24 de setembro de 2007

Crianças vacinadas têm probabilidade quase três vezes maior de sofrer transtornos neurológicos como autismo e hiperatividade

Crianças vacinadas têm probabilidade quase três vezes maior de sofrer transtornos neurológicos como autismo e hiperatividade

Enquanto o primeiro julgamento no Tribunal de Vacinas investiga a relação entre vacinas e autismo, uma nova pesquisa publicada hoje indica uma correlação forte entre índices de transtornos neurológicos, tais como THDA (transtorno de hiperatividade e déficit de atenção) e autismo e as vacinas infantis.

A pesquisa, comissionada pela entidade Generation Rescue, comparou crianças vacinadas e crianças não vacinadas em nove municípios do Oregon e Califórnia. Entre mais de 9.000 meninos de idades entre 4 e 17, a pesquisa revelou que os meninos vacinados têm uma probabilidade duas e meia maior (155%) de sofrer transtornos neurológicos em comparação com outros meninos que não são vacinados. Os meninos vacinados têm 224% mais probabilidade de sofrer de THDA (desordem de hiperatividade e déficit de atenção) e 61% mais probabilidade de sofrer de autismo.

Para meninos mais velhos, vacinados, na faixa etária de 11 a 17, os resultados foram ainda mais acentuados. Os meninos vacinados tinham 158% mais probabilidade de sofrer de transtornos neurológicos, 317% mais probabilidade de sofrer de THDA e 112% mais probabilidade de sofrer de autismo. Os resultados completos da pesquisa estão disponíveis em: http://www.GenerationRescue.org.

Generation Rescue comissionou a pesquisa por telefone. Dados foram coletados por SurveyUSA, uma empresa nacional de pesquisas de mercado, que avaliou os pais por telefone acerca de mais de 17.000 crianças entre 4 e 17 anos de idade, em cinco municípios na Califórnia (San Diego, Sonoma, Orange, Sacramento e Marin) e quatro municípios no Oregon (Multnomah, Marion, Jackson e Lane).

A pesquisa perguntou aos pais se seu filho havia sido vacinado, e se esse filho tinha um ou mais dos diagnósticos seguintes: Transtorno de Déficit de Atenção (TDA), THDA, Síndrome de Asperger, Transtorno Global do Desenvolvimento — Sem Nenhuma Outra Especificação (TGD-SNOE) ou Autismo. A pesquisa de telefone foi escolhida para espelhar a metodologia que os Centros de Controle de Doenças (CCD) usa para estabelecer a prevalência de transtornos neurológicos em sua pesquisa nacional por telefone.

Marcado para a data da publicação dos resultados da pesquisa, Generation Rescue também publicou anúncios de página inteira nos jornais Roll Call, de Washington, The Oregonian e The Orange County Register. O anúncio compara 36 vacinas pediátricas que o CCD recomenda hoje com as 10 recomendadas em 1983, e pergunta: “Será que não estamos dando vacinas demais aos nossos filhos?”

“Ninguém jamais comparou os índices de prevalência desses transtornos neurológicos entre crianças vacinadas e crianças não vacinadas”, disse J.B. Handley, co-fundador de Generation Rescue, cujo filho foi diagnosticado com autismo. “A pesquisa por telefone não é perfeita, mas esses números apontam para a necessidade de um abrangente estudo nacional para coletar essas informações cruciais”.

Em Washington, a deputada federal Carolyn Maloney (D-NY) vem defendendo tal pesquisa. Co-patrocinada pelo Dep. Maurice Hinchey (D-NY) e pelo Dep. Ron Paul (R-TX), a “Lei do Abrangente Estudo Comparativo de Pessoas Vacinadas e Não Vacinadas de 2006”, ou PL 2832, foi apresentada em 22 de junho de 2006, e tem como objetivo exigir que o Ministério da Saúde dos EUA complete essa pesquisa.

“O estudo de Generation Rescue é impressionante e de modo bem forte levanta algumas questões sérias acerca da relação entre vacinas e autismo. O que é necessário no final das contas para resolver essa questão de um jeito ou de outro é um estudo nacional abrangente de crianças vacinadas e não vacinadas”, disse a deputada Maloney. “Os pais por trás de Generation Rescue apenas querem essas informações. Esses pais merecem mais do que impedimentos. Eles merecem respostas. Podemos e devemos avançar em busca dessas respostas. É por isso que apresentei um projeto de lei racional que exigirá que o Ministério da Saúde conduza um abrangente estudo comparativo sobre a ligação possível entre autismo e tiomersal”.

De 1983 a 2007, os índices de autismo subiram de 1 em 10.000 crianças para 1 em 150 crianças, uma taxa de aumento de 6.000% (os meninos são afetados de modo significativo por transtornos neurológicos, perfazendo aproximadamente 80% de todos os casos). THDA atualmente afeta 1 em 13 crianças. No mesmo período, o calendário de vacinas recomendadas dos CCD mais que triplicou. O debate efervescente sobre a causa dos transtornos neurológicos infantis não mostra nenhum sinal de se acalmar, mas jamais se fez estudo algum para examinar as crianças não vacinadas.

Lisa Handley, co-fundadora de Generation Rescue, acrescenta: “Todos os que trabalham com a questão do autismo querem identificar a causa, de modo que possamos focalizar nossa atenção no tratamento e prevenção. Um estudo nacional como o PL 5940 poderia ajudar a concluir esse debate e centralizar todos os nossos recursos na assistência às nossas crianças. Chegou sua hora, e esperamos que o Congresso escolha colocar nossos filhos em primeiro lugar”.

O que é Generation Rescue

Generation Rescue foi formado por pais de filhos que foram diagnosticados com transtornos neurológicos infantis e se dedica a examinar as causas e tratamentos biomédicos para o autismo, Asperger, THDA, TDA, TGD-SNOE e outras deficiências de aprendizado. Visite http://www.GenerationRescue.org para obter mais informações e ver completos resultados de pesquisas.

Generation Rescue
http://www.GenerationRescue.org

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com.br; www.juliosevero.com

Fonte: Medical News Today

Artigos sobre vacinas traduzidos por Julio Severo:

A verdade sobre as vacinas

Vacinas infantis: Novo estudo liga mercúrio ao autismo

Vacinas de aborto: a verdade escondida

Vacinações: A Escolha dos Pais

Escolas públicas: os direitos dos pais em perigo: a questão da vacinação obrigatória do HPV para as meninas de escola

Medicina assustadora: Desmascarando o lado sombrio das vacinas

Hepatite B: Os perigos de se proteger recém-nascidos de DSTs

Nenhum comentário :