9 de julho de 2007

Portugal permite a educação escolar em casa

Portugal permite a educação escolar em casa

Julio Severo

De acordo com informação da Wikipedia:

Em Portugal a legislação permite o ensino doméstico, mas essa opção é desconhecida da quase totalidade da população, e o próprio Ministério da Educação não tem nenhum estudo ou estatísticas sobre o assunto. No ano letivo 2006/2007 apenas quatro crianças, de três famílias diferentes, estão recebendo ensino doméstico.

Os alunos domésticos devem realizar exames de equivalência à freqüência dos
2.ª e 3.ª séries, após o 4.º e o 6.º ano respectivamente. Após o 9.º ano os alunos domésticos deverão inscrever-se para os exames nacionais de Língua Portuguesa e de Matemática tal como os restantes alunos que concluem o 9.º ano. A única diferença é que os alunos das escolas são inscritos pelas próprias escolas, enquanto os alunos domésticos deverão ser inscritos pelos seus pais-tutores.

Bem diferente do Brasil, não é? Aqui sempre houve liberdade para os pais educarem em casa, mas a avalanche de interferências esquerdistas na Constituição de 1988 realizou uma engenhosa operação cirúrgica, removendo o que todas as constituições passadas do Brasil permitiam: a educação escolar em casa. Na época, ninguém percebeu que alguns constituintes (entre os quais muitos fanáticos do PT, inclusive Lula) tramaram e conseguiram uma redução nos direitos e liberdade das famílias na área da educação. Veja o artigo O direito de escolher a educação escolar em casa no Brasil.

Deixo então uma sugestão para quem precisar: Qualquer família que venha a sofrer as ações intimidatórias e terroristas do ECA e do Conselho Tutelar por causa da educação em casa, experimente fazer uma visita a Portugal.

Para mais informações sobre educação escolar em casa, visite o blog Escola em Casa.

Fonte: www.juliosevero.com

2 comentários :

Anônimo disse...

Bem diferente do Brasil, mas também bem diferente da Alemanha, da Suécia (óbvio), da Dinamarca, dos países baixos (no mais amplo sentido, hehehe), etc. Por Portugar estar na UE, não duvido de que daqui a pouco perca esse direito.

Teresa disse...

Não há exactamente um direito a educar em casa, mas sim um reconhecimento dessa necessidade. Isto é, quando uma criança tem problemas de saúde que possam impedir a frequêcia normal da escola.