28 de abril de 2008

Especialista alerta sobre agenda gay

Especialista alerta sobre agenda gay

Oziel Alves

O impasse sobre a aprovação dos dois projetos de lei que prometem criminalizar a homofobia no Brasil – o PL6418 e o PLC122, largamente explanados na reportagem “Querem nos calar”, publicada na edição de outubro/2007 de Enfoque – passaram a virada do ano repousando no Congresso Nacional como lava dentro de um vulcão prestes a entrar em erupção. Retomadas as atividades parlamentares na Câmara e no Senado, o assunto volta à mesa de negociações.

Enquanto isso, o povo evangélico se divide em dois grupos distintos. Aqueles que lutam contra os avanços da agenda gay e aqueles que apenas assistem ao resultado desta efervescente discussão, dispensando qualquer ação efetiva por julgarem alarmismo toda esta mobilização. Mas, afinal, haverá de fato uma mordaça gay? Os cristãos correm riscos de terem sua liberdade de expressão cerceada? Qual o futuro da causa homossexual no Brasil e no mundo?

Para esclarecer essas dúvidas e estabelecer um panorama do movimento gayzista brasileiro, que é diretamente influenciado pelas conquistas norte-americanas, Enfoque entrevistou o cientista político Peter LaBarbera, 45, especialista em questões ligadas aos movimentos de desconstrução social. LaBarbera também é presidente-fundador da associação Americans for Truth About Homossexuality (Americanos pela Verdade sobre a Homossexualidade), uma organização não-governamental criada em 1996 que, alicerçada nos princípios contidos na Bíblia, tenta expor e conter o avanço da agenda homossexual na América do Norte. Usamos a expressão “tenta” porque a AFTAH é apenas uma pequena organização cristã diante das gigantescas ONGs pró-homossexualismo que recebem verbas de até 30 milhões de dólares para militar em prol dos direitos que visam indiretamente criminalizar o posicionamento cristão com relação à prática homossexual.

LaBarbera é considerado o maior ativista em oposição à militância gay nos Estados Unidos. Ex-repórter do jornal Washington Post e ex-editor do jornal Human Events, há 18 anos deixou a carreira jornalística para se dedicar ao ativismo pró-vida e pró-família. Trabalhou como diretor executivo do Illinois Family Institute, foi analista de estudos culturais do Family Research Council, e também editor/escritor da CWA (Concerned Women of America) uma organização feminina com mais de 400 mil associadas que visa restabelecer os alicerces da família tradicional através dos princípios bíblicos.

Na mídia impressa, os maiores jornais e agências de comunicação do mundo (The New York Times, Los Angeles Times, Wall Street Journal, Washington Post, Associated Press, Reuters, Chicago Tribune, entre outros) costumam destacá-lo como especialista em questões homossexuais.

Mesmo sendo alguém que rejeita a hipótese do nascimento gay e que trata o homossexualismo como uma orientação sexual pecaminosa, cujos adeptos – acredita ele – podem ser libertados, LaBarbera não se enquadra na caricatura de homofóbico zangado, ainda que alguns ativistas o descrevam assim. Ele debate com civilidade e respeito, embora diante de acusações absurdas como as que freqüentemente ouve, do tipo “Você é um homossexual reprimido!”.

Nesta entrevista exclusiva à Enfoque, ele fala sobre as tentativas de criminalização do cristianismo no mundo, dos perigos do casamento entre pessoas do mesmo sexo e da importância da igreja em combater veementemente a glamorização da cultura homossexual que se propaga pela mídia, em escolas e universidades, afetando crianças e jovens adolescentes.


ENFOQUEComo você classifica a agenda gay no mundo? Está se tornando mais forte do que a Igreja?

LABARBERA – A agenda gay, atualmente conhecida como GLBT (Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros), é basicamente tudo o que promove a aceitação do homossexualismo em qualquer uma de suas quatro categorias (confusão de sexos) diante da sociedade e da lei. Isso inclui a defesa da união matrimonial entre pessoas do mesmo sexo, adoção de crianças por parte de casais homossexuais, lançamento de programas educacionais pró-homossexualismo nas escolas, assim como leis que, visando combater os crimes de ódio, serão utilizadas para restringir a liberdade de expressão dos que se opõem à homossexualidade e à orientação sexual ilícita.

São leis de combate à discriminação que erroneamente criam “direitos civis” e “direitos humanos” baseados na imoralidade, no comportamento homossexual destrutivo; leis que trazem aceitação para a idéia radical de que homens podem mudar seus sexos – dados por Deus –, tornando-se mulheres e vice-versa. Além disso, busca-se a mudança de preceitos militares para que haja a aceitação de homossexuais nas Forças Armadas; a imposição de portarias que forçam os cristãos e aqueles que se posicionam contra o homossexualismo a ouvirem palestras pró-gay em seus trabalhos; e a luta de teólogos simpatizantes à causa que desejam reescrever a Bíblia na tentativa de retificar as passagens que consideram a prática homossexual ato pecaminoso. São esforços que se unem para negar a verdade de que Deus pode ajudar homossexuais a mudar suas orientações, já que eles não nascem dessa forma.

ENFOQUENa sua opinião, o povo cristão conseguirá resultados contra os avanços da militância gay, considerando que esta recebe subsídios de fundações multimilionárias? Você não sente que às vezes a nossa cruzada parece em vão e que deveríamos apenas nos limitar a pregar o Evangelho?

LABARBERA – Eu não sei. Nós perdemos a batalha contra a legalização do aborto nos Estados Unidos, mas agora o movimento pró-vida vive um grande momento, por isso as coisas podem mudar. A Bíblia diz que dias difíceis aguardam a humanidade, ao passo que o mundo, da maneira como o conhecemos, aproxima-se do fim. No entanto, ela também nos diz para não tentar prever o retorno de Jesus. Alguns cristãos optam por abandonar as guerras culturais, pois eles presumem que isso tudo se trata apenas de sinais do fim dos tempos.

Imagine como os cristãos devem ter se sentido na Alemanha quando Hitler começou sua expansão genocida contra os judeus e outros povos! Foi errado os cristãos tornarem-se alheios aos acontecimentos políticos e culturais – isso teve conseqüências devastadoras – por isso considero igualmente errado fazer isso hoje. Cristãos que vivem em sociedades democráticas têm obrigação de estar a par de todos os acontecimentos. Muito me entristece ver o povo cristão alheio às políticas públicas em sociedades democráticas, enquanto ativistas trabalham sem trégua para alcançar seus objetivos destrutivos. Democracias de qualidade necessitam de cidadãos bons e informados; aqueles que se envolvem com os problemas locais são de alguma forma recompensados. O problema é que nos Estados Unidos a esquerda é superenvolvida no meio político, enquanto que dezenas de milhões de evangélicos e cristãos que acreditam na Bíblia não estão envolvidos de nenhuma forma.

Eu não acho que os cristãos precisam fazer uma escolha entre se engajar no meio político e serem fiéis praticantes do Evangelho. Você pode fazer as duas coisas. Certamente, precisamos de reavivamento espiritual para conseguirmos promover mudanças em países como o Brasil, os Estados Unidos ou outra nação – e nós estamos testemunhando nos Estados Unidos a profunda crise moral que ocorre quando um povo deixa Deus para trás. Mas no que diz respeito à política pública, se os verdadeiros cristãos não se opuserem à legislação homossexual opressiva, que ajuda a solidificar a aceitação do comportamento imoral, então quem o fará?

ENFOQUEEm breve o mundo conhecerá o novo presidente dos Estados Unidos. Sabemos que as decisões tomadas por essa nação têm grande impacto nas iniciativas de muitos outros países, como o Brasil, por exemplo. Diante deste cenário, que conseqüências devem afetar o mundo nos próximos anos?

LABARBERA
– Se um democrata for eleito em novembro, certamente leis e portarias serão aprovadas em favor dessa causa. A “criminalização do cristianismo” evoluirá nos Estados Unidos. Isso ajudará a difundir a causa pelo mundo. Se um republicano (John McCain) for eleito, as coisas provavelmente continuarão da mesma maneira que estão atualmente, com Bush no comando. Mesmo assim, não podemos afirmar se McCain será mais aberto do que Bush às questões da legislação pró-homossexualismo. Nos últimos dias da administração de Bush, parece que a Casa Branca está se tornando mais branda em relação aos direitos dos homossexuais.

ENFOQUEAlguns grupos gays como o NAMBLA já lutam em prol da legalização de relações homossexuais entre homens e meninos, menores de 18 anos. Você acha que a conquista de liberdade sexual entre adultos e crianças será o futuro da agenda gay ou isso nunca irá acontecer?

LABARBERA – A NAMBLA (Associação Norte-Americana do Amor entre Homens e Meninos) é apenas um pequeno grupo que costuma participar de paradas gays aqui, mas agora é denunciada pelas demais entidades homossexuais. Afinal, eles sabem que associar-se a organizações que defendem abertamente a pedofilia é um ato deletério para a causa em si. No entanto, os ativistas homossexuais estão trabalhando para diminuir a idade de consentimento para o sexo entre iguais, fato este que de certa forma vai ao encontro de um dos objetivos da NAMBLA, pois tornará a prática legal para adolescentes que praticam a sodomia. A realidade alarmante é que muitos jovens hoje morrem de Aids após serem infectados por homossexuais mais velhos.

ENFOQUERecentemente, diversos escândalos envolvendo pastores renomados da sociedade americana vieram à tona. Um deles foi o caso de Ted Haggard, ferrenho oposicionista da causa homossexual, na época presidente da Associação dos Evangélicos dos Estados Unidos e conselheiro pessoal do presidente Bush. Foi descoberto que há três anos ele mantinha relações homossexuais com um garoto de programa. Outro caso foi o do pastor Jeff Devore, preso por ter distribuído pornografia infantil. Que efeitos esses constantes escândalos estão causando na luta do povo cristão contra a agenda gay nos Estados Unidos?

LABARBERA – Os escândalos sexuais obviamente diminuíram o respeito pela igreja cristã nos Estados Unidos. Não há nada que a mídia e a esquerda gostem mais do que sinais de hipocrisia na igreja. No entanto, eu considero que as três grandes ameaças, no que diz respeito à homossexualidade e à igreja, são: a resistência contínua de muitos pastores e igrejas de se envolverem em questões políticas e culturais, ou seja, utilizar-se desses recursos para a defesa da moral bíblica; crescimento de movimentos ateístas no país; desenvolvimento do chamado evangelismo de esquerda. Líderes como Tony Campolo e Jim Wallis, por exemplo, que defendem publicamente a criação de leis que favoreçam os homossexuais em nome da justiça cristã.

ENFOQUEEm algumas regiões dos Estados Unidos, o casamento homossexual e a adoção de crianças por casais gays já são legalmente possíveis. Como as igrejas evangélicas localizadas nessas regiões têm lidado com esta situação?

LABARBERA – Eu não creio que tais igrejas estejam conseguindo ser efetivas em relação a essas questões, com algumas poucas exceções. Algumas, por exemplo, têm conseguido auxiliar na aprovação de emendas que ratifiquem apenas a união entre homens e mulheres. Entretanto, em alguns estados onde a causa homossexual é mais consistente, a igreja não parece ter voz ativa, e sua influência junto à população não é significante ao ponto de modificar opiniões a respeito desse tópico. É uma pena, pois os homens cristãos deveriam estar sempre em posição de liderança na batalha do bem contra o mal. Quando cristãos se abstêm dessa condição ou quando as ideologias cristãs são substituídas por teologias liberais, as conseqüências são nefastas.

ENFOQUEJá existe alguma igreja nos Estados Unidos que tenha sido obrigada a celebrar um casamento gay?

LABARBERA – Não. Felizmente isso ainda não aconteceu nos Estados Unidos, mas em um futuro próximo tenho certeza que haverá processos contra igrejas que se recusarem a fazê-lo. Afinal, os falsos liberais associam a oposição à homossexualidade ao ódio e ao racismo, e isso é proibido em nossa Constituição.

ENFOQUEVocê acredita que no futuro a liberação homossexual possa determinar o fim da liberdade religiosa?

LABARBERA – Eu realmente espero que não. No Canadá, nota-se uma oposição pública à mesma, já que em dada ocasião os tribunais de direitos humanos dos homossexuais, ligados à situação, excederam-se ao perseguir cristãos que se opuseram de maneira pacífica à liberdade homossexual. Como conseqüência, alguns segmentos da mídia reprovaram essa atitude e chegaram a sugerir que esses tribunais fossem fechados. O fato é que os “direitos” dos homossexuais e a fundada crença dos cristãos nas verdades da Bíblia são incompatíveis.

ENFOQUEQue resultados podemos esperar do movimento Pró-vida, organizado pela VINACC (Visão Nacional para a Consciência Cristã) aqui no Brasil?

LABARBERA – Minha esperança é que os membros da VINACC sejam bravos e capazes de propagar a verdade de Deus junto à população, não permitindo que o governo seja convencido de que deve apoiar a missão dos homossexuais como sendo um fundamento dos “direitos humanos”. Afinal, não é possível admitir que os “direitos humanos” sejam baseados em perversões sexuais e comportamentos pecaminosos que podem perfeitamente ser modificados. Eu torço para que a VINACC seja bem-sucedida em sua missão de fundar ministérios “ex-gays” por todo o Brasil, onde as pessoas que lutam contra esses desejos impuros possam se encontrar e receber auxílio na busca pela cura. Assim, a sociedade saberá que ninguém precisa ser gay se não quiser. Como exemplo, podemos citar o ex-gay Stephen Bennet, que criou seu próprio site – www.sbministries.org.

Eu ainda espero que através de conferências da VINACC, as pessoas possam realmente agir em favor de nossa causa pela verdade, não permitindo que o agressivo movimento homossexual tenha sucesso em aprovar leis e emendas que os beneficiem. Se os verdadeiros cristãos brasileiros não agirem agora na defesa de sua liberdade, seu direito de defesa da moralidade histórica que a Bíblia prega certamente também estará comprometido.

ENFOQUEExiste alguma conseqüência política para a Igreja como um todo se considerarmos o progresso dos movimentos homossexuais no Brasil e nos Estados Unidos?

LABARBERA – Sim, haja vista que eles simplesmente odeiam a Igreja em função de ela ser defensora dos preceitos bíblicos – que desaprovam comportamentos homossexuais – e de afirmar ser possível a “cura” desses indivíduos através da palavra de Jesus. Essa é a razão pela qual teólogos homossexuais especializados em revisão de textos estão se empenhando tanto para modificar os versículos que discorrem sobre a homossexualidade. Eles chegam ao ponto de inventar mentiras absurdas, como a de que Davi e Jônatas eram amantes.

Eis um bom site que refuta os absurdos propostos pela teologia homossexual – www.robgagnon.net. Todos os cristãos devem unir-se em nome de Deus contra a infundada causa homossexual.

ENFOQUEUm dos aspectos políticos adotados pela Americans For Truth About Homossexuality é não se envolver em nenhuma campanha política apoiando candidatos. Em relação ao futuro presidente dos Estados Unidos, a AFTAH apóia algum candidato?

LABARBERA – Por ser uma organização sem fins lucrativos e isenta de impostos, a AFTAH é proibida pela Constituição de se envolver nas campanhas políticas presidenciais. Eu fundei o site Republicans For Family Values (www.rffv.org), onde eu posso me manifestar em relação a essa questão e expor o quão radicais os candidatos democratas são, na verdade. Barak Obama e Hilary Clinton são extremamente radicais no que concerne à homossexualidade e ao aborto, defendendo-os incondicionalmente. No entanto, a maioria da população desconhece esses aspectos, pois eles não são veiculados na mídia.

ENFOQUENo caso específico do Brasil, se os projetos de lei forem aprovados em favor da causa homossexual, que tipo de conselho você daria aos pastores e à Igreja?

LABARBERA – Antes de tudo, IMPLORO à liderança brasileira para que se envolva imediatamente em nossa luta a fim de evitar que isso aconteça. Esse é o segredo, pois depois de as leis serem aprovadas, torna-se muito difícil revogá-las. A Igreja precisa conscientizar seus fiéis das conseqüências nocivas da aprovação de leis pró-homossexualismo, pois elas consideram nosso direito de lutar em nome de Deus como crime. Veja o que aconteceu em países como Canadá, Suécia e Inglaterra: pastores foram presos por se oporem ao homossexualismo durante os cultos.

Pregar contra a homossexualidade em nome de Deus nunca deveria ser considerado um ato criminoso. Essas leis serviriam como trampolim para que os casamentos homossexuais fossem aprovados, tornando árdua a tarefa de empregadores de coibir comportamentos depravados de seus funcionários, pois estariam assim infringindo uma lei. Quanto a coibir atos violentos contra os homossexuais, isso é serviço da polícia, que tem plena capacidade de fazê-lo. Não há a menor necessidade de o governo criar leis e programas que protejam os homossexuais e busquem tratá-los como iguais na sociedade. Assim como não se faz necessário implantar programas curriculares nas escolas que incentivem a aceitação do homossexualismo como sendo algo absolutamente normal.

ENFOQUEEm países onde o movimento homossexual já alcançou seus objetivos, como a Espanha, por exemplo, já é possível apontar alguma conseqüência para a Igreja e para a sociedade?

LABARBERA – Com certeza. Na Inglaterra um pastor foi preso apenas por distribuir panfletos cristãos durante um evento homossexual. Ele era apenas um servidor de Deus em ação, que foi punido por infringir as leis “contra a homofobia” naquele país. Essa palavra “homofobia” é relativamente nova na nossa língua, sendo utilizada para intimidar aqueles que se opõem ao homossexualismo.

Entretanto, eu não me sinto de forma alguma intimidado pelos homossexuais, pois apenas sigo as determinações de Deus através da Bíblia. No Canadá, muitos cristãos tiveram que gastar grandes somas de dinheiro para se defenderem na justiça de acusações de discriminação e violação dos direitos humanos. Nos Estados Unidos, a perseguição também é crescente. Na Filadélfia, muitos cristãos foram presos e ameaçados com graves sanções penais somente por terem lido o Evangelho em um festival gay. Meu grande amigo Matt Barber foi despedido de sua empresa Allstate Insurance Corporation só por ter escrito um artigo na internet que criticava o casamento gay. Liberdades baseadas na religião e na moralidade não podem coexistir com leis que favoreçam o homossexualismo. Uma das duas deve prevalecer. No entanto, os homossexuais afirmam que o estilo de vida é mais importante do que a liberdade religiosa tradicional.

ENFOQUEAlguns ativistas pró-família no Brasil são radicais ao ponto de considerar a escola uma zona de prostituição em potencial. Com isso, grande parte deles defende o ensino caseiro, o famoso home school americano, proibido no Brasil. Você apóia esta idéia?

LABARBERA – Eu e minha esposa estamos educando em casa um de nossos filhos e eu já vejo uma grande vantagem nisso, pois os pais determinam o que deve ser ensinado às crianças. Aqui nos Estados Unidos, as orações diárias e as aulas de ensino religioso com ênfase na adoração a Deus já não fazem mais parte do cotidiano das crianças, mesmo em nosso país, que ainda é a nação com o maior número de cristãos do mundo. Muito me entristece constatar o quanto regredimos nesse aspecto. Isso se deve à perda de qualidade no ensino público e às estratégias sociais e ideológicas usadas para promover a imoralidade sexual e a chamada evolução radical.

Eu torço muito para que as escolas públicas brasileiras não sigam esse caminho. Nós temos testemunhado uma expansão considerável da aceitação do homossexualismo nas escolas. Isso começou nas universidades, expandiu-se para as escolas de ensino médio e já se faz presente em escolas de ensino fundamental e até mesmo nos jardins de infância! Tudo com base na ideologia de que uma família composta por membros do mesmo sexo é absolutamente normal.

The Gay, Lesbian, Straight Education Network é um grupo que promove a homossexualidade, bissexualidade e transexualidade nas escolas através do uso de várias táticas, tais como: inclusão de matérias pró-homossexualismo no programa curricular, criação de grêmios estudantis voltados aos homossexuais e treinamento do corpo docente com o objetivo de ser favorável a essa causa. O resultado é uma verdadeira lavagem cerebral, pois os alunos são expostos às opiniões de apenas um dos lados.

ENFOQUEPara finalizar, que mensagem você gostaria de deixar ao povo cristão brasileiro?

LABARBERA – Vocês não devem se intimidar diante da ofensiva ateísta e imoral proposta pelos homossexuais, que nada mais é do que a vanguarda da coerção dos direitos cristãos. Deus é o mesmo “ontem, hoje e sempre”. Ele não mudou sua opinião a respeito do homossexualismo, pois o considera tão deletério à sociedade como o era há 4.000 anos atrás. Contudo, a bondade de Jesus é infinita e Ele está disposto a perdoar aqueles que nesse pecado se consomem. Devemos informar a população que as pessoas que incidem nesse grave erro ainda têm salvação através do honesto arrependimento e da comunhão com Deus.

Embora a humanidade esteja cada vez mais decadente, cabe a nós, cristãos de fé, tentar salvar essa nova geração tão confusa e superficial. Não devemos jamais temer nenhum ser humano em sua luta pela verdade, pois a verdade somente a Deus pertence, e aqueles que lutam ao seu lado serão recompensados. Assim como torço para que os brasileiros não cometam os mesmos erros que os americanos estão cometendo. Peço que torçam pelo nosso povo em nossa dura empreitada. Obrigado!

Fonte: Revista Enfoque Gospel

Divulgação: www.juliosevero.com

Versão em inglês: American expert warns about gay agenda

Um comentário:

Anônimo disse...

Gostaria de informar que sábado no programa Movimento Pentecostal que é exibido na RedeTV e RedeBoasNovas foi exibida matéria em que foi informado que representantes evangélicos foram a Brasília debater sobre o PL 122/06, o que me deixou feliz,porém não vi nenhuma notícia a respeito em lugar nenhum,o que me deixou surpreso. Alguém tem conhecimento deste fato?