19 de dezembro de 2008

Magno Malta denuncia manobra de Fátima Cleide para aprovar apressadamente o PLC 122

Magno Malta denuncia manobra de Fátima Cleide para aprovar apressadamente o PLC 122

Julio Severo

De acordo com informação que acabo de receber da Dra. Damares Alves, assessora do Dep. Henrique Afonso, em plena madrugada desta quinta, 18 de dezembro, a Senadora Fátima Cleide, do PT, solicitou a votação urgente do PLC 122!

Engraçado que o PT da Senadora Cleide fala em democracia. Até mesmo os ativistas gays falam em democracia. E democracia pressupõe que as políticas devem ser debatidas abertamente e tudo deve ser feito na maior transparência.

Contudo, os “defensores” da democracia se esquecem dos princípios democráticos exatamente nos momentos mais necessários.

Quando estava na Câmara dos Deputados, o PLC 122 foi votado na surdina, e os idealizadores da manobra planejaram colocá-lo em votação num dia e hora em que os outros deputados não estivessem presentes. Assim foi aprovado o chamado projeto anti-“homofobia” na Câmara: sem nenhuma democracia.

Agora, o PT e seus aliados tentaram repetir a façanha antidemocrática no Senado, e teriam conseguido, se o senador Magno Malta não tivesse sido alertado em tempo.

De acordo com a Agência Senado, Malta protestou contra o que qualificou de manobra legislativa para a aprovação na madrugada desta quinta-feira (18) do Projeto de Lei nº 122, conhecido como projeto da homofobia. Ele disse ter recebido um aviso, às 5h, dando conta da existência de um requerimento assinado pelos líderes partidários no Senado para a concessão de regime de urgência para aprovação do projeto. Após confirmar com a Secretaria-Geral da Mesa a existência do documento, o senador disse que conversou com cada um dos líderes que negaram conhecer o conteúdo do projeto e acabaram por retirar suas assinaturas do requerimento.

— Esse projeto não conseguiu ganhar no debate, não ganhou nas comissões, e querem que ele ganhe na manobra — denunciou o senador.

Malta destacou trechos do PLC 122 que condenam uma pessoa à prisão se recusar-se a empregar um homossexual ou alugar um imóvel a ele.

Discursando depois de Malta, o senador Valter Pereira (PMDB-MS) manifestou sua preocupação com a denúncia e disse que o PLC 122 realmente é motivo de inquietação para alguns senadores, entre os quais ele se inclui. Para Valter Pereira, a manobra é grave, pois revela que matérias de grande importância estão sendo aprovadas sem o devido cuidado no Congresso Nacional.

Os socialistas só defendem a democracia quando é conveniente. No caso do PLC 122, princípios democráticos são inconvenientes.

Antes mesmo de ser aprovada uma lei anti-“homofobia”, cristãos já estão sendo hostilizados como se tal lei já existisse.

Fátima Cleide, o PT e os grupos gays garantem que o PLC 122 é democrático. Então por que aprová-lo debaixo dos panos?

Por que manobrar de madrugada uma votação às pressas bem às vésperas de um grande feriado, na tentativa óbvia de deixar de fora a participação democrática de outros senadores?

Cadê a democracia?

Com informações da Agência Senado.

Fonte: www.juliosevero.com

Para ler outros artigos sobre Magno Malta, clique aqui.

Para ler outros artigos sobre o PLC 122, clique aqui.

5 comentários :

Machado disse...

Os gays falam de democrácia, mas obviamente sabemos por instinto que é quase certamente um uso hipocrita do termo, isto apenas pelo fato de vir de quem vem - se a arvore é envenenada, os frutos também serão envenenados.

Se gays defendessem mesmo a democrácia, neste momento estariam realizando passeatas contra o governo de Rafael Correia presidente do Equador, que através de um outo-golpe de estado aprovou uma constituição populista que lhe assegura a reeileição, e outros poderes ditadoriais, para isto usou recursos públicos na realização da sua campanha.

Dentre outras coisas tal constituição assegura aos gays o direito ao casamento.

Porque será que nenhum gay protesta por ter recebido direitos de uma ditadura? A partir de agora nenhum gay tem portanto o direito de falar nada contra estados que eles acusam de serem ditaduras por lhes negar direitos. Se vierem falar da Russia, da China, da Arabia Saudita, que falem antes do Equador, onde um ditador protege lhes protege.

FENIX disse...

I HAD A DREAM
Sete de Setembro de 2009

A esplanada dos Ministérios fervilha. Grande parte da população comparece ao grande desfile da Independência. Pais com filhos no colo e de mãos dadas com filhos e esposa, todos com camisetas distribuídas antecipadamente, vermelhas e já com a estrela branca modificada com a inscrição do símbolo da foice e do martelo.

Mais de trinta mil, acenando suas bandeiras vermelhas ou com a foto de Guevara, aplaudem entusiasticamente as autoridades na tribuna especial.

Na tribuna, o presidente lula e seus convidados especiais, Hugo Chávez, Raul Castro, Evo Morales, Rafael Correa, Cristina Kirchner, Mahmoud Ahmadinejad, Dmitri Medvedev, entre outros, acenam ao povo entre um e outro brado de Chávez – “Socialismo ou morte”, repetidos em coro pela população.

Rasgam o céu em vôo rasante e com som ensurdecedor, os caças Sukhoi com o símbolo da Unasul em vermelho vivo. O povo como que com medo de ser atingido abaixa a cabeça durante a passagem e logo após aplaude com gritinhos nervosos, orgulhosos da Força Aérea da América Latina.

Abrindo o desfile, as bandas militares marcham em passo cadenciado, ao som do hino da internacional socialista, substituto oficial do Hino Nacional Brasileiro. As fardas militares, todas vermelhas, foram unificadas para as três armas, exceto o batalhão gay que desfilava com rosa choque. Encerrando o desfile militar, membros do MST e Liga Campesina, desfilavam, exibindo seus facões e enxadas seguidos pelos índios e afros-descendentes e mais atrás, a exótica parada gay, a pé ou dançando sobre seus carros alegóricos.

Ao final, autoridades civis e militares se dirigiram ao salão nobre para o coquetel onde foram servidos canapés e bebidas finas estrangeiras.

À população presente foram sorteadas cestas básicas, cheques de bolsa família e cargos na administração publica.

"LIBERTAS QUAE SERA TAMEN"

Ismael Pio Elias disse...

É na calada da noite que os perversos agem.
O Mal usa da astúcia para vencer.
A grande mídia brasileira mantém a população anestesiada, nada sabendo do que realmente acontece, seja no Brasil ou no mundo.
Mudar os tempos e as leis: este é o ideal revolucionário, mas, pela graça e misericórdia de Jesus Cristo nosso Senhor, já sabemos desses propósitos malignos, pois assim está escrito na Bíblia, a palavra divina que nunca falha.
Que Yavé, nosso Deus toque os corações de nosso senadores, para que não cometam tal barbaridade contra esta nação.

NELSON SILVA disse...

Amados é realmente assombroso como nossas autoridades tratam com desprezo os temas de importânciasciais em nosso país.
Dizem que estamos em um país democrático, e acredito nisso, mas a democracia no meu ponto de vista é parcial. Nosso povo não é consultado sobre os temas de importância social como penas mais duras contra criminosos, leis que funcionam apenas para alguns,aborto,crimes de pedofilia, etc... Agora vemos nossos nobres deputados votando essa lei sem nenhuma tranparência. Não sou a favor da homofobia nem qualquer tipo de discriminação pois não temos o direito de discriminar alguém por ser homosexual, a Bíblia diz que a prática do homosexualismo é pecado e como cristãos não podemos aceitar tal prática, pois se Deus condena essa prática como podemas aceita-la?
Porém Deus ama essas pessoas e tem um plano de salvação para elas.
Nossas igrejas precisam estar alertas quanto as manobras de nosso inimigo.Nossos pastores precisam estar atentos quanto aos candidatos que as igrejas apoiam, e cobrar deles soluções contra esses projetos, pois se for votado e aprovado liderança alguma dentro de uma igreja vai poder pregar contra o homossexualismo, pois se pregar é provavel que o pastor ou qualquer que seja ser preso e condenado.
Precisamos orar por nossas autoridades amados, precisamos vigiar, pois o inimigo não dorme em serviço.

Um abraço a todos.

Liz disse...

Só para lembrar, foi o mesmo procedimento para passar a nova lei sobre drogas, que, na prática, descriminalizou a droga no Brasil.
Basta a pessoa falar que o porte de droga é para consumo próprio que não sofre mais nenhuma pena.
Os critérios para estabelecer quem é traficante são bem subjetivos, de acordo com o juiz.

Maiores informações aqui:

http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=8790