10 de maio de 2008

Racismo nas igrejas evangélicas negras dos EUA

Racismo nas igrejas evangélicas negras dos EUA

Rev. Jesse Lee Peterson

Em minha coluna recente “Racismo do púlpito leva os negros à destruição”, lidei com o racismo vindo de muitos pregadores negros.

As pregações cheias de ódio antiamericano do Rev. Jeremiah Wright Jr e outros lobos vestidos em pele de ovelhas foram desmascaradas. Contudo, ainda existe uma doença não mencionada infectando as igrejas evangélicas negras dos EUA — o racismo entre os membros.

Então, por que é que tantos “cristãos” negros seguem pregadores falsos e racistas?

As igrejas negras costumavam ser o alicerce principal das comunidades negras. A fé em Deus ajudava os negros americanos a suportar a escravidão e as leis injustas e discriminatórias.

Mas durante os últimos 40 anos, as igrejas negras sofreram uma metamorfose. Os programas sociais do governo introduzidos na década de 1960 por políticos democratas liberais seduziram os homens negros, levando-os a confiar mais nos “programas” do que em Deus.

Os homens negros foram enganados e levados a deixar seus lares a fim de que as mulheres e crianças recebessem assistência do governo. Como conseqüência, a fibra moral do homem que partiu e da família abandonada foi enfraquecida.

Enquanto isso, os programas assistenciais do governo deram às mulheres negras um falso senso de poder e independência. Ela sentia como se não mais precisasse de um marido para prover.

A ausência do pai deixou um vácuo e criou uma fenda entre homens e mulheres negros. A fraqueza do homem negro nessa área fez com que ele fosse alvo de zombaria.

O ressentimento da mulher pelo pai ausente foi repassado aos filhos. E o governo e os pregadores negros entraram nesse ciclo de disfunção para se tornarem o “papai” da família.

Os pregadores negros corruptos e vorazes são como lobos devoradores que devoram a alma de seus membros a fim de poderem construir igrejas mais extravagantes e adquirirem mais riquezas.

Vendo a hipocrisia e o mal nas igrejas, muitos homens decentes saíram — do jeito que haviam abandonado suas famílias. Sem a liderança de homens justos e tementes a Deus, as congregações eram fracas e suscetíveis a pregadores corruptos. Quanto mais fracas se tornavam, mas procuravam bodes expiatórios (por exemplo, o perverso “homem branco”) para justificar seus próprios fracassos.

Tudo o que precisamos fazer é olhar para a Igreja Trindade do Rev. Wright e muitas outras igrejas para ver essa mentira sendo encenada.

Os falsos pregadores negros estão mais que felizes de reforçar a idéia do homem branco como bode expiatório. As pregações deles tornam a congregação mais irada e revoltada. E quanto mais iradas se tornam, mais fácil é para os pastores as controlarem.

Desde o êxodo dos homens, os pregadores negros modificaram suas mensagens para manipular o ego das mulheres.

O Bispo T.D. Jakes, por exemplo, construiu um império ao mirar as necessidades emocionais das mulheres. Seus livros populares incluem “Loose That Man & Let Him Go” (Libere esse homem e deixe que ele se vá) e “The Lady, Her Lover, Her Lord” (A dama, seu amante, seu Senhor).

Pior, Jakes vem autorizando mulheres a assumir posições de liderança dentro da igreja, apesar de admoestações bíblicas claras contra isso. A “profetisa” Juanita Bynum é uma das que dão a Jakes crédito por seu sucesso.

Bynum é uma famosa evangelista cujo estilo vigoroso e emocional apela para muitas mulheres negras que freqüentam igrejas. Ela se gaba de ser durona, declarando para uma audiência de mulheres que elas deveriam ser como “buldogues” e como “a máfia”. Contudo, no ano passado, ela afirmou ter sido agredida pelo marido separado, o Bispo Thomas Weeks III. Ela então apareceu num programa secular de TV chorando e anunciando que Deus a chamou para ser a “face do abuso doméstico”!

Bem no fundo, Jakes e Bynum devem saber que isso nada tem a ver com ordem de Deus. O orgulho deles tornou-lhes fácil aceitar a mentira de que eles estão fazendo a obra de Deus.

A crescente feminização da igreja vem mais ainda enfraquecendo os evangélicos negros americanos, permitindo que o racismo os mantenha firmemente presos. Como conseqüência, a maioria dos “cristãos” negros está hoje convencida de que Jesus era negro.

O Rev. Cecil “Chip” Murray (aposentado), da Igreja A.M.E. em Los Angeles e outros financiaram “The Color of the Cross” (A cor da cruz), um filme que teve como premissa a idéia de que Jesus foi um homem negro assassinado por europeus como resultado direto de “racismo”.

Indivíduos como o Rev. Murray e o Rev. Wright odeiam os homens brancos tanto que se Jesus realmente fosse branco, eles o negariam no ato. Essa obsessão com raça infiltrou as igrejas evangélicas negras ao ponto onde muitas igrejas hoje celebram, no lugar do Natal cristão, um feriado ímpio falsificado chamado Kwanzaa.

É anormal quando qualquer homem tem um líder acima de Deus e Cristo. Mas a falta de fé de muitos negros americanos os está levando a buscar o “amor” (escravidão) de um líder.

A Bíblia fala de um período no antigo Israel quando o povo de Deus não tinha nenhum rei e “cada um fazia o que parecia reto aos seus olhos”. (Juízes 21:25)

À medida que ficava mais corrompida, a população exigia um líder como a população negra hoje exige. Saul se tornou o rei deles, mas seguiu a vontade da nação corrupta acima da vontade de seu Criador.

O retorno dos negros americanos para Deus ocorrerá do mesmo jeito que ocorreu com os israelitas do passado. Eles precisam perdoar e abandonar seus pecados e líderes corruptos. Homens e mulheres livres não precisam de líderes humanos porque quando um povo é perdoado, curado no coração e liberto na mente, eles têm a capacidade de ver claramente o caminho à frente.

O Rev. Jesse Lee Peterson é fundador e presidente da entidade BOND, e autor do livro “The Seven Guaranteed Steps To Spiritual, Family, and Financial Success”. Ele é apresentador do programa “The Jesse Lee Peterson Radio Show”. Para mais informações, visite o site: www.bondinfo.org

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: WND

3 comentários :

rodolpho villas boas neto disse...

a culpa é daquele reverendo que anda com o barack obama

Anônimo disse...

A culpa é dos evangélicos, tapados acreditam em tudo que um idiota que se diz homem de Deus fala.
Eta povinho burro!

Anônimo disse...

Eta Negões Racistas!