14 de novembro de 2008

Pregadores negros estão adorando o messias errado

Pregadores negros estão adorando o messias errado

“Entre vós haverá falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias …” (2 Pedro 2:1 RC)

O noticiário eletrônico Christian Newswire, em sua edição de 13 de novembro de 2008, relata que o pastor negro Jesse Lee Peterson está revoltado que a vasta maioria dos pastores negros americanos colocou Obama e sua pele negra na frente de Deus e dos valores cristãos.

Com a eleição de Barack Obama, pregadores negros estão celebrando nos Estados Unidos. O Rev. Jesse Lee Peterson, fundador e presidente da entidade Ação BOND, Inc., está repreendendo os pregadores negros por sua parte na eleição do candidato presidencial mais esquerdista da história americana:

“Noventa e seis por cento dos eleitores negros apoiaram Barack Obama e a maioria desses eleitores foi influenciada por pregadores negros a colocar sua raça na frente de seu país e de sua fé”, disse o Rev. Peterson. “Como é que os pastores que têm a obrigação de conduzir seus rebanhos a Jesus Cristo em vez disso os conduzem a um socialista como Obama? A verdade é que a maioria dos pastores negros não tem um relacionamento real com Deus e estão conduzindo suas congregações ao inferno. Esses líderes cegos ajudaram a eleger seu ‘messias’ negro. Acontece que esse ‘messias’ é o membro mais esquerdista do Senado dos EUA”, disse o Rev. Peterson.

Eis as posições do presidente eleito Obama em algumas questões importantes:

Ele crê que o aborto deve ser legalmente permitido durante os nove meses da gravidez sob qualquer circunstância, e declara que programas de educação sexual para crianças da pré-escola são ‘a coisa certa a se fazer’.

Ele prometeu abolir a Lei de Defesa do Casamento, uma lei federal para proteger o casamento, e permitir a legalização dos “casamentos” homossexuais nos 50 estados americanos.

Ele nomeará juízes ativistas ultra-esquerdistas que perverterão e interpretarão a Constituição dos Estados Unidos de forma errada.

Ele se comprometeu a apoiar a manifestação do homossexualismo, bissexualismo e transexualismo no exército, marinha e aeronáutica, inclusive alojamentos e chuveiros militares.

Eis o que influentes pastores negros disseram depois da vitória na eleição de Obama:

O Bispo T.D. Jakes, da Igreja Casa do Oleiro, disse que a campanha do Senador Barack Obama “incentivou, legitimou e deu inspiração não só para o povo dos Estados Unidos, mas também para o povo do mundo”.

Na Igreja Batista Abissínia do Harlem, o Rev. Calvin Butts convidou sua congregação para se levantar e “dar glória a Deus pela eleição”. Vários membros se levantaram e gritaram eufóricos: “Sim, nós podemos! Nós podemos!”

A pastora Shirley Caesar-Williams, cantora gospel que ganhou um Grammy, disse: “Há muito tempo estamos no fundo, mas Obama nos lavou a alma. Aleluia!”

O Rev. L. Lambert, da Igreja Bethel AME de Indianópolis: “Se já houve uma resposta ao clamor ‘quem virá em nosso socorro?’ Essa foi a resposta… Olhe para o que Deus fez”.

Na Igreja Unida Trindade de Cristo em Chicago, o Rev. Otis Moss, III, disse que comentou que sua igreja foi o lugar santo onde “Deus mexeu na alma de um jovem e o colocou no caminho para a presidência”.

O Rev. Peterson acrescentou: “Nos dezoito anos passados eu disse que a maioria dos pregadores negros não são chamados por Deus, mas em vez disso são chamados por suas mamães. Se já houve um tempo em que esse foi o caso, esse tempo é agora. A fim de que os negros americanos mudem de direção, eles precisam renunciar à sua ira e achar a verdade em si, não em pregadores corruptos e racistas nem de um Messias falso negro”.

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com

Leia também:

Obama como presidente dos EUA: Quem ganha, quem perde

Racismo nas igrejas evangélicas negras dos EUA

11 comentários :

Antunes disse...

O que esses pregadores negros estão fazendo é idolatria da raça. " Existe idolatria quando o homem presta honra e veneração a uma criatura em lugar de Deus, quer se trate de deuses ou de demônios (por exemplo, o satanismo), do poder, do prazer, da raça, dos antepassados, do estado, do dinheiro, etc." Catecismo da Igreja Católica, nº 2113

Adriana Magalhães disse...

Cada vez que leio declarações como a desses "pastores", fico mais convencida de que a volta de Cristo stá bem perto.
O pior é que ainda existem muitos que brincam com esta verdade.

Deus abençoe sua vida Julio

Jorge Fernandes disse...

O primeiro presidente americano negro foi eleito. Na próxima eleição será a vez de uma mulher (o partido democrata levou às prévias a sra Clinton e o Barack, e assim, as chances de se "fazer" o presidente seriam maiores), depois um gay, um serial-killer, uma stripper... será que esse padrão espúrio não permitirá que a Barbie e o Falcon se candidatem?

Antoniel Gomes disse...

Olá querido amigo Julio,sempre que posso, passo no seu blog,mas nunca havia deixado um comentário,porém, hoje resolvi deixar.A respeito dos pastores negros temos: que analisar que na américa "branca" sempre foi e ainda é bastante grande a descriminação racial para com os negros, isso é fato todos sabém.Dizer que Obama é socialista,que ele apoia o aborto e práticas sexuais imprópias é muito mais um golpe dessa américa "branca" para derrubá-lo.È claro que somos contra a posição de Barack Obama nesses aspctos mas, o outro candidato era um bom modelo de cristão? Ele não era faoralvél ao aborto mas é favoravél a insana guerra do Iraque que pode crê mata bastante gente incluisive criancinhas.Eu acredito que mesmo com todas essas coisa Obama pode sim significar um avanço para o mundo principalmente pelo fator racial!Aliás, é bom que se diga,que fazer acepção de pessoas é um pecado grave e essa américa "branca" sempre fez e faz por essas coisas digo:RUIM POR RUIM DIGAM AO OBAMA QUE SIM!Espero que vc tenha um otimo dia e estou sempre lendo seu blog abração.

Julio Severo disse...

Prezado Antoniel, obrigado pelo apoio. Não faz sentido afirmar que "Dizer que Obama é socialista,que ele apoia o aborto e práticas sexuais imprópias é muito mais um golpe dessa américa "branca" para derrubá-lo". Bill Clinton era atacado do mesmo jeito, porém ele era branco. Na formação do governo de Obama, ele está reempregando todo o pessoal de Clinton, porque Clinton fazia as mesmas coisas. Agora, Obama tem uma vantagem: Se você acusá-lo (com toda a justiça) de fazer as coisas que Clinton fazia, ele e outros vão acusar você de racista. É isso que torna o homem muito mais maligno. Bill Clinton, em toda a sua malignidade, não tinha essa carta na manga, como dizem... Obama agora pode à vontade promover o mal e ao menor signal de oposição, ele e a toda a imprensa equerdista vão gritar "RACISMO". Para mim, isso é diabólico.

Silvio Ricardo disse...

Com tudo que leio e vejo só posso concluir uma verdade: a humanidade terrena entrou (novamente) no seu período mais sinistro, onde vemos os maus ganharem força e os bons acovardarem-se. É triste, mas é a verdade. Qualquer opinião que circule por aí, por mais espúria, exótica, capciosa ou ridícula que seja, se tem o apoio e é do interesse do establishment esquerdista (leia-se, a raça de víboras da qual falava Jesus), então tudo bem para a maioria das pessoas comuns. Elas irão dizer "amén". A eleição desse negro impostor nos EUA é bem o exemplo desse tipo de cegueira espiritual.

Anônimo disse...

Negros que votaram Obama chumbaram casamentos gay

09.11.2008, Cara Mia DiMassa e Jessica Garrison

Para muitos afro-americanos, os casamentos entre pessoas do
mesmo sexo não são uma questão de direitos civícos

Para Trebor Healey, um homossexual de 46 anos, de Glendora, a eleição de terça-feira foi um pouco amarga. Ficou entusiasmado porque o país elegeu o seu primeiro Presidente afro-americano. Mas desapontado porque os eleitores negros, tradicionalmente dos mais firmemente liberais do estado, votaram esmagadoramente contra os casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

Healey percebe que há diferenças entre as batalhas de direitos civícos de negros e de gays: em primeiro lugar, nota, porque os gays têm mais facilidade em integrar-se. Ainda assim, diz, é triste que "as pessoas não liguem uma luta à outra".
Muitos eleitores negros não vêem as coisas assim. "Nasci negro, não posso mudar isso", diz Bilson Davis, de 57 anos, residente em Culver City, que votou pela Proposta 8, destinada a impedir os casamentos entre homossexuais. "Eles não nasceram gays: escolheram sê-lo."

Apesar de muitos dos líderes políticos negros da Califórnia se terem manifestado contra a Proposta 8, uma sondagem à boca das urnas mostrou que os negros favoreciam a medida por um ratio de 2 para 1. Não só o voto negro pesou fortemente a favor da Proposta 8 como a adesão de negros, incentivada pela campanha de Obama, foi invulgarmente grande, com os afro-americanos a constituírem 10 por cento do eleitorado.

A sondagem não perguntava aos eleitores por que votaram assim. Mas Madison Shockley, pastor da Pilgrim United Church of Christ, em Carlsbad, que pertence ao terço dos eleitores que votaram contra, disse que o voto era compreensível. "Os negros vão à igreja, provavelmente mais do que os caucasianos, e as igrejas a que vão são muito tradicionalistas."

O apoio do candidato

Christopher Hill, residente de Los Angeles de 50 anos, disse estar motivado pela religião quando apoiou a Proposta 8. Os direitos cívicos, diz, "são sobre arranjar um trabalho, emprego". O casamento gay, não. "É uma abominação contra Deus."
Um dos factores que complicaram a campanha é que ambos os lados tinham uma razão plausível para reivindicar o apoio de Obama. O Presidente eleito vincou a sua oposição à Proposta, que disse ser "de desunião e discriminatória". Mas também afirmou publicamente que se opõe aos casamentos homossexuais.

Antes das eleições, alguns democratas receberam mensagens nos telemóveis. Começavam assim: "Eis as próprias palavras de Barak Obama sobre a definição de casamento". Depois, a voz de Obama a falar para uma multidão: "Acredito que o casamento é uma união entre um homem e uma mulher. Para mim, como cristão, também é uma união sagrada. Deus está no meio". Depois, um narrador pedia o voto pela Proposta 8. Roger Salazar, do Partido Democrata, recebeu o telefonema. "Viram a onda Obama crescer e aproveitaram para a capitalizar", diz.

Para Ron Buckmire, do Barbara Jordan/Bayard Rustin Coalition, grupo negro de direitos gays de LA, a votação mostra que "há muito trabalho a fazer na comunidade". Adiantou que a campanha devia ter enfatizado que a Proposta era sobre tirar a uma minoria um direito que ela já possuía. "Os direitos cívicos não deviam ser postos a voto. Ponto final. Pensava que esta mensagem tinha passado." Exclusivo PÚBLICO/LA Times

Fonte: http://jornal.publico.clix.pt/default.asp?url=%2Fmain%2Easp%3Fpage%3D16%26dt%3D20081109%26id%3D14996956%26c%3DA%26web%3DEI

Anônimo disse...

Interessante a opinião de alguns leitores! Barack Obama é muçulmano e como tal: não irá permitir o ''casamento'' gay. Ou vocês acham que os grupos terroristas radicais islâmicos (Hamas, Fatah e outros), que tem ligações com Barack Obama, o apoiariam.

Julio Severo disse...

Este texto vem de um site homossexual:

EUA: Michelle Obama reafirma gestão pró-gay de Barack

Michelle Obama, esposa do candidato à presidência dos Estados Unidos pelo Partido Democrata, Barack Obama, disse que assim como seu marido ajudou famílias proletariadas americanas a saírem da pobreza, ele lutará pela igualdade de direitos entre gays e heterossexuais.

Michelle, que compareceu na noite da última quinta-feira (26) ao jantar de gala oferecido pelo Comitê Democrático Nacional de Liderança Gay e Lésbica, em Nova York, reafirmou o compromisso de seu marido em reformular políticas federais que, segundo ela, limitam os direitos dos homossexuais.

"Barack acredita que nós devamos lutar para reverter leis discriminatórias como a DOMA (Defence of Marriage Act) e a Don't Ask Don't Tell", disse.

A lei DOMA permite que governo federal e estados americanos ignorem as uniões gays, ainda que sejam reconhecidas em seus estados. A Lei Don't Ask, Don't Tell permite que gays e lésbicas sirvam o as Forças Armadas desde que não sejam assumidos.

Fonte: http://mixbrasil.uol.com.br/mp/upload/noticia/11_101_67529.shtml

Anônimo disse...

Ué! E o que os gays brasileiros sabem de política americana? Julio: mandar um comentário de um sítio homossexual brasileiro não quer dizer nada, pelo contrário: É mais uma tático gay para confundir o brasileiro mal informado.

Barack Obama é fruto da estranha política americana, e como tal, vai fazer o que se tem feito desde o fim da Segunda Guerra: Confundir a cabeça de todos, mais no fundo não muda absolutamente nada.

OBS: 80% da mídia americana é dominada por judeus - só não ver quem não quer -, e essa mídia é quem controla todo os EUA.

El Misionero Matsuura Junichiro disse...

Barack Hussein Obama. Um endemoninhado-filho-do-capeta disfarçado de "cristão". Mais um!!!!

Será que ele é primo do Saddam Hussein????