10 de abril de 2008

Xuxa e os pais que disciplinam

Xuxa e os pais que disciplinam

“Esse ‘direito’ de adulto bater em criança deveria ser cassado. É absurdo! É animal! É irracional! Vamos gritar juntos! Violência de pai, mãe e responsáveis contra criança não é educação, é crime” (trecho de carta da apresentadora Xuxa publicada no jornal O Globo).

Leitura recomendada: Xuxa e Lula lançam campanha contra pais e mães que disciplinam filhos

6 comentários :

antonio disse...

Existe uma grande diferença entre disciplina e violência.Mas quem è Xuxa para falar sobre isso.Pois ela mesmo através dos seus programas ensina indisciplina e a violência.

Jorge Nilson disse...

Quem lembra o que disse o então Ministro da Saude, José Serra, para que nenhuma adolescente seguisse o mau exemplo de Xuxa em relação a produção independente?
Quantos parceiros ela já teve? E Lula tem alguma moral para falar sobre família?
Vejamos: 1. É dele o projeto que incentiva um homem enfiar o sexo no anûs de outro homem.
2. É Lula que gasta milhões de reais dos nossos impostos favorecendo a perversão sexual do homossexualismo e ainda quer prender quem se opõem a essa malignidade.
Um presidente que fala mentira não tem moral para ensinar o que os pais devem fazer em relação aos filhos. Quanto a Xuxa, a relação dela com Globo, nos lembra aquele ditado popular: Quem se mistura com os porcos, farelo come.

Eduardo Araújo disse...

Faço coro com o Antônio e pergunto: quem é Xuxa para falar sobre disciplina e "violência" de pais contra filhos?

Convém recordar que a apresentadora, no auge do sucesso midiático, formando opiniões e forjando mentalidades distorcidas em crianças e adolescentes (exemplo: a erotização presente no seu programa infantil), trazia a público com toda a carga possível uma intriga de longa data com o próprio pai, inclusive recusando em pleno ar as desculpas do progenitor.

Xuxa é diretamente responsável pela construção de uma geração que banalizou não o sexo, já há muito banalizado, mas o próprio relacionamento entre homem e mulher, mandando às favas o sentido de compromisso, a cumplicidade mutua do casal e, principalmente, o envolvimento amoroso como base indispensável de tal relacionamento.

Xuxa, por todo o seu comportamento e tudo que apresentou em público representa uma antítese dos valores mais caros da família e do amor entre pais e filhos, entre homens e mulheres.

Agora, a apresentadora vem num rompante insurgir-se contra o direito natural dos pais educarem os seus filhos, tratado por ela com o desdém que sempre caracterizou suas manifestações com respeito à tradição e aos verdadeiros valores da família. Coisas que ela parece desconhecer por completo: valores da família. Imagino que ela também deve achar absurdo o núcleo familiar dotado de pai e mãe a educarem seus filhos. Não bastaram os estragos que ela já fez?

Por último, sobre direito de adulto bater em criança, vale lembrar que a Xuxa já fez isso no programa infantil que tinha na Tv Manchete, antes de ir para a Globo. Sem falar da violência verbal que ela mais de uma vez usou contra as crianças.

Elaine disse...

Em 1982, Xuxa participa de uma cena sexual com um garoto de 12 anos no filme "Amor Estranho Amor".

Quer dizer, sexo com crianças "em nome da arte" pode.

Mas dar umas palmadas para educar seu(s) próprio(s) filho(s) é um ato criminoso.

A hipocrisia dessa escória é enojante.

Anônimo disse...

Xuxa é a pessoa mais sem moral para ensinar sobre a maneira correta de se educar um filho:

1. Protagonizou um filme erótico no qual se deita com um garoto de 12 anos; as atrizes Vera Fischer e Matilde Mastrangi tb participaram do longa.

2. Sua filha, Sasha, tem problemas de comportamento na escola em que estuda; a própria Xuxa foi advertida disso pela diretoria acerca do assunto. Deve ser uma garotinha mimada, cheia de vontades...

Lula tb é outro corrupto sem moral alguma para dizer como os pais devem ou não educar seus filhos.

Dois malditos, ambos se merecem.

Anônimo disse...

E ainda há boatos que a Xuxa há de fazer uma campanha contra pedofilia na internet... Hipocrisia é pouco.