10 de outubro de 2006

Pregando muito mais do que o Evangelho: a teimosia esquerdista da Ultimato

Pregando muito mais do que o Evangelho: a teimosia esquerdista da Ultimato

Julio Severo

Conheço a revista Ultimato há anos. Reconheço sua qualidade gráfica e editorial. Reconheço também que sabem escrever textos muito bons quando querem.

No que se refere a questões do Evangelho, sem subtrações ou adições, Ultimato poderia cumprir um papel adequado se não tivesse envolvimento político. Não que os evangélicos devam evitar tal envolvimento, mas quando não se sabe trabalhar numa área, é melhor ficar de fora. O ideal seria aprender a agir direito na política, honrando os valores da Palavra de Deus. Mas depois de anos sem se desviar do esquerdismo, não seria tarde demais para a Ultimato?

O leitor não tem nenhuma escolha: Quer ele perceba ou não, quer goste ou não, ao ler Ultimato ele ganha um bônus: sua mente é enlaçada, direta ou indiretamente, em variadas idéias socialistas e socializantes.

Embora não declare explicitamente sua preferência político-ideológica, suas páginas muitas vezes misturam belas palavras do Evangelho com adições políticas notáveis dos “pecados” americanos e subtrações políticas igualmente notáveis dos “pecados” esquerdistas onipresentes no Brasil. Em outras palavras, Ultimato une o útil (o Evangelho, que sempre exerce atração) com o desagradável (o esquerdismo em todas as suas formas e camuflagens).

Em recente edição, com o título de capa “A maré evangélica”, Ultimato nos traz os seguintes textos:

Ultimato e as mentiras de Bush, de novo…

Na página 15, há um artigo politiqueiro e meloso sobre a mãe de um soldado americano que morreu no Iraque. Desde o começo da guerra no Iraque, Ultimato vem se esforçando, a exemplo de todos os esquerdistas mundiais, em atacar Bush de todas as maneiras possíveis, sutis ou não. Como todos os esquerdistas, Ultimato vê Bush como mentiroso, mas pouco ou nada opina sobre a “honestidade” de Lula. A fim de discretamente sustentar sua convicção de Bush como mentiroso, Ultimato cita a angustiada mãe americana: “Ter um filho assassinado por mentiras, erros e traições é sombrio e triste”.

O serviço militar nos EUA não é obrigatório. Só é enviado à guerra quem escolheu voluntariamente entrar nas Forças Armadas. O filho da americana amargurada e explorada pelos esquerdistas, pelos liberais e pela Ultimato não é o primeiro adulto a fazer escolhas diferentes da vontade da mãe. Em contraste, o neto do evangelista Billy Graham se apresentou voluntariamente para o serviço militar e hoje está atuando no Iraque, com o apoio da família.

Agora, se o serviço militar nos EUA fosse obrigatório como é no Brasil, teríamos todo motivo para aplaudir o texto de Ultimato. Nenhuma mãe, pai, irmão e parente gostaria de ver um jovem da família sendo forçado ao serviço militar — que é exatamente o que ocorre no Brasil. Se um louco na presidência do Brasil cismar de fazer guerra, os jovens brasileiros não terão escolha: serão obrigados a fazer a vontade do louco. Com o presidente que o Brasil tem hoje, amigo dos loucos Hugo Chavez e Fidel Castro, temos todo motivo para temer se Lula resolver fazer guerra. Assim, em vez de se preocupar com situações bem longe, Ultimato bem que poderia se levantar contra a obrigatoriedade do serviço militar no Brasil.

Ultimato poderia também se levantar contra a lei que obriga os cidadãos do Brasil a votar. Essas leis são injustas e antidemocráticas. Em comparação, os americanos não são obrigados a votar nem a entrar nas Forças Armadas.

Além disso, em vez de demonstrar suposta preocupação com os soldados americanos que morrem no Iraque, Ultimato deveria considerar os seguintes fatos:

Depois que os americanos chegaram ao Iraque, os ataques terroristas contra Israel diminuíram.

Morrem todos os anos mais de 50 mil brasileiros, vítimas de assassinato. Por que Ultimato não se preocupa com eles? Para que criticar problemas de tão longe quando o Brasil tem problemas grandes o suficiente?

Comparações estranhas e doentias

Na página 16, Ultimato alfineta: “A pena de morte americana e menos ainda a chinesa não produzem a justiça de Deus”. Mas o que tem a ver a pena de morte americana, que pune criminosos assassinos devidamente julgados e condenados, com a pena de morte chinesa, que assassina pacíficos opositores políticos e até mesmo cristãos? O que a injustiça assassina dos comunistas chineses tem a ver com a justiça americana contra os criminosos? Por que Ultimato não se preocupa com a pena de morte que os assassinos no Brasil utilizam livremente contra os cidadãos brasileiros?

Logo em seguida, Ultimato alfineta mais ainda: “A destruição das Torres Gêmeas de Nova Iorque e muito menos a Guerra do Iraque não produziram nem estão produzindo a justiça de Deus”. O que o ataque terrorista contra os EUA tem de igual com o esforço bélico americano de eliminar os focos terroristas do Iraque? A ausência de padrão moral bíblico equilibrado poderia levar Ultimato a declarar: “Os assaltos e estupros em São Paulo cometidos por criminosos e muito menos as ações da polícia contra eles não produziram nem estão produzindo a justiça de Deus”. Faz sentido, se seguirmos a lógica da Ultimato.

Ultimato e todos os evangélicos progressistas deveriam entender que o seu padrão de [in]justiça esquerdista não representa o padrão da justiça de Deus.

O veredicto dos boateiros não mudou: “Bush mentiu”

Na página 21, no artigo “Os trunfos da mentira”, Ultimato cita novamente a amargurada mãe americana, que afirmou: “Os mentirosos e as mentiras que levaram os Estados Unidos a invadirem o Iraque são muitas e bem documentadas”. Essa declaração refere-se à convicção esquerdista universal de que Bush mentiu ao dizer que o Iraque tinha armas de destruição em massa. Contudo, a existência dessas armas está muito bem documentada, mas essa verdade não tem utilidade alguma para os esquerdistas. Eles odeiam Bush e suas posições conservadoras e farão qualquer coisa, inventarão qualquer coisa e recorrerão a qualquer recurso para atacá-lo. De modo inverso, eles farão qualquer coisa, inventarão qualquer coisa e recorrerão a qualquer recurso para sustentar sua omissão diante da óbvia realidade de podridão em que está mergulhado o governo esquerdista de Lula.

É a segunda vez que tenho de lidar com a Ultimato por seus textos atribuindo mentiras ao presidente americano.

Paul Freston: antipatia sólida ao conservadorismo evangélico

Nas páginas 24 a 29, Paul Freston começa seu artigo notando admiravelmente que, enquanto a Europa está enfrentando uma crescente descristianização, os Estados Unidos não acabaram seguindo o padrão europeu. No entanto, nem passa pela cabeça de Freston que, enquanto o Cristianismo está morrendo numa Europa cada vez mais socialista, o Cristianismo nos EUA está se revitalizando com igrejas que fortemente combatem o próprio socialismo que vem substituindo o papel de Deus e do Cristianismo na vida dos europeus. Mesmo sem gostar, Freston reconhece que “os evangélicos dos Estados Unidos têm se tornado cada vez mais influentes em uma direção conservadora”.

Enquanto isso, segundo observação de Freston, muitos evangélicos do Terceiro Mundo estão seguindo uma linha diferente dos evangélicos americanos. Embora seu crescimento numérico seja surpreendente, em muitas questões políticas nota-se a forte influência do padrão europeu de acomodação ao socialismo, um padrão cada vez mais presente nas igrejas evangélicas do Terceiro Mundo. Provavelmente — sob a influência de meios de comunicação evangélicos como Ultimato e rádios, revistas e TV da Igreja Universal, etc. — essas igrejas entendem o socialismo como uma espécie de braço político natural do Cristianismo. É o que se tem visto, por exemplo, no apoio a Lula, que alega defender os pobres, mas cujo governo promove valores contrários aos valores cristãos, principalmente na questão do aborto e homossexualismo. Evangélicos que se identificam com o padrão europeu de assimilação à social democracia (socialismo light, com conseqüências que incluem a estagnação da genuína ação política cristã diante da avalanche de direitos pervertidos que todo tipo de socialismo provoca) estão garantido futura impotência espiritual por amor a um namoro político com a esquerda supostamente para beneficiar os pobres. O exemplo da Europa é um alerta sombrio para esses evangélicos utópicos.

Na sua matéria, Freston gastou bastante tempo para lidar com a questão da Guerra no Iraque, de acordo com a própria posição da Ultimato, tentando provar que os cristãos do Terceiro Mundo seguem servilmente a ideologia socialista nas posições anti-americanas. Aliás, Freston chega realmente a afirmar: “No Brasil, onde está a maior comunidade de evangélicos fora dos Estados Unidos, a revista Ultimato mostrou total oposição à [Guerra no Iraque. Ultimato] critica os evangélicos dos Estados Unidos…” De fato, Ultimato já provou muitas vezes e em muitas edições que sabe criticar os EUA e os cristãos americanos. Falta-lhe apenas aprender como utilizar os mesmos dons para lidar com Lula e os evangélicos progressistas que trabalham febrilmente para sustentar uma imagem positiva de Lula e da esquerda.

Em outro artigo na mesma edição de Ultimato, página 30, Freston volta sua mira para a teologia da prosperidade, sem citar nomes. Muitos anos atrás, na própria Ultimato, Freston havia se queixado da oposição da Igreja Universal a Lula e ao PT. Hoje, para a imensa alegria de Freston e Ultimato, a IURD ama a quem no passado abominava. A IURD e o PT andam hoje de mãos dadas em todo o Brasil. Freston critica a teologia da prosperidade sem citar os nomes óbvios, pois com a IURD essa teologia hoje está bem casada com o PT.

O poder das máfias da esquerda encontra-se hoje no poder e aliado com máfias evangélicas, que estão na mesma lama. O ex-Bispo Carlos Rodrigues, um dos fundadores da IURD, caiu em escândalos imensos por suas nefastas ligações com o PT. Ele foi o grande responsável pela união IURD-PT. Freston tem razão: os evangélicos do Terceiro Mundo estão seguindo uma linha bem diferente dos evangélicos conservadores dos EUA. Ele só não disse que, seja no Brasil, na Europa ou nos EUA, os evangélicos progressistas são iguais e igualmente tolos ao se venderem a uma ideologia abundante de ilusões, corrupção, mentiras e derramamento de sangue.

Israelenses e árabes muçulmanos: tudo igual?

Na página 41, Ricardo Gondim revela finalmente (para quem nunca teve a oportunidade de ver e ouvir a imprensa liberal e esquerdista do Brasil) a realidade do conflito no Oriente Médio: “Percebo que israelenses e árabes se sentem estrangeiros na Palestina. Noto que ambos já se cuspiram no rosto e que um quer ser grande e forte o suficiente para matar o outro”.

Gondim cometeu estranhos equívocos aí. Se os judeus se sentissem estrangeiros em Israel, eles não sairiam de diversas partes do mundo para morar naquela região. Será que ele jamais leu nenhuma passagem na Bíblia sobre a promessa de Deus dando a terra física de Israel para a descendência física de Abraão, Isaque e Jacó? Será que ele nunca leu nenhum versículo bíblico sobre a volta dos judeus à sua terra?

Alguém que conhece Gondim pessoalmente também precisa esclarecê-lo que Deus jamais mencionou Palestina na Bíblia. Palestina é o nome que os romanos deram à terra de Israel, em homenagem aos filisteus, inimigos de Israel. Os romanos trocaram o nome de propósito, por desprezo e ódio aos judeus.

Gondim notou “que um quer ser grande e forte o suficiente para matar o outro”. Israel já é forte. Israel possui armas nucleares. Se Israel pensasse exatamente como Gondim pensa, os vizinhos árabes estariam extintos há anos.

Se os árabes tivessem essas armas, eles fariam o que Gondim imaginou. Sem armas nucleares, diariamente os árabes prometem (e dão abundantes provas) que querem destruir Israel.

Contudo, como parece que para Gondim os dois lados são iguais, somos forçados a imaginar dois grupos no Oriente Médio que querem se matar. Tente imaginar. De um lado, menos de 5 milhões de judeus, vivendo num país apertadinho, bem menor do que o nosso pequeno Estado do Espírito Santo. Do outro lado, 500 milhões de árabes muçulmanos vivendo numa região bem maior do que o Brasil inteiro. Os pouquíssimos judeus que vivem em alguns países muçulmanos são perseguidos e maltratados. Os muitos árabes muçulmanos que vivem dentro de Israel são respeitados em seus direitos humanos. Parece tudo igual, não?

Agora, para que essa igualdade fique mais clara ainda, para você entender o ódio “mútuo” de destruição, os judeus que vivem em outros países não cometem atos terroristas contra ninguém. Já viu um grupo de judeus seqüestrando aviões para lançá-los contra prédios? Já viu judeus cortando a cabeça de americanos ou europeus e mostrando tudo em vídeo para todos verem?

Pois é, o que os árabes muçulmanos fazem com Israel no Oriente Médio também fazem em qualquer lugar do mundo em que vivem. Mas para Gondim os judeus são diferentes, muito diferentes dos judeus que você conhece da Europa, EUA e outros países, que são pacíficos, mas que (por algum motivo que só Gondim sabe explicar) logo que chegam à sua terra ancestral se tornam automaticamente violentos e possuídos de ódio para destruir os árabes.

Só os muçulmanos é que não mudam. Para onde vão, levam o terrorismo junto.

Na própria Europa, onde os judeus, em menor ou maior grau, sempre foram perseguidos, os muçulmanos têm uma experiência diferente. Enquanto muitos judeus estão fugindo da França e outros países europeus por causa de perseguição, os muçulmanos estão… criando tumultos, ameaçando atentados, planejando atos terroristas! Se de fato houver algum tipo de igualdade aí, só Gondim consegue enxergar — com a estranha ética esquerdista de Ultimato.

Alguém poderia perguntar a Gondim: Onde é que judeus e árabes muçulmanos são iguais?

Os judeus e árabes são tão iguais que um costume universal, até mesmo no Brasil, é debochar de judeus. Lembro-me de que na escola desprezavam um rapaz judeu, só porque ele era judeu. No Brasil, e em muitos lugares, os judeus são vítimas de muitos adjetivos negativos. Mas não é costume universal debochar dos árabes e muçulmanos.

Os judeus não revidam os deboches e humilhações. Se você acha que Gondim está certo em sua idéia de que judeus e árabes são iguais, tente debochar de árabes e muçulmanos, se tiver coragem e muita proteção!

Não estou escrevendo este texto para atacar Gondim, mas percebo que se a desinformação reside nele, então seus leitores poderão ter pouca chance de se esclarecer, pois muitos dependem de escritores como ele para se informar, e aí acabam também se desinformando.

Receita européia para destruir o Cristianismo no Brasil: misturar o Evangelho de Jesus Cristo com o “evangelho” de Karl Marx

O socialismo pesado (da China, Cuba, Coréia do Norte, etc.) tenta matar o Cristianismo perseguindo, torturando e matando os cristãos. O socialismo light (da Europa e Canadá) tenta matar o Cristianismo envolvendo as igrejas e seus membros na acomodação ao Estado que ocupa o lugar de Supremo Provedor que pertence somente a Deus. Um mata o corpo, o outro amortece o espírito.

Do ponto de vista espiritual, a mistura do Evangelho de Jesus Cristo com o “evangelho” de Karl Marx é um experimento incompatível, porém os evangélicos progressistas pensam de modo diferente. Eles insistem em fazer do Evangelho de Jesus Cristo palanque para o “evangelho” de Karl Marx.

Para quem não sabe, Karl Marx é o pai de todos os tipos de comunismo, socialismo, marxismo, esquerdismo e todas as outras ideologias afins que competem com o verdadeiro Evangelho na conquista do coração dos pobres, com uma mensagem de esperança, libertação e mudança especialmente dirigida a eles. A diferença é que no rastro de um há mais de cem milhões de vítimas assassinadas e um número muito maior de torturados e injustiçados. No rastro do outro, há vidas genuinamente libertas, curadas e transformadas.

O socialismo sempre iludiu os pobres e oprimidos, por apresentar uma proposta de esperança que tenta roubar do Evangelho de Jesus Cristo seu lugar legítimo e único de assistência aos pobres. No socialismo, o Estado é Deus. O Estado promete tudo a todos — embora sempre acabe tirando muito mais do que “dá”. No Cristianismo, Jesus é Deus. E Ele — e somente Ele — é que pode ajudar tudo e todos. Em vez de escolherem um ou outro, os evangélicos progressistas (imitando seus companheiros católicos da Teologia da Libertação) preferem ficar com os dois, misturando uma ideologia de vida com uma ideologia assassina. Afinal, as promessas do socialismo são tentadoras, tão tentadoras quanto as promessas do autor original de toda tentação. É por isso que, apesar de todo o seu imenso fracasso e derramamento de sangue durante a História, o socialismo seja ainda acolhido, amado, elogiado e adorado por multidões mental e moralmente anestesiadas, inclusive entre evangélicos.

“E isso não é de admirar, pois até Satanás pode se disfarçar e ficar parecendo um anjo de luz. Portanto, não é nada demais que os servidores dele se disfarcem, apresentando-se como pessoas que fazem o bem. Mas no fim eles receberão exatamente o que as suas ações merecem”. (2 Coríntios 11:14-15 NTLH)

Na balança da Ultimato, a esquerda leva sempre vantagem, seja pela omissão escandalosa dos vastos problemas que o PT e outros partidos de esquerda vêm trazendo para o Brasil ou pela imitação escandalosa do comportamento padrão da esquerda mundial, que só vê problemas nos evangélicos conservadores dos EUA.

É hora de olhar exclusivamente para o Brasil

O Brasil está vivendo um verdadeiro caos, com muita lama e corrupção. Por pura coincidência, grande parte dessa lama e esgoto tem origem nitidamente esquerdista. Apesar disso, há muita gente que, como o próprio Lula, prefere fingir que não vê nada. Outros continuam desviando sua atenção, como se a realidade estive cruelmente contrariando suas preferências políticas. Outros, pior ainda, olham e incentivam outros a olhar para bem longe do Brasil, talvez para não se lembrarem da lama em que está o Brasil.

Neste grave momento em que se encontra o Brasil, em que aproximam-se as eleições, será que Ultimato e todos os que se dizem comprometidos com Cristo deveriam se ocupar com problemas de longe?

Vamos olhar bem para o Brasil, a fim de reconhecer sua triste realidade. Vamos olhar bem para o presidente e vê-lo como Jesus Cristo veria. Vamos, como evangélicos, buscar soluções não no homem e suas vãs ideologias, mas em Deus. Chega de depositar flores, esperança e fé num sistema político falido que só trouxe prejuízos para a humanidade.

Chegou a hora de aceitar a realidade: Lula e seus companheiros precisam apenas de nossas orações, não nossos votos.

Fonte: www.juliosevero.com; www.juliosevero.com.br

Leitura recomendada:

Quem deve governar o Brasil: os maus ou os bons?

Jesus e os pobres: nenhuma semelhança com o socialismo

A Grande Mentira: O Socialismo Começou na Bíblia

O papel do governo e os cristãos

Ajudando a Cuidar da Saúde da Sociedade

Brasil Sem Homofobia: o que o governo Lula está fazendo para impor o homossexualismo no Brasil

8 comentários:

Marcelo Medeiros disse...

Li pouca coisa publicada pela Ultimato,talvez esta seja a causa de não ter a mesma visão que o autor do blog.
Mas na medida em que ia lendo,me lebrei de que uma coisa é fato. A Bíblia dispensa todas estas ideologias de esquerda.
Tanto os profeta quanto os Evangelhos, já trazem o suficiente para que como cristãos lutemos por uma sociedade mais justa. Basta ler IS 58; e constatar.

Marcelo Medeiros disse...

Muito mais do criticar o vulgo "evangelho social"; necessário se faz elaborar uma teologia que aborde a doutrina em sua pureza bíblica e, ao mesmo tempo, nos sirva de norteador para as demais práticas na vida social e política.

Em outras palavras precisamos erguer a espada que nos foi dada e apontá-la contra os vícios e práticas nocivas desta sociedade capitalista. É importante denunciar o caráter subversivo das ideologias de esquerda, mas é igualmente necessária a denúncia dos abusos que o capitalismo pratica.

Se o procedimento de Busch fosse compátível com a fé cristã o mundo ñ estaria celebrando o Obama com símbolo de ruptura com o arcaísmo. Mas creio que as ações deste trouxeram muito prejuízo à causa cristã.

Quanto ao Lula, e à sua política de apoio às ideologias contrárias à santa Palavra de Deus, isto é apenas o sintoma do quanto as ideologias de esquerda estão se esvaziando.

Em épocas passadas, estas defendiam causas de caráter mais social. Após a queda do muro de Berlim e o surgimento do neo-liberalismo, (funesta síntese do que há de pior no capitalismo e de nefasto no comunismo stalinista), estas foram engolidas.

A forma com a qual o Lula chegou ao poder o mostra. Personagens típicos do movimento direitista, compuseram a base que o projetou e finalmente o elegeu.

Não é de todo absurda a conclusão de que o "movimento de esquerda", no fundo, no fundo, está bem desconfigurado. Daí a necessidade que temos de desenvolver uma Teologia que considere os aspectos doutrinários e as práticas socias asseveradas de um extremo a outro na Bíblia.

Julio Severo disse...

O marxismo sempre foi uma máquina assassina. Vejo artigo neste link: http://juliosevero.blogspot.com/2008/10/marxismo-selvagem.html

Aproveite e veja os vários outros links no final do artigo sugerido.

Marcelo Medeiros disse...

AGRADEÇO PELO ARTIGO INDICADO TÃO LOGO TENHA TEMPO FAREI LEITURA E ANÁLISE DO MESMO

POR ORA, ME ATENHO A FAZER AS SEGUINTES CONSIDERAÇÕES:

Em ponto algum da minha postagem defendi o Marxismo. Sou o mesmo que disse que a Bíblia dispensa toda e qualquer ideologia esquerdista.

Ademais nunca cri na capacidade das ideologias esquerdistas cumprirem suas promessas. Estou mais para Hobbes, que afirmava que o "homem era o lobo do homem" do que para acreditar que a humanidade corrupta possa estabelecer um reino baseado na justiça e na eqüidade. Esta é a questão central nesta discussão, não a superioridade do capitalismo, ou a do Comunismo.

Minha segunda colocação, é que precisamos conciliar ortodoxia bíblica, com a ação. Isto está colocado nas Escrituras (Tg 1. 22 - 27).

A mesma pelavra que foi enxertada em nós é poderosa para salvar a nossa alma. Todavia ela precisa se expressar em ações, ou seja visitar os órfãos e as viúvas em suas necessidades e guardar-se da contaminação que há no mundo (inclua-se aqui a contaminação político-ideológica).

Todavia, necessário se faz considerar que jamais os pricípios postulados por Marx nunca foram aplicados na realidade (graças a Deus!!!, ufa!). O que se viu na Europa "Oriental?", foi stalinismo, um fenômeno que toma idéias de Marx emprestadas a fim de justificar uma prática política e ideologicamente incompatível com o que o próprio Marx defendia.

Mais uma coisa o capitalismo, também é uma máquina assassina. E o pressuposto da eqüidade fundado na palavra de Deus, nos leva a considerar isto.

Estamos combatendo moinhos de vento!!!

Desde já que a paz de Deus que excede a todo o entendimento guarde os nossos corações. Um abraço em Cristo irmão Júlio.

Julio Severo disse...

Prezado Marcelo, o marxismo não deu certo e nunca dará certo porque seu autor, Karl Marx, era satanista. Corrompido ou não, o marxismo é diabólico e assassino. Agora, o capitalismo foi criado por João Calvino e amplamente aplicado na Suíca, que usufruiu desse sistema durante séculos, com muita prosperidade e felicidade. Outras nações imitaram e prosperaram. O que se vê hoje é a ganância tomando conta. Em si, o comunismo, socialismo, etc., são errados e malignos. Mas tal não é o caso do capitalismo. Dá para se curar o capitalismo atual, mas é impossível "curar" o socialismo, pois suas raízes são diabólicas.

Marcelo Medeiros disse...

Caro Jùlio, segundo você o capitalismo foi criado por João Calvino, coisa que jamais me ensinaram nas aulas de Sociologia no Ensino médio (meus préstimos por tão grande favor!). E nunca li em nenhum livro.

Até onde sabia, ele era uma produção da burguesia, que foi apoiada, e apoiou os protestantes, em razão da oposição a um inimigo comum, o feudalismo e a nobreza.

Quanto a sua colocação de que dá para curar o capitalismo, vc está - consciente, ou não fazendo uma opção política, ao invés de teológica. Do meu ponto de vista (que adimito ser a vista de um ponto) creio mais na conversão de Satanás do que nisto.

Mais uma coisa não me interessa defender o marxismmo. Minha opinião sobre o mesmo foi exposta com clareza.

Meu interesse é apenas apontar a necessidade de uma leitura integral da Bíblia, que considere a doutrina, mas que não ignore textos como Lv 25; Is 58; Mt 25. 31 - 45; Ef 4. 29; só para citar alguns.

Mais uma coisa, Israel desfrutva de relativa prosperidade quando Deus levantouu Jeremias para anunciar o juízo sobre a nação (Jr 12. 1 - 3). Mesmo no cativeiro, eles foram com a promessa de Deus de que lá haveriam de prosperar.

Pergunto: o que prosperidade tem a ver com certo ou errado, com ortodoxia e, ou heresia?

Sobre a cura para a humanidade em si, Ver mais detidamente Is 58. 6 - 9.

Desde já solicito a fonte que diz que Karl Marx foi satanista (Quem sabe não a utilizo nos debates acadêmicos, ou no seminário?!), e agradeço a paciência em ler e responder.

Um abraço!!!

Marcelo Medeiros

Julio Severo disse...

Se quiser, posso lhe enviar o livro "Era Karl Marx um Satanista?", escrito por um pastor luterano. Essa pastor, que era judeu, nasceu e sofreu na antiga Europa Oriental comunista. É só você me enviar seu email. Não me admira você não ter aprendido isso nas aulas de sociologia do ensino médio. A educação hoje no Brasil é ideológica e doutrinária, encaminhando os alunos aos pastos marxistas. Daí, hoje no Brasil se detesta o capitalismo tanto quanto Stálin e Hitler o detestavam.

Handerson Xavier disse...

Post consciente. Faz muito tempo que as matérias da Ultimato deixam a desejar. Lia, não me dou mais o trabalho de ler.