22 de abril de 2008

O maior naufrágio do mundo


O maior naufrágio do mundo

O afundamento do Titanic e do Wilhelm Gustloff em perspectiva

Julio Severo
Mesmo com a sofisticada, rápida e elevada tecnologia de informação e notícias de hoje, o ser humano moderno tem dificuldade de enxergar ou reconhecer fatos comprovados.
Um desses fatos é que é impossível viver sem Deus e seus valores. Os nazistas tentaram, e colheram amargas e destrutivas conseqüências. Os comunistas tentaram, e fizeram e fazem a mesma colheita. Ambas as ideologias socialistas eram centralizadas no homem e baseadas na teoria da evolução, que destrona Deus e entroniza o homem, ou o macaco.
Sem Deus, a tragédia é certa. Na sua inauguração em 1912, o Titanic, que era o maior navio de sua época, foi saudado com as célebres palavras: “Nem Deus afunda este navio”.
Titanic
O navio afundou, produzindo o que é hoje apregoado como o maior afundamento da história moderna.
No entanto, essa não é a verdade toda. Houve uma tragédia muito maior.
O maior naufrágio do mundo ocorreu no inverno de 1945, bem no fim da 2ª Guerra Mundial.
Com o avanço do exército comunista soviético na região leste da Alemanha, milhões de civis alemães procuravam fugir das furiosas tropas vermelhas, que destruíam tudo, matavam e torturam, e estupravam todas as mulheres e meninas no caminho.
Quem podia, escapava. Assim, centenas de milhares de mulheres, crianças e feridos alemães tentavam fugir o mais rápido possível para zonas da Alemanha fora da esfera soviética. Os civis alemães estavam conscientes de que era sua única esperança de escapar do destino certo de morte, escravidão e estupros em massa nas mãos dos comunistas soviéticos. Os que não conseguiam fugir se tornavam vítimas totais dos caprichos e crueldades soviéticas, e as mulheres e meninas eram condenadas a torturas sexuais que durariam anos.
É nesse contexto de aniquilação de populações civis que o navio hospital Wilhelm Gustloff escapava da implacável invasão soviética carregando mais de 9 mil pessoas, a maioria mulheres e crianças. Na metade do caminho, em sua viagem desesperadora para alcançar a região ocidental da Alemanha, o navio civil se tornará o principal personagem do maior naufrágio silencioso da história.
Na escura e gélida noite de 30 de janeiro de 1945, o navio hospital é avistado por um submarino soviético, que dispara três torpedos, condenando milhares de mulheres e crianças à morte em águas de 10 graus abaixo de zero.
No naufrágio do Titanic, morreram 1.517 pessoas — um número considerado elevadíssimo.
Contudo, no afundamento do navio hospital Wilhelm Gustloff, morreram 9.343 pessoas.
Wilhelm Gustloff
A ideologia comunista soviética — que não cria em Deus e cultuava a teoria da evolução — matou a sangue frio uma multidão enorme de mulheres e crianças indefesas. O fato de que os soviéticos estavam em guerra contra o nazismo — que igualmente desprezava a Bíblia e cultuava a teoria da evolução — lhes dava o direito de matar inocentes?
Mas como disse Dostoyevsky, escritor russo antes da era comunista: “Sem Deus, tudo é possível”.
O desprezo a Deus na cultura da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas tornou possível que seus soldados não tivessem compaixão alguma por civis indefesos. O afundamento do navio hospital Wilhelm Gustloff traz inevitavelmente à lembrança de maneira acentuada o desrespeito aos direitos humanos mais básicos. A lembrança do Titanic poupa os socialistas dessa verdade incômoda.
Por isso, a insistência de se manter o afundamento do Titanic como o maior naufrágio do mundo parece ter o propósito exclusivo de acobertar o fato de que o verdadeiro e único maior naufrágio da história foi provocado pela covardia de homens movidos por uma ideologia sem Deus. A imagem do esquerdismo, comunismo e socialismo é assim protegida da brutalidade de suas ações. Nada aborrece tanto um esquerdista quanto a verdade.
A fim de suavizar a verdade terrível, historiadores esquerdistas costumam alegar que muitas das mulheres eram militares da SS — e possivelmente, as crianças eram militares SS mirins. (Possivelmente também, algum soviético pode ter testemunhado bebês armados de metralhadoras e granadas!) Outra desculpa era que o comandante do submarino soviético, com a escuridão da noite, não tinha como reconhecer que aquele enorme navio não tinha a aparência de navio de guerra. Supostamente, ele não tinha como saber que era um navio hospital carregando uma multidão de desesperados civis. Entretanto, sabe-se que em pleno dia os aviões soviéticos, ao avistarem multidões de civis alemães fugindo pelas estradas, as metralhavam como se tivessem competindo para ver quem derrubava o maior número de alvos. Aliás, até mesmo soldados ingleses e americanos, que eram prisioneiros de guerra dos nazistas no leste da Alemanha, não eram poupados de crueldades quando capturados pelo exército soviético.
A desumanidade comunista é muito bem conhecida. É por isso que durante o governo militar anticomunista no Brasil, os artistas e políticos que eram exilados não escolhiam viver em Cuba, União Soviética, Coréia do Norte ou outro paraíso socialista. Eles optavam por países capitalistas! Por exemplo, Fernando Henrique Cardoso escolheu exílio na França. Gilberto Gil, na Inglaterra. Para que se exilar numa favela socialista quando eles podiam optar pelo luxo capitalista?
Com a finalidade de não apavorar a população alemã com a divulgação de uma perda tão grande diante do avanço soviético, o próprio ditador nacional socialista Hitler ordenou que a imprensa alemã ficasse em silêncio sobre o afundamento do Wilhelm Gustloff. Os soviéticos nunca tentaram quebrar esse silêncio fazendo uma divulgação mundial em massa de seu grande feito de produzir um desastre pior do que o naufrágio do Titanic, pois as outras nações poderiam não ver como honra ou agradável o fato de que os soviéticos estavam alegres de afundar um navio que, além de não lhes representar perigo militar, estava resgatando refugiados civis desesperados.
Para alívio dos socialistas, o silêncio imposto por Hitler e a crença universal de que o Titanic foi o pior naufrágio do mundo mantêm o Wilhelm Gustloff e a covardia comunista nos porões do esquecimento da história mundial.
O navio hospital Wilhelm Gustloff, com seu carregamento enorme de mulheres e crianças, merecia ser propositadamente afundado? O que merecia esse afundamento era o nazismo e o comunismo. Embora o nazismo (que é a forma abreviada de nacional socialismo) tenha sido derrotado, o comunismo continuou sua marcha de sangue e destruição, condenando à escravidão, trevas e morte milhões de seres humanos, e muitas mentiras ligadas ao socialismo ainda não afundaram. Pelo contrário, toda forma de desinformação é usada para encobrir as covardias da ideologia comunista.
No Brasil, temos razões para dar preferência ao nome Titanic. É mais fácil de lembrar do que o complicado nome alemão Wilhelm Gustloff. Mas as razões dos simpatizantes da religião de Karl Marx são outras.
Tudo o que foi necessário para o Titanic ir a pique, com seus 1.517 passageiros, foi um enorme bloco de gelo, autor do acidente fatal. Tudo o que foi necessário para que o Wilhelm Gustloff  e seus 9.343 passageiros perecessem no mar foi um comandante soviético implacável de coração gélido, mulherengo, alcoólatra e que anos mais tarde acabaria indo para a prisão por roubo. Sendo educado em escolas ateístas do Estado laico soviético, ele é exemplo do que as idéias evolucionistas de Darwin e as idéias socialistas de Karl Marx fazem no coração, mente e alma de um homem. Sem Deus, todo tipo de mal se torna possível.
Pior do que o naufrágio do Titanic é o afundamento do Wilhelm Gustloff. E muito pior do que o afundamento do Wilhelm Gustloff é o naufrágio de sociedades inteiras nos abismos de destruição da camaleônica ideologia socialista.
Quer saber o resultado final de uma sociedade que é educada a desprezar a Bíblia e cultuar a teoria da evolução, destronando Deus e seus valores e entronizando Karl Marx, Hitler, Darwin ou outros homens e seus valores? Olhe para o que aconteceu com a Alemanha nazista e a extinta União Soviética: quando os seres humanos param de respeitar a Deus e passam a crer que vieram do macaco, eles se tornam piores do que os animais selvagens.
Versão em inglês deste artigo: World’s biggest shipwreck
Leitura recomendada:

7 comentários :

Aprendiz disse...

Julio

Peço sua permissão para reproduzir este artigo em meu blog. Grato pela sua atençao.

Julio Severo disse...

Pode reproduzir, Aprendiz. Só lhe peço, por gentileza, citar autoria e link do meu blog. Abcs!

David Gueiros disse...

Prezado Júlio Severo,
Grato a você, estamos agora sabendo da tragédia do navio Wilhem Gustloff. Mas não surpreende de maneira alguma, que essa história tenha sido "esquecida", como muitas outras semelhantes foram "esquecidas" e negadas pela esquerda internacional.
Quando estudava nos EUA, logo depois da Segunda Guerra, tive um colega de classe estoniano, chamado Arno Tam, que todas as vezes que passava um avião tipo teco-teco pelos céus acima da faculdade, ele começava a tremer e chegava quase a desmaiar. Eventualmente nos contou que, quando os soviéticos invadiram a Estônia, ele tinha sido colocado pelos pais num orfanato, na esperança que estivesse em segurança. As freiras que administravam o orfanato resolveram então levar as crianças para a Suécia (se não me engano) a fim colocá-las a salvo da guerra. Foram a pé, em direção ao mar, onde seriam apanhados por uma flotilha de barcos de pesca. Ocorre que os soviéticos descobriram os planos de fuga, e mandaram seus pequenos aviões para matá-los todos. Os aviões então atacaram os grupos de criancinhas, que eram conduzidas pelas freiras, e passaram a metralhá-las. Mataram quase que todas elas (centenas e centenas, assim ele me contava). Salvaram-se ele e uns poucos mais, porque a freira que os conduzia ordenou que caissem no chão, não se movessem, e se fizessem de mortos. Mesmo assim, os aviões russos continuaram a metralhar todos, até mesmo os caídos. Com o cair da noite, a freira que os conduzia, e que tinha sobrevevido, saiu chamando os sobreviventes, e os conduziu até o mar, onde foram salvos pelos suecos. O horror pelo qual Arno Tam passou deixou nele um terror total de avões teco-teco voando por sobre sua cabeça. Mesmo já adulto, ele só faltava morrer de medo quando os via: tremia, suava frio, e mal podia falar. Os horrores do "humanismo" comunista desse tipo, ocorridos pelo mundo afora, jamais são conhecidos, pois não são convenientes à esquerda internacional.

Eduardo Soares disse...

Julio, foi muito bom saber desta verdade escondida. Existem muitos segredos que precisam ser revelados.

Deus te abençoe e te dê sabedoria para publicar verdadeiras relíquias como esta.

José Ferreira Neto disse...

Bom artigo, muito inteligente... a maioria das pessoas acham que foi o Titanic... eu mesmo não sabia, mais uma que aprendi.

Will Filho disse...

Júlio meu irmão, foi ótimo saber dessa informação. Eu nunca havia tido conhecimento dessa informação. Parabéns!

Luiz Cesar disse...

http://pt.wikipedia.org/wiki/Wilhelm_Gustloff_(navio)