19 de dezembro de 2008

Rios de sangue: evangélico pró-vida do Brasil escreve sobre a cultura contraceptiva e as profecias do Apocalipse

Rios de sangue: evangélico pró-vida do Brasil escreve sobre a cultura contraceptiva e as profecias do Apocalipse

Comentário de Julio Severo, convidado de LifeSiteNews

Bem no começo dos tempos da humanidade, Caim matou Abel e o enterrou, e a Bíblia relata que o sangue de Abel clamava desde o chão. O assassinato de Abel não ficou impune nem esquecido.

No fim dos tempos, a Bíblia relata que os rios, os mares e as fontes de água “se transformariam em sangue como de um morto” (Apocalipse 16:3-4), explicando que o derramamento de sangue inocente (veja Apocalipse 16:5-6) trará juízo.

Do começo ao fim, a Bíblia deixa claro que nenhum assassinato de inocentes fica impune, pois o sangue deles clama por justiça.

Hoje, talvez em cumprimento dessas profecias, os rios se transformaram em depósito de vidas aniquiladas. Centenas de milhões de mulheres usam pílulas e outros dispositivos “anticoncepcionais” que ocasionam micro-abortos que acabam se escoando na descarga dos banheiros diretamente para os rios.

Filhos micro-abortados: Quem se importa?

A geração atual foi condicionada a não conhecer nem se importar com o fato de que uma das funções da contracepção é provocar micro-abortos imperceptíveis. (Para entender de que forma o DIU e os métodos hormonais aniquilam vidas recém-concebidas no útero, veja o documento Abortos no Silêncio: http://juliosevero.blogspot.com/2002/12/abortos-no-silncio.html )

Quantas usuárias da pílula anticoncepcional sabem que a contracepção hormonal não só impede a concepção, mas também impede um embrião recém-concebido de se implantar no útero da mãe? Um novo ser humano, minúsculo demais para se ver, morre de fome, e é expulso do corpo da mãe no próximo ciclo menstrual dela. A pílula anticoncepcional não só representa a rejeição ao presente da nova vida que vem de Deus, mas efetivamente a destrói.

A atual geração vive uma vida planejada e condicionada, onde a prioridade é o conforto material e o prazer. Com essa mentalidade, filhos se tornam pesos e obstáculos. Com a contracepção, eles se tornam opções e itens descartáveis, onde tanto governos quanto indivíduos impõem controles e limites.

Numa era de planejamento, é fácil descartar a vida humana. Até mesmo aqueles que se chamam pelo nome de cristãos usam os próprios meios do mundo que escoam o sangue inocente nos rios.

A Religião Contraceptiva: a Reprodução Humana na Mira do Esoterismo e do Socialismo

A Bíblia não tem razão quando diz que o povo de Deus sofre destruição porque lhe falta o conhecimento? Quantos, no meio do povo de Deus, sabem que Margaret Sanger (1879-1966), que inventou o termo “controle da natalidade”, tinha ligações fortes com a Nova Era, com o socialismo e com a libertinagem sexual?

Em seu primeiro jornal, The Woman Rebel (A Mulher Rebelde), ela confessou: “O controle da natalidade atrai os radicais mais avançados do socialismo porque sua prática mina a autoridade das igrejas cristãs. Algum dia espero ver a humanidade livre da tirania do Cristianismo…” [1]

Sanger também tinha ligações profundas com o nazismo. Antes da 2 Guerra Mundial, Sanger mantinha estreita relação com autoridades da Alemanha nazista, porque o sistema nazista de total planejamento e controle social era muito mais aberto às idéias dela de controle total sobre a reprodução humana.

Enquanto Sanger lutava para promover o polêmico conceito de controle da natalidade nos EUA, na Alemanha não havia nenhuma oposição. O nazismo acolheu de braços abertos a ideologia do planejamento familiar promovida por Sanger. Com sua visão brutalmente baseada na teoria da evolução, o governo nazista via o controle da natalidade como item normal de sua política de planejamento e controle sobre o “animal” humano.

Na Alemanha nazista, a medicina estava a serviço da ideologia do chamado “bem coletivo”. Qualquer medida era válida para se alcançar um bem maior. Podia-se sacrificar vidas “insignificantes”, desde que o resultado fosse melhorar a qualidade de vida de seres humanos produtivos. O nazismo era semelhante ao comunismo em que ajudou a inspirar a cultura materialista de hoje, onde a chamada ciência e avanço tecnológico ignoram o intrínseco valor da vida humana.

Embora os governos atuais não imponham todas as políticas nazistas de controle social, é inegável o papel e empenho dos governos na doutrinação das massas para que vivam conforme um planejamento contraceptivo. O nazismo morreu, porém não morreram nos governos as intenções de controle na área da reprodução.

Os modernos sistemas tecnocráticos de controle populacional e planejamento familiar têm raízes muito profundas nos movimentos ocultistas do século XIX. Antes de Margaret Sanger, Annie Besant (1847-1933), a famosa teósofa inglesa, já distribuía panfletos ensinando os casais a ter menos filhos. Não, ela não atuava na África pagã ou na Índia pagã, mas na Inglaterra majoritariamente evangélica. Com sua nova ideologia, Besant pregava que bênção era ter uma família menor.

Besant, cujo trabalho influenciou Sanger, havia vindo de um casamento fracassado com um pastor evangélico, se envolvendo em seguida com o socialismo, a teosofia, a Nova Era e o lesbianismo. Mas a Inglaterra dita cristã não se importou com o lesbianismo dela, nem com o ocultismo dela nem com o fato de que na Bíblia Deus diz que filhos são bênçãos e que abençoado é o homem que se enche deles.

A religião contraceptiva de Besant, com todas as suas conseqüências, prevaleceu sobre o Cristianismo superficial do povo inglês. A heresia dela não começou nas igrejas cristãs nem atingiu primeiramente as igrejas cristãs.

O alvo dela era um lugar intocável pelos púlpitos das igrejas: a cama dos casais cristãos. Dessa intimidade, longe dos púlpitos, propagou-se uma nova ideologia, uma nova religião que com o tempo engoliu a verdade proclamada a partir dos púlpitos, jogando para o esquecimento a idéia bíblica de que uma família grande é uma bênção grande.

Não é a toa que Sanger fundou na Índia (a mesma Índia venerada pelos místicos esotéricos como Besant) a Federação Internacional de Planejamento Familiar (conhecida pela sigla inglesa IPPF), a maior e mais antiga organização de aborto no mundo inteiro. Hoje, a ONU e a IPPF trabalham juntas para implantar políticas de planejamento contraceptivo nas nações. Essas organizações tratam o aborto e o homossexualismo não como assassinato e perversão, mas como direitos humanos inalienáveis. Tal trabalho está em plena sintonia com os objetivos e vontades de ideologia socialista.

Na visão de Besant, de Sanger, do socialismo, da ONU e da IPPF, a contracepção é a rejeição dos “indesejados” e a aceitação do planejamento teosófico, tecnológico, nazista e socialista sobre a reprodução humana. Na visão da Bíblia, a contracepção é a rejeição do planejamento de Deus na vida sexual do casal, numa autonomia moderna onde prega-se orgulhosamente a independência do indivíduo — à custa de Deus, mas nunca à custa do Estado.

Direitos e Liberdade Ilusórios: Planejamento Estatal versus Planejamento Divino

O resultado é que a geração atual, inclusive a maioria dos cristãos, confia nos meios tecnológicos da contracepção do mesmo jeito que o povo alemão confiava na tecnologia e planejamento social da Alemanha nazista e do mesmo jeito que o povo soviético confiava no planejamento estatal da comunista União Soviética. Ambos os sistemas socialistas pregavam a “religião” contraceptiva de Margaret Sanger e Annie Besant.

A ilusória liberdade oferecida pela contracepção hormonal tem custado o preço de vidas que são tecnologicamente impedidas e rejeitadas de um natural e justo acolhimento no ventre materno. O útero da mulher moderna, por vontade de elevados planejadores sociais, passou a ser um breve campo de concentração nazista, onde a vida concebida, forçada a uma triagem contraceptiva micro-abortiva, é logo descartada. É o planejamento estatal e esotérico invadindo o santuário da vida e trazendo destruição.

A cultura contraceptiva estabelece o direito de homens e mulheres serem livres de planejamentos de Deus nas suas vidas, mas jamais abre espaço para eles serem livres do sorrateiro planejamento estatal. No final, com tantos direitos adquiridos — direitos sexuais, direitos reprodutivos, etc. —, o indivíduo fica embriagado com a ilusão de que, vivendo debaixo do planejamento contraceptivo da ONU e do Estado, ele é livre.

Um pecado tende a levar a outros pecados. Os países que primeiramente acolheram o controle da natalidade foram também os primeiros a legalizar o aborto. As nações hoje que têm os índices mais elevados de contracepção são exatamente as nações onde o aborto cirúrgico se tornou um direito tão sagrado quanto era considerado sagrado o direito de os selvagens pagãos do passado sacrificarem bebês recém-nascidos aos seus deuses. A diferença é que os novos deuses sedentos de sangue são respeitados por sua capa de sofisticação científica.

Nas religiões pagãs do passado, o sacerdote era predominantemente homossexual. Coincidentemente, os países mais contraceptivos são também ardentemente pró-sodomia. A “religião” contraceptiva reviveu, de forma sofisticada e “científica” o paganismo, cujo sacerdócio homossexual e sacrifício de bebês eram sagrados. O “direito” ao homossexualismo e ao aborto é sagrado hoje nos países contraceptivos. Pura coincidência?

“Religião” contraceptiva X cultura pró-vida do Reino de Deus

Os EUA, a Europa e a ONU estão exportando e impondo a “religião” contraceptiva no mundo inteiro. Nenhuma religião tem hoje mais adeptos e praticantes fiéis do que a religião da contracepção. Aliás, a religião contraceptiva tem forte presença nas grandes religiões mundiais, como o cristianismo, o hinduísmo, o budismo e vem fazendo penetração gradual no islamismo.

Tal qual a maçonaria, a religião contraceptiva se infiltra nas religiões mundiais como um parasita, porém a religião maçônica perde de longe em números e força para a sua rival contraceptiva.

Entretanto, embora consiga penetrar todas as religiões, a religião contraceptiva não consegue fazer uma mínima infiltração no Reino de Deus.

A cultura do Reino de Deus é pró-vida, pró-concepção, pró-criança e pró-família e totalmente contra o aborto, o micro-aborto e a sexualidade estéril e pervertida, inclusive homossexual. Para os homens e mulheres que estão sintonizados na cultura do Reino de Deus, filhos são bênçãos e cada novo nascimento é como se fosse um Natal, aumentando e enriquecendo a família.

Natal, que é comemorado como a data do nascimento de Jesus Cristo, é tempo de alegria e felicidade. Assim como Maria acolheu o bebê Jesus em seu ventre, assim também toda mulher que se abre plenamente para seu papel de mãe está recebendo não apenas uma criancinha, mas também a própria presença de Jesus. Jesus diz:

“Quem recebe uma criancinha em meu nome, está me recebendo; e quem me recebe, não está apenas me recebendo, mas também àquele que me enviou”. (Marcos 9:37)

A felicidade e alegria do Natal são multiplicadas com cada nascimento que se acolhe no nome de Jesus. Quando uma mulher cristã abraça sua missão de mãe em nome de Jesus, ela acolhe não só um bebê que vem como presente planejado por Deus, mas também mais do poder do Reino de Deus. O Deus que planejou a vida sexual e reprodutiva de Maria sabe muito bem planejar o tamanho e número de suas bênçãos em cada útero e família, sempre que lhe dão oportunidade.

O exemplo belo de Maria contrasta fortemente com o exemplo de hoje, onde o útero das mulheres se fecha para a total extensão das bênçãos de Deus e se abre para a ilusão contraceptiva, com todas as suas conseqüências micro-abortivas que enchem os rios de sangue.

Sangue, justiça e castigo

O sangue derramado de vidas aniquiladas pela contracepção hormonal e despejado nos rios tem alguma ligação com o sangue dos rios profetizado no Apocalipse? Não sabemos.

O que sabemos é que há um cenário apocalíptico real de centenas de milhões de mulheres que, percebendo ou não, micro-abortam por meio da contracepção química seus bebês recém-concebidos. Em seguida, com uma simples descarga de banheiro, esses minúsculos bebês micro-abortados terminam nos rios, tornando-os rios de sangue.

O que sabemos também é que o Apocalipse deixa claro que o juízo virá. E há milhares de anos a Bíblia explica que o sangue inocente derramado faz com que uma terra seja profanada:

“Portanto, não profanem com crimes de sangue a terra onde vocês vivem, pois os assassinatos profanam o país. E a única maneira de se fazer a cerimônia de purificação da terra onde alguém foi morto é pela morte do assassino.” (Números 35:33 NTLH)

Assim como ocorreu no fenomenal avanço tecnológico e científico da Alemanha nazista, o preço do moderno progresso da tecnologia e ciência na área da reprodução humana é a ilusão e o derramamento de sangue inocente. A contracepção hormonal tem transformado modernos homens e mulheres sexualmente ativos em derramadores de sangue inocente, deixando a sociedade sob a maldição de incontável número de assassinatos que trarão juízo.

Onde estão os profetas para alertar a sociedade das conseqüências de seus atos?

Onde estão os profetas para alertar sobre os enganos da contracepção?

Onde estão os profetas para alertar que o sangue inocente derramado clama por justiça e expõe a sociedade inteira a um juízo de destruição?

[1] George Grant, Grand Illusion: The Legacy of Planned Parenthood (Adroit Press: Franklin-EUA, 1992), pp. 64, 65.

Fonte: LifeSiteNews

13 comentários :

araci disse...

Paz Julio!
lendo esse texto me veio a mente minha família, meus pais tiveram 11 filhos, mais dois abortos naturais q minha teve e dois q morreram de doenças, ainda bebes...e te digo, meus pais foram muito felizes com seus 11 filhos...quando lembro de quando tdos eram solteiros, como era nossa vida vejo q meu pai curtia, amava muito cada um dos seus 11 filhos...e meu pai naun era cristão evangélico,mas nos deu sempre exemplo de honestidade,verdade,como tdo ser humano tinha suas falhas, mas tenho certeza q era um homem temente a Deus em todos as suas atitudes...ah, e ele nos disciplinava, doia prá caramba, mas louvo e agradeço muito a Deus pela familia e Ele me deu...
araci

FABIANO disse...

A Júlio Severo e a todos que interessarem e amarem a verdade. Como regra, embora possa haver exceção, NENHUM CASAL é obrigado a ter 05, 10, 12, 15 ou mais filhos, haja vista que grandes homens de DEUS como JOSÉ, SAMUEL e MOISÉS tiveram poucos filhos, pois na constituição de uma família tudo(sem extremos) deve ser levado em conta e tudo, inclusive a atividade e freqüência sexual entre o casal, deve ser equacionado pela MODERAÇÃO/TEMPERANÇA/EQUILÍBRIO/LIMITE, sem perder de vista, em hipótese alguma, a moral, a ética e as verdades imutáveis da SANTA PALAVRA DE DEUS que condena o aborto e tudo que o provoca(pílula anticoncepcional e afins). Ela determina que os casais tenham NO MÍNIMO 02 filhos, pois está escrito que os seres humanos devem se multiplicar(Gen. 1:28) e 01, na multiplicação, é um número NEUTRO e, além disso, o apóstolo PAULO usa a palavra FILHOS, no plural, falando de uma mulher em I Tim. 2:15, portanto, 02 filhos se enquadra perfeitamente tanto na ordem dada em GÊNESIS como na ordem dada pelo referido apóstolo. O ato sexual, entre os legalmente casados, não foi feito só para procriação(Ecl. 9:9), embora tenha essa finalidade no casamento, conforme acima já expliquei. Os seres humanos não podem ser hedonistas, pois se forem, com certeza, gerarão problemas para si mesmos, para as suas respectivas famílias e/ou para a sociedade em geral, pois os tais buscam basicamente três desejos: comer sem engordar, transar sem procriar e/ou limitar essa procriação e ganhar sem trabalhar. AURIFLAMA/SP.

Felipe Monteiro de Carvalho disse...

Para o Fabiano: Não, ter dois filhos não é multiplicação, pois são 2 pais. O fator entre 2 pais e 2 filhos é 1, houve multiplicação pelo número neutro, apenas se mantive constante o número de pessoas. Mas ainda devemos pensar que há pessoas que são estéreis, ou os filhos podem morrer antes de reproduzir, ou então podem virar hedonistas, então teria que ser mais ainda.

Então eu recomendaria no mínimo 4 para os cristãos em qualquer país, que é uma multiplicação por 2 com relação aos 2 pais. Não há perigo de estarmos superpovoando nosso país, pois há muitas pessoas perdidas que não terão filho algum, então vamos também compensar a parte dele com pessoas estudadas nas leis de Deus.

FABIANO disse...

Caro FELIPE MONTEIRO, com todo respeito, discordo da tua colocação, haja vista que conforme está escrito em Gen. 2:24("Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.") o casal se torna UMA CARNE, isto significa que a multiplicação BÍBLICA não é 02(pai e mãe) x 1(filho(número neutro))= 02 filhos OU 02(pai e mãe) x 2(filhos)= 04 filhos, mas sim 01(casal) x 2(filhos)= 02 filhos, portanto a minha colocação de 22/12/2008 está TOTALMENTE CORRETA. Tomo como exemplo JOSÉ do Egito que teve só 02 filhos(Gen. 48:1). ADEMAIS nós não somos responsáveis pelas responsabilidades que são de outras pessoas, haja vista que cada um dará conta de si mesmo diante de DEUS(Rom. 14:12). Por fim, NÃO OUSAREI RECOMENDAR nada que a Bíblia não tenha recomendado(I Cor. 4:6). Um grande Abraço. Fabiano – Itapecerica da Serra/SP.

Blog jems disse...

Parabéns fabiano acho legal pessoas como vc que sitam a palavra de Deus como única e não se utilizam do seu egocentrismo!É bom lembrarmos que antes de acreditar-mos em qualquers citações devemos orar a Deus e colocarmos tudo em prova!Valeu!

Julio Severo disse...

Prezado Fabiano

Abraão queria muitos filhos, mas teve poucos. José, só teve dois. Mas nenhum deles interferiu na mão de Deus. Nenhum deles ousaria usar a microabortiva contracepção.

Quando Deus dá, ficamos satisfeitos. Mas quando nós colocamos a nossa mão para impedir a mão de Deus, aí é outra história, e não há como justificar um egocentrismo ou hedonismo humano com a deturpação de versículos bíblicos sobre temperança e moderação, pois, da nossa parte, não deve existir tentativa de bloquear a soberania de Deus. Ou confiamos nEle ou não. Já viu uma mulher grávida pela metade? Dá para se chamar de fé ou confiança em Deus quando alguém diz que tem 100% de disposição de receber de Deus TODAS as bênçãos de dinheiro, mas tem só 30% ou menos de disposição para receber bênçãos de aumento da família? Isso não me parece confiança em Deus.

Se Deus lhe deu só 2 filhos, alegre-se. Mas não há alegria quando um casal que se diz cristão alcança dois filhos provocando microaborto das outras bênçãos que Deus lhes tentou dar.

Recomendo ler este artigo escrito por mim: http://juliosevero.blogspot.com/2007/09/uno-da-multiplicao-presentes-do-corao.html

Antônio Acácio disse...

Vem cá, e no caso da vasectomia é ou não é pecado?

Julio Severo disse...

Digamos assim, Antônio, se a vasectomia fosse para impedir-nos de receber mais dinheiro, riquezas, carros e casas de praia, eu pergunto: você faria? Naturalmente, seria um GRANDE presente receber essas coisas, e duvido que alguém as rejeitaria.

Mas a Bíblia diz que os filhos são bênçãos maiores. É certo que você não vai levar nenhuma riqueza para o céu, mas o livro de Efésios diz que há famílias no céu. A vasectomia contra as riquezas causa menos prejuízos do que a vasectomia contra os filhos.

Fabiano disse...

Prezado Julio Severo, com muita atenção li o seu comentário e o artigo que me recomendou a ler e diante disso lhe digo que

Sinceramente, não vi nenhuma razão para você dirigir o seu texto, datado de 25/04/2011, para mim, haja vista que nos meus comentários outrora feitos se vê CLARAMENTO que eu não aprovo o uso de métodos contraceptivos que provoquem aborto ou microaborto.

SE entendi corretamente, você está rebatendo o fato de eu ser a favor da limitação de filhos em uma família, ainda que respeitando a natureza e conforme a natureza, haja vista que você, por outro lado, é contra essa limitação, assim sendo, farei as devidas concordâncias e discordâncias que entendo necessárias sobre o seu texto.

Sobre o escrito por ti no 1º parágrafo eu concordo plenamente.

Sobre o 2º parágrafo faço as seguintes ressalvas:
1ª - É ILÓGICO dizer que quando um casal se submete ao curso da natureza (tabelinha) para evitar infinitos filhos; ele está, automaticamente, bloqueando a soberania de Deus, antes, pelo contrário, está, na verdade, se submetendo a ela, haja vista que a natureza foi criada por Deus.
2ª – TEMPERANÇA faz parte do fruto do ESPÍRITO (Gl. 5:22) e isso, logicamente, inclui na atividade sexual e no número de filhos que o casal pretende ter. Porventura Deus continua gerando/criando anjos que são chamados filhos de Deus (Jó 38:7)?? Porventura Deus salvará todos os seres humanos, fazendo-os filhos de Deus?? Querido Julio, se Deus quisesse que o casal tivesse infinitos filhos, com certeza, ele não teria dado a possibilidade do casal ter relação sexual sem a conseqüente concepção, ou seja, a mulher seria FÉRTIL todos os dias do mês, isso é uma questão de LÓGICA.

Sobre o 3º parágrafo eu concordo plenamente.

Portanto, RATIFICO INTEGRALMENTE tudo o que disse sobre o assunto em pauta (Número de filhos).

Um grande abraço!!! - Fabiano – ITAPECERICA DA SERRA/SP.

Julio Severo disse...

Unção da multiplicação: presentes do coração do Pai estão aguardando você
http://juliosevero.blogspot.com/2007/09/uno-da-multiplicao-presentes-do-corao.html

Mago Misterioso disse...

Tenho 32 anos e sou vasectomizado desde os 28 anos. Não sou pai e nem o serei. Não são todas as pessoas que têm vocação para ter filhos.

Sendo vasectomizado posso usufruir minha vida sexual heterossexual sem o risco de engravidar mulher alguma.

Cristão Conservador disse...

O senhor é pai de quantas bênçãos, Julio Severo? Sou pai de cinco filhos e minha esposa está grávida mais uma vez. Ô glória!

Anônimo disse...

Ainda não tenho condições de te-los, mas espero no futuro ser agraciada com essa benção e ter ao menos 3 filhos, gostaria de adotar também e que educasse no homeschooling. Eu li um artigo que dizia que daqui a 2 décadas os secularistas, por não terem filhos ou poucos filhos seriam minoria na Europa, enquanto devido a familias religiosos,os jovens seriam muçulmanos ou cristãos.Essa notícia apesar da dificuldade que teremos me alegrou bastante. Roma antiga, abortista,hedonista e estéril por escolha própria foi extinta e o mesmo acontecerá com os hedonistasde hoje, pois Deus em sua misericordia dará a vitória aqueles que O amam e obedecem seus mandamentos. E com a graça de Deus, se Ele o permitir ainda verei em vida isso acontecer.