21 de dezembro de 2008

Abaixo a ditadura gay, a Bolsa-Boiola e o KY do Temporão

Abaixo a ditadura gay, a Bolsa-Boiola e o KY do Temporão

Hugo Studart

O ministro da Saúde enlouqueceu de vez. Falta verba para comprar medicamentos para hemofílicos e para bolsas de coletas de sangue. Mas Temporão mandou comprar 15 milhões de lubrificantes KY para distribuir aos gays. Vai torrar cerca de R$ 40 milhões no dia 22 de dezembro. Recentemente, o ministro mandou distribuir pênis de borracha e uma cartilha ensinando as técnicas mais prazeirosas do sexo anal. É a Bolsa-Boiola. Temporão está confundindo a defesa da liberdade de opção sexual com boa administração do dinheiro público. Sucumbiu à “Gaystapo”, as patrulhas do movimento GLS. Chegou a hora de reagirmos contra as loucuras desse ministro.

O Artigo 5 da Constituição garante uma série de direitos fundamentais e inalienáveis, como a liberdade de expressão, de opinião, de credo, de organização política, etc. Não fala da liberdade de opção sexual, mas acredito que devemos respeitá-la por interpretação complacente — ou por simples amor à democracia, aos direitos civis e o respeito ao próximo. Portanto, é dever do Estado proteger as minorias sexuais da discriminação e da violência. Assim como criar políticas próprias de saúde, em especial para o controle da AIDS.

Na quarta-feira 17 de dezembro, o Ministério da Saúde divulgou a última extravagância de seu ministro, José Gomes Temporão — o edital de licitação número 142/2008, para a aquisição de 15 milhões de sachês de gel lubricante à base de água, o conhecidos KY, geralmente usado para facilitar o sexo anal (o edital completo está em link no final deste artigo).

O pregão do KY será às 10 horas da manhã da próxima segunda-feira 22 de dezembro. Tudo muito rápido, para não dar na vista. O Erário deve gastar cerca de R$ 40 milhões, calcula o funcionário do Ministério da Saúde que me forneceu o edital.

Está sendo preparado por um assessor do círculo íntimo de Temporão um outro edital semi-secreto para a compra de 1 bilhão de camisinhas. Os armazéns do ministério estão neste momento abarrotados de preservativos para serem distribuídos à população. Mas Temporão decidiu comprar mais 1 bilhão de camisinhas já lubrificadas. A licitação vai sair do armário na próxima semana. Está programada para o dia 29 de dezembro, no apagar das luzes do ano. Deve consumir outro R$ 1 bilhão dos cofres públicos. Por que tanta pressa? Por que tanto discrição com o dinheiro público?

A fonte das informações acima esclarece que a única prioridade do ministro Temporão é a comunidade gay e o programa DST-Aids. Os hospitais — isso é público — estão derretendo por falta de verba. Falta dinheiro para toda a sorte de medicamentos essenciais. Neste exato instante, por exemplo, faltam nos hospitais públicos bolsa para coleta de sangue e os hemoderivados fatores VIII e IX da coagulação, essenciais para a sobrevivência dos hemofílicos. O dinheiro está sendo desviado para KY, camisinhas e pênis de borracha.

Recentemente, Temporão mandou comprar e distribuir pênis de borracha para usar em educação sexual e cartilhas ensinando as melhores técnicas de penetração anal entre parceiros do mesmo sexo. Ninguém entendeu direito o que a didática do prazer tem a ver com prevenção à Aids. Agora, ao aparecer com o pregão do KY e de outro bilhão de camisinhas, Temporão está instituindo o Bolsa-Boiola.

LEGISLANDO EM CAUSA PRÓPRIA?

Não acredito, em hipótese alguma, que Temporão esteja legislando em causa própria. Nesse caso, seria prevaricação.

Vale lembrar que Roma teve grandes imperadores bissexuais, como Júlio César e Otávio Augusto, ou mesmo homossexuais convictos, como Adriano. Também teve governantes como Heliogábalo, que usava sua condição de gay para legislar em causa própria. No poder, Heliogábalo perdeu o equilíbrio emocional, passou a se vestir de mulher até chegar ao desplante de entregar todo o poder do império a um de seus favoritos, um escravo! Heliogábalo fez tantas loucuras usando o dinheiro público para proteger seus prazeres que ele e seu amante acabaram trucidados.

Não há nenhum indício de que Temporão esteja prevaricando. Entretanto, como Heliogábalo, ele anda muito mal assessorado. Afinal, desde quando se previne Aids ajudando os gays a praticar uma penetração anal mais prazerosa? E não me venham com a falácia de suposta homofobia. Estamos aqui discutindo tão-somente a boa gestão do dinheiro dos nossos impostos.

GESTÃO TRANSVIADA

Recentemente, Temporão baixou uma norma mandando o SUS fazer cirurgia de mudança de sexo para os travestis. Com direito a dois anos de acompanhamento psicológico para o transexual e para sua família, que está perdendo um filho, apesar de estar ganhando uma filha.

Falta dinheiro para transplantes. Falta dinheiro para cirurgias plásticas corretivas, como para crianças queimadas. Ninguém opta por necessitar de um coração, uma córnea, ou por deformar o corpo com o fogo. Os gays, por sua vez, insistem em dizer que o homossexualismo não seria uma distorção psicológica, mas sim uma opção, uma orientação. Se fosse uma psicopatia, então o Estado teria por dever dar tratamento. Mas é uma opção. Os travestis optaram por ser assim.

Então porque o Estado precisa pagar dois anos de tratamento psicológico para os transexuais e seus pais? Se Temporão fosse um ministro sério, ofereceria acompanhamento psicológico também para os pais daquele garoto de três anos que morreu baleado pela PM do Rio — cujo policial assassino dias atrás foi absolvido pela Justiça. Eles não optaram por perder o filho, morto por um agente do Estado. Eles, sim, precisam de acompanhamento psicológico com dinheiro público.

MANIFESTO CONTRA A GAYSTAPO

A explicação mais plausível para essas opções de Temporão é que ele seja um ministro incompetente. Um fraco. Está sucumbindo ao lobby do Movimento GLS. Houve um tempo em que os homossexuais eram agredidos nas ruas. Depois passaram a ser apenas discriminados em seus empregos. Então surgiram movimentos em defesa dos direitos dos gays, lésbicas e assemelhados.

Organizaram as paradas gays, instituíram o tal Dia do Orgulho Gay, mobilizaram simpatizantes, fizeram lobby nos três poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário, por direitos justos e legítimos, como plano de saúde para companheiros do mesmo sexo. Ao fim, os movimentos gays deram uma enorme contribuição para a lapidação das instituições democráticas e o Estado de Direito.

Os gays mobilizados, enfim, têm sido tão importantes nesta virada de século para a afirmação dos princípios fundamentais da Liberdade, da Igualdade e da Fraternidade, quanto o movimento sindical o foi em priscas eras.

Ocorre que de uns tempos para cá, pelo menos no Brasil, o que era um movimento está se transformando numa patrulha ideológica. As campanhas contra a discriminação se transformaram em pressão para que os adolescentes assumam suas porções femininas (ou masculinas, no caso das garotas). Está virando anomalia amar homens e mulheres —agora só se pode amar “pessoas”.

De vítimas, os gays estão se transformando em agressores. Se alguém acredita que ser gay não é o normal, que o normal é ser hetero, é logo taxado de homófobo. Tal qual Hitler com sua Gestapo, estão criando uma Patrulha do Pensamento, a Gaystapo.

Exagero? Homofobia? Ora, ora, lembro-me de um caso exemplar ocorrido meses atrás com o então-presidente da Eletrobrás, Valter Cardeal. Ele é o homem de confiança da ministra Dilma Roussef no setor elétrico. Pois foram pedir R$ 2 milhões ao presidente de Furnas, Luis Paulo Conde, para o patrocínio da Parada Gay do Rio de Janeiro. Conde, titubeante, até pensou em dar o dinheiro. Mas Cardeal vetou.

Ora, desde quando uma estatal elétrica tem a ver com opção sexual? Se está sobrando dinheiro em Furnas, que patrocine escolas e postos de saúde para os desabrigados das barragens e outras vítimas sociais de suas ações predatória. Isso é o certo. Que patrocinem ações de recuperação do meio ambiente — ou até mesmo ONGs ou seminários ambientais. Quem tem que patrocinar parada gay é a Johnson&Johnson, fabricante do KY do do Jontex, a Ambev ou a companhia marítima dona dos transatlânticos Eugenio C e Eugenio G.

Pois Valter Cardeal, num rasgo de sensatez, vetou a concessão da verba. Publiquei esse fato na imprensa. No dia seguinte, Cardeal foi alvo de passeadas, ameaças de processo e até de representação da Comissão de Direitos Humanos da OAB. A Gaystapo agiu rápido, implacável como os nazistas. Cardeal foi obrigado a pedir desculpas, voltou atrás e deu dinheiro para os gays. Foi um erro.

É provável que Temporão não esteja prevaricando, mas apenas sucumbindo à Gaystapo. É um ministro fraquinho, incompetente. Qualquer que seja a opção, é hora dos cidadãos que pagam impostos se manifestarem, de exigirem seriedade na gestão das verbas da Saúde. Instituir o Bolsa-Boiola é uma idéia que nem o imperador Heliogábalo teve o desplante de fazer.

Para ver o edital do pregão n.°142/2008, clique aqui.

Fonte: Hugo Studart

Divulgação: www.juliosevero.com

Para ler mais sobre Temporal neste blog, clique aqui.

12 comentários :

Paulo Oliveira disse...

Júlio,

Falar o que? Completo absurdo. Ou nos mobilizamos pela ação e a oração, ou a Mão de Deus pesará sobre esses desgraçados.

Emerson disse...

É, amigos, a coisa tá tão feia que eu sinto como se o país estivesse caindo num abismo e estivessemos apenas esperando tocar o fundo.
Deus nos abençoe.

Anônimo disse...

Se vós cristãos não tiverdes mais forças, o Islam entra com a espada e quantos aviões forem necessários, até que a humanidade entre na senda reta.

Antônioi Ahmed

Pericles disse...

Acho que o Islam deve estar mais preocupado com o ataque fulminante que Israel fará brevemente.E se alguem ainda acredita que 11/09 foi obra de Bin Laden veja e baixe: http://www.4shared.com/dir/9869204/93774760/Documentrio_-_O_caminho_para_a_Tirania_-_Alex_Jones_-_Legendado_Completo.html

Anônimo disse...

É... Parece que o Péricles confirma exatamente o que a gente já sabe: O cristianismo depende dos judeus para sua sobrevivência. Se conseguirmos empurrar os judeus para o mar, a vitória será dupla, mataremos dois coelhos com uma só cajadada.

A respeito de bomba, existe uma poderosa que foi programada não para agora, mas para um pouco depois. Chama-se BARACK HUSSEIN OBAMA.

Antonio Ahmed.

Pericles disse...

Concordo com a bomba, é só prestar atenção no nome. Apesar de apoiar Israel sei que os inimigos estão infiltrados em todos os lados esperando o momento de entregar tudo para o anticristo e sua nova ordem mundial, da qual não sei se você sabe não há lugar para o Islã, justamente porque a maioria não vai vender sua fé como a Igreja Cristã está fazendo.
Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á. Mateus 16:25

Julio Severo disse...

Caro Antonio, você é muito inteligente e não creio que lhe tenha passado despercebido que Obama pode ser uma grande estratégia dos socialistas americanos para modificar o Islã como o conhecemos. A Cristandade e praticamente todas as religiões mundiais estão sucumbindo às metas do governo mundial. Falta o Islã. É nesse ponto que Obama entra no palco. Os efeitos serão vistos dentro de alguns anos.

Anônimo disse...

Amigos,

sem uma boa declaração polêmica a coisa não bomba.

Estarei longe do computador por esses dias, mas desejo a todos os que freqüentam este blog boas festas, torcendo para que o profeta Jesus retorne muito em breve, e nos brinde a todos com sua presença definitiva; porque quem matou Jesus não foram os muçulmanos, foi outro povo.

Espero também que, no despontar deste novo ano Hégira - 1430 - Allah (S. W. T) me abençoe com uma segunda esposa. Porque, se Salomão teve mais de 1000, porque então este pobre devoto aqui não pode ter mais uma?

Machado disse...

Bem, eu sempre acompanho o blog do Julio, praticamente a única voz ainda livre que existe na internet, não compartilho de muitas de suas posições religiosas e por isto não vou me meter nessa coisa de cristão contra muçulmanos, pelo menos não muito, para dizer quem esta com a razão. Eu embora catolico de nascimento não paratico nenhuma religião organizada, e creio que hoje me ligue intimamente mais as religiões chinesas, confucionismo-taoismo.

Mas há certas coisas que seria bom comentar.

Primeiramente, gostaria de lembrar o Antônio que ele é muçulmano, e portanto não deve contriar, ou melhor dizendo, não pode nem mesmo pensar em contrariar o Alcorão. Portanto Antônio, não venha falar que alguém matou Jesus, lembre-se de que ninguém o matou, ele não morreu, Allah não jamais permitiria isto, Allah mandou outro para morrer no lugar dele.

Sobre ter uma segunda esposa, acho sinceramente uma ideia 100% valida e legitima, apenas não a acho muito inteligente, mas cada um sabe o que faz de sua vida. Sou 100% favorável a prescrição corânica a poligamia, mas as vezes penso se ela é realmente vantajoso para o homem. Eu disse algo assim na comunidade muçulmana do orkut e quase me bateram, mas na verdade foi mais porque eu coloquei o Alcorão no meio e os muslim de la odiaram isto, quase me expulsaram.

Mas de certa forma admiro o Islam, não o considero um milagre e não acredito que o alcorão seja um ditado de Deus ou nada assim. Mas acho que ele é obviamente construido sob conceitos civilizatórios, até porque não é nada mais que uma interpretação da Tora. E se você repete os ditos que estão na tradição judaica, obviamente esta sociedade deverá prosperar.

Assim o Islam, pelo seu legalismo, por ter sacralizado estes princípios básicos de qualquer civilização, faz o bem a quem vive sob o seu julgo, desde que não elimine a boa razão na sua aplicação, e caia no extremismo, algo que o Islam efetivamente condena.

O Islam é fundamentalista, mas não é, ou não deve ser extremista. São termos diferentes. E os muçulmanos sabem diferênciar.

Dando exemplo de como uma sociedade muçulmana pode ser equilibrada e ter uma boa qualidade de vida. Na Arabia Saudita, adulteros (homens e mulheres) são apedrejados, homossexuais são mortos, mas são o que, quantos? Algumas centenas? Tudo bem, mas nesta mesma Arabia Saudita apenas 0,01% da sua população está contaminada pela AIDS, isso em 2003, me parece, dava 34 individuos.

http://www.indexmundi.com/g/g.aspx?v=32&c=sa&l=pt

Então, quem mata mais, o nosso Brasil ou a Arabia Saudita? No Brasil a cada dia 94 pessoas se contaminam com AIDS. O que é preferivel, cortar uma centena de cabeças, ou deixar que milhares morram? É preferivel poupar o lobo para sacrificar o cordeiro?

E ai vem a França, um pais que tem 0,4% da sua população contaminada (reparem que há um zero a mais, o que representa milhares) propor que a Arabia Saudita pare de cortar a cabeça de gays. Ora essas bich... francesas que vão tomar no r...!


O islam é isto, um codigo ético, pode não ser divino, mas que importância tem isto? Desde que pregue o que é bom e correto, esta muito bom, eu portanto não tenho nada contra o Islam, combateria o extremismo islamico, mas não vou dar tiro em nenhum muçulmano em defesa da pátria ou da "democracia". Não acredito que ele seja divino, mas também não vejo a menor importância em ser ou não divino, ou um milagre. Desde que seja o correto, eu acho bom.

Sobre o Husseim ser um agente contra o Islam, não sei não. Acho que isto já esta com muita cara de teoria da conspiração. Eu acho mais fácil o Islam dominar o ocidente do que o contrario. Principalmente agora que o ocidente não tem mais o cristianismo como meio de defesa, uma vez que esta abrindo mão dele crendo que alguma outra coisa poderá lhe salvar no enfrentamento com o islam.

Neste ponto o que poderia ainda salvar o ocidente seria a filosofia, o pensamento livre e verdadeiro. Mas como os sodomitas também são contra a filosofia e o livre pensar, e não apenas contra supertições e dogmas teológicos (vide PL 122 art. 8 que confere aos gays imunidade de criticas filosoficas, cientificas, morais e eticas), então a "civilização" ocidental não tem no que se refugiar contra o Islam. Eu pelo menos é que não defenderei esta civilização contra o avanço islâmico, e não recomendo que nenhum cristão faça isto, os gays que se defendam sozinhos.

Eu prefiro cruzar os barços e aceitar pagar o imposto religioso daqueles que não são muçulmanos, a derramar meu sangue pelo Estado de confissão sodomita.

Silvio Ricardo disse...

A cruzada gay [ou gayzista] continua a todo vapor neste desgoverno lulista. Lembrar que esse tsunami gayzista que infesta a sociedade brasileira e suas instituições começou lá atrás com José Serra e FHC. Lula e o PT, dá mesma laia socialista que seus antecessores, dão prosseguimento à essa nocividade. E o patrocínio é descarado, explícito mesmo, sem nenhum pudor. Eu não preciso acrescentar absolutamente nada à reportagem. Gente morrendo em filas de hospital enquanto esses imorais petistas dão montanhas de dinheiro para gays e travestis realizarem suas mórbidas fantasias sexuais. Minha gente, é preciso reclamar. Vamos mandar mais e-mails aos deputados e senadores que sabemos serem abertamente contra esta vergonha.

Roberto Domingos disse...

Edital de Licitação para a BOLSA BOIOLA do Governo Lula.

EDITAL DO PREGÃO N.°142/2008
PROCESSO N° 25000.019579/ 2008-71
Tipo de Licitação: MENOR PREÇO
Data: 22/12/2008
Horário: 10:00 horas
Local: Esplanada dos Ministérios, Bloco “G”, Ed. Anexo, Ala “A”, Sala 423, Brasília/DF
A União, por intermédio da Coordenação-Geral de Recursos Logísticos – CGRL da Subsecretaria de Assuntos Administrativos – SAA do Ministério da Saúde, mediante o Pregoeiro, designado pela Portaria nº 02, de 20 de maio de 2008, publicada no D.O.U do dia 21 de maio de 2008, torna público para conhecimento dos interessados que na data, horário e local acima indicados fará realizar licitação na modalidade de PREGÃO, do tipo menor preço, conforme descrito neste Edital e seus Anexos.
1. DO OBJETO
1.1. O presente Pregão tem por objeto a aquisição do produto abaixo, conforme Termo de Referência – Anexo I:
ITEM
PRODUTO
QUANTIDADE
01
Gel Lubrificante
15.000.000 de sachês
1.2. Os interessados em participar desta Licitação poderão obter este Edital na Esplanada dos Ministérios, Bloco G, Ministério da Saúde, Anexo “A”, 4º andar, Hall, das 8h às 12h e das 14h às 18h, ou no site www.comprasnet.gov.br.

Anônimo disse...

Belíssima carta, a do Machado.

Pulando as questões de legitimidade religiosa levantadas por ele; se essa ou aquela religião é autêntica, porquanto sua adesão depende única e exlusivamente da consciência de cada um, ou se esse ou aquele credo é o que mais nos aproxima de Deus, no geral, concordo com praticamente tudo o que o Machado disse. Entretanto, gostaria de fazer alguns adendos.

Eu sei muito bem que o Jesus muçulmano é muito diferente do Jesus cristão. Quando falei que não foram os muçulmanos mas outro povo quem crucificou Jesus, eu me baseei na própria bíblia, livro sobre o qual os cristãos fundaram sua religião e têm como legítimo, conforme está escrito nos seguintes capítulos:

"Vocês - judeus - são de seu pai, o demônio". (João 8:44);

"... os judeus que mataram tanto a Jesus quanto os profetas e nos perseguiram, não são agradáveis aos olhos de Deus" (I Tessalonicenses 2:15);

"... todo o povo - judeu - respondeu e disse, que seu sangue - o de Jesus - esteja sobre nós e nossas crianças". (Mateus 27:35).

Tudo isso é fato, como bem atestou o Papa João Paulo II, logo assim que terminou de assistir ao filme "A Paixão de Cristo", apesar de muitas autoridades judaicas terem atacado este filme acusando-o de anti-semita.

Todo mundo sabe que a teologia cristã é a mais flexível de todas as teologias, Mas ora!, eu pergunto: Por que os cristãos mudaram tão rapidamente de opinião em tão pouco espaço de tempo?, sem ao menos darem-se ao trabalho de uma explicação plausível sobre essa mudança até mesmo para o rebanho deles?

Para começarmos a responder essa pergunta, aqui vão alguns indícios da própria escritura cristã, nos quais se baseiam os cristãos para legitimarem este súbito interesse pela Palestina:

A tendência do moderno evangélico de apoiar o encrave territorial chamado Israel, estabelecido na palestina, tem sua origem no entendimento de que o retorno do "povo eleito" à sua hoje suposta terra, se constitui na chave para segunda vinda de Jesus, e de que, quanto mais judeus forem convertidos (precisamente 144.000), Jesus estaria pronto, como mostram os seguintes versículos:

"... primeiro para o judeu, e também para grego (gentio)" (Romanos 1:16)

"A salvação vem dos judeus" (João 4:22);

Ou mesmo, "... vocês não me verão até que vocês (os judeus) digam abençoado seja (Jesus) que vem em nome do Senhor" (Mateus 23:39).

Será que a maioria dos cristãos evangélicos estão a par desta inexplicável guinada intepretativa bíblica atual?

Eu continuo preferindo o Alcorão, todos os impressos do Alcorão são de capa dura, não existe nenhum Alcorão impresso em capa mole.

Antônio Ahmed