11 de fevereiro de 2008

Bispos do Brasil lançam importante campanha nacional contra o aborto, a eutanásia e as pesquisas com células-tronco embrionárias

Bispos do Brasil lançam importante campanha nacional contra o aborto, a eutanásia e as pesquisas com células-tronco embrionárias

Matthew Cullinan Hoffman

Brasília, Brasil, fevereiro (LifeSiteNews.com) — Depois de um começo questionável, os bispos católicos do Brasil lançaram uma campanha nacional contra o aborto, eutanásia e pesquisas com células-troncos embrionárias que os jornais estão chamando de uma “grande ofensiva” contra a cultura da morte.

O evento de abertura da campanha, “Fraternidade e a Defesa da Vida”, teve a participação de líderes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), e também altas autoridades do governo do presidente socialista Luiz Inácio “Lula” da Silva, em 6 de fevereiro.

No evento, o secretário geral da CNBB leu uma carta do Papa Bento 16 ao presidente da CNBB, Geraldo Lyrio Rocha, declarando que “todas as ameaças à vida devem ser combatidas”, e expressando esperança de que “as instituições da sociedade civil desejarão se juntar em solidariedade com a vontade do povo, a maioria dos quais rejeita tudo o que é contrário às exigências da justiça e respeito pela vida humana desde seu começo até seu final natural”.

Num sinal de compromisso sério à causa pró-vida, o secretário geral da CNBB Dimas Lara Barbosa deixou claro que o propósito da campanha era não meramente impedir a aprovação de leis que liberariam as restrições ao aborto, mas também eliminar os casos existentes em que o aborto foi descriminalizado no Brasil.

“Como segundo passo no horizonte, lutaremos para revogar a permissão legal ao aborto nos casos que já são permitidos”, disse Dimas Lara.

De acordo com Dimas Lara, a campanha “Fraternidade e a Defesa da Vida” distribuirá panfletos contendo material pró-vida para todas as paróquias católicas em quase seis mil municípios do Brasil. Ele também disse que a CNBB estaria confrontando várias autoridades governamentais e também ONGs, por “manipularem informações” em sua defesa ao aborto.

Ele acrescentou que na segunda metade do ano, os bispos tinham a intenção de reunir organizações da América Latina inteira para um imenso encontro pró-vida.

“A defesa da vida é inegociável”, disse Dimas Lara.

Num sinal de respeito à influência da Igreja Católica no Brasil, o presidente Lula enviou o chefe pessoal de seu gabinete, Gilberto Carvalho, e também seu Ministro da Justiça, Romeu Tuma Júnior, ao evento de abertura. Embora Lula afirme ser pró-vida, seu Ministro da Saúde é abertamente pró-aborto, e a própria conduta de Lula tem levado os líderes pró-vida a concluir que ele é pró-aborto também.

Contudo, o governo Lula parece temer a influência das autoridades católicas, cujos sentimentos pró-vida são geralmente compartilhados pelo povo brasileiro. Até mesmo o Ministro da Saúde pró-aborto de Lula, José Gomes Temporão, que não quis estar no evento, falou com cuidado acerca da campanha dos bispos. “Penso que é importante que o assunto continue a ser debatido e a Igreja Católica é um bom lugar para isso acontecer”, ele disse ao jornal Correio da Bahia.

A iniciativa dos bispos de instruir o público acerca das questões da vida humana é a versão deste ano de sua anual Campanha da Fraternidade, que tem um tema diferente a cada ano. Contudo, o tema pró-vida de 2008 é um grande desvio de temas menos conservadores de campanhas anteriores, que tinham como foco questões sociais mais gerais como jovens e família, justiça social e segurança nas rodovias.

A campanha se defrontou com controvérsia séria antes mesmo de começar neste ano, quando um DVD foi produzido com o emblema da Campanha da Fraternidade da CNBB. O DVD continha uma entrevista favorável à entidade Católicas pelo Direito de Decidir, um grupo que promove o aborto e afirma ser católico. Depois que queixas foram feitas à CNBB, o DVD teve uma nova produção, sem o conteúdo ofensivo — e sem nenhuma explicação (veja a cobertura recente de LifeSiteNews http://www.lifesite.net/ldn/2008/jan/08012103.html).

No entanto, depois da controvérsia, os bispos do Brasil parecem estar apoiando a campanha pró-vida deste ano com um vigor incomum. Em anos recentes, eles pareceram muito relutantes de abrir a boca contra as políticas pró-aborto e pró-homossexualismo do governo socialista de Lula, com poucas exceções notáveis.

A intensidade da nova campanha pode em parte ser devido à ameaça contínua de legislações pró-aborto, que estão fazendo algum avanço no Congresso Nacional em meses recentes, e que levaram os ativistas pró-vida à ação. Pode também ser uma resposta às pesadas críticas recebidas recentemente de católicos e outros ativistas pró-vida, tais como o filósofo Olavo de Carvalho, que fez queixas amargas numa coluna de jornal em janeiro acerca da persistente associação dos bispos com grupos de aborto (veja o texto aqui: http://www.lifesite.net/ldn/2008/jan/08012104.html).

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com; www.juliosevero.com.br

Fonte: LifeSiteNews

3 comentários :

Marcelo disse...

Finalmente esses bispos estão fazendo alguma coisa. Com certeza eles devem ter recebido um puxão de orelha do papa por ficarem calados durante tanto tempo. Falta agora expulsarem as "católicas pelo direito de decidir" daquele prédio.

Wagner disse...

Valeu a tradução!!

Anderson disse...

Prezado Júlio Severo,

Os católicos estão fazendo aquilo que nós crentes deveríamos fazer.
Mas nos falta articulação e unidade; falta-nos expressividade e uma voz audível e relevante dentro desta sociedade corrupta.

Deus nos abençoe!

Abraços