29 de maio de 2008

O vermelho e o negro

O vermelho e o negro

Edson Camargo

Tenho tentado evitar escrever sobre as asneiras e idéias criminosas da esquerda e da versão gospel de seus cúmplices: os tais “evangélicos progressistas”, “cristão de esquerda”, “socialistas cristãos” e afins. Quem se alinha com terroristas, narcotraficantes, teóricos e escritores que legitimam o uso da violência, da falsificação histórica, da segregação classista, do aborto e das matanças institucionalizadas que alguns paspalhos ainda teimam em dizer que “aquilo não é o socialismo real”, será o quê, senão cúmplice?

Pois bem, novamente vou eu escrever sobre essa gente. A resenha do romance Le Rouge et le Noir, de Stendhal, fica para outro dia, até porque, ao contrário de muitos de nossos sabidões da nossa mídia anticristã, não escrevo sobre o que desconheço. Mas conheço bem esquerdistas e politicamente corretos, e alguns desses agora me aparecem afirmando que “os negros evangélicos” (sim, eles gostam de falar por todos, pelo povo, por mais que você, amigo negro, não os subscreva. “Democráticos”, não?) EXIGEM um “pedido de perdão por parte das igrejas históricas”. E claro que a revista Ultimato prontamente se fez de megafone para a ladainha dos ressentidos. Jesus mandou seus discípulos perdoarem 490 vezes o irmão ofensor num único dia. Já a “esquerda evangélica” prefere desenterrar agressões de mais de um século atrás e chegar ao limite ridículo e vulgar da sanha acusadora e auto-vitimizatória: exigir um pedido de perdão daqueles que são, em grande parte, os responsáveis pela libertação de suas próprias vidas de uma escravidão muito pior: a do pecado, a das trevas, a do príncipe deste mundo, Satanás.

É lógico que deve haver negros evangélicos que caem nessa lorota que só serve para jogar irmãos contra irmãos, e, com o frisson gerado, enfiar outras tantas esquerdices na cabeça dos evangélicos brasileiros. Burrice não tem cor nem preferência por quantidades específicas de melanina. A esses eu recomendaria a leitura de artigos dos negros Walter Williams e de Thomas Sowell, que, não sendo evangélico, sabe dos estragos causados pela agenda politicamente correta e o quanto é descabido o clichê “a culpa é do homem branco”.

Graças à hegemonia cultural conquistada pelos fãs de Fidel, Lênin e Guevara no Brasil, os evangélicos brasileiros têm cada vez mais dificuldades em pensar em política e cultura em termos bíblicos e livres de ranços ditos “progressistas”. Se a igreja brasileira não despertar e não se posicionar, não só continuará vendo alguns de seus segmentos serem feitos de idiotas por parte de inimigos declarados da fé cristã, como acabará por ver-se reduzida à irrelevância cultural, política e espiritual: o objetivo confesso de teóricos comunistas como Antonio Gramsci, mentor da estratégia da revolução cultural, e Giörgy Lukacs, que via a cosmovisão judaico-cristã como o principal obstáculo ao sucesso de sua mórbida ideologia.

A corrupção e a apostasia começam pelos detalhes, pelos aspectos considerados periféricos, pelos “pontos menores”. Mas o desgaste que a infiltração esquerdista já gerou à igreja brasileira, sobretudo no que concerne ao zelo pela “sã doutrina”, é de difícil mensuração, por ser gigantesco. Que o Senhor levante, em todos os cantos desse Brasil de muitas misturas, homens e mulheres prontos a desmascarar essas ideologias diabólicas forjadas por racistas confessos como Karl Marx, e reafirmem com toda a coragem que “em Cristo, não há bárbaro ou cita, judeu ou grego, circunciso ou incircunciso, mas Cristo é tudo em todos”.

Fonte: Profeta Urbano

Divulgação: www.juliosevero.com

Um comentário :

Anônimo disse...

Graça e Paz do Senhor. Concordo totalmente. Eu sempre estranhava o fato da ideologia de esquerda defender a tomada do poder por meio de revolução.Não entendia o porquê dos governos de esquerda serem tolerantes com a imoralidade sexual; amarem a defesa dos "direitos humanos", para os criminosos mais vis e sanguinários;defenderem a crença na inexistência de Deus; lutarem por aprovar leis de cunho feminista; incitar o ódio racista, e outras idéias bizarras. Depois percebi o"canto da sereia" do socialismo que, após atrair os incautos, os faz vítimas fatais de sua crueldade. Infelizmente, no Brasil, vivemos sob um governo abominável e sórdido: ele encobre suas reais intenções à população ingênua que acaba engolindo as "bolotas de porcos" do Estado. Eu trabalho no Judiciário e digo aos meus irmãos: não há justiça neste País! Nossas leis são as mais injustas e absurdas do mundo. Digo isso sem medo de estar sendo radical. Esta aberração deve-se muito à influência socialista na elaboração da Constituição Federal, onde , em sua maioria, os deputados constituintes legislaram e criaram algo tão importante como uma Constituição de um país, como se estivessem legislando para presos políticos e terroristas de esquerda, pois muitos deputados como José Genoíno, Luís Inácio da Silva , etc, foram perseguidos pelos "diabólicos" militares- que salvaram a nação da fúria assasina de um governo comunista em 1964- e nos "presentearam" com leis que , em resumo, defendem os criminosos, imorais, pervertidos, assassinos e condenam as pessoas de bem a , se tiverem a desgraça de caírem nas mãos dete grupo implacável, padecerem sofrimentos, prisões e até mesmo a morte. Este é o "maravilhoso" socialismo que se solidificou no Brasil, após 1988, e teve sua continuidade com os governos Fernando Henrique e Lula.

Graça e Paz do Senhor Jesus, irmão Júlio!

Marcos
mafs95@uol.com.br