleições presidenciais.”

Como católico, fico imensamente contente de ver com essas palavras que há padres que esclarecem as ovelhas do rebanho de Cristo!
Pela sua exortação no final do artigo, o Pe. Luiz Carlos cumpre um de seus deveres de clérigo católico:
"2246. Faz parte da missão da Igreja «proferir um juízo moral, mesmo acerca das realidades que dizem respeito à ordem política, sempre que os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas o exigirem utilizando todos e só os meios conformes com o Evangelho e o bem de todos segundo a variedade dos tempos e circunstâncias» (31).
31. II Concílio do Vaticano, Const. past. Gaudium et spes, 76: AAS 58 (1966) 1100.
http://www.vatican.va/archive/cathechism_po/index_new/p3s2cap2_2196-2557_po.html
Catecismo da Igreja Católica, versão on line.

Parabéns ao Pe. Luiz C. L. da Cruz!
Deus o recompense imensamente!

Com efeito, por ignorância, quantos cristãos não tem fomentado o mal na sociedade, no mundo, ao votarem em partidos ou canditados políticos anticristãos?!

carloshenrique disse...

Bom, Júlio Severo, numa coisa tenho que concordar com o catolicismo: em questão de aborto a ICAR é bem coerente com o ensino bíblico, não aceitando o aborto em hipótese alguma.
Nem vou falar da IURD, mas de evangélicos no Geral.
O que eu acho lamentável, é que mesmo a Bíblia dizendo:^ "Não haverá alguma que aborte" Êxodo 23 verso 26, há ainda evangélicos, que em certos casos permitem o aborto, ou sejam favoráveis ao aborto.
E aí, me pergunto: Cadê o tão famoso "Somente as Escrituras" tão defendidas em nosso meio? Será que em certos casos não se leva em conta?
Bom, realmente estamos nos tempos finais, e a apostasia anda solta nos arraiais evangélicos.
E terminando, a Igreja Evangélica Brasileira precisa e urgente se posicionar firmemente contra o aborto, sem por nenhuma excessão quanto a questão do aborto, e disciplinar aqueles que porventura foram favoráveis ao aborto em certos casos ou totalmente favoráveis ao aborto.

Roberto Domingos disse...

Triste cena, carlos mink (com letra minuscula mesmo), o defensor de ovos de tartaruga e o Ministro da Saúde defensor da Morte e do sexo anal questionando a igreja que defende a vida. Apenas para ilustrar Dom José não escomungou ninguém, os participantes do aborto macabro se auto-excomungaram ao preferir a fama a vida eterna. Lúcifer aguarda a todos com festa.

Roberto Domingos disse...

Visitem o site do PadreEdson de Alagoinha http://padreedson.blogspot.com/
Aqui ele mostra o que realmente aconteceu em Alagoinha, mostra o que a imprensa vendida escondeu.

Anônimo disse...

Ainda a propósito do caso da menina de nove anos vítima de estupro e submetida a aborto, vejam a Carta Aberta do Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz a Dom José Cardoso Sobrinho, o arcebispo que formalizou ( acho que é essa a expressão correta) a excomunhão das pessoas que fizeram ou tiveram alguma responsabilidade no aborto feito na menina.

"Dom José Cardoso Sobrinho, o Mártir em Defesa da Vida" por Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz,
http://www.cleofas.com.br/virtual/texto.php?doc=OPINIAO&id=opi0442

Ismael Pio Elias disse...

Apologia ao crime é algo normal para tais pessoas, seja como apologia ao aborto, ao uso de drogas, à invasão de propriedade alheia (via MST), e outras barbáries.
Presidentes, ministros, governadores, senadores, deputados, prefeitos, enfim, há políticos de todos os níveis que fazem apologia à crimes e mais crimes.

Parece que no Brasil crime é fazer pregação do Cristianismo e defender a fé cristã, como fez o bispo católico que excomungou as pessoas envolvidas no homicídio/aborto dos bebês da menina de 9 anos estuprada pelo padrasto.
Médicos, políticos, a grande mídia inteira, todos criticaram a posição da Igreja Católica, esquecendo-se que esta não é a posição de algum bispo católico, mas sim a do próprio Jesus.
Para aqueles que ignoram as palavras dos profetas (e ainda assim acham-se cristãos), atenham-se às palavras do próprio Jesus, e verão que suas atitudes são contrárias ao desejo de Deus.
Temos no Brasil um dos governos mais ímpios da história do mundo, para a desgraça desta e das futuras gerações (isto se ainda existir algum Brasil daqui a algumas décadas).

Alex disse...

Quanto mais um país se torna socialista ou comunista, mais se tornam proíbidas e penalizadas as expressões de religiosidade; seja qual for a religião. Pensemos na repressão aos monges budistas no Tibet pela China Comunista. Logicamente os cristãos não ficam fora dessa sanha implacável contra a religião nos países comunistas ou socialistas. Contudo os cristão são mais perseguidos...

Alex A. B.

Alex disse...

Saiu na Revista Veja uma entrevista com Dom José Cardoso Sobrinho, intitulada "Não reclamem ao Bispo".
Pode ser lida acessando o link:

http://veja.abril.com.br/180309/entrevista.shtml

Cito este trecho da entrevista muito esclarecedor:

"O que o senhor diria aos católicos que condenaram sua atitude?

Antes de tudo, quero deixar bem claro que não fui eu que excomunguei os médicos que praticaram o aborto e a mãe da menina. Isso é falso. Eu não posso excomungar ninguém. Eu simplesmente mencionei o que está escrito na lei da Igreja, o cânone 1 398, do Código de Direito Canônico, que está aí nas livrarias para qualquer um ler. Por essa lei, qualquer pessoa que comete aborto está excomungada, por uma penalidade que se chama latae sententiae, um termo técnico que significa automática. Então, não foi dom José Cardoso Sobrinho quem os excomungou. Eu simplesmente disse a todos: "Tomem consciência disto". Qualquer pessoa no mundo inteiro que pratique o aborto está incorrendo nessa penalidade – mesmo que ninguém fale nada. Quem é católico sabe que na primeira carta de São Paulo a Timóteo, no capítulo II, está escrito: Deus quer que todos sejam salvos.

Por que estupradores não são também automaticamente excomungados?

A nossa santa Igreja condena todos os pecados graves. O estupro é um pecado gravíssimo para a Igreja, assim como o homicídio. Agora, a Igreja diz que o aborto, isto é, o ato de tirar a vida de um inocente indefeso, é muito mais grave que o estupro, que o homicídio de um adulto. Qualquer pessoa inteligente é capaz de compreender isso. Eu não estou dizendo que o estupro e a pedofilia são coisas boas. Mas o aborto é muito mais grave e, por isso, a Igreja estipulou essa penalidade automática de excomunhão."