3 de agosto de 2007

Filho processa mãe e parceira lésbica por abuso horroroso

Recentemente, fiquei sabendo que um pai evangélico foi denunciado ao conselho tutelar por usar a vara na disciplina dos filhos. Lá chegando, o conselho leu para os filhos, na presença do pai, todos os direitos da criança. Ao sair do conselho, os filhos disseram: “Agora conhecemos nossos direitos!” Em outro caso, um menino, ao levar uma merecida correção dos pais evangélicos, ameaçou denunciá-los ao conselho.

O conselho tutelar funciona muito bem para ameaçar famílias intactas e normais, mas jamais impede que os homossexuais adotem crianças. Se nada enxergam antes, como enxergarão depois?

O exemplo abaixo refere-se ao caso em que uma agência americana parecida com o conselho tutelar mostrou total indiferença diante do abuso homossexual — uma indiferença que, no caso brasileiro, é vista quando o conselho tutelar não faz absolutamente nada para proteger crianças inocentes de serem adotadas por homossexuais. Pelo exemplo do caso americano, dá para ver que, mesmo depois de uma adoção, os privilégios homossexuais prevalecem, acobertando reais abusos.

A possível explicação é que enquanto esses conselhos estão ocupadíssimos procurando ou enxergando abuso onde não existe, pouquíssimo tempo e talvez vontade lhes falte de lidar com os abusos verdadeiros. Interessante, não? A mídia prega tanto que os casais homossexuais e lésbicos são bonzinhos que nem passou pela cabeça das assistentes sociais que um casal de lésbicas poderia cometer abusos.

Deixei a agência americana no texto traduzida como “conselho tutelar” apenas para facilitar a compreensão, pois sua função é bem parecida com a do conselho tutelar.

Julio Severo

www.juliosevero.com.br

*************************************

Filho processa mãe e parceira lésbica por abuso horroroso

Hilary White

AKRON, Ohio, EUA, 2 de agosto de 2007 (LifeSiteNews.com) — Darrell Shaffer, de 19 anos, está processando sua mãe Mary Rowles, sua parceira lésbica Alice Jenkins, o Conselho Tutelar do Condado de Summit, o diretor do conselho e as assistentes sociais do conselho pelo horrível abuso e negligência que ele e seus irmãos sofreram durante anos.

Jenkins e Rowles se confessaram culpadas e foram condenadas em 2003 em 55 acusações de abuso e negligência que incluíam fazer os meninos sofrerem surras selvagens e fome, serem trancados num armário e serem forçados a comer fezes de animais. Quando foram tomados pela polícia, os meninos estavam sofrendo de sério problema de subnutrição. Um menino, que tinha 8 anos, pesava apenas 12 kg.

Em janeiro de 2004, as mulheres foram, cada uma, sentenciadas a 30 anos de prisão e estão sendo mantidas num centro de detenção de mulheres em Marysville. Shaffer é o mais velho dos cinco meninos que, na época da prisão das duas mulheres, tinham as idades de seis, oito, dez, treze e catorze anos. A irmã deles, que tinha 12 anos na época, não sofreu nada, disse a polícia.

Shaffer está pedindo 25 mil dólares de cada um dos acusados. O processo diz que o conselho tutelar local fez pelo menos três visitas ao lar entre julho de 1998 e abril de 2003: “Durante cada uma dessas visitas domésticas, havia evidência aberta, óbvia e decisiva de abuso e negligência em andamento envolvendo Shaffer e seus irmãos. Apesar disso, os acusados… não tomaram nenhuma medida para proteger Shaffer e seus irmãos”.

Na época em que foi presa, Mary Rowles, a mãe das crianças, tinha estado num relacionamento lésbico com Alice Jenkins, descrita como o “homem” no relacionamento, durante sete anos. As crianças eram instruídas a chamar Jenkins de “pai”, e a polícia disse que embora fosse evidente que os meninos tivessem medo da mãe, eles tinham “pavor” de Jenkins.

A promotora pública do Condado de Summit Sherri Bevan Walsh disse que os meninos afirmaram para a polícia que Jenkins batia neles com um martelo, chutou um na virilha com botas de bico de aço e os forçava a comer fezes de cães e gatos como castigo por escaparem de seu armário molhado de urina e roubar comida.

Relatórios dizem que Rowles tinha relacionamentos de “traição” com os verdadeiros pais de seus filhos, mas pelo menos um dos homens pediu legalmente a custódia de dois dos meninos e se queixou do abuso ao conselho tutelar. Em maio de 2003, Brady Postlethwaite e sua esposa disseram que tentaram várias vezes obter socorro para as crianças, mas afirmaram que “foram simplesmente chamados de mentirosos”.

Os testemunhos numa audiência de custódia em março de 2001 revelaram que o conselho tutelar do Condado de Summit e a polícia de Akron estavam cientes das alegações, mas nada fizeram. Postlethwaite disse que ele e sua esposa “receberam a orientação de que se fizessem mais alguma queixa seriam presos”.

Antes de serem condenadas, Rowles e Jenkins afirmaram para a imprensa de que elas sentem orgulho de serem lésbicas.

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com.br; www.juliosevero.com

Fonte: http://www.lifesite.net/ldn/2007/aug/07080204.html

4 comentários:

fabiana disse...

Fico cada vez mais chocada e estarrecida ao ver a que ponto uma pessoa sem Deus pode chegar... mas como diz a Biblia, "um abismo chama outro abismo". Eh um absurdo pais cristaos serem punidos por aplicarem um corretivo em seus filhos, enqto as autoridades fecham os olhos para maus-tratos infligidos por pais homossexuais sob pena de serem taxadas de intolerantes e homofobas.
Julio, continue este grande serviço de utilidade publica, pois o publico precisa saber dessas verdades.

Claudio disse...

Força Júlio! Que Deus te forças para esse bravo trabalho! Parabens!

Anônimo disse...

JULIO UM BOM DIA!
DEUS NÂO DESEMPARA OS SEUS, PORTANTO CONTINUE A ESCREVER, ESCREVER QUANTO FOR PRECISO POIS O CEU SE AGRADA DO QUE VOCE ESCREVE!" OH VOZ QUE PREGA NO DESERTO PREPARAI CAMINHO"
OBS: OS CORVARDES NÃO HERDARÃO O REINO DE DEUS, DIZ A BÍBLIA, PORTANTO CANETA EM PUNHO...

Anônimo disse...

Eu sou catolico, e para mim, você ainda tem muita coisa para nos mostrar, Julio.Mas fazer o que?Ja estamos perto do abismo.Não vamos recuar.