24 de maio de 2008

Ponderações e gratidão a Jesus Cristo

Ponderações e gratidão a Jesus Cristo

“Deus é bom e eu estou contente e agradecido”

Julio Severo

“O mundo ficaria melhor sem Israel?” Os nazistas e neonazistas, com o apoio da vasta maioria dos muçulmanos, responderiam que sim. Com a desinformação dominante hoje da mídia esquerdista, provavelmente a maioria do público poderia dar a mesma resposta.

Entretanto, a realidade é que nenhum povo sofreu tanto ódio irracional quanto os judeus. Sobre eles estão as promessas do Deus de Abraão, Isaque e Jacó. E sobre eles, igualmente, estão os olhares de desprezo de milhões que desconhecem ou rejeitam os interesses de Deus.

Mesmo em nossa época, que aparenta abominar tanto o preconceito, os preconceitos contra os judeus e contra os cristãos fiéis à Bíblia estão aumentando.

Comentando o aniversário de 60 anos de Israel, o ativista gay Tony Goes disse: “Hoje a criação de Israel faz 60 anos, e eu me atrevo a perguntar: será que foi uma boa idéia? É inegável o sucesso da sociedade israelense, que em tão pouco tempo transformou o que era pouco mais do que uma nesga de deserto num país democrático com padrão de vida europeu (e homens lindos, hehe). Mas será que o mundo não estaria um tiquinho mais tranqüilo sem esse foco permanente de discórdia no Oriente Médio?”

Coincidência ou não, o indivíduo mais preconceituoso contra os judeus — que acabou se tornando o maior assassino de judeus do mundo — também era homossexual.

Já pensou se um cristão dissesse: “Será que Israel foi uma boa idéia?” “Será que o mundo não estaria um tiquinho mais tranqüilo sem esse foco permanente de discórdia no Oriente Médio?” Os defensores do Estado laico-louco não perderiam tempo em rotulá-lo de anti-semita ou nazista.

O mesmo Goes declarou num site homossexual: “O que eu mais gosto é o look do Julio Severo: ele quer ser Jesus Cristo. Vamos realizar seu sonho e crucificá-lo, gente!” Nenhum militante pró-Estado laico, pró-aborto e pró-homossexualismo pôs a cara para fora para dizer que o ativista gay foi preconceituoso contra Israel ou contra um cristão que crê que a única sexualidade aceitável e normal é o sexo diferencial, natural e complementar homem/mulher. As declarações dos militantes socialistas, gays e abortistas, por maiores que sejam em escândalos, sempre recebem cobertura e tratamento especial. Linchamentos de camaradas são terminantemente proibidos na mídia liberal. Mesmo quando uma declaração socialista, gay e abortista é patentemente e inegavelmente criminosa, a reação da mídia liberal é uma condenação suave, bondosa e inócua.

Contudo, o líder do movimento homossexual do Brasil foi mais longe, ao fazer uma tentativa de postar meu endereço residencial para todos na Internet. Fica, evidentemente, bem mais fácil crucificar ou intimidar alguém quando se tem seu endereço residencial, não é mesmo?

Já pensou se um cristão usasse semelhante baixaria e ameaças veladas contra um homossexual, desabafando o desejo de crucificá-lo ou postando publicamente seu endereço residencial? O patrulhamento ideológico gritaria imediatamente: “Criminoso homofóbico à vista! Exigimos a intervenção enérgica do Estado e das autoridades policiais! Cadeia para ele!” Ouso supor que o governo Lula, com sua hostil e bem financiada tropa anti-“homofobia” de plantão permanente, jamais perdoaria tal ataque por parte de um cristão. As declarações dos cristãos, por mínimos deslizes que tragam, são prontamente condenadas e seus autores são atirados à cova dos leões liberais e estatais ou a um linchamento midiático.

Não é sem razão, pois, que os radicais militantes homossexuais exigem o direito legal de serem considerados minoria. Assim, eles terão carta branca estatal para cometer “deslizes” à vontade! Eles poderão tratar os cristãos e seus valores exatamente do jeito que os socialistas e liberais querem — pisoteando toda idéia e opinião bíblica que não tem a aprovação das novas imposições sociais.

Esses são apenas três exemplos das contradições da filosofia politicamente correta, onde presumidos preconceitos são combatidos e reais preconceitos são nutridos, onde preconceitos descaradamente anticristãos são protegidos pelo Estado laico-louco e onde opiniões contrárias ao vício homossexual serão tratadas como “crime” de preconceito, com punições estatais que serão tão rigorosas quanto penalidades para estupros ou assassinatos, se forem aprovadas as ambicionadas leis anti-“homofobia”.

Contrariando completamente a mídia esquerdista e o governo socialista de Lula, eu, como seguidor de Jesus Cristo, sou grande defensor de Israel. O nascimento de Israel foi uma idéia excelente, porque veio do coração de Deus. Aliás, meu Mestre Jesus Cristo nasceu em Israel e sempre foi judeu. Assim, Israel sempre tem um lugar especial no meu coração. Uma pessoa preconceituosa jamais teria tal amor por Israel.

Como seguidor de Jesus Cristo, sou também grande defensor dos homossexuais que querem mudar de vida e acredito no Evangelho que traz cura, libertação e salvação para todos os pecadores, até mesmo para os homossexuais que querem ver os cristãos crucificados. Uma pessoa preconceituosa não se importaria com a libertação de homens e mulheres da escravidão homossexual.

Minha missão, como simples servo de Jesus Cristo, é buscar acima de tudo o Reino de Deus e sua justiça e orar incessantemente para que “venha o Reino de Deus e seja feita a vontade de Deus na terra, como ocorre no céu”.

Os governos humanos estão se afastando cada vez mais dos valores e princípios dAquele que criou o mundo, onde eles dominam com tanta perversidade, arrogância, mentira e injustiça, desapontando e arruinando milhões de vidas e se esquecendo de que o mundo onde eles habitam não pertence a eles, mas a Deus. Contudo, o Governo de Jesus Cristo não desaponta ninguém.

Vale a pena ser cidadão desse Governo incomparável! Sinto alegria de ser cidadão do Governo de Jesus Cristo!

Por causa da oração e intercessão de muitos seguidores de Jesus Cristo, tenho tido muitas oportunidades de falar o que Deus tem posto no meu coração. Tenho sido citado ou entrevistado em recentes edições das revistas Comunhão, Casal Feliz, Rio Grande Gospel, Revista Cristã e até mesmo uma revista secular de educação, sem mencionar um número significativo de blogs e sites, inclusive nos Estados Unidos, Canadá, Polônia e até Gana, na África! A revista Irmãos Em Ação, dos menonitas, publicou em sua edição de março de 2008 meu artigo “Defendendo a Responsabilidade da Família na Educação dos Filhos”. É com o coração grato a Deus que pondero essas oportunidades. Contudo, com ou sem revistas, continuarei glorificando o Senhor Jesus.

Pondero também a experiência interessante que ocorreu ontem. Eu tinha uma entrevista marcada numa conhecida FM Gospel da Renascer numa das grandes capitais do Brasil. Antes de me dirigir à rádio, soube providencialmente que Marta Suplicy havia subido ao palco da Marcha para Jesus para se dirigir à multidão de evangélicos em São Paulo.

É de assustar, não? Sendo autora do primeiro projeto de lei de “casamento” gay do Brasil e defensora de causas de aborto e homossexualismo, Marta não tinha direito algum de se dirigir a um público de ovelhas evangélicas. Seu único direito e necessidade é estar na igreja para receber oração de libertação, não para falar de suas idéias mascaradas. Sua presença destacada na Marcha para Jesus ocorreu por convite descuidado do Bispo José Bruno, líder da Renascer e deputado estadual de São Paulo.

Graças a Deus, a fala da Jezabel do Brasil foi interrompida por vaias.

Quanto a mim, na entrevista à radio falei sobre educação escolar em casa, aborto, pesquisas com células-tronco, projetos anti-homofobia e, no final, o apresentador perguntou a quem eu queria dirigir meu abraço. Aproveitando a oportunidade dada por Deus, respondi:

“Dirijo meu abraço para todos os evangélicos da Marcha para Jesus que vaiaram Marta Suplicy!”

As vaias não foram dirigidas a Marta pelo fato de ela ser mulher ou ser humano, mas exclusivamente pelos seus valores pervertidos.

Deus usou poderosamente o programa de rádio da Renascer, onde não poupei elogios aos evangélicos corajosos que rejeitaram a fala de uma das esquerdistas que mais combatem a família e nossos valores no mundo político.

Que a atual liderança evangélica, que se alia aos corruptos e se acovarda diante da verdade, seja substituída pelos pequeninos que não têm medo de enfrentar os gigantes em nome do Senhor dos Exércitos.

Fonte: www.juliosevero.com

Postar um comentário