15 de agosto de 2008

Vacinação em massa no Brasil levanta suspeitas de programa velado de esterilização

Vacinação em massa no Brasil levanta suspeitas de programa velado de esterilização

Matthew Cullinan Hoffman

LifeSiteNews.com, 14 de agosto de 2008 — O início de um programa compulsório de vacinação em massa no Brasil está levantando suspeitas entre ativistas pró-vida internacionais, que notam que o programa é semelhante a outros em anos recentes que incluíam um agente esterilizante oculto nas vacinas.

A campanha, que começou na semana passada pelo Ministro da Saúde pró-aborto do Brasil, José Gomes Temporão, afirma que sua meta é aniquilar a rubéola na nação sul-americana.

Temporão, que tem gasto energia considerável para legalizar o aborto, afirma que está preocupado com o fato de que 17 crianças brasileiras anualmente sofrem defeitos congênitos da doença, numa nação de mais de 180 milhões de pessoas. A rubéola normalmente é pouco mais do que um incômodo para os que a contraem, com sintomas que desaparecem em questão de dias ou semanas.

Embora o número de crianças afetadas pela Síndrome Congênita da Rubéola (SCR) seja per capita menos do que o número de crianças atingidas na Inglaterra e na Austrália na década de 1990, Temporão está liderando um programa compulsório para vacinar 70 milhões de brasileiros, o que tornaria tal vacinação a maior da história.

Adolfo Castañeda, de Vida Humana Internacional, observa que apenas dois anos atrás, pesquisadores constataram que a vacina da rubéola usada numa campanha semelhante na Argentina estava contaminada com o hormônio Gonadotropina Coriônica Humana (HCG), um hormônio da gravidez que é necessário para que um zigoto que acabou de ser concebido se implante na parede uterina depois da concepção.

Quando recebe o HCG numa vacina, o corpo o percebe como um intruso e cria anticorpos que lutam contra a presença do hormônio no corpo. A reação imunológica do corpo se volta contra a gravidez, provocando abortos quando ocorre a concepção.

“Em 2006, houve na Argentina uma campanha semelhante ao programa atual do Brasil”, Castañeda escreveu num recente boletim de VHI. “Constatou-se a presença do HCG em várias amostras da vacina usada contra a rubéola. A suspeita que ocasionou a investigação foi iniciada pelo fato de que havia muito poucos casos da doença na Argentina. Esses casos não mereciam uma campanha de grande escala”.

Castañeda também nota que a faixa etária das mulheres alvos da campanha é a mesma ou semelhante a outros programas que, conforme foi comprovado, incluíam agentes esterilizantes nas vacinas.

“A idade das pessoas que serão vacinadas é 12 a 49 anos para as mulheres (idade reprodutiva), e entre 12 e 39 anos para os homens”, escreveu ele. “As idades para as mulheres são as mesmas idades para aquelas que receberam as vacinas na Nicarágua, onde incluíam um hormônio que esteriliza a mulher que o recebe, e semelhante à idade daquelas que receberam outro hormônio esterilizante nas Filipinas”.

Aliás, conforme observa o governo australiano em sua revista, Communicable Diseases Intelligence, crianças pequenas são o principal condutor da doença. Portanto, programas de elevada eficácia nos EUA e Austrália fazem esse grupo de alvo (http://www.health.gov.au/internet/main/publishing.nsf/content/cda-pubs-cdi-1999-cdi2308-cdi2308a.htm). Contudo, o governo brasileiro está ignorando as crianças e está fazendo de alvo as mulheres em idade reprodutiva.

O ativista pró-vida brasileiro Julio Severo, que está escondido do governo por sua recusa de participar de programas compulsórios de vacinação, observa que, estranhamente, até mesmo aqueles que já receberam a vacina, ou que já tiveram rubéola (assim garantindo imunidade) serão forçados pelo governo a receber a vacina durante a campanha atual.

“Se o objetivo da campanha é realmente eliminar a rubéola, então por que vacinar quem já foi vacinado?”, pergunta ele em seu blog, Last Days Watchman. “Por que obrigar a vacinação de quem já teve a doença? É fato mais que comprovado que a pessoa que já teve rubéola nunca mais a terá.”

Severo diz que a campanha está buscando achar pessoas onde quer que se reúnam ou viajem, e não há opção, a não ser receber a vacina. Aliás, ele observa, o governo, num caso amplamente divulgado pela mídia, já tomou medidas criminais contra uma mulher porque seus filhos não receberam algumas das vacinas obrigatórias. Ela perdeu a guarda dos filhos, e os colegas de trabalho dela que sabiam da situação e não a denunciaram foram condenados pela justiça. O caso dela foi mostrado na TV como exemplo para os que poderiam querer resistir à campanha do governo para vaciná-los a força.

Ele também aponta que as mesmas agências internacionais que estão por trás da atual vacinação no Brasil estão envolvidas na pesquisa de vacinas esterilizantes há décadas, e avisa que não dá para se confiar nesses mesmos grupos, que são dedicados ao aborto e controle populacional.

“Nas campanhas de vacinação em massa na Argentina, Nigéria, Filipinas e outros países, o UNICEF mostrou que sabe aliar as piores intenções com as aparências mais angelicais”, escreve Severo. “No Brasil, temos o compromisso de Temporão de que a campanha de vacinação em massa é apenas para proteger bebês e ajudar as famílias”.

Links relacionados:

O que está por trás da campanha “Brasil Livre da Rubéola”?

http://juliosevero.blogspot.com/2008/08/o-que-est-por-trs-da-campanha-brasil.html

What is behind the campaign "Brazil Free of Rubella"?
http://lastdayswatchman.blogspot.com/2008/08/what-is-behind-...

HLI Report on Sterilizing Vaccines
http://educate-yourself.org/vcd/vcdvaccineslacedwithbirthcon...

Related LifeSiteNews Coverage:

UNICEF Nigerian Polio Vaccine Contaminated with Sterilizing Agents Scientist Finds
http://www.lifesitenews.com/ldn/2004/mar/04031101.html

NEW WORLD HEALTH ORGANIZATION CHIEF INVOLVED IN POPULATION CONTROL VACCINE SCANDAL
http://www.lifesitenews.com/ldn/2003/jan/03013003.html

UNICEF's Other Agendas
Popular Children's Aid Agency at Odds With Conservative Religious Groups for Embracing Politically Correct U.N. Viewpoints
http://www.lifesitenews.com/ldn/2002/oct/021030a.html

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: LifeSiteNews

16 comentários :

Anônimo disse...

Em homens tb o efeito é o mesmo? Pq minha esposa não tomou e não vai tomar! Mas eu ingenuamente tomei.
Atenciosamente

Vitor Grando disse...

Caro Júlio,

Entendo sua preocupação, mas não seria especulação demais isso?

Será possível analisar o conteúdo das vacinas para se tentar comprovar a presença do agente esterilizante?

Confesso que fico em cima do muro...

Julio Severo disse...

Caro Vitor, este artigo não se propõe a dar provas científicas da presença ou não de agentes esterilizantes nas vacinas, mas a mostrar as suspeitas, com evidência de outras fontes confiáveis. Veja aqui especialmente meu artigo: http://juliosevero.blogspot.com/2008/08/o-que-est-por-trs-da-campanha-brasil.html

Mesmo que não descobrissem nenhum agente esterilizante nas vacinas, você não ficou desconfiado das muitas incoerências da campanha de vacinação? Há outros fatos que ainda vou tratar em outros artigos. Isso é só o começo.

Agnaldo - SP - capital disse...

Tudo bem Júlio?
Infelizmente vindo desse governo , podemos esperar qualquer coisa.
É no mínimo estranho que o governo queira erradicar uma doença, sendo que não há nenhuma epidemia.
Até minha namorada que teve essa doença ia tomar vacina, mas depois de ler isto, não vai mais tomar.

Fica com DEUS
Agnaldo

bebeto_maya disse...

A minha dica é: Se for obrigado, por questões de emprego ou burocráticas, vacine-se numa clínica particular. As vacinas das clínicas são menos reativas e, por medo de processos,elas não fornecem medicamentos defeituosos.

Leandro Teles Rocha disse...

Eu também tomei a vacina achando que era para combater a doença... estranhamente, foi escrito no meu cartão de vacinação que a vacina era para dois tipos de vírus. Se for mesmo verdade o objetivo do PT em esterelizar 1 terço da população brasileira, irei processar o Governo Federal por danos morais e escreverei cartas para jornalistas estrangeiros, para as Nações Unidas e para organizações internacionais.

Toth disse...

Sugiro que as pessoas da sociedade consciente não fiquem inertes nem mudas diante dessa clara violação aos direitos humanos patrocinada pelo governo brasileiro.
Os brasileiros de boa índole, a população ordeira desse país não pode ser encaminhada ao abatedouro comunista dessa forma. Não podem se ajoelhar e se prostrar como se fossem ovelinhas. Deus não gosta de covardes ! É preciso agir antes que ocorra um genocídeo no Brasil. Basta consultar a história do movimento comunista para constatar que a morte é uma constante por onde quer que essa gente passe.
Já não chega o escandaloso envolvimento do presidente da república e do seu partido com as FARC comprovado com ampla documentação e agora mais essa. O que as pessoas sãs desse país estão esperando para reagir?
É preciso se mobilizar para entrar com uma ação responsabilizando Lula e o seu partido por essas violações aos direitos humanos. Isso é o mínimo que pode ser feito, para começar. Precisamos reagir antes que seja tarde. Estão querendo nos levar para o abatedouro comunista. Só vai quem aceita uma coisa dessas. Informação, tenho certeza, não falta para reagir.

Marcos disse...

Julio

Conversando hoje sobre uma mulher sobre a chefe dessa campanha aqui na cidade vi ela um pouco alterada quando eu perguntava para ela sobre porque tanta vacinação agora, levantei uma certa desconfiança mais concordei com ela para ela poder se acalmar
você poderia me enviar algumas perguntas para eu perguntar para ela?
Ja que além de medica ela e a chefe dessa campanha aqui na cidade? e mais tarde eu te respondo por e-mail pode ser?

Julio Severo disse...

Prezado Marcos, você pode ler o artigo e formular perguntas. E há muitas perguntas para serem feitas. Tipicamente, o Estado e seus agentes não gostam nunca de ser questionados. Mas somos cidadãos, pagamos o sustento de um Estado improdutivo e temos todo direito de cobrar explicações. É nosso direito, e não precisamos nos envergonhar de exercê-lo.

Anônimo disse...

caro julio, boa noite.
vc poderia me explicar melhor esse trecho?
"O ativista pró-vida brasileiro Julio Severo, que está escondido do governo por sua recusa de participar de programas compulsórios de vacinação, observa que, estranhamente, até mesmo aqueles que já receberam a vacina, ou que já tiveram rubéola (assim garantindo imunidade) serão forçados pelo governo a receber a vacina durante a campanha atual."
minhas dúvidas:
1) como assim, porque vc está escondido??? se o programa é compulsório???
2) como seremos FORÇADOS a receber vacina?
sou profissional, mãe, cidadã. não acredito em vacina há muito tempo, há muitos anos.
essa notícia me parece fantasiosa demais, mas a essa altura do campeonato, nada mais me surpreende!
mas queria realmente entender como vc acha q um governo pode forçar um cidadão a tomar parte de uma campanha compulsória.
3) moro em sp, sou relativamente bem-informada. mas não vi esse caso alardeado da mulher q perdeu a guarda dos filhos... vc poderia me passar algum link dessa notícia?
minhas perguntas são motivadas pelo desejo de informação, nada além disso.
grata desde já,
abs,
ana b.

Julio Severo disse...

Olá, Ana! Respondendo às suas perguntas:

1. Lendo a resposta 3 vc entenderá minha situação.

2. Uma lei federal estipula que as vacinações recomendadas são obrigatórias. É só uma questão de tempo até que as pessoas venham a notar que não terão mais a liberdade de evitá-las.

3. O caso da mulher que perdeu a guarda dos filhos exclusivamente porque não estava em dia com a carteira de vacinação deles foi divulgado ao Brasil inteiro pelo Fantástico, da espalhafatosa Globo. Veja aqui: http://fantastico.globo.com/Jornalismo/Fantastico/0,,AA1685844-4005,00.html

O BERRO da Formiga disse...

Olá Júlio;
Ao ler seu post concordei: há muitos postos suspeitos.
Porém, acabo de me deparar com uma noticia do ano passado(Jun/07) na folha < http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u301747.shtml > que diz que no Rio havia uma epidemia de rubéola com 1.500 casos confirmados, enquanto que sua matéria diz apenas que os casos caíram de 30 mil em 1997 para 326 em 2005.
Você tinha conhecimento disso?
Abração

Julio Severo disse...

Olá! Os dados postados no meu artigo foram extraídos diretamente de site da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Não sei o que o motivo dessa discrepância numérica, mas deve-se estar consciente de que o inchamento ou manipulação de estatísticas, seja lá por quais motivos forem, beneficiam as indústrias farmaêuticas que lucram com a vacinação. Essas indústrias seriam capazes de fazer negócios até com o diabo para vender mais. Do contrário, como justificar tantos gastos contra uma doença medicamente considerada benigna? Sobre os casos raríssimos de bebês com problemas, vc tem muito mais chance de morrer de acidente de avião do que ter um caso desses em sua família. Seja como for, as indústrias farmacêuticas sempre agradecem, pois é com nosso dinheiro que elas enchem os bolsos.

Anônimo disse...

Olá a todos.
Não é minha intenção fazer propaganda de outro blog.
mas este outro tbm diz respeito ao assunto e podemos tirar conclusões a respeito.
http://januacoeli.wordpress.com/2008/08/27/o-misterio-das-vacinas/

Leiam como foi escrito, um senso crítico e sentido aguçado, com ctza vai acusar q nao eh mentira.

Li disse...

Olá,
Não sei se pode me ajudar, mas gostaria de saber se o efeito da vacina só ocorre nas mulheres ou pode também acontecer nos homens.
Pois o meu noivo se vacinou mas eu não, e nem vou.

Se puder ajudar fico grata!
Aline.

Ceomar disse...

Caro amigo Júlio, parabéns pela coragem...inocentemente, eu tomei a vacina...Agora ficarei atento...E quando lembro que votei nesse governo socialista...fico com vergonha....