1 de junho de 2007

Pastor é perseguido por alertar acerca da agenda homossexual

Pastor é perseguido por alertar acerca da agenda homossexual

Julio Severo

RANCHO QUEIMADO, SC, Brasil — Em cidades do interior, poucas são as novidades. O que atrai a atenção são fatos rotineiros como nascimentos, casamentos e mortes. De modo geral, o interior está livre dos grandes problemas das cidades maiores.

Contudo, devido às imposições do programa “Brasil Sem Homofobia”, os tentáculos do governo federal se lançam a todos os cantos do Brasil, dando aos que praticam o homossexualismo ousadia e liberdade de promover a agenda homossexual.

Na localidade de Rancho Queimado, Santa Catarina, um homem conseguiu convencer alguns comerciantes da região a patrocinar seu jornal O Tropeiro. Todos achavam que seria uma publicação normal, para veicular informações do interesse da população.

No entanto, na edição de novembro de 2006, O Tropeiro apresenta o artigo “Diversidade: ser ou não ser? Eis a questão”, onde o autor, com jogo de corpo psico-sociológico, tenta mostrar que o homossexualismo é natural. Como exemplo, ele usa as sociedades pagãs, até mesmo as culturas indígenas, onde não só o homossexualismo religioso era comum, mas também o sacrifício sangrento de crianças, homens e mulheres para as divindades que aprovavam as práticas homossexuais.

O artigo diz: “Para os gregos antigos, antes da cristianização, um homem para ser cidadão tinha de manter relações sexuais com outros homens. Para outras civilizações como algumas tribos ameríndias da América do Norte, um homem manter relações sexuais e viver matrimonialmente com outro não o fazia menor que outros; ao contrário, denotava-lhe uma posição sagrada dentro da tribo”. Essencialmente, o artigo convida os leitores a se questionarem sexualmente e a não aceitarem como normal que um ser um humano seja apenas homem ou mulher.

Na mesma edição, O Tropeiro traz o artigo “Gays abrem o jogo”, que contém muitos “testemunhos” de homossexuais que dizem que suas práticas sexuais são certas. Um deles afirma: “As pessoas que são da igreja querem sempre é curar a gente, como se fosse doença. Eles deviam estar mais preocupados com o que se passa ao redor do que com a vida dos outros”.

Ainda na mesma edição, O Tropeiro entrevista o transexual Luana Cotroffi, que dirige um grupo de militância homossexual que dá atendimento jurídico, psicológico e social às “vítimas” de violência, abuso e discriminação de homofobia. A entrevista explica como o transexual aprendeu a aceitar seu desvio sexual.

Na edição de abril de 2007, na seção de cartas, um leitor declara: “Ser gay é normal. Eu sendo gay sou muito feliz…”

Nessa mesma edição, O Tropeiro utilizou o habitual e enfadonho discurso do preconceito no artigo “As covardes agressões contra homossexuais”, que elogia a aprovação na Câmara dos Deputados do projeto anti-homofobia da petista Iara Bernardi. (Agora esse projeto está para ser votado no Senado, com o título de PLC 122/2006, ameaçando engolfar as igrejas do Brasil em experiências de perseguição.) O texto, que foi escrito pelo militante homossexual Carlos Matias Cardoso, também apela para certas informações e estatísticas sem metodologia clara para provar que homossexuais são sempre vítimas, como se eles jamais cometessem crimes e assassinatos.

O Pr. Ademir Kreutzfeld, que já vinha preocupado com a propaganda homossexual nas escolas públicas, viu que o jornal estava promovendo questões homossexuais perigosas para a mente inocente e imatura de crianças e adolescentes, ou até mesmo de adultos. E ele ficou triste de ver essas questões patrocinadas por alguns estabelecimentos comerciais. Ele pensou: “Será que esses comerciantes estão conscientes do que estão fazendo? Será que eles realmente querem apoiar a agenda homossexual, que visa a homossexualização da sociedade?”

Kreutzfeld tomou a iniciativa de conferir, ligando para os lojistas e perguntando. Eles ficaram surpresos, pois não sabiam que seu patrocínio havia sido ligado não a um veículo de informação para o bem-estar da população, mas a um jornal de propaganda homossexual. E, muito menos, eles não sabiam que o coordenador do jornal era um ativista homossexual. Constrangidos ao verem seus estabelecimentos associados ao homossexualismo, eles foram cobrar explicação.

Ninguém, em seu juízo perfeito, quer se ver ou estar envolvido com um comportamento sexual que sempre foi antinatural. O Pr. Kreutzfeld, como líder evangélico local, prega o amor e respeito ao pecador, porém jamais confundiu esse amor e respeito com tolerância ao pecado. Ele ama os drogados, mas não o vício deles. Ele ama os adúlteros, mas não o vício deles. E ele ama os homossexuais, mas não o vício deles. Logo, a questão é comportamental.

Como líder responsável, ele não força ninguém a deixar de escolher caminhos e comportamentos errados, mas se esforça para animar sua congregação e outras pessoas a escolherem o que é melhor para si e para suas famílias, à luz dos valores morais e bíblicos. Ele encoraja os pais a cuidar da criação espiritual e moral de seus filhos e faz tudo o que pode para que todos evitem o vício das drogas, adultério, homossexualismo, etc.

A atitude dele era alertar os patrocinadores, que perceberam que haviam caído num grave equívoco, e também colaborar para a proteção da saúde moral de sua localidade. Em Rancho Queimado, não há um só estabelecimento comercial que queira se expor numa publicação de tendência homossexual. Eles já sabem que ter o nome de suas lojas associado à prática do homossexualismo — ou outros vícios — tem conseqüências desfavoráveis aos seus negócios.

Naturalmente, numa sociedade democrática, todos os bons cidadãos têm o direito de livre expressão de encorajar outros cidadãos a evitar vícios e condutas moralmente reprováveis. E é inegável que drogas, prostituição e homossexualidade são vícios que nenhum pai e mãe desejam para seus filhos. Todos querem evitar essas condutas, não promovê-las ou elogiá-las.

Alguns pastores estão agindo enquanto é tempo, pois se o Congresso Nacional aprovar leis anti-homofobia, nenhum líder cristão poderá fazer o que o Pr. Kreutzfeld fez. Contudo, estranhamente, mesmo sem nenhuma lei anti-homofobia aprovada no Brasil, o Pr. Kreutzfeld recebeu um email ameaçador do ativista homossexual, dizendo: “Olha Ademir, só tenho a dizer que perdeste todo o respeito que eu acumulava pela tua pessoa, e que de agora em diante entreguei esta questão para a assessoria jurídica de nossa instituição, que orientou-me a registrar um Boletim de Ocorrência na delegacia por questões de segurança, pois homofobia é crime”.

Obviamente, o ativista se revoltou com a perda dos patrocinadores para sua propaganda homossexual. E, consultando sua instituição de militantes homossexuais, ele cumpriu sua palavra de jogar a “lei” sobre o pastor, literalmente uma ameaça contra a liberdade de expressão, de consciência e valores religosos.

Sem demora, o Pr. Kreutzfeld recebeu intimação do delegado para comparecer à delegacia local, em 29 de maio de 2007. Na ocasião, foi determinada nova audiência, agora no Fórum da Comarca de Santo Amaro da Imperatriz, SC, às 16h do dia 5 de junho de 2007”.

“Em Sodoma, aja como os sodomitas”. Não é assim que pensa e age o Pr. Kreutzfeld. E por agir diferente, ele está pagando um alto preço por alertar as pessoas que ele ama e respeita. Como ministro do Evangelho, ele jamais conseguiria se esquivar da responsabilidade de alertar as pessoas de sua localidade acerca de vícios como drogas ou homossexualismo. Mesmo que leis ímpias consagrem esses vícios.

O grande problema é que, mesmo antes da aprovação da lei da criminalização da homofobia, os ativistas homossexuais já se sentem à vontade para, sob alegação de crime de homofobia, perseguir homens e mulheres de bem que se opõem à promoção da agenda homossexual na sociedade.

Kreutzfeld, que é pastor da Paróquia Evangélica de Confissão Luterana em Rancho Queimado, filiada à IECLB, está sentindo na própria pele essa perseguição. Ele comenta: “O que fiz eu? Apenas dei alguns telefonemas para casas comerciais (10 ao total), alertando que elas estavam, sem nada saber, patrocinando um jornal de ideologia homossexual. Como cristão comprometido com o Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, não poderia omitir-me de fazer tal esclarecimento. É natural que não sou ‘homofóbico’. Como cristão amo os pecadores. Também sou um deles. Mas não posso calar diante daquilo que é praticado como pecado”.

Kreutzfeld realmente não pode ficar calado, não só porque a própria Bíblia condena de modo claro e decisivo todas as relações sexuais de homens com homens. Na mesma região onde o ativista conseguiu patrocínio para sua propaganda homossexual, o menino João Rodrigo Coelho, de 13 anos, apareceu morto, com ferimentos no pescoço e lesões no ânus, em 8 de setembro de 2006. (Vitrine Popular, 15/09/2006, pág, 5.) Uma investigação revelou que a vítima, que ao que parece cometeu suicídio, era abusada sexualmente por Néri Brusch, de 38 anos. Contudo, a grande imprensa brasileira, que sempre divulga informações favoráveis aos militantes homossexuais, nada mencionou sobre o menino que sofreu abuso homossexual. A censura politicamente correta está em plena atividade, acobertando tão bem a sujeira e os escândalos homossexuais que mesmo no Google mal se acha o nome do homem que cometia abusos homossexuais contra o garoto João.

Kreutzfeld, consciente de que as práticas homossexuais têm conseqüências, procura não imitar o comportamento omisso e irresponsável da mídia liberal e esquerdista. Para ele, os drogados, as prostitutas e os homossexuais precisam ser ajudados a sair de seu estilo de vida destrutivo. No que depender dele, a promoção de qualquer um desses estilos de vida deve ser impedida, pois toda criança ou adolescente precisa ser protegido da influência nociva de propagandas que aprovam ou encorajam esses vícios.

Entretanto, no que depender dos que promovem essas práticas, cristãos como o Pr. Kreutzfeld devem ser impedidos e criminalizados. É por isso que hoje ele está sendo intimado pela Justiça para apuração de crime. Na mentalidade politicamente correta, homofobia é crime: toda atitude ou opinião contra a promoção do homossexualismo deve ser legalmente ameaçada, intimidada e punida.

Pelas normas do programa “Brasil Sem Homofobia”, é proibida qualquer ameaça, intimidação e castigo legal para quem promove o homossexualismo, mesmo nas escolas. Quem se arrisca a sofrer essas conseqüências agora sãos os pastores e outros cristãos que querem um Brasil Sem Sodomia.

Esse fato real na cidade de Rancho Queimado evidencia a onda de perseguição que ameaça vir sobre o Brasil com a aprovação do PL 122/2006, trazendo conseqüências inimagináveis para aqueles que vivem conforme valores morais, religiosos e bíblicos.

Versão em inglês deste artigo: Brazilian minister persecuted for alerting on the homosexual agenda

Julio Severo é escritor e autor do livro O Movimento Homossexual, publicado pela Editora Betânia.

Fonte: www.juliosevero.com.br; www.juliosevero.com

Leitura recomendada:

A criminalização da homofobia no Brasil e as igrejas cristãs

O uso e abuso gay da palavra preconceito

Onde estão os espancadores e assassinos homossexuais?

“Gay” e homofobia: na República Federativa de Sodoma, o que vale é a ficção

Quando os que não aceitam o comportamento homossexual são tratados como criminosos

6 comentários:

João Augusto disse...

Parece que agora seremos vítimas de uma ditadura dos homossexuais. No nosso país não há liberdade de pensamento? Ou estamos vivendo a censura cega de uma parte da população? Só os homossexuais têm oportunidade de se manifestar? Os heterossexuais não podem defender sua causa também?
A mídia que deveria ser neutra hoje faz uma campanha a favor da homossexualidade, quase que incentivando a opção homossexual às nossas crianças.

Meu apoio ao Pr. Kreutzfeld e meu repúdio à ditadura gay.

Thiago disse...

Não sou contra os homossexuais, eles podem fazer oque bem quiserem em suas casas, tenho amigos e parentes homossesuais e me dou muito bem com eles. Eles podem pensar da maneira que quiserem e falar oque bem entenderem e mesmo lutarem por seus direitos de serem iguais aos heterosexuais, afinal são seres humanos e merecem todo o respeito. Mas, a liberdade de um termina onde começa a do outro e esse projeto vai nos proibir de exressar nossas idéias, vai nos impedir até mesmo de ensinar nossas crianças que isso é errado. Esse projeto fere a liberdade dos heterosexuais se expressarem. Não vejo problema em uma lei que proiba e torne crime que se xingue ou ofenda um homossesual, mas a lei proibir que se diga que isso é errado??? Agora se alguem me perguntar se é correto ser gay eu sou obrigado dizer que é, caso o contrario vou para a cadeia?

Como ficam as passagens bíblicas que falam claramente contra o homosexualismo? Se torna crime ler em vóz alta uma passagem como por exemplo (I Coríntios 6 : 9) E a liberdade de expressão? E a liberdade de culto? E a liberdade de pensamento? Será que depois dessa lei o versiculo acima será censurado e teremos em nossas biblias textos dessa forma a seguir?: "Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os XXXXXXXXXX, nem os XXXXXXXXX,". Só posso dizer que este projeto de lei é uma blasfemia e se for aprovado vai mostrar que realmente Jesus voltará em muito pouco tempo.

Estão tratando o homossexualismo da mesma maneira que a discriminação contra os negros e colocando essas duas situações em pé de igualdadade... Mas o fato é que ser negro nunca foi condenado por Deus, pelo contrário, existem muitos homens negros de Deus pregando o evangélho e salvando muitas pessoas.

Eu gostaria que criassem uma lei cotra discriminação contra gordos. E porque não uma contra discriminação contra banguelos? Ou então uma contra discriminação contra carécas, ou contra baixinhos? Poderiam fazer tb a lei contra o preconceito com quem usa óculos e qqr um que chamasse alguem de quatro olhos, mesmo que de brincadeira seria trancado na cadeia... E a policia tem mais o que fazer, correr a traz de bandidos que estão por ai matando e roubando e não ficar correndo traz de quem fala isso ou aquilo... quanta palhaçada.

jefferson ferreira disse...

graças a Deus, a PLC 122 não passou pela votação do Senado neste dia 18/11/09.Graças a Deus que ainda há homens sérios e honestos na nossa política, que não se deixam enganar pelas artimanhas daqueles que querem fazer do Brasil um País de intolerância e desrespeito para com as familias honestas que prezam pelos bons costumes e preceitos da palavra de Deus.
Jefferson ferreira - marília-sp

nataniel.blogspot.com disse...

LOUVADO SEJA DEUS POR IMPEDIR QUE UM PECADO BLASFEMO CONTRA TODA A CRIAÇÃO FOSSE APROVADO, LEMBRANDO QUE O HOMOSSEXUALISMO CAMINHA JUNTO COM TODO TIPO DE PECADO SEXUAL. VALE LEMBRAR QUE O HOMOSSEXUALISAMO É TÃO ERRADO QUANTO O ROUBO, A PROTITUIÇÃO, A MENTIRA, O HOMICIO E ABORTO. O HOMOSSEXUALISMO DEVERIA SER CLASSIFICADO TAMBEM COMO UM CRIME CONTRA O MEIO AMBIENTE HUMANO (QUE É A FAMILIA) E CONTRA A NATUREZA CRIADA PRO DEUS.

Anônimo disse...

Os homessexuais estão preocupados com a censura dos pastores? Será que eles pensam que vão calar a boca da igreja? Isso não é nada! Na verdade eles devem se preocupar é com o juízo de Deus que virá como consequência do seu pecado. Se e somente se eles conseguirem calar a boca dos pregadores do evangelho, será que estão preparados para fogo e enxofre? Ou será que pensam que o Deus lá de cima mudou? Será que eles vão pagar para ver?

Anônimo disse...

Caro Jefferson Ferreira, o PL 122 não foi aprovado ainda. Se a Dilma vencer as eleições meu amigo, não sei não. Embora não seja da sua Igreja, veja os comentários do Pastor Silas Malafaia no link abaixo

http://www.youtube.com/watch?v=bFhjjY7LYD8&feature=related