27 de fevereiro de 2009

Música italiana que fala de vitória sobre a homossexualidade atinge mais de 14 milhões de pessoas no Festival de Sanremo

Música italiana que fala de vitória sobre a homossexualidade atinge mais de 14 milhões de pessoas no Festival de Sanremo

Cantor popular italiano Giuseppe Povia recebeu forte aplauso da audiência no prestigioso Festival de Sanremo

Matthew Cullinan Hoffman

SANREMO, ITÁLIA, fevereiro de 2009 (LifeSiteNews.com) — Enfrentando protestos e controvérsia, o astro italiano Giuseppe Povia executou sua nova música sobre a conversão do estilo de vida homossexual no prestigioso Festival de Sanremo na Itália.

A música foi cantada durante a abertura do festival em 18 de fevereiro, diante de uma audiência estimada de 14 milhões de telespectadores, e mostrou Povia com uma cantora, guitarristas, uma orquestra sinfônica e a letra projetada em cortinas no fundo. A audiência ao vivo deu fortes aplausos à música em sua conclusão, apesar da controvérsia cercando seu tema.

“Luca era gay” conta a libertação de um homem psicologicamente machucado pelo estilo de vida homossexual. “Luca”, que se crê é baseado no italiano Luca di Tolvi, desenvolve atrações homossexuais depois que seu pai parte e sua mãe o trata como um substituto, criando confusão acerca de sua identidade sexual.

Apresentada como uma música rap leve que se reveza entre um relato contado e cantado, Povia se torna a boca de “Luca”, que começa dizendo: “Antes de falar sobre a mudança na minha sexualidade, gostaria de esclarecer que se creio em Deus não posso depender de seres humanos para obter respostas para meus questionamentos pessoais. As opiniões humanas se dividem nessa questão. Por isso, não fui a psicólogos, psiquiatras, clérigos ou cientistas. Minha busca me levou ao meu próprio passado, e quando escavei fundo, achei respostas às questões sobre mim mesmo”.

Os pais de Luca se separam, e seu pai se torna alcoólatra. Sua mãe fica “obcecada” com ele, o “sufoca” e lhe diz “faça o que quiser, mas não se case”.

Ela tinha ciúme doentio de minhas namoradas e eu estava ficando confuso sobre quem eu era”, canta Povia, no nome de Luca.

Luca acaba descobrindo em si atrações homossexuais enquanto busca a afirmação que ele nunca recebeu de seu pai, enquanto ao mesmo tempo evita desapontar sua mãe com uma rival feminina. Ele entra em relacionamentos sexuais com homens mais velhos.

Eu procurava nos homens quem era meu pai e eu costumava andar com os homens para não trair a minha mãe”, canta Povia. Ele também faz alusão à superficialidade dos relacionamentos homossexuais, quando Luca diz: “Por quatro anos estive com um homem durante momentos de amor e decepção. Muitas vezes nos traíamos”.

Contudo, Luca finalmente encontra uma mulher com quem ele consegue conversar sobre seu sofrimento. “Procurava ainda a minha verdade, aquele grande eterno amor. Então numa festa, no meio de tanta gente, eu a conheci. Ela não se intrometia, me escutava, me desnudava, me entendia. Lembro apenas que, no dia seguinte, eu senti falta dela”.

Luca resolve seus problemas e deixa o estilo de vida homossexual em troca de seu novo amor, e agora tem filhos. Ele diz que perdoa seus pais.

Papai, perdoei você muito embora você nos tenha deixado para sempre”, canta Povia. “Mamãe, penso muitas vezes em você e amo você. Às vezes ainda vejo seu reflexo. Mas me tornei pai agora, e meu coração pertence à única mulher que verdadeiramente amei na vida”.

As estrofes são entrelaçadas com o coro: “Luca era gay, mas agora ele está junto com ela. Luca fala do coração. Luca diz: Hoje sou um homem diferente”.

O sucesso da música, que agora foi vista por mais de 100 mil vezes no site do canal de TV RAI, foi realizado apesar de protestos de grupos homossexualistas italianos, dirigidos pelo grupo Arcigay, cujo líder denunciou Povia por promover a “homofobia”.

O comediante italiano Roberto Benigni, que fez a abertura do Festival de Sanremo com um monólogo, também zombou de Povia, afirmando que “a homossexualidade não é pecado” e que os homossexuais são historicamente perseguidos “porque amam alguém”. Ele também recebeu aplauso da audiência.

Contudo, Paolo Bonolis, diretor artístico e apresentador da edição deste ano do Festival de Sanremo, defendeu a música, declarando que ela não “toma lado algum”, mas apenas “conta uma história”.

O Festival de Sanremo é realizado anualmente em Sanremo, Itália, desde 1951.

Povia, que tem 36 anos, ganhou o Festival de Sanremo em 2006 com sua música “Queria ter a conta“ e já ganhou vários prêmios. Ele disse ao jornal católico Il Giornale que quando era mais jovem ele próprio “brincou” com a conduta homossexual, mas depois “saiu”. Ele defende os direitos das crianças e participa muitas vezes em eventos de caridade, conforme seu site.

Informações de contato:

Giuseppe Povia
Website: http://www.povia.net/home.asp
Facebook: http://www.facebook.com/pages/Giuseppe-Povia/32655699669
Email: ufficiostampa@povia.net

Links relacionados:

Vídeo completo de Giuseppe Povia cantando “Luca era Gay”, Parte 1
http://www.rai.tv/dl/RaiTV/programmi/media/ContentItem-441b906d-b0f8-4f53-b9c7-1c2c38206d93.html


Parte 2
http://www.rai.tv/dl/RaiTV/programmi/media/ContentItem-d53f867c-090f-4989-bf96-106d7b104e99.html


“Luca era Gay” no YouTube:
http://www.youtube.com/watch?v=NTVuDZbw6AE

Tradução e adaptação: www.juliosevero.com

Fonte: LifeSiteNews

Letra completa da música “Luca era gay”

Introdução:

Luca era gay, mas agora ele está junto com ela. Luca fala do coração. Luca diz: Hoje sou um homem diferente.

Primeiro verso:

Luca diz: Antes de falar sobre a mudança na minha sexualidade, gostaria de esclarecer que se creio em Deus não posso depender de seres humanos para obter respostas para meus questionamentos pessoais. As opiniões humanas se dividem nessa questão. Por isso, não fui a psicólogos, psiquiatras, clérigos ou cientistas.

Minha busca me levou ao meu próprio passado, e quando escavei fundo, descobri muitas coisas sobre mim mesmo.

Minha mãe tinha amor exagerado por mim, o amor dela virou obsessão total com suas convicções. A atenção dela não me deixava respirar.

Meu pai costumava não assumir decisões e eu nunca conseguia conversar com ele. Ele estava longe trabalhando o dia inteiro, mas eu sentia que essa não era a verdade. É por isso que mamãe pediu divórcio. Eu tinha 12 anos e não entendia realmente meu pai. Ele disse que era a decisão certa e começou a beber por algum tempo.

Mamãe sempre falava mal de papai para mim e costuma dizer “pelo amor de Deus, nunca se case”.

Ela tinha ciúme doentio de minhas namoradas e eu estava ficando confuso sobre quem eu era.

Coro:

Luca era gay, mas agora ele está junto com ela. Luca fala do coração. Luca diz: Hoje sou um homem diferente.

Luca era gay, mas agora ele está junto com ela. Luca fala do coração. Luca diz: Hoje sou um homem diferente.

Segundo verso:

Hoje sou um homem diferente, mas naquele tempo em que eu estava procurando respostas, de vergonha procurei respostas escondido. Alguns diziam que [a homossexualidade] é natural.

Eu estudei Freud e ele não pensava o mesmo. Depois terminei o colégio, mas eu não sabia o que era a felicidade. Um homem muito mais velho me fez tremer o coração. Foi aí que descobri que eu era homossexual

Com ele, não havia inibição. Ele me cortejava e eu achava que era amor. Sim, com ele, fui capaz de ser eu mesmo. Mas depois se tornou uma competição de quem era o melhor de cama

Eu me sentia culpado. Cedo ou tarde o prenderão, mas se as provas desaparecerem, ele será absolvido.

Eu procurava nos homens quem era meu pai e eu costumava andar com os homens para não trair a minha mãe

Segundo coro:

Luca era gay, mas agora ele está junto com ela. Luca fala do coração. Luca diz: Hoje sou um homem diferente.

Luca era gay, mas agora ele está junto com ela. Luca fala do coração. Luca diz: Hoje sou um homem diferente.

Especial:

Luca diz: Por quatro anos estive com um homem durante momentos de amor e decepção. Muitas vezes nos traíamos.

Procurava ainda a minha verdade, aquele grande eterno amor. Então numa festa, no meio de tanta gente, eu a conheci. Ela não se intrometia, me escutava, me desnudava, me entendia. Lembro apenas que, no dia seguinte, eu senti falta dela.

Esta é a minha história, apenas minha história. Nenhuma doença, nenhuma recuperação.

Papai, perdoei você muito embora você nos tenha deixado para sempre.

Mamãe, penso muitas vezes em você e amo você. Às vezes ainda vejo seu reflexo.

Mas me tornei pai agora, e meu coração pertence à única mulher que verdadeiramente amei na vida.

Coro final:

Luca era gay, mas agora ele está junto com ela. Luca fala do coração. Luca diz: Hoje sou um homem diferente.

Luca era gay, mas agora ele está junto com ela. Luca fala do coração. Luca diz: Hoje sou um homem diferente.

Luca era gay, mas agora ele está junto com ela. Luca fala do coração. Luca diz: Hoje sou um homem diferente.

Tradução e adaptação: www.juliosevero.com

Fonte: WthRockMorton

Leia mais:

Como um líder homossexual se tornou normal

Ativista gay abandona o homossexualismo

Testemunho: Jesus liberta do homossexualismo

Uma Mudança Radical

Ex-homossexual se candidata a vereador nos EUA

Testemunho da experiência pessoal do cantor e escritor Eliel Simão

Os “Tolerantes” Ativistas Gays Não Toleram Ex-Gays

Existe Realmente Um “Gene Gay”?

Ex-Homossexual — Hoje Salvo — Trava Batalha Simultânea Contra a AIDS e o Pecado

3 comentários :

Anônimo disse...

Caro Júlio, há pouco tempo Povia declarou que o gay retratado na música é ele mesmo. Os homossexuais não suportando a verdade de suas declarações, irrompem - cheios de fúria - para atacá-lo, assim como há dois mil anos os fariseus e doutores da lei se enfureceram ante a verdade proferida pela boca de Estevão e o mataram.

Paulo

Anônimo disse...

Alguém sabe explicar o que ele quis dizer com o cartaz ao final da música? Seria "ninguém tem sempre razão". Qual a intenção dele com esse cartaz?

bebeto_maya disse...

O interessante do movimento homossexual é a incoerência das posturas assumidas: Querem tolerância, mas não permitem que uma pessoa largue o homossexualismo. Dizem que não é doença, e supondo que não seja, porque uma opção tem de ser imposta pela sociedade politicamente correta que querem construir? Não são os artíficies individualmente que devem escolher se querem ou não partilhar do coito anal passivo ou ativo? Se exprimem em 150 passeatas gays (apenas no Brasil), agridem valores religiosos com caricaturas de padres, pastores etc, mas não suportariam assistir a chacota dos mesmos com sua militância. Ora, mas que tipo de liberdade individual e direito é este que se expande até o limite da livre consciência alheia?

Sugiro a leitura de meu artigo:" Contradições dos sábios esquerdistas"
http://sognarelucido.wordpress.com/2009/03/03/contradicoes-dos-sabios-esquerdistas/