7 de março de 2007

Juiz cristão perde o emprego porque se recusou a entregar crianças em adoção a homossexuais

Juiz cristão perde o emprego porque se recusou a entregar crianças em adoção a homossexuais

Julio Severo

Em 2005 a Inglaterra aprovou a Lei de Parceria Civil, dando aos que escolheram o comportamento homossexual o direito legal de se casarem e adotarem crianças. Compreendendo que colocar uma criança nas mãos de dois homossexuais poderia representar perigo para a criança, o Juiz Andrew McClintock solicitou dispensa de casos que envolvessem adoção por casais homossexuais. O motivo de sua solicitação era que entregar uma criança a homossexuais contradizia suas convicções cristãs.

Quando as autoridades recusaram-se a lhe dar a dispensa, ele deixou seu posto de magistrado, onde trabalhou durante 18 anos, e entrou com processo por discriminação religiosa.

Os advogados de McClintock tentaram mostrar que as leis que garantem liberdade religiosa permitiam a McClintock se isentar de casos que estavam em conflito com suas opiniões cristãs.

Contudo, o tribunal chegou à decisão de que McClintock não sofreu discriminação religiosa e que ele não tem o direito de solicitar dispensa de casos envolvendo adoção de crianças e homossexuais que querem adotar. A decisão, que se baseou na nova lei de orientação sexual aprovada na Inglaterra em 2003, declara: “Se um juiz pessoalmente tem opiniões particulares sobre algum assunto, ele ou ela deve se esquecer dessas opiniões ao aplicar as leis do país de modo imparcial”.

Comentando a decisão, o grupo homossexual inglês Stonewall declarou: “Não estamos surpresos que a decisão do tribunal tenha deixado claro que as pessoas em empregos públicos não podem pegar e escolher quais leis acatar. Embora sem desrespeitar as opiniões religiosas particulares de ninguém, todas as personalidades públicas têm de trabalhar dentro da lei e nesses casos nos melhores interesses das crianças envolvidas”.

Embora o grupo Stonewall tenha recebido a decisão de forma calma e “democrática”, sempre que os tribunais não decidem conforme a ideologia homossexual, os ativistas gays costumam reagir com todos os tipos de atitude — menos calma. A agressividade dos protestos e reivindicações do movimento homossexual são muito bem conhecidas. Se a decisão do tribunal tivesse respeitado as convicções do juiz cristão, Stonewall e muitos outros grupos começariam a gritar de revolta e indignação. Quando as leis lhes favorecem, eles as louvam e obedecem. Quando não favorecem, eles simplesmente as repudiam e lutam para mudá-las.

Os ativistas gays não são como os cristãos. Quando uma lei oprime e discrimina a ética cristã, muitos cristãos se resignam e abstêm-se de agir. Quando uma lei não está de acordo com a ideologia homossexual, os militantes gays se unem para derrubá-la custe o que custar. Assim, os militantes das trevas se mostram muito mais espertos, empenhados e unidos em defender seus próprios interesses do que os “militantes” da luz, que mal sabem militar e mal levantam um dedo quando as trevas ameaçam engolfar os cristãos e seus valores.

Com o movimento homossexual em ação, os cristãos estão começando cada vez mais a perceber que terão de se calar, sofrer perseguição — ou então se unirem e lutarem. Os militantes gays não descansarão até verem a última lei modificada a favor de seu comportamento.

Andrea Williams, da Sociedade dos Advogados Cristãos, lamentou a decisão que invalidou a postura ética cristã de McClintock: “Esse caso é um quadro claro de como a fé cristã está se tornando privatizada na sociedade. É ainda outro exemplo da repressão da consciência cristã e sinaliza a prevalência de uma ‘nova moralidade’ secular e a erosão dos valores cristãos às custas do bem-estar de nossas crianças”.

Além de obrigar os juizes a entregar crianças em adoção aos homossexuais, a lei de orientação sexual também obriga as escolas inglesas a ensinar o homossexualismo como comportamento igual ao sexo normal.

O que está acontecendo na Inglaterra é um exemplo para o Brasil. As leis de parceria civil, orientação sexual, preconceito sexual e outras leis de favorecimento ao homossexualismo acabam invariavelmente se transformando em grave ameaça à liberdade religiosa dos cristãos.

Se as igrejas cristãs do Brasil continuarem dormindo, poderão algum dia acordar amordaçadas e acorrentadas pelos tribunais da terrível Inquisição Gay.

O tempo de acordar é agora.

O tempo de agir contra leis de parceria civil, orientação sexual e preconceito sexual é agora.

Se os cristãos não fortalecerem as leis contra as práticas homossexuais, inclusive a pederastia (sexo entre homens e meninos), os militantes homossexuais fortalecerão as leis contra os cristãos — até mesmo proibindo o mero ato de citar os versículos da Bíblia que condenam o homossexualismo.

Fonte: www.juliosevero.com.br; www.juliosevero.com

Leitura recomendada:

A Bíblia e o homossexualismo

9 comentários:

Anônimo disse...

Perfeito. Nada a acrescentar.

Pedro Rodrigues dos Santos disse...

Como conhecedor da Palavra de Deus, eu agiria da mesma forma que esse juiz: eu jamais aprovaria a adoção de uma criança por casais homossexuais

Pedro Rodrigues dos Santos disse...

Como servo de Deus, eu nunca aprovaria uma aberração dessas: aceitar que um casal homossexual adote uma criança

dijiuba disse...

Eu não me absteria mas protestaria. Chega de calação e de nos escondermos diante das atrocidades contra a Palavra de Deus.
Esta é uma luta contra os poderes das trevas.

Jocsã disse...

Deus, verdadeiramente o Sr. está voltando.

bebeto_maya disse...

Mas vocês não sabem o que é pior...Hpmossexual se casando no civil? Não. Calando-nos por fim da força? Não. São as escolas deturpando o pensamento de nossas crianças com a bela "ideoloia" gay e nossas Igrejas sendo obrigadas e casar gays, e arrancar páginas de suas escrituras em favor deles...

biano disse...

tomar uma decisão entre seu "bom" emprego sabendo que pode perde-lo e Deus, não é tão fácil assim, creio que não são todos que estão prontos para isso; fico feliz por saber que existe cristãos sérios e tais posturas são exemplos para serem seguidos nestes últimos dias, sabendo que quem nos supri não são os meus estudos e conhecimentos humanos, mas é Deus, Pai e Senhor de todas as coisas

Anônimo disse...

Creio que coisas terriveis como essas acontecendo, é mesmo sinal dos fins dos tempos, apesar de que ja ter havido Sodoma e Gomorra,ect,nossos dias esta realmente terrivel.Só cristaõs fieis a palavra de Deus como esse juiz para fazer algo nesses ultimos dias. Que Deus nos sabedoria, discernimento, coragem, para sempre nos levantarmos em favor da verdadeira verdade " A Palavra de Deus" "A BIBLIA" Meu Deus tem misericordia do teu povo que se chama pelo teu nome, abre nossos olhos e da-nos discernimento nesse dificil tempos do fim.Outra coisa´que precisamos tambem é tomar conhecimento, pois muitas coisas ditas aqui por Julio Severo, eu pessoalmente nunca tinha ouvido nada a respeito, como apoio do nosso presidente a Gays ect. As vezes somos muito mal informados,mas creio que hoje é bem capaz de acharmos poucos ou nehuma autoridade de contradizer absurdos como estes, so mesmo o Senhor Jesus Cristo para nos dar orientação, e voltando para retirar sua verdadeira Igreja do meio de tanta calamidade. Meu Deus!!!!!!!!!!!!SOCORRO!!!!!!!!!!!!

Nathassia disse...

É muito triste o rumo que a legislação de alguns países tem tomado, e nós Igreja de Jesus, precisamos orar muito por essa questão. Orar pra que Deus levante a Igreja para ser influência nesse meio.Orar para que Deus proteja nossa Nação dos ataques de satanás.... Eu como acadêmica de Direito e Cristã, tenho me preocupado com o futuro de nossa Nação e quero despertar para oração nesse sentido. Que o Senhor Jesus nos livre de todo mal e nos fortaleca, porque cada dia que passa é mais difícil viver nesse mundo sendo fiel a Deus.